Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




502x.jpg"Eterno Domingo - o Futebol em Oito Jornadas”, Editora Lápis de Memórias, de Ricardo Namora, faz recordar o celebérrimo slogan publicitário pela caneta distinta e muito criativa de Fernando Pessoa: "primeiro estranha-se, depois entranha-se”.

É que a paixão experimentada pelo antigo futebolista e a linguagem poética do actual professor de Literatura levam-nos a uma leitura contínua, quase sempre com um afável sorriso nos lábios e a emoção no olhar. Trata-se de um livro de leitura verdadeiramente agradável e até realmente surpreendente sobre o futebol, um tema ainda pouco usual na literatura portuguesa.

Memória e sentimento. Como quando o autor recorda quase no final do livro “a criança que fui, enterrada no sofá a ouvir os relatos de futebol nessas tardes maravilhosas, desejando baixinho, e entre dentes, que o domingo fosse mesmo eterno e nunca mais acabasse”. A magia das ondas hertzianas possibilitava a ligação para aquilo que realmente importava. Então, tudo se aquietava à volta da telefonia.

Imagina-se que Ricardo Namora começou a construir a sedução das palavras no sonho de um pontapé de fora da grande área ou no malabarismo de um toque de calcanhar. Ou na imaginação do treino da sua equipa. Afinal, é o praticante do futebol como jogador e como treinador que escreve sobre o desporto-rei e as suas estruturas competitivas na Europa e na América Latina, as “pequenas histórias” que vivenciou, o grande espectáculo de massas e a atracção que ele exerce sobre os seus adeptos.

A literatura portuguesa é ainda pobre na sua relação com o futebol, ao contrário do Brasil onde muitos os escritores utilizam-no como tema. Carlos Drummond de Andrade e Nelson Rodrigues foram os primeiros, e depois muitos se seguiram. “Eterno Domingo”, como outras obras que foram publicadas nos últimos anos, constitui uma pedrada no charco e abre caminhos. É que há imensa poesia, emoção, drama e epopeia no futebol que o tornam um assunto relevante e atraente no contexto da nossa literatura.

publicado às 11:00

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


7 comentários

Sem imagem de perfil

De ChakraIndigo a 30.04.2020 às 20:23

O Afonso Melo escreve autenticas obras primas sobre futebol.
As suas crónicas merecem um lugar de destaque como escritor.

O seus livros são uma epopeia!

Recomendo vivamente, embora possa provocar urticaria o seu benfiquismo.

Portugal em Calções
A Lenda de Jorge Bum!, com Ponto de Exclamação
Doping – A Triste Vida do Super-Homem
Cinco Escudos Azuis – A história da selecção nacional de futebol; Factos, Números e Nomes da Selecção Nacional de Futebol
Viagem em Redor do Planeta Eusébio
Não Morrerei em Buenos Aires;
Benfica-Sporting/Sporting-Benfica – 100 anos
Sonata Para 5 Violinos
Apito Dourado – As Entranhas do Polvo
O Cão ao Contrário
A Terra é um Planeta onde Existe a Inglaterra
Se Mais Mundo Houvera
As Extraordinárias Aventuras de Áfrico Barthélémy d’Souza Três Minutos Depois de Ter Morrido
Os Alegres dias do País Triste
Uma Sombra Laranja-Tigre
1966 - Homens com pressa.

Para um sportinguista, o "Sonata para Cinco Violinos", é uma obra a não perder.
Sem imagem de perfil

De ChakraIndigo a 30.04.2020 às 20:27

Sinopse da obra

"A linha avançada do Sporting do final dos anos 40 recitava-se como um poema: Jesus Correia, Vasques, Peyroteo, Travassos e Albano. Jogaram juntos durante três anos - entre 1946 e 1949 - e ficaram conhecidos pelo nome que Tavares da Silva lhes chamou um dia na revista Stadium: "Cinco Violinos".
Nasceram da concepção de Cândido de Oliveira para tirar partido do sistema de jogo que estudou em Inglaterra e desenvolveu em Portugal, na Selecção Nacional e no Sporting: o WM.
Disputaram apenas 56 partidas (incluindo duas pela Selecção Nacional e uma pelo misto Benfica-Sporting-Belenenses) e só conheceram a derrota por nove vezes.
Mas o mais extraordinário foram os 215 golos marcados, a uma média de 3,83 por jogo! De longe a mais realizadora linha avançada da história do futebol português. Uma verdadeira máquina de fazer golos.
Golos, golos e mais golos! Assim se construiu uma lenda.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 30.04.2020 às 21:50

ChakraIndigo

Agradeço a sugestão de “Sonata para Cinco Violinos”. Vou procurar. Para a troca proponho “José Águas, o Meu Pai Herói”, escrito por Helena Águas, com prefácio de António Lobo Antunes.

Trata-se de uma biografia sui generis de Águas, pois é da autoria da sua filha Helena, que escreve um retrato emocionante e inspirado. Do futebolista, mas também do homem, do cidadão e do pai, para além de traçar um quadro do mundo do futebol naquela época, numa altura em que ainda não possuía a dimensão mediática e global da actualidade.
Sem imagem de perfil

De ChakraIndigo a 30.04.2020 às 22:45

Muito grato pela sugestão, embora já o tenha lido

A "Lena DÁgua" foi uma grande artista e cantora infelizmente pouco reconhecida.
Não tem a ver com o assunto, mas lembrei-me.
Sem imagem de perfil

De T. Cascais a 01.05.2020 às 03:53

LZ, só alguém com a sua estatura moral e educacional para dar uma chapada de luva branca a esse senhor benfiquista!
Aplaudo-lhe ruidosamente!

Já agora, li todos os livros aqui referenciados, não fiquei com qualquer urticária, porque o meu fairplay e a minha educação desportiva não o permitem!

Sou sportinguista de alma cheia, mas sei reconhecer méritos alheios, desde que merecidos!

Bem haja LZ

O meu abraço leonino para si e um desportivo ao senhor benfiquista!
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 01.05.2020 às 09:01

T. Cascais

Com o ChakraIndigo houve apenas uma sugestão de troca de leituras, sem outra intenção.

Um grande abraço sportinguista para si.
Sem imagem de perfil

De ChakraIndigo a 01.05.2020 às 16:08

Agradeço e retribuo o abraço desportivo, mas não creio que o LZ tenha tido alguma intenção oculta na sua sugestão. Nem ele, nem eu.

Embora quem aqui comenta, na sua maioria, são pessoas que não se conhecem, percebe-se pelo que escrevem a forma de estar na vida.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo