Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

joao_mario_e_gelson_martins_foto_antonio_cotrim_lu

Gelson Martins marca e celebra o golo 5000 do Sporting

 

 

É bem verdade que a expulsão de Rui Patrício, aos 29', terá sido excessivamente rigorosa, mas a falta para grande penalidade parece-me bem assinalada - pela saída imprudente do guarda-redes leonino - e o Sporting só se pode culpar a si próprio pela entrada no jogo muito sonolenta, sem intensidade, ritmo e criatividade.

 

Só a partir dos 20 minutos de jogo é que a equipa leonina conseguiu penetrar a muralha defensiva do Tondela, mas apesar de ter 61% posse de bola, 16 ataques contra 15, e 5 remates contra 2, as oportunidades flagrantes para golo não foram criadas, nos primeiros 45 minutos.

 

ng5669400.jpg

A segunda parte apresenta um Sporting com uma dinâmica transformada, que dá para concluir que se tivesse iniciado o jogo deste modo, teria assegurado uma vitória sem grandes problemas. Mesmo reduzido a dez elementos, Jorge Jesus fez a substituição expectável, ao fazer entrar o jovem Gelson Martins para o lugar de William Carvalho.

 

A controlar as operações, as oportunidades começaram a surgir, até que se dá o golo de Slimani aos 54'. Dois minutos mais tarde temos um lance algo polémico, em que o árbitro Luís Ferreira assinala falta para grande penalidade contra o Tondela, mas é correctamente corrigido pelo auxilar, dado que o defesa corta o lance com a cabeça.

 

Um momento mágico aos 61 minutos, com o golo de Gelson Martins, que é o 5000 do Sporting nos campeonatos nacionais.

 

Houve mais algumas oportunidades para dilatar o marcador, mas o Sporting foi vítima da velocidade do adversário e acabou por sofrer o golo do empate aos 85'.

 

img_770x433$2016_01_15_22_08_02_1051425.jpg

Fica a ideia que os jogadores leoninos subestimaram o Tondela, estado de espírito que terá precipitado um desempenho algo displicente. Dois pontos que foram perdidos, desnecessariamente, com o terceiro empate da época, permitindo uma muito provável aproximação dos rivais na tabela classificativa.

 

 

*** A expulsão de Rui Patrício foi a segunda desta época - Liga Europa diante o Skenderbeu - e a terceira da sua carreira - Barcelona - neste seu 355º jogo de "leão ao peito".

 

publicado às 22:28

 

images.jpg

 

Um jogo muito desagradável de seguir, um dos piores da época, numa noite fria e chuvosa no Estádio Municipal de Arouca, e com um relvado muito "pesado". Não invejo os espectadores que estiveram presentes.

 

Não me vem à ideia um único jogador do Sporting que tivesse feito uma boa exibição, salvo, porventura, William Carvalho, que, entre tanta mediocridade, esteve menos mal. O jovem Carlos Mané, longe do seu melhor, também acabou por contribuir com duas assistências.

 

ng7DD97B1F-B05F-4ED5-A1A1-740573D1D601.jpg

 

O Sporting nunca se impôs, nunca controlou o meio campo e a construção de jogo evidenciou-se pela sua ausência. Muitos erros de ordem diversa ao longo dos 90+8 minutos, a culminar com aquela infantil retaliação por parte de Jonathan Silva, mesmo ao fechar do pano, que precipitou a confusão verificada e resultou na sua expulsão, ao lhe ser exibido o segundo cartão amarelo.

 

Nota especial para o golo de Tobias Figueiredo, aos 77', salvo erro, o seu primeiro pela equipa principal. Não o posso culpar no lance da grande penalidade; um remate forte a curta distância em que ele leva o braço para trás das costas, mas sem conseguir evitar o contacto com a bola. Ficou ao critério do árbitro, que, diga-se de passagem, fez um trabalho ao nível do jogo, ou até pior.

 

ng5C14A4F9-9B60-4CB0-94B2-D14336D15726.jpg

 

Vem aí o "derby" e teremos, então, de elevar a nossa qualidade de jogo significativamente.

 

P.S. Achei "piada" ao banco do Sporting, que incluía Diego Capel, Nany Sarr e Miguel Lopes, três jogadores que deviam estar a caminho... de algum lado.

 

publicado às 20:17

Vencemos... mas com o eterno problema

Rui Gomes, em 25.01.15

 

scp-aac.jpg

 

O Sporting controlou perfeitamente o jogo do primeiro ao último minuto, sempre a pressionar mas, de igual modo, quase sempre a exibir a já conhecida dificuldade em penetrar uma equipa que joga de "autocarro estacionado".

 

No primeiro tempo, 22 ataques para o Sporting e apenas 5 para a Académica, no entanto, a única oportunidade flagrante para golo - desperdiçada escandalosamente por Montero, a cruzamento de Carrillo - surgiu aos 7 minutos. Os únicos outros lances dignos de registo foram duas jogadas de Adrien, uma na área e outra fora, em que o árbitro não esteve bem e, na segunda, até mostrou o cartão amarelo ao médio do Sporting, por protestos.

 

600.gif

  

A segunda parte começou com mais do mesmo, embora com o Sporting a conseguir mais alguma profundidade, mas também a não concretizar as oportunidades criadas. Aos 53', Adrien com um remate acrobático, ainda mandou o esférico à trave, aos 68' Cédric com um excelente remate que obrigou defesa apertada pelo guarda-redes dos "estudantes" e, finalmente, o golo da partida, aos 76', por João Mário, a aproveitar da melhor maneira a recarga do cabeceamento de Tanaka. Vários outros desperdícios, um por Nani aos 80', frente à baliza.

 

Marco Silva iniciou o jogo com o onze expectável, mas acho que tardou a mexer na equipa, apenas fazendo entrar Carlos Mané e Tanaka, aos 67', em substituição de Adrien Silva e André Carrillo. Miguel Lopes entrou aos 88', no lugar de Jefferson, imagino para estar apto a defrontar o V. Setúbal. na quarta-feira, para a Taça da Liga.

 

ngB84FD390-6C7C-468D-936C-0C0DEE8628F8.jpg

 

Boa decisão vinda do banco, indubitavelmente, para Nani e Jefferson apanharem o 5.º amarelo da Liga. Falharão o próximo jogo frente ao Arouca, mas ficam com o registo limpo para a fase muito complicada do campeonato, que segue, que inclui o eterno rival.

 

A defesa leonina esteve muito serena, especialmente os dois do eixo, com os laterais mais focados nas manobras ofensivas. Rui Patrício não foi chamado a efectuar uma única defesa digna do nome.

 

William Carvalho muito melhor, embora ainda com alguns passes extraviados. Fredy Montero inconsequente, perante este tipo de adversário a jogar com as linhas muito baixas. Não sei se Ryan Gauld estava no banco, mas gostava de o ter visto na segunda parte, em jogo destas características.

 

No final das contas, vale a vitória e os preciosos três pontos.

 

publicado às 18:00

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo