Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




18092981_BA9FI.jpeg

Bruno Fernandes tem absoluta razão quando critica as horas absurdas, cada vez mais à noitinha, a que são realizados em Portugal uma importante parte dos jogos de futebol.

Trata-se de um bastante oportuno e legítimo alarme, que deve ser acolhido com a máxima consideração face a uma prática crescentemente abusiva que impede a grande maioria dos apaixonados pelo futebol de presenciar os encontros ao vivo (com excepção, claro, dos residentes na mesma área onde, eventualmente, os jogos têm lugar) – afastando dos estádios o público que prioritariamente interessa, nomeadamente as famílias, as crianças e os idosos.

Perante a realidade de que o futebol deixou de ser um desporto desde que foi confiscado ao povo para ser explorado como espectáculo nocturno televisivo, conclui-se, logicamente, que as televisões exercem um poder arbitrário sobre os horários dos jogos, sempre na expectativa de que a maior massa adepta possível opte por ver os desafios em casa – mesmo que irritantemente assediada pelas intermináveis cargas de publicidade comercial geralmente atracadas ao futebol e das quais, precisamente graças ao futebol, as estações televisivas essencialmente se alimentam. Rejubilando por aumentar as suas audiências à custa do público que, em prejuízo das receitas dos clubes, desvia dos estádios (a maior parte destes deprimentemente quase vazios).

Se, na realidade, não será exactamente assim, qual, então, o porquê da imbecilidade de se marcarem jogos para as 21h00 ou 21h30, precisamente nas vésperas de dias normais de trabalho e de escola (forçando grande parte do público a regressar a casa apenas no dia seguinte)? Porque não se insiste em realizá-los ao fim da tarde? Porque estranho motivo os desafios de futebol em Portugal têm de ser, normalmente, os de horário mais tardio em toda a Europa?

Apesar de o dinheiro ser hoje o que mais ordena, há que que reagir, por todos os meios, contra esta manifesta, insensível e abusiva prepotência de que são evidentes vítimas não só o futebol, os seus clubes e os seus artistas, como, muito em especial, todos os adeptos pagantes que o sustenta.

Texto da autoria de Leão da Guia

publicado às 03:48

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds