Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ponte de ligação aos leitores

Rui Gomes, em 26.09.22

image.jpg

Permito-me, intrometer nesta discussão sobre o futuro do SPORTING.

Desde já, advirto que sendo sócio do SPORTING há mais de 50 anos, sempre fui partidário da estrutura tradicional da forma associativa formada pelos apaixonados e devotos (sócios e adeptos) do Clube, e que a constituição de uma SAD (sociedade anónima desportiva) sempre me soou como uma heresia.

Reconheço, contudo, que a profissionalização do futebol ganhou contornos mercantis, com a consequente transformação da sua gestão, o que levou à transformação dos clubes em sociedades anónimas desportivas, figura “sui generis” do direito societário, que num cenário de endividamento e carência de investimentos, parecia ser a melhor solução para a profissionalização da estrutura desportiva em que os investimentos (internos ou externos) encontravam a possibilidade de retorno e a via de um bom caminho para o crescimento do negócio do futebol (lembro-me bem das palavras de José Roquette que ao criar em 1996 a Sporting SAD invocava a concretização do clube empresa como a modernização do futebol português).

Entretanto, na prática, o resultado não foi dos melhores em que a perda da maioria das SADs do futebol em favor de investidores estrangeiros, com a consequente passagem da gestão do clubes para mãos alheias, tem sido desastroso, por um lado, pela falta de supervisão sobre a origem do capital e, por outro, porque a previsão da obrigatoriedade de reversão dos lucros em benefício exclusivo da actividade desportiva do clube, traz como consequência o desinteresse por parte dos accionistas, que não vêem o retorno de seu investimento.

Enfim, porque a lei das SADs obriga, em caso de insolvência destas, os clubes fundadores a começar do zero em vez de continuarem no escalão onde a SAD se encontrava, os que caíram nesta esparrela (Beira-Mar, União de Leiria, Atlético, Belenenses, etc.), todos eles sofrem o calvário doloroso rumo à elite do futebol português.

Portanto, embora com outra dimensão, o problema de uma eventual alienação do capital da SPORTING SAD, centra-se nesta contradição insanável em que quanto mais se protege posição accionista do Sporting Clube na maioria da Sporting SAD (83,90% do capital) mais se afastam potenciais investidores.

Ou seja, não descortino que grande investidor estrangeiro esteja disposto a investir no SPORTING, senão a de comprar a maioria do capital da SAD. Com todas as consequências daí advenientes.

Comentário do leitor Carlos Antunes

publicado às 13:30

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


1 comentário

Imagem de perfil

De Mike Portugal a 26.09.2022 às 18:55

As pessoas, quando ouvem falar dos investidores nas SADs só pensam numa coisa:

- a entrada gigantesca de dinheiro para permitir comprar grandes jogadores e ganhar o campeonato 20 anos consecutivamente. A exemplo, como acontece com o PSG.

Mas esquecem-se duma coisa muito importante: tal como irá acontecer com o PSG e o campeonato Francês se nada for feito, as vitórias ficarão reduzidas a nada, se não houver competidores à altura. O desinteresse começará a manifestar-se e acaba o futebol ao nível desse campeonato interno.

Ninguém quer ver o PSG a ganhar 20 títulos consecutivos.
Ninguém quer ver o Bayern a ganhar 20 títulos consecutivos.
Ninguém quer ver o City a ganhar 20 títulos consecutivos.
Ninguém quer ver o Real Madrid a ganhar 20 títulos consecutivos.

E digo mais, nem eu queria ver o SCP a ganhar 20 títulos consecutivos. Porque o meu interesse estaria morto ao fim de 10.

Há que perceber que aquilo que fizeram em Inglaterra, maioritariamente e em outros dos top 5 países do futebol, só funciona se se conseguir manter um campeonato competitivo, coisa que não é possível, a meu ver, em nenhum país, excetuando a Inglaterra, onde a cultura desportiva é bem diferente (e mesmo assim tenho as minhas dúvidas).

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Cristiano Ronaldo