Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Quem semeia ventos colhe tempestades

Leão Zargo, em 27.04.16

 

19522492_f7Gs9.jpg

A recente decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) sobre o litígio entre o Sporting e a Doyen revela que algo de profundamente insensato domina a vida do Clube. O temperamento primário e a pulsão instintiva de Bruno de Carvalho, aliados à presunção que ele sempre revelou de que acredita que passou a ser o que de facto nunca foi, provocam grande apreensão nos sportinguistas. Receia-se o pior quando alguém confunde a percepção da realidade e as decisões que toma são em geral reactivas, raramente prospectivas.

 

A direcção do Sporting recorreu da decisão do TAD, apresentando no Tribunal Federal Suíço um “requerimento para efeito suspensivo” do pagamento por conta do caso Doyen. Segundo os jornais, o Clube terá argumentado com a necessidade de “salvaguardar interesses de compromisso, quando se trata de evitar que o pagamento exponha o devedor a dificuldades financeiras”, alegando mesmo não ter o dinheiro suficiente, no caso da execução do acórdão, para manter o treinador e determinados jogadores do plantel.

 

Ainda segundo os jornais, o Sporting solicitou a um revisor oficial de contas uma análise da situação financeira do Clube e um parecer sobre o “dano que causaria a execução imediata da sentença” que determina o pagamento de cerca de 14 milhões de euros à Doyen. As conclusões do relatório são extremamente preocupantes, no que refere ao passivo corrente, défice de tesouraria e crédito disponível.

 

Rogério Alves afirmou de forma sibilina que o Sporting “é um clube devedor”. Mas, a situação pode ainda ficar agravada pelas afirmações de Bruno de Carvalho na última Assembleia Geral do Sporting quando sugeriu que o TAD terá “inventado” um valor para o salário de Nani. O pior ainda está por vir.

 

É inaceitável que o presidente do Sporting não tome decisões sustentadas juridicamente. É inimaginável que o presidente do Sporting não cumpra com o estabelecido em contratos assinados livremente, não obstante determinados juízos sobre os mesmos. É impensável que o presidente do Sporting considere que pode governar uma instituição relevante arrastando mais e mais processos nos tribunais.

 

O Sporting recorreu para o Tribunal Federal da Suíça, o que significará mais despesas sobre custas judiciais e aumento dos juros, para além de se adiar um pagamento inevitável, continuando a reputação do Clube a ser enlameada. Não se conseguiu a renegociação ou um acordo adequado na devida altura, não é por uma pendência desesperada que vamos ganhar o que quer que seja. A contestação de um contrato faz-se em tribunais criados para o efeito, agora já é tarde. E pode interferir com o Fair-Play Financeiro imposto pela UEFA.

 

publicado às 14:02

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


59 comentários

Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 15:01

Ricardo Leão,
e o pior ainda está por vir!
Imagem de perfil

De Profeta a 27.04.2016 às 14:13

O tempo encarregar-se-á de meter esta figurinha no seu devido lugar - que é debaixo da pedra de onde nunca deveria ter saído, de tão rastejante que é!
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 15:03

Profeta,
também estou convicto de que esta aventura do Bruno de Carvalho vai acabar mal. Principalmente para o Sporting.
Sem imagem de perfil

De Luis Vicente a 27.04.2016 às 14:26

Limpinho,limpinho!!!!

O Sporting vai mesmo ter de indemnizar Carlos Freitas, antigo diretor-geral da SAD, em 209,461 mil euros, acrescidos de juros de mora, já que o Tribunal da Relação rejeitou o recurso da Sporting SAD.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 15:05

É uma triste ironia. Mas, pelos vistos, o Sporting vai ter de indemnizar Carlos Freitas.
Sem imagem de perfil

De Riskos a 27.04.2016 às 14:53

Factos:
1 - O Sporting perdeu a acção e foi sentenciado a efectuar de imediato o pagamento reclamado pela Doyen.
2 - O Sporting anunciou que iria apresentar recurso.
3 - O recurso não suspende o pagamento, mas a suspensão do pagamento pode ser requerida no processo de recurso.
4 - Em quanto se aguarda pela decisão sobre o pedido de suspensão obviamente que a execução avança, nomeadamente com a penhora de bens.
5 - Quando se pede a suspensão de um pagamento decidido numa sentença judicial, a mesma terá de ser fundamentada sobretudo pelas dificuldades de pagamento imediato, julgo eu.

Perguntas:

A suspensão do pagamento já foi indeferida?

Se o pagamento for efectivado, imaginando um cenário que nesta altura parece altamente improvável, mas possível, o Sporting obtém uma decisão favorável no recurso, que garantias terá que nessa altura a Doyen ainda existe e se existir que tem capacidade para pagar?

Sem imagem de perfil

De Passaleão a 27.04.2016 às 15:08

Isso dependerá das regras do tribunal onde corra em execução. Se for em Portugal, enquanto a decisão não for definitiva a Doyen não poderá receber o valor da condenação sem prestar caução. Imagino que na Suíça existam mecanismos semelhantes.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 15:15

Riskos
Não há conhecimento de suspensão do pagamento à Doyen e as notícias não são animadoras. Chego a estar confuso com o amadorismo da direcção do Sporting na condução deste litígio e, por vezes, penso que há alguma coisa que me escapa.
É que não pode ser assim tão mau!
Sem imagem de perfil

De MG a 27.04.2016 às 17:35

Conforme já referi em post anterior, da decisão do TAS, apenas existe possibilidade de recurso para o Supremo Tribunal Federal Suíço.

Esse recurso não tem efeitos suspensivos imediatos, podendo estes, no entanto, ser requeridos. Isto significou que o Sporting solicitou, paralelamente ao recurso, a suspensão da aplicação da sentença do TAS, enquanto não existir decisão do recurso.

Essa solicitação do Sporting foi NEGADA, o próprio BC já o confirmou (ver discurso da última Assembleia Geral).

Desde o momento da decisão do TAS, a Doyen passou a ter o direito de exigir ao Sporting o pagamento imediato e integral dos valores decididos.

Como o Sporting já tem praticamente todos os seus bens penhorados ou entregues como penhor ao consórcio bancário com que acordou a reestruturação financeira (BCP é Novo Banco) a Doyen penhorou aquilo que restava, as receitas da UEFA, e ainda se deu ao luxo de fazer um comunicado a gozar com o Sporting.

Para aqueles acham que o que eu disse no parágrafo anterior é "exagerado" aconselho-os a ler o ultimo R&C, onde se pode ler, e passo a citar:

" ... Nestes termos, a Sporting SAD. celebrou, no dia 28 de Novembro de 2014, em conjunto com o Sporting e a Sporting SGPS, um contrato de constituição de garantias e promessa de garantias, no âmbito do qual foram prestadas pela Sporting SAD., pelo Sporting e pela Sporting SGPS, a favor do Novo Banco e do Millennium BCP um conjunto diverso de garantias para a segurança do bom pagamento das obrigações garantidas. Assim, a Sporting SAD pode ver-se obrigada a cumprir com as obrigações assumidas pelo Sporting e pela Sporting SGPS.

Cumpre ainda destacar as seguintes garantias prestadas pela Sporting SAD:

Segunda hipoteca sobre o direito de superfície detido pela Sociedade sobre as fracções autónomas “A” e “B” do prédio urbano situado na Rua Dr. Fernando da Fonseca, em Lisboa, freguesia do Lumiar, descrito na CRP de Lisboa sob o nº 2440, que correspondem, respectivamente, ao Estádio José Alvalade e ao Edifício Multidesportivo;

Constituição de primeiro penhor sobre Créditos do Grupo Sporting;

Constituição de penhor de primeiro grau sobre créditos resultantes da exploração de
Direito de Patrocínio, Direitos Televisivos e sobre créditos resultantes de quaisquer
Contratos Relevantes;

Constituição de primeiro penhor sobre saldos de contas bancárias;

Promessa de constituição de penhor sobre Equipamento;

Cessão com escopo de garantia todos os créditos presentes e futuros de que é ou
venha a ser titular relativamente aos Seguros; e

Cessão com escopo de garantia de todos os “créditos de passes” de jogadores. "

Acresce a isto o facto de também a Academia de Alcochete ter sido entregue como garantia de pagamento ao BCP, estando o Sporting a pagar um leasing mensal de 68000 € ao referido banco, para utilizar a "sua" Academia.

As sentenças continuam a sair e vão continuar.

Continuem a apoiar o homem, continuem.

Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 18:21

MG
Alguns leitores do Camarote Leonino dirão que apresenta uma perspectiva exagerada e apocalíptica. Infelizmente não é, porque isso é possível em determinadas circunstâncias. E se isso é possível, então há razão para ficar muito preocupado.

Temo muito Bruno de Carvalho e a forma como ilude sistematicamente a realidade. Veja o caso da provisão da verba para a Doyen e como justificou o prejuízo financeiro. O TAD decidiu sobre o litígio com a Doyen... e afinal não há dinheiro! A provisão é meramente contabilística, uma reserva teórica, sem correspondência com a realidade financeira. Pelo menos, é isso que parece neste momento.
Sem imagem de perfil

De Passaleão a 27.04.2016 às 15:21

O ponto aqui é que, com o lastro de resultados negativos transitados dos anos anteriores, se o Sporting não tivesse registado como receita a totalidade da mais-valia do Rojo e, mais tarde, se tivesse registado uma provisão no valor pedido pela Doyen, teria rebentado os critérios do fair play financeiro e este ano não tinha entrado nas provas da UEFA.

Estou a ser puramente objectivo - admito perfeitamente que alguns pensem que teria sido preferível engolir o contrato com a Doyen, pagar tudo e ficar "honradamente" fora das competições europeias -, mas a verdade é esta.

Pela minha parte e tendo em conta os argumentos apresentados, que me parecem plausíveis (ao que sei a invalidade do contrato devido às suas condições e, mesmo que o contrato fosse válido, o seu incumprimento pela Doyen, através da ingerência na política desportiva da SAD), não me choca nada que a administração tenha querido correr o risco de levar a disputa para os tribunais, "correndo o risco" de ganhar a causa e, em qualquer caso, ganhando tempo.

O que já me choca é ver que alguns dos que rasgam as vestes pelo facto de o Sporting ter o seu arrastado nos tribunais suíços são os mesmos que dizem que o Godinho tinha a situação controlada com o seu projecto de lançar o Sporting num processo de prevenção de insolvência nos tribunais portugueses.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 27.04.2016 às 15:42

Eu reconheço que esse argumento está em voga em dias mais recentes. Não sei a sua origem, mas suspeito.

Não refuto, absolutamente, esse cenário, mas ainda não vi números comprovativos relativamente ao mesmo.

Parece-me mais uma tese para justificar o não cumprimento de um contrato. Poderá o leitor apresentar factos concretos a sustentar esta tese ?

É que, para alguns de nós, rasgar contratos para satisfazer os critérios de fair-play da UEFA figura-se como uma enigma.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 27.04.2016 às 15:45

Perdão... questão ortográfica: "afigura-se como um enigma".
Sem imagem de perfil

De J.Pinto a 27.04.2016 às 15:54

Não embarco também muito nesse argumento (da não cumprimento dos critérios do fair play financeiro) até porque no ano passado o Sporting apresentou lucros superiores a 20M

O problema na altura da venda tal como agora não terá tanto a ver com questões contabilisticas mas sim de tesouraria

Muito se tem falado neste assunto, mas o que ainda ninguem foi capaz de fazer foi uma comparação com o que o Sporting ganhou e perdeu ao proceder assim

vamos pagar mais quanto ? valeu a pena ?

Essa é a analise que tem de ser feita e não apresentar as coisas como por culpa de BC temos de pagar 12M, ou 13M ou 14M à Doyen, porque isso é mentira
Sem imagem de perfil

De DKaras a 27.04.2016 às 16:05

Isso é fácil de quantificar: é saber os valores que se ganham com a ida às competições europeias.

Independentemente de ter ou não razão para o processo, dá muito gozo ver a Doyen à nora com a falta do dinheiro da transacção Rojo. Os tipos a dada altura queriam fazer mais negócios com o foculporto e não tiveram liquidez para o fazer, tal como reportado no football leaks
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 16:17

DKaras
Convenhamos que está especular sobre despesas e vantagens financeiras e desportivas. A realidade é a que se vive neste momento e que ainda será mais grave num tempo próximo.
Para já, por agora, temos a direcção do Clube a requerer suspensão e adiamento de um pagamento sob pena de cair na penúria. E o DKaras não tem melhor argumento do que vir com eventuais dificuldades da Doyen ou do Porto!
Sem imagem de perfil

De DKaras a 27.04.2016 às 16:28

Será mais grave porquê? recuperámos a quase totalidade dos passes do plantel, estamos na Champions, fizemos um contrato de patrocínio excelente que vai agora começar a "pingar", temos a melhor equipa do campeonato (sim, não é a do carnide). Temos o estádio com as maiores enchentes DE SEMPRE. Temos o máximo de pontos conquistados DE SEMPRE. Estamos a construir o pavilhão que a roquetagem se "esqueceu" de fazer. Realmente o futuro não é nada risonho.
Não vale a pena "comer" a porcaria que a Comunicação Social dá ao pessoal para comer. A situação é a que é. Há 3 anos era 10 vezes pior e sem perspectivas de futuro absolutamente nenhumas.
Não gostam de BdC, mas têm de ver o que de positivo se conseguiu
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 17:29

O DKaras apresenta um cenário muito favorável relativamente ao Sporting. Mas, se a realidade fosse mesmo assim não haveria tão grande preocupação relativamente ao futuro desportivo e financeiro do Sporting. Em breve saberemos qual de nós está mais perto da realidade.
Pode-se comparar a realidade actual do Sporting com a do tempo de Godinho Lopes, quando o Paulo Bento foi o treinador ou quando Dias da Cunha era o presidente. Ou ainda antes. Chegaremos à conclusão que houve muitos anos em que se conseguiu mais com muito menos esforço financeiro e menos alarido no Clube.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 16:07

J.Pinto
O Sporting vai ficar a perder muito dinheiro por causa desta aventura no caso Doyen. Isto é, o que vai pagar em juros e custas processuais, para além da dívida à empresa financeira, corresponderá a uma punição ao nosso Clube.
Claro que, mesmo assim, haverá muitos sportinguistas que dirão que foi uma jogada de mestre e que permitiu etc e tal. A esses direi que é uma ironia que enquanto o presidente anda a organizar congressos e a dissertar sobre a transparência no futebol, por outro recorre a estratagemas manhosos na gestão directiva.
Bem prega Frei Tomás!
Sem imagem de perfil

De J.Pinto a 27.04.2016 às 16:18

para mim o seu

"O Sporting vai ficar a perder muito dinheiro por causa desta aventura" ou o "foi uma jogada de mestre" de outros valem essencialmente o mesmo

quanto é que sao esses juros e custas ? 1M, 2M ?
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 16:38

J.Pinto
Não é possível responder à questão que coloca. Desconhece-se como seria se o Sporting negociasse com a Doyen, como ainda não se sabe quanto é que no fim de tudo vai pagar efectivamente. Mas, saberemos dentro de algum tempo.

Como é difícil de quantificar em termos de imagem institucional, de credibilidade e de capacidade negocial no futuro. Para já, o que temos é um recurso deprimente solicitando uma suspensão de pagamento sob pena de penúria.
Sem imagem de perfil

De J.Pinto a 27.04.2016 às 17:02

Essa conversa da imagem institucional, credibilidade a mim nao me impressiona, nao é por brigarmos com uma instituição duvidosa que perdemos mais credebilidade do que se não tivermos dinheiro para vendimentos ou renovações

Quantas renovações já se fizeram depois dessa entrada de dinheiro, quantos jogadores já contratamos que elevaram o patamar competitivo do SPorting - isso é tudo muito relativo

No concreto, em termos financeiros e apesar de dizer que perdemos muito - na verdade não sabe
Sem imagem de perfil

De HY a 27.04.2016 às 18:53

Se não é possível, LZ, como é possível saber que o Sporting vai perder muito dinheiro?

Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 19:59

HY
Coloca uma questão pertinente, mas creio que ninguém consegue responder neste momento. Mas, dir-lhe-ei que parto do princípio que a esperteza saloia de Bruno de Carvalho será sancionada pelo TAD, prejudicando efectivamente o Sporting.
O BC irá a correr para o Facebook para mais um post dirigido aos sportinguistas dizendo do TAD o que Maomé não disse do toucinho. No fim de contas, o Sporting é que paga.
No entanto, é possível ir fazendo contas pelo que a Doyen vai exigindo e ameaçando, de juros, custas processuais e outras despesas. Para além dos custos de imagem institucional e de clube incumpridor. Com BC receio sempre que o pior está por vir!
Sem imagem de perfil

De jose a 27.04.2016 às 20:30

Caro Zargo,
isso da capacidade negocial tem muito que se diga.. Lembra-se que o Maritimo estava de relações cortadas com o FCP e de repente tornanra-se amigos e desviaram o Danilo do Sporting, sabe porque? Como disse o Presidente do maritimo, 1 euro no norte tem o mesmo valor que em lisboa...
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 21:14

José
Na realidade, capacidade negocial é um conceito relativo. Explico melhor, quando uma das partes desconfia da outra exige condições mais rigorosas. Era a isso que me referia.
Sem imagem de perfil

De Jose a 27.04.2016 às 20:26

Caro Zargo,

Escreve que 0 sporting vai perder muito dinheiro, quanto? 4%? Mais custas? Se for este valor numa perspectiva financeira é um empréstimo óptimo para o nosso clube.

Segundo alguns, parece que o sporting não teria que pagar nada a Doyen e de repente por uma brincadeira do BdC vamos pagar 14M, esquecendo da verdadeira personagem que criou esta ruina e para alguns não queriam que o Sporting levasse a tribunal…

Na minha perspectiva, face a intromissão da Doyen na gestão desportiva e atendendo ao contrato danoso para o nosso clube, a direcção fez muito bem em "rasgar" o contrato e passar a decisão para o tribunal. Não é pelo facto da decisão não ser favorável ao nosso clube que não temos razão. O PdC foi ilibado e não é por isso que deixou de ser corrupto, por vezes o difícil é encontrar provas.

Não se preocupe tanto com estes cenários que surgem na CS, isso é para encher chouriços... Olhe, o pavilhão estará pronto no próximo ano e acredito que ficaremos mais próximos de ganhar mas títulos nas modalidades.
E agora especulando, se tivéssemos já pagos a Doyen, o mais provável é que a nossa equipa não fosse tão competitiva por falta de meios financeiros.

Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 21:21

Caro José
Ninguém consegue quantificar quanto é que vai custar esta aventura de não cumprir o que estava no contrato com a Doyen. Mas, pelo que se vai percebendo vai ser dura a punição aplicada ao Sporting.
Referi num comentário anterior que nunca fui entusiasta das condições financeiras e contratuais que permitiram a vinda de Rojo para o Clube. Mas, por outro lado, Rojo não viria se não fossem as que foram.
A imagem que passa de tudo isto é que o Sporting quis abotoar-se com dinheiro que não era seu!
Sem imagem de perfil

De Jose a 27.04.2016 às 21:35

Caro Zargo,
1. Se não pode quantificar, não pode expalhar que o SCP vai perder muito dinheiro, pelas noticias que tenho lido, será juros (4%) mais custas de processo, advogados, ou seja, se o clube pedisse um empréstimo naquele montante teria custos financeiros mais elevados...

2. Não se pode entrar nessa lógica se não fosse o fundo o Rojo não teria vindo e se não fosse o fundo o Labyad não teria vindo... Como vê não se pode entrar nessa lógica. Acresdento ainda que o Rojo só no segundo ano teve rendimento desportivo e o valor da sua venda não foi pelo desemponho que teve no sporting, mas sim pelo que fez na selecção.
O que defendo é que os custos desportivos não podem ser superiores as receitas. Pontualmente pode ser ligeiramente superior como noutras épocas será inferior. No final de um mandato terá que haver equilíbrio entre receitas e despesas...
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 21:54

Caro José
Não posso quantificar porque não quero avançar com números que ainda não são definitivos. Mas, pelo que se vai lendo e ouvindo o Sporting terá de pagar muito acima da provisão que foi feita. Direi que, na melhor das hipóteses, esse valor excederá em mais de 1M€ o que foi provisionado contabilisticamente.

Estamos de acordo com o facto dos custos desportivos não serem superiores às receitas. Como se sabe não é isso que se está a passar actualmente e será agravado nos próximos meses. Não haverá esse equilíbrio que refere.
Sem imagem de perfil

De jose a 27.04.2016 às 23:27

O caro Zago não pode pegar num semestre específico e generalizar que não temos cumprido em relação despesas/receitas. Isso é o que seu colega Rui Gomes chama de venda de banha de cobra.

No balanço global dos 3 anos desta direcção é positivo no que toca despesas/receitas.
No primeiro ano um lacro baixissimo, no segundo um lucro significativo. No primeiro semestre do 3.º anos estamos salvo erro com 18M negativos, mas o ano ainda não encerrou. Basta vender por exemplo o slimani, vender e despachar alguns jogadores que perderam espaço e penso que é suficiente.

Não se esqueça que temos mais receitas e temos uma receita extraordinária da liga dos campeões.
Sem imagem de perfil

De J.Pinto a 27.04.2016 às 15:42

Que malandros que são estes dirigentes do Sporting que tentam a todo o custo minimizar os engargos que as anteriores direcções deixaram

Que bons que são estes Sportinguistas que se congratulam quando outros levam a melhor

Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 16:10

J.Pinto
Essa conversa de bons e maus sportinguistas está estafada e já não impressiona. Está no seu direito quem alerta para o que se faz de mal e que tem consequências perversas para o Sporting.

Sem imagem de perfil

De J.Pinto a 27.04.2016 às 16:50

Uma coisa é alertar - outra é festejar
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 18:02

Calculo que essa de "festejar" é para mim, mas não me acertou. Acredite, J.Pinto.
Sem imagem de perfil

De J.Pinto a 27.04.2016 às 19:31

por acaso não era
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 19:51

J.Pinto
... !
Sem imagem de perfil

De sangueverde a 27.04.2016 às 16:45

Eu devo confessar que de economia pouco mais sei, que gerir o meu salário para que dure o mês inteiro e por vezes nem isso consigo. No entanto despedir um excelente treinador que custava 500 mil euros para ir buscar um outro 10 vezes mais caro.... não me parece propriamente "minimizar encargos a todo custo", como refere o meu ilustre amigo.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 18:03

Lá isso, sangueverde, lá isso...
Sem imagem de perfil

De Schmeichel a 27.04.2016 às 16:15

Caro Leão Zargo,

Vou apenas referir um ponto que me parece importante.... que é a afirmação de que todos os contratos têm de ser obrigatoriamente cumpridos, como se fossem uma lei divina.

Actualmente temos visto diversos exemplos de contratos a não serem cumpridos, e por instituições muito maiores do que o Sporting, falo de países como Portugal, Grécia ou Islândia.
A Islândia recusou-se a pagar a sua divida bancária ; na Grécia foi perdoada 50% da divida; em Portugal fala-se constantemente na renegociação das PPP's.

Portanto, os contratos não são leis.... podem ser anulados por diversos factores, e ir a tribunal e utilizar os direitos definidos legalmente para contra argumentação, é um direito que assiste o Sporting. O Sporting nunca se recusou a pagar uma decisão do Tribunal.

Dizer ainda que caso o Sporting vendesse o Rojo pela clausula de rescisão, o Sporting iria lucrar a soma fabulosa de 500mil€.... isto na minha forma de ver é um contrato abusador e que no qual a FIFA deveria intervir na defesa do interesse do futebol. Temos vários exemplo na história de decisões que mudaram o âmbito dos contratos desportivos, exemplos disso a Lei Bosman, que permitiu aos jogadores de futebol terem direitos tal como os restantes trabalhadores. Portanto, os tribunais existem para isto mesmo....
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 16:32

Caro Schmeichel
A lei divina não é chamada para o caso do cumprimento de contratos livremente assinados. A lei divina, por definição, ocupa-se das questões divinas, enquanto que os tribunais se ocupam das leis terrenas. Por outro lado, o que se passa nos países que refere é diferente em cada um deles, como o caso do Sporting é de outra dimensão. É conveniente colocar as coisas nos seus devidos lugares.

Garanto-lhe que não sou entusiasta das condições financeiras e contratuais que permitiram a vinda de Rojo para o Clube. Mas, por outro lado, Rojo não viria para o Sporting se não fossem as que foram. É como a pescadinha de rabo na boca.
Na realidade, considero que BC agiu mal desde o primeiro momento e, ainda hoje, não percebo qual era a intenção dele. O Sporting nunca procurou renegociar as condições e entrou logo em conflito. O resultado é péssimo e dificilmente quantificável financeira e institucionalmente.
Sem imagem de perfil

De Schmeichel a 27.04.2016 às 18:59

O Leão Zargo fala do contrato, mas esquece-se que do ponto de vista contratual, o Sporting não era obrigado a vender o Rojo. então eu pergunto, porque razão o vendeu, se nada ganhava com isso?!? é preciso recordar os eventos em que o Rojo se recusou a jogar? e as pressões a que o Sporting foi sujeito? dizer simplesmente que os contratos são para se cumprir é muito redutor, perante um grupo de gente como a Doyen, que como se tem visto, gosta muito de negociar com determinados presidentes e determinados clubes....
Portanto fala-se muito da falta de ética do Sporting, mas para o Leão Zargo pressionar um clube a vender um jogador é ético?!?

Quanto às vantagens do não pagamento a pronto, são evidentes.... fairplay financeiro e não venda das pérolas do plantel! Dizer que ficámos mal vistos institucionalmente, mas por quem?! pelos fundos?! é para onde durmo melhor.... relembro que desde aí, assinamos contrato com a NOS e com o melhor treinador em Portugal, portanto não houve perda de credibilidade, bem pelo contrário!
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 19:49

Caro Schmeichel
Referi no meu comentário que "não sou entusiasta das condições financeiras e contratuais que permitiram a vinda de Rojo para o Clube". Acrescento que também não sou entusiasta do recurso à generalidade dos fundo financeiros pelas condições que são inerentes.
Mas, a partir do momento em que há uma relação contratual esta tem de ser assumida por todas as partes. Se uma das partes não está satisfeita "sai" em condições previstas para o efeito. Agora, o que se passou foi outra coisa: a direcção do Sporting pretendeu apossar-se de dinheiro que não era seu.
Sem imagem de perfil

De Jose a 27.04.2016 às 20:43

Caro Zargo,

Em tese qualquer pessoa de boa fé, após assinatura de um contrato e como diz de livre vontade deve ser para cumprir, acontece que uma das partes intrometeu-se em gestões que não estava autorizado, fez pressões para vender o jogador que nos era útil não ganhando nada. O jogador recusou-se em treinar, gerou confusao no clube e tudo isto parece-me que é tudo normal para si.
Pergunto, se voce tivesse um negocio numa situção semelhante em que o seu parceiro exigia a venda do activo do contrato numa deterimanda altura que prejudicava muito a performance da sua empresa, não tendo ganho com essa venda, como é que reagiria?
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 27.04.2016 às 21:25

Caro José
Admito que se passou muito do que refere a propósito de Doyen e do Rojo. Sendo assim, terei de dizer que o BC foi anjinho e incompetente a defender os interesses do Sporting.
Não é com gritos na praça pública que se defendem os interesses do Clube. É com sapiência, cautela, arrojo e inteligência.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 27.04.2016 às 21:27

A usual conversa propagandista.

Não compreende, mas pior ainda, recusa-se de compreender.

Sendo essa tese verídica - e é por de mais óbvio que não existem comprovativos lesivos ao Sporting nesse sentido - existem mecanismos nas regras da FIFA para punir essas pessoas e acções. Isto, no entanto, em nada se relaciona com um contrato entre as partes.

Por fim, nós sabemos que Rojo agiu indevidamente para pressionar o Sporting a avançar com a transferência. Isto é factual. Agora, tem o leitor alguma prova que isto ocorreu por iniciativa/planeamento da Doyen ?
Sem imagem de perfil

De Riskos a 27.04.2016 às 21:54

Rui, será que o SMS enviado pelo Nelio, que foi publicado pelo Leaks, que terminava assim:

"Carlos temos até amanha as 9 da manha para contestar ao Manchester e eu não
brinco com estes assuntos. Eu sei que o presidente gosta destes extremismos mas
neste assunto não há margens para loucuras porque os contratos são muito claros e
inquestionáveis por muito que pensem o contrário... Bastaria ver as jurisprudências noutros casos.
Em meia hora de conversa com ele resolvo este assunto.
Julgo que está nas suas mãos resolver isto a bem e com uma saída airosa para o
seu presidente porque será uma vitória dele. Caso contrário o extremismo vai lhe
sair muito caro. A nossa postura é de resolver a bem e ajudar como fazemos com
todos os clubes."

Não consubstancia uma forma de pressão ilícita?

Nessa altura a Doyen contentava-se com 75% de uma proposta de 15M e parece que vai acabar por receber 75% de 20 e tal milhões e nesta perspectiva, a brincadeira como dizia o Nelio acabou por sair bem cara.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 27.04.2016 às 22:25

Temos de saber o contexto total desse episódio. Recorde-se que também foi aqui publicado que a uma determinada altura o Sporting mandatou a Doyen a fim de negociar Rojo e vários outros jogadores.

Se a memória não me falha, nunca foi cem por cento claro se o Sporting era obrigado a vender a partir de uma oferta num determinado valor.

O meu ponto, desde sempre, é que existia um contrato legal que vincava as partes a um negócio de mútuo acordo. Se houve acção indevida da Doyen, o Sporting deveria ter feito queixa à FIFA com os respectivos comprovativos.

Uma outra realidade: se o contrato devia ter sido assinado ou não pelo Sporting, à raiz, é uma questão lateral. O facto é que sem a Doyen o jogador não teria sido adquirido. Ponto. Foi, com o investimento do Fundo, contribuiu desportivamente e ainda rendeu uns milhões de lucro. Qual é o problema ???
Sem imagem de perfil

De Riskos a 27.04.2016 às 23:18

Essa parte da obrigação de vender, neste SMS com data de 09/08 fica bem clara. A indicação do mail é, ou aceitam vender ao MU por 15M ou eu de imediato envio a factura dos 75% sobre 15M.
Em 11/08 o Sporting fecha o negocio directamente com MU por 20M.

O problema na minha opinião foi mesmo, contrariando um pouco o seu ultimo paragrafo, é que o jogador contribuiu desportivamente mas não rendia uns milhões de lucro com a sua venda, antes pelo contrario abria um buraco na equipa e já muito perto do inicio das competições.

Repare, 75% para a Doyen ou seja 15M + 4M para o Spartak, + as comissões, no final do negocio o Sporting ficava sem dinheiro, sem jogador e com a necessidade urgente de ir ao mercado.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 27.04.2016 às 23:26

Eu ando a escrever sobre este assunto desde o primeiro dia. Com tudo mais com que tenho de lidar, chega a um ponto que é difícil recordar e reiterar detalhes.

Simplifico a minha resposta, afirmando que havia um contrato assinado de livre vontade pelo Sporting e a sua obrigação era cumprir, mesmo com desagrado.

É melhor agora, a acumulação de negativos ?..,. Claro que não.
Sem imagem de perfil

De Riskos a 28.04.2016 às 00:00

Sem duvida alguma, o contrato foi assinado de livre vontade e se não houver motivos para resolução com justa causa, por muito que não se goste, são para cumprir.

Com a decisão do TAS, já sabemos que não existiam motivos para a resolução com justa causa, o recurso aparentemente será uma manobra dilatória e não suspende o pagamento, por isso, mesmo com desagrado o pagamento terá de ser feito.

O ideal teria sido obter um acordo extra-judicial que evitasse toda a palhaçada que se gerou à volta deste assunto, não aconteceu agora é enfrentar as consequências, avaliar e corrigir o que correu mal e pagar.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 28.04.2016 às 00:03

A melhor solução desde o primeiro dia era reconhecer os direitos legítimos da Doyen, negociar um desfecho em boa fé e só ganharíamos com isso.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 27.04.2016 às 23:39

Só para finalizar, vamos lá ver se as minhas contas batem certo:

O Sporting foi originalmente condenado a pagar 12 milhões, mais 4 que foi para o Spartak faz 16, ainda ficam 4.

Ficou com 20% de uma futura mais-valia acima de 23 milhões e não podemos esquecer - propaganda não obstante - que sem este negócio Nani não teria regressado a Alvalade.

Acho que ERA isto. Agora é mais...
Sem imagem de perfil

De Riskos a 28.04.2016 às 00:06

Rui,

Esta a esquecer o valor que pagou de imediato a Doyen na resolução do contrato, julgo que foram 3M do Rojo e 1.5M do Labyad.

Ainda teve que pagar os mecanismo de solidariedade + comissões com o negocio, mas isso são "peaners"

Por isso dos 20M, praticamente rendeu zero.
Sem imagem de perfil

De jose a 27.04.2016 às 22:34

Naturalmente que eu não tenho provas, mas voce não é nenhum anjinho que acredita que o Rojo agiu por sua iniciativa, acredita nisso?

Vamos ser justos, a Doyen não agiu bem com o SCP em relação ao Rojo.
Todos nós sabemos que muitas vezes ainda que toda a gente saiba quem é o ladrão, a falta de provas faz com que ele ande a solta e aos poucos toda a gente está a ver quem é a Doyen mesmo sem provas.

Quanto a a sua frase de conversa propangadista já não impressiona ninguém. Toda a gente sabe quem criou estes cancros no sporting ou é preciso lembrar?

Imagem de perfil

De Rui Gomes a 27.04.2016 às 22:48

Ninguém é ingénuo aqui, muito menos eu que andei tantos anos no futebol.

O todo desta conversa é inconsequente, por falta de provas e por muito, quase tudo, não relevante.

Havia um contrato. Ponto. Sem este contrato o jogador não teria vindo para o Sporting, não teria rendido desportivamente e, ao fim e ao cabo, ainda financeiramente. Não vejo o problema.

Em termos de Direito, não interessa o que é suposto ter acontecido, mas sim o que se pode comprovar que aconteceu. Daí eu referir frequentemente a conversa propagandista, por ser precisamente isso.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 27.04.2016 às 22:54

E para ser curto e grosso ,caro Zargo, quem se apodera do que não é seu que acto pratica? Se não responder compreendo. Para bom entendedor, meia palavra basta.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 28.04.2016 às 19:08

Caro Nação Valente
... exactamente!

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Cristiano Ronaldo