Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



“E tudo o vento levou…”

Leão Zargo, em 24.02.24

É frequente os sportinguistas enumerarem situações em que o Sporting foi severamente prejudicado pela arbitragem. Não se trata de alguma teoria da conspiração, ou coisa do género, mas de situações factuais que todos recordam. No entanto, há muitos outros casos entretanto engolidos pela voracidade do tempo. Por essa razão, para tentarmos evitar que caiam no esquecimento, o Camarote Leonino procedeu ao levantamento de situações que deram brado e foram motivo de conversa entre nós. O nosso objectivo é lutar pela verdade desportiva, que nunca existirá sem uma arbitragem livre, independente e qualificada.

O primeiro jogo da lista é o Sporting - Leixões disputado em 1972 que terminou com uma invasão de campo aos 7 minutos de jogo. Foi a primeira vez que assisti a uma partida de futebol no Estádio de Alvalade e marcou a minha memória para sempre. Depois, de se recordarem algumas situações insólitas até à década de 1990, abordam-se os últimos 20 anos e alguns casos que ficaram na memória de todos os sportinguistas. A listagem não é exaustiva, está incompleta, nem sequer são referidos jogos de “campo inclinado” desde o apito inicial, de que Artur Soares Dias e João Pinheiro serão os mais completos praticantes na actualidade.

1972-73

Sporting Leixões 29.10.1972.jpg

Sporting 0 - Leixões 1, Campeonato Nacional, em 29 de Outubro de 1972. Árbitro Carlos Lopes.

Invasão de campo aos 7 minutos depois do árbitro não ter indicado um canto a favor dos leões. No entanto, a razão foi um penálti marcado contra o Sporting minutos antes, apesar do fiscal de linha ter assinalado fora de jogo. Vítor Damas defendeu o penálti, mas Carlos Lopes mandou repetir e foi golo. O Estádio de Alvalade foi interdito por 9 jogos.

1975-76

Atlético 3 - Sporting 0, Campeonato Nacional, 21 de Setembro de 1975. Árbitro Amândio Silva.

O árbitro marcou um penálti contra o Sporting a 11 minutos do fim do jogo que estava empatado a duas bolas. Não havendo razão para falta de penálti, e por ter havido outros casos durante o jogo, verificou-se invasão de campo. A Federação estabeleceu uma derrota do Sporting por 3-0.

Porto 2 - Sporting 3 1975-76.jpg

Porto 2 - Sporting 3, Campeonato Nacional, 18 de Outubro de 1975. Árbitro Alder Dante.

Num jogo nas Antas com nevoeiro cada vez mais denso, os leões venciam por 2-1 quando um remate de Gomes levou a bola à malha lateral e um apanha bolas introduziu-a na baliza. O árbitro assinalou golo e Juca, com a sua fleuma britânica, chamou-lhe um “sonho fantástico”. Alder Dante no seu relatório reconheceu a falha, apanhou uma repreensão e o processo foi arquivado.

1980-81

Benfica 1 - Sporting 1, Campeonato Nacional, 2 de Maio de 1981. Árbitro Inácio Almeida.

O árbitro assinalou um penálti duvidoso contra o Sporting, que mandou repetir depois de Nené ter falhado. Numa outra jogada, virou as costas quando Pietra rasteirou Manuel Fernandes dentro da grande área, mandou seguir o jogo, Bento, com a pressa atrapalhou-se, largou a bola e permitiu que Jordão marcasse golo, que Inácio de Almeida anulou.

1998-99

Académica 2 - Sporting 2. Campeonato Nacional, 11 de Setembro de 1998. Árbitro António Costa.

Anulação de um golo limpo a Edmilson.

Chaves 2 - Sporting 2. Campeonato Nacional, 23 Janeiro 1999. Árbitro Jorge Coroado.

Jorge Coroado não assinalou três penáltis claros a favor da equipa sportinguista. Garantiu depois que tinha ficado cheio de azia pela sua falha.

Na sequência deste jogo, a Direcção sportinguista declarou luto desportivo em virtude da ausência de critérios uniformes no tratamento aos vários clubes. A bandeira do Clube foi colocada a meia haste e os jogadores leoninos passaram a equipar com meias pretas. Uma sondagem do painel Expresso/Euroexpansão publicado no jornal Expresso, em 4.2.1999, demostrou que o Sporting era o clube mais prejudicado pelas arbitragens.

2004-05

Benfica 1 - Sporting 0 2004-05.png

Benfica 1 - Sporting 0. Campeonato Nacional, 14 de Maio de 2005. Árbitro Paulo Paraty.

Os leões estavam no 1º lugar, mas um golo de Luisão com falta sobre Ricardo roubou-lhes a liderança.

Sporting 2-Nacional 4. Campeonato Nacional, 22 de Maio de 2005. Árbitro António Costa.

O Nacional venceu com três golos fora de jogo e o Sporting desceu ao 3º lugar.

2006-07

Sporting 0 - Paços de Ferreira 1 2006-07.jpg

Sporting 0 - Paços de Ferreira 1. Campeonato Nacional, 16 Setembro 2006. Árbitro João Ferreira.

Ronny marcou com a mão o golo da vitória pacense. O Sporting perderia o Campeonato por um ponto.

2008-09

Paulo Bento e Lucílio Batista.jpg

Sporting 1- Benfica 1 (2-3 g.p.). Taça da Liga, 21 de Março de 2009. Árbitro Lucílio Batista.

Exemplo de adulteração da verdade desportiva. O Benfica conseguiu o empate com um penálti inventado por pretensa falta de Pedro Silva. Paulo Bento fez um gesto com a mão que se tornou viral. Ficou para a história como a “Taça Lucílio Baptista”.

2011-12

Sporting 1 - Olhanense 1. Campeonato Nacional, 13 de Agosto de 2011. Árbitro Carlos Xistra.

A Direcção sportinguista contestou a arbitragem, ao que se seguiu o boicote dos árbitros ao jogo da 2ª jornada em Aveiro. João Ferreira não compareceu e a partida foi arbitrada por Fernando Martins, árbitro da II divisão distrital de Aveiro. O boicote seria levantado na jornada seguinte, no Sporting - Marítimo arbitrado por Pedro Proença.

2012-13

Benfica 2 - Sporting 0 2012-13.jpg

Benfica 2 - Sporting 0, Liga ZON Sagres, 21 de Abril de 2013. Árbitro João Capela.

Este dérbi lisboeta ficou para a história como o “jogo do Capela” pelas inúmeras decisões tendenciosas, nomeadamente na grande área do Benfica. Também ficou na memória pelo “limpinho, limpinho” de Jorge Jesus.

2013-14

Benfica 4 - Sporting 3 (a.p.). Taça de Portugal, 9 de Novembro de 2013. Árbitro Duarte Gomes.

Não foram marcados dois penáltis contra a equipa do Benfica, um deles verdadeiramente escandaloso.

2014-15

Schalke 04 4 - Sporting 3, Liga dos Campeões, 21 de Outubro de 2014. Árbitro Sergei Karasev (Rússia).

Um inacreditável penálti marcado no final do jogo (90+3 minutos) deu a vitória ao clube alemão.

2015-16

Play-off da Liga dos Campeões com o CSKA Moscovo. O Sporting foi eliminado por duas arbitragens inqualificáveis, que não marcaram dois penáltis evidentes, permitiram um golo com a mão e anularam erradamente um golo aos leões. 

Braga 4 - Sporting 3 (a. p.), Taça de Portugal, 16 de Dezembro de 2015. Árbitro Fábio Veríssimo.

Anulado um golo limpo a Slimani.

2016-17

Benfica 2 - Sporting 1, Liga NOS, 11 de Dezembro de 2016. Árbitro Jorge Sousa.

O árbitro teve um activo, perdoou dois penáltis aos benfiquistas Pizzi e Nélson Semedo. Na sequência do penálti não assinalado a Pizzi, num rápida conta-ataque o Benfica marcou o primeiro golo do jogo. Irregular, portanto.

Sporting 0 - Braga 2, Liga NOS, 18 de Dezembro de 2016. Árbitro Hugo Miguel.

O árbitro não marcou dois penáltis contra os bracarenses.

Marítimo 2 - Sporting 2, Liga NOS, 21 de Janeiro de 2017. Árbitro João Pinheiro.

Golo mal anulado a Alan Ruiz.

2018-19

22607246_zYiCP.jpeg

Setúbal 1 - Sporting 1, Liga NOS, 30 de Janeiro de 2019. Árbitro Hélder Malheiro.

Ristovski foi agredido com uma cotovelada que o deixou com grande hematoma na testa. Nos protestos, foi ele o expulso aos 54 minutos com o resultado favorável aos sadinos por 1-0.

Marítimo 0 - Sporting 0, Liga NOS, 25 de Feveiro de 2019. Árbitro Tiago Martins.

Tiago Martins faz o pleno neste jogo em matéria de expulsões. Coates aos 51 minutos, pouco depois Nélson Pereira, treinador de guarda-redes, e ainda executa um sprint de 30 metros para expulsar Marcel Keizer. Isto tudo durante uma arbitragem vergonhosamente inclinada.

2019-20

Sporting 2 - Rio Ave 3, Liga NOS, 31 de Agosto de 2019. Árbitro João Pinheiro.

João Pinheiro viu e assinalou três penáltis contra o Sporting. No entanto, ele e o VAR não viram Raphinha ser empurrado por um adversário com as duas mãos a escassos metros da linha de golo.

Braga 2 - Sporting 1. Final da Taça da Liga. 21 de Janeiro de 2020. Árbitro Nuno Almeida.

Com o resultado em 1-1, Nuno Almeida expulsa Bolasie por decisão do VAR Artur Soares Dias, depois de descarada e grosseira simulação do bracarense Willyan. Paulinho fez o 2-1, aos 90 minutos, com providencial empurrão a Mathieu.

2020-21

Famalicão 2 - Sporting 2 2020-21.jpg

Famalicão 2 - Sporting 2. Liga NOS, 5 de Dezembro de 2020. Árbitro Luís Godinho.

Expulsão de Pote aos 80 minutos e anulação de um golo limpo por Coates, que faria o 2-3, por indicação do VAR. “Onde vai um, vão todos!”, foi o grito de guerra assumido por todo o plantel e que culminaria na festa do título de campeão no Marquês.

2021-22

Sporting 1 - Porto 1 2021-22.jpg

Sporting 1 - Porto 1, Liga Portugal bwin, 11 de Setembro de 2021. Árbitro Nuno Almeida.

Pepe agrediu Coates com um murro violento na cara. Não viram, nem árbitro nem VAR!

Sporting 1 - Braga 2. Liga Portugal Bwin, 22 de Janeiro de 2022. Árbitro Hugo Miguel.

O Braga fez 1-1 com um daqueles penáltis que só se marcam contra o Sporting. O VAR João Pinheiro pressionou Hugo Miguel para o assinalar.

Porto 2 - Sporting 2. Liga Portugal Bwin, 11 de Fevereiro de 2022. Árbitro João Pinheiro.

Arbitragem caótica de João Pinheiro. Expulsões de Coates, Palhinha e Pepe, colocando o Porto em vantagem numérica, ao mesmo tempo que permitiu que Taremi abusasse das habituais simulações e de jogo perigoso.

Sporting 0 - Benfica 2. Liga Portugal Bwin, 17 de Abril de 2022. Árbitro Fábio Veríssimo.

O Sporting fez um jogo fraco, mas o árbitro perdoou um penálti claro de Otamendi sobre Coates aos 68 minutos quando o resultado estava em 1-0.

2022-23

Santa Clara 1 - Sporting 2. Liga Portugal Bwin, 8 de Outubro de 2022. Árbitro Artur Soares Dias.

Arbitragem manhosa como é habitual neste árbitro. Ele e o VAR não viram dois penáltis claros a favor do Sporting.

Porto 2 - Sporting 0. Final Allianz Cup, 28 de Janeiro de 2023. Árbitro João Pinheiro.

João Pinheiro mostrou o segundo amarelo a Paulinho, ignorando uma agressão de Otávio sobre o sportinguista. Antes já tinha ignorado uma clara agressão de Wendell a Pote.

Sporting 3 - Boavista 0. Liga Portugal Bwin, 12 de Março de 2023. Árbitro João Pinheiro.

Não foi assinalado penálti sobre Francisco Trincão, apesar de claramente carregado pelas costas.

2023-24

Casa Pia 1 - Sporting 2. Liga Portugal Bwin, 18 de Agosto de 2023. Árbitro Nuno Almeida.

Golo mal validado ao Sporting compensado por um penálti sobre Edwards perdoado aos casapianos.

Guimarães 3 - Sporting 2. Liga Portugal Bwin, 10 de Dezembro de 2023. Árbitro João Pinheiro.

Penálti inexistente contra o Sporting que permitiu o empate (1-1) nos últimos instantes da 1ª parte.

Sporting 2 - Porto 0 2023-24.jpeg

Sporting 2 - Porto 0. Liga Portugal Bwin, 18 de Dezembro de 2023. Árbitro Nuno Almeida.

Dois golos do Sporting anulados sem razão, com o falso pretexto de faltas de Quaresma e de Bragança.

Nas fotografias:

- Sporting 0 - Leixões 1, em 1972-73. Penálti mal assinalado.

- Porto 2 - Sporting 3, em 1975-76. Alder Dante e o “golo no nevoeiro”.

- Benfica 1 - Sporting 0, em 2004-05. Falta de Luisão sobre Ricardo.

- Sporting 0 - Paços de Ferreira 1, em 2006-07. “Golo” com a mão.

- Sporting 1 - Benfica 1 (2-3 g.p.), em 2008-09. O gesto de Paulo Bento.

- Benfica 2 - Sporting 0 em 2012-13. O tal jogo do “limpinho, limpinho”.

- Setúbal 1 - Sporting 1, em 2018-19. Agressão a Ristovski.

- Famalicão 2 - Sporting 2, em 2020-21. “Onde vai um, vão todos.”

- Sporting 1 - Porto 1, em 2021-22. Agressão a Coates.

- Sporting 2 - Porto 0, em 2023-24. Falta mal assinalada a Quaresma.

publicado às 02:45

Rúben Amorim disse que o Sporting perdeu o jogo nos detalhes, analistas falaram de erros estratégicos e falhas individuais e o presidente Varandas considerou o João Pinheiro a assombração dos sportinguistas.

Quando se perde um jogo que podíamos e devíamos ganhar, todas as apreciações têm um pouco de verdade. Os detalhes acontecem quando falhamos golos, quando fazemos passes errados, ou quando um jogador se desconcentra e erra, incluindo o guarda-redes. Erros estratégicos acontecem em qualquer equipa, por culpa de quem dirige ou de quem executa. Os erros evidentes de arbitragem, manhosos ou grosseiros, são os mais arbitrários, porque penalizam os verdadeiros protagonistas.

img_1280x720$2023_12_09_19_08_09_2199168.jpg

Neste jogo em Guimarães, em concreto, dois detalhes causaram a derrota do Sporting porque resultaram em golos: o infeliz desvio de Morita de uma bola que ia na direcção do guarda-redes e uma má abordagem de Adán a um remate do adversário. Há também quem considere que as substituições de Amorim foram responsáveis pela derrota, mas penso ser unânime que o erro de Pinheiro e do VAR, prejudicaram claramente o Sporting.

Sem ser adepto de “calimeirices” quero focar-me neste erro de arbitragem, porque teve influência grave no resultado final do jogo. Se este penálti, inexistente, não tivesse sido marcado, o Sporting entraria a ganhar na segunda parte, com uma estratégia diferente e com outra tranquilidade, até porque o adversário ficaria com menos um jogador. Assim sendo, o homem do apito, beneficiou uma das partes.

Mesmo considerando que errou por má percepção, não existe nenhuma dúvida que o VAR, na posse das imagens, deixou passar o erro. Estas decisões parciais, em jogos equilibrados e num campeonato competitivo, acabam por fazer a diferença. Daí que denunciá-las com veemência seja prioritário.

À margem deste erro crasso, considero que a perda de sete pontos com as cinco melhores equipas, merece reflexão analítica da estrutura do futebol. Se queremos ser campeões, não podemos perder tantos pontos com os adversários mais próximos. E se não controlamos as “assombrações” da arbitragem tem de se controlar a prestação da equipa, do primeiro até ao último minuto, para não haver outras assombrações. Correcções que a equipa técnica e todo o grupo devem fazer. Não chega dizer que jogamos o melhor futebol, é preciso que isso se concretize na conquista de pontos para não acontecer, que em apenas dois jogos, os adversários directos se aproximem, pondo em causa a liderança.

Jogando bem, jogando muito melhor, com total rigor e empenho, conseguimos vencer os adversários e vencer as assombrações, que vão continuar a existir. O campeonato é longo e não está perdido, mas a equipa como está, ou com reforços, não pode ter um segundo de relaxo, se quiser ser campeã. 

Os erros individuais acontecem, mas prefiro salientar a actuação do colectivo. Considero que o lugar mais difícil é o do guarda-redes, que nunca pode falhar, mas quando falha é também porque a equipa terá falhado. Neste sentido, não gosto de “crucificar jogadores” embora admita que o Adán não é o mesmo da época do título, talvez também pela sua idade, mas na verdade não temos melhor no plantel. É um assunto a ser considerado.

thumbnail_l645n8wl.png

P.S.: Aproveito esta oportunidade para lembrar que ler faz bem e acalma as emoções do futebol. Embora seja suspeito, recomendo a leitura do meu livro “Zé Ninguém – A minha vida não dava um romance”, um retrato do país desde os anos 50, onde muitos se podem rever. Uma boa prenda Natal, à venda nas grandes livrarias online ou na livraria Martins em Lisboa. Também envio pessoalmente por correio. Email : as 3559225@sapo.pt.

publicado às 03:04

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 24.05.19

2019-05-23 (1).png

Carlos Barbosa da Cruz, adepto sportinguista, advogado e comentador desportivo afirmou que... "A péssima qualidade das arbitragens, designadamente as das últimas jornadas, entre outras situações, ensombra o sucesso do Benfica".

Esta e outras considerações disponíveis aqui.

publicado às 04:17

No pódio dos cartões amarelos

Leão Zargo, em 27.02.19

 

1ª Liga 2018-19 cartões amarelos 23ª jornada.jp

 

Se fosse cínico, ou se tivesse o suficiente sentido de humor, diria que o Sporting está no pódio dos cartões amarelos e que um título de campeão ainda pode ser conquistado.

 

Mas, observo o quadro e espanto-me, afinal a equipa leonina é das mais indisciplinadas do campeonato da 1ª Liga portuguesa. Assim do género daquelas equipas que à maneira do treinador Petit jogam um futebol assaz pequeno, de meia bola e força para a frente e muita demora no jogo, ou forte e feio nas canelas dos adversários quando não existe engenho para mais.

 

O Sporting está em bonita companhia, lá isso é verdade, e do Porto, Benfica, Braga e Guimarães nem se avista o rasto. Ele há coisas…

 

publicado às 13:10

"Joguem à bola"

Naçao Valente, em 07.01.17

 

20167949_v1JQK.png

No tempo, quase mítico, em que vivia em Lisboa e ia ver jogos de futebol, os estádios estavam cheios de adeptos que vibravam com as peripécias do jogo. Não havia claques organizadas, nem pessoas que iam para os jogos em caixas rigorosamente vigiadas. O mundo é feito de mudança e hoje existe essa realidade. As claques que hoje animam o espectáculo com as suas coreografias, têm porém uma face preocupante: podem ser instrumentalizadas e transformar-se numa espécie de tropas de choque ao serviço de interesses que não são seguramente os do desporto. Mais, podem pôr em risco pessoas e bens como já tem acontecido. Ameaças veladas ou explícitas seja a quem for é um desvio perigoso às regras de convivência social.


Os adeptos e as claques em especial costumam usar a frase “joguem à bola” quando querem demonstrar desagrado com as exibições da equipa que apoiam. Estratégia discutível, pois normalmente têm efeitos perniciosos na recuperação do mau momento que a equipa está a atravessar. Por outro lado, a frase faz algum sentido pois a função de uma equipa dentro das quatro linhas é jogar futebol, e com mais ou menos espectáculo enfiar a bola na baliza do adversário.


Nos anos quarenta, quando o Sporting venceu vários campeonatos, era isso que fazia e bem: jogar à bola. A equipa conhecida como os cinco violinos ganhava os jogos pela sua competência, pelo seu empenho, pelo amor à camisola e porque jogavam com prazer. Em suma, ganhavam porque era melhores em vários parâmetros. Nos anos sessenta o Benfica ganhou campeonatos nacionais e taças europeias porque tinha uma equipa de grande nível. Essa equipa, onde se destacava Eusébio, foi a base da selecção nacional que brilhou no Mundial de 1966. Nos anos oitenta, o FCP projectou-se a nível interno e externo, graças aos grandes craques que a compunha. É certo que o FCP estabeleceu e controlou uma rede de estruturas com influências no futebol. Mas isso não invalida a competência das suas equipas.


Com a profissionalização do futebol como indústria, que move muito dinheiro, e em que este é sinal de conquista de títulos, pela capacidade de reunir os melhores artistas, a concorrência desportiva saudável extremou-se até se transformar numa “guerra”. Os dirigentes desportivos, cada vez mais de pior qualidade, procuram proteger-se dos maus resultados, desviando a atenção do jogo jogado para os jogos de bastidores. Por norma, os responsáveis pelas derrotas são sempre os árbitros e os seus erros. A culpa nunca é dos plantéis mal construídos, dos erros dos treinadores, da táctica, da falta de dinâmica, da falta de eficácia.


Os árbitros sempre erraram e sempre vão continuar a errar. Erravam nos anos quarenta, nos anos sessenta ou nos anos oitenta. Quando o Sporting ganhava campeonatos, ano após ano, não o fazia pela acção dos árbitros. Fazia-o porque jogava melhor futebol e/ou marcava mais golos. Sempre assim foi e sempre assim será. Focar a explicação dos resultados negativos na arbitragem e fazer disso a principal discussão do futebol é ir por um mau caminho, perigoso para o próprio futebol. Uma classe dirigente que dignifique o desporto, que não o transforme numa guerra, que não crie as condições para a violência, precisa-se. Se querem ganhar com autoridade e competência “joguem à bola” !

 

publicado às 14:00

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D




Cristiano Ronaldo