Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




thumbnail_monk (2).jpg

O Sporting tem sido uma grande lição de sociologia e até de antropologia nos últimos anos da sua história.

Na gestão do destituído, descobrimos uma franja de Sócios e Adeptos, ilustres e anónimos, que estão sempre bem com quem está no poder.

Uma grande maioria entre nós só descobriu, ou aceitou descobrir o embuste que era o destituído a poucos dias da sua destituição. Até essa data, lá estavam eles nas comissões de honra, na defesa do querido líder nas televisões, jornais e outras tertúlias. Hoje, poucos ousam assumir esse erro. É um mero sintoma natural de falta de carácter não assumir o comportamento passado. Aliás, agora muitos decidiram nunca mais defender nada nem ninguém. Assim sempre poderão dizer, a longo prazo, “eu bem avisei”. Alguma vez terão que ter razão. É o equilíbrio natural da sua espécie no campo das frustrações.

Mais recentemente, e após o ataque à Academia, temos aferido uma estirpe de criaturas que insiste em viver na dimensão da cabala e da conspiração. A maçonaria, os Illuminati, os banqueiros e os políticos, os croquetes e a justiça, a Opus Dei ou o gang do bairro do Aleixo, tudo foi montado e preparado para prejudicar um grupo de rapazes que hoje vivem na injustiça de estarem a passar por um julgamento, imaginem só, porque invadiram uma propriedade privada, agrediram pessoas e destruíram equipamentos e outros materiais.

Feitas bem as contas, as claques é que fundaram o Sporting. Os presos, agressores e outros criminosos que lesaram o Clube em milhões de euros e em muitos outros milhões na sua reputação de Marca, são as grandes vítimas deste filme. Os jogadores e outros agredidos, uns meninos, uns cobardes, uns traidores. O mundo pula e avança como bola colorida nas mãos de uma criança.

A leviandade com que se afirmam certos “princípios”. A ignorância com que se defende a mentira e a suposição... O Sporting tem um capítulo na evolução das espécies, o capítulo da regressão intelectual.

Que se saiba capitalizar estes períodos históricos recentes para entender quem quer servir ou quem se quer servir.

Parece-me tudo tão claro actualmente... Basta acreditar e colocar o Sporting primeiro. Repito, o Sporting Primeiro.

Texto da autoria de R.A.

publicado às 03:04

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


1 comentário

Sem imagem de perfil

De José Silva a 12.12.2019 às 11:59

Bom dia. Excelente têxto de Rui Gomes com algum eufemismo à mistura enriquecendo ainda mais o "post" em questão. Estou plenamente de acordo com tudo aquilo que é descrito. Saudações leoninas.

José Silva

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds