Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O senhor que se segue…

Leão Zargo, em 07.08.15

 

18705271_MmzpU.jpg

A movimentação do Sporting no mercado de transferências, e a vinda de Alberto Aquilani nas últimas horas, é reveladora da mudança de filosofia desportiva que se verificou no clube com a contratação de Jorge Jesus. Não está em causa a valia futebolística de alguns dos jogadores, mas a constatação de que afinal não havia qualquer Projecto desportivo sério e consolidado inspirado por Bruno de Carvalho.

 

Ainda há pouco tempo contratavam-se jogadores “jovens, baratos e de elevado potencial” e deles quase nada resta em Alvalade. Foram muitos, mas valeu Paulo Oliveira e pouco mais. Com Jorge Jesus alterou-se o discurso e optou-se por “jogadores com mais experiência que acrescentassem mais-valia ao plantel”. Uma mudança assim parece revelar uma confissão de fracasso estratégico, embora não assumido por Bruno de Carvalho.

 

Alguns dos dogmas fundamentais que sustentavam a orientação programática e decisória do Sporting foram pela borda fora. Refiro-me, nomeadamente, à dimensão financeira e às suas prioridades, à função da "estrutura" no futebol do Sporting e à área de competência do treinador. A mudança foi de tal ordem que, dir-se-ia, verificou-se um golpe de Estado no clube.

 

A nova filosofia desportiva construiu-se devagarinho. Começou com a afirmação que bastariam três a cinco contratações de jogadores experientes, visando optimizar a integração dos atletas provenientes da Formação. Os sportinguistas, em geral, até aplaudiram, pois agora é que seriam as “contratações cirúrgicas”.

 

No entanto, já desembarcaram em Alvalade oito atletas: Azbe Jug, João Pereira, Naldo, Ciani, Aquilani, Bruno Paulista, Bryan Ruiz e Téo Gutiérrez. Quase todos com o selo de experientes. Mas, ao que parece isto não vai ficar por aqui, até porque para além de Cédric ainda não foi “vendido” mais algum jogador da formação… que é onde, por norma, o Sporting costuma fazer algum dinheiro.

 

Entretanto, escolheu-se um argumento de elevada eficácia: fomos aos focinhos dos lampiões! E, por todo o lado, muitos sportinguistas repetem satisfeitos a mesma narrativa. Esta vontade de irmos aos focinhos deles é antiga, vem pelo menos desde o tempo do Eusébio, e não me recordo de grandes proveitos. Há relativamente poucos anos verificou-se um caso com o Paulo Sousa e o Pacheco e no final ficámos a chuchar no dedo.

 

O fim abrupto da era de uma presidência que se assumiu como praticante da "hiper-liderança" especializada na "micro gerência” revela que a história está mal contada. Receio que se a bola bater na trave e não entrar que o Sporting viverá tempos ainda mais difíceis do que o pós-Godinho Lopes.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:52

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds