Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os menosprezados guarda-redes

Rui Gomes, em 28.08.18

 

mw-860.jpg

 

(Ante) Ontem foi dia mundial do cão. Cave Canem rezam os avisos à entrada de certas propriedades, maneira erudita de dizer “cuidado com o cão”. Tais avisos, mesmo que em língua vulgar, deveriam estar nas traves das balizas, alertando para a presença de Cérberos de uma só cabeça, guardiães do terreno que, para uns, é inferno e, para outros, há de ser a terra prometida.

 

Não por acaso, os espanhóis chamam aos guarda-redes cancerberos, em homenagem ao porteiro tricéfalo do Hades, que impedia que os mortos dali saíssem e os vivos ali entrassem, e aos outros, os que para lá iam, recebia com suspeita amabilidade em tão horrenda criatura. Como comemoração antecipada da feliz data, no sábado futebolístico os guarda-redes brilharam mais que os avançados.

 

O falecido árbitro de futebol Vítor Correia, da Associação de Futebol de Lisboa (ainda hoje acho que a apresentação de um árbitro só fica completa com a referência à respetiva associação regional – um Veiga Trigo de Braga e não de Beja, não seria um Veiga Trigo, como um Carlos Xistra pede nitidamente uma Associação de Futebol de Castelo Branco), costumava dizer, como prova de experiência e da sua magra capacidade de espanto, que, desde que vira um porco andar de bicicleta, já nada o surpreendia.

 

Não menos extraordinário do que um suíno ciclista será um lobo voador, mas foi isso que, anteontem, o mundo inteiro pôde testemunhar no estádio Molineux, em Wolverhampton: um “lobo” a voar para defender uma bola que ia de tal forma colocada que o guarda-redes lupino ainda precisou do auxílio da trave para completar a defesa.

 

Ao ver aquela defesa aeronáutica, alguns sportinguistas terão sentido súbitas saudades de Rui Patrício e das muitas defesas que lhe valeram a canonização profana como São Patrício de Alvalade. Porém, à noite, após o fim do jogo no estádio da Luz, poucos terão sido os saudosos do guarda-redes oriundo de Marrazes.

 

Afinal, Romain Salin, que começou a época como suplente de um italiano com bigode de proxeneta, tinha-se sagrado homem do jogo e, com uma mão-cheia de defesas ditas de “elevado grau de dificuldade”, embora nenhuma tão pênsil quanto a de Patrício, impedira a derrota do Sporting.

 

Mas a desgraça do guarda-redes, sobretudo o de um clube grande, é que a celebração efusiva dos seus feitos equivale a um reconhecimento público de fraqueza. Se o guarda-redes é o homem do jogo é porque a equipa não o soube resguardar, não foi capaz de travar as investidas do adversário, esteve à mercê de uma estocada fatal.

 

José Peseiro, que já vai tendo anos e bagagem de raposa velha (já que falamos de cães e seus parentes), veio dizer aquilo que os treinadores, sobretudo os de um clube grande, são obrigados, por estatuto e amor-próprio, a dizer nestas ocasiões: o guarda-redes limitou-se a fazer o trabalho dele. Espera-se que, no balneário, Peseiro se tenha mostrado mais agradecido ao seu guarda-redes e salvador.

 

Que ninguém vá para guarda-redes à espera da gratidão alheia, eis uma lição que, a par das saídas a cruzamentos e jogo com os pés, todos os aspirantes a guarda-redes deveriam aprender. Há exceções, sim, mas normalmente envolvem defender penáltis sem luvas ou segurar resultados improváveis.

 

Este último foi o caso de Rui Patrício, que ajudou o Wolverhampton a travar o rolo compressor do Manchester City. E foi também este o caso de Douglas, guarda-redes do Vitória Sport Clube (ontem ouvi um indignadíssimo adepto do clube vimaranense a exigir que a comunicação social tratasse o clube com o respeito merecido e o chamasse de Vitória Sport Clube e não, como teimam em fazer alguns provocadores a soldo de forças inimigas, Vitória de Guimarães), que contribuiu para um triunfo histórico no Dragão. Uma derrota do Futebol Clube do Porto em casa é um acontecimento raro.

 

Depois de estar a ganhar por 2-0, então, é mais do que um cisne negro, é quase um unicórnio. Por essa razão, as milagrosas defesas de Douglas já nos descontos foram festejadas como deveriam ser sempre festejadas defesas daquelas: como se fossem golos. (O Cérbero vimaranense estragou a noite ao pai, por assim dizer, pois o pai do cão do Hades era o gigante Tifão, de cujos ombros, segundo o relato fidedigno de Hesíodo, saíam cem cabeças de dragão.)

 

Rui Patrício e Douglas receberam o justo louvor. Já o desvalido Salin, talvez por jogar num clube com outras ambições, teve direito a elogios mais comedidos. Porém, lá no fundo, ele sabe (e sabemos nós) que, na noite de sábado, o herói calçava luvas. Contido e discreto, Salin mostrou aquele género particular de heroísmo que se espera de um guarda-redes e que se confunde com a sensação honrosa do dever cumprido. Salve Salin! Cave Salin!

 

Bruno Vieira Amaral, jornal Expresso

 

publicado às 03:23

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


3 comentários

Imagem de perfil

De Mike Portugal a 28.08.2018 às 08:15

Penso que neste blog foi-lhe dada a devida vénia. Eu até admiti que me enganei ao desejar Renan na baliza.

E parece que Viviano vai mesmo embora. Será assim tão fraco? Terá um problema físico inultrapassável para jogar futebol?
Sem imagem de perfil

De Jorge a 28.08.2018 às 10:45

Não se percebe.
O Viviano seria o titular no arranque do campeonato caso não se tivesse lesionado portanto não percebo porque seria dispensado agora, passadas apenas 3 semanas. Se o Renan fosse aposta para ser titular ainda faria algum sentido, mas pelos vistos não é. E não vejo Salin, não obstante a exibição na Luz, como um GR para ser titular no Sporting.
Sem imagem de perfil

De JCR a 28.08.2018 às 23:56

Salve Salin, bem dito...mas não vale a pena parabenizarmos tanto o feito, porque o objectivo fulcral, que era a vitória do SCP, num dérbi, sendo nestes jogos, que se faz o campeão da Liga Portuguesa, não aconteceu, e não é com empates que vamos obter o tão saudoso e ambicionado título, que nos foge já há 16 anos, mas de qualquer forma, apraz-me ver que Rui Patrício, já não deixa saudades, e ainda bem, e após o jogo com o Setúbal, Salin recuperou a forma, para bem do nosso clube!

Mas o melhor mesmo da crónica do jornal Expresso, foi o comentador ter chamado Viviano, de italiano com bigode proxeneta, e embora não o classifique assim, o que eu queria ver mesmo, assim como foi feito com Doumbia, era vê-lo fora do SCP também, porque como clube, temos que nos libertar de todo o mal que foi criado anteriormente, e dado já termos mandado fora, 1 treinador racista, nacionalista e fascista, temos também que enviar para o mesmo sítio, a contratação do Viviano, feita nessa altura, e quanto mais for limpo o passado da era do lunático destituído do SCP, muito melhor o clube vai ficar, e disso, ninguém tem dúvidas!

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Cristiano Ronaldo