Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fotografia com história dentro (143)

Leão Zargo, em 14.04.19

 

Cipriano dos Santos.jpg

 

Cipriano dos Santos, o guarda-redes que “não inchava com os aplausos”

 

Cipriano dos Santos é considerado o antecessor dos grandes nomes que defenderam a baliza do Sporting. Titular entre 1923 e 1932 e o primeiro guarda-redes leonino que vestiu a camisola da selecção portuguesa. Era marinheiro no Arsenal do Alfeite e foi aí que o Almirante Joaquim Oliveira Duarte o viu jogar, e levou-o para o Clube.

 

Cipriano deu rapidamente nas vistas por ser um jogador calmo entre os postes e valente nas disputas da bola com os adversários. Fotografias da época revelam-no atlético a saltar e a segurar com firmeza as bolas altas. Possuía uma capacidade inata para jogar futebol, sendo capaz de jogar com os pés com grande facilidade, uma competência técnica pouco usual nos guarda-redes daquela época. A pequena área era o seu território por excelência, onde fazia valer a elasticidade e a boa colocação na baliza.

 

Como jogava de frente para a bola falava muito com os seus companheiros da defesa, gritava-lhes ordens e indicações sobre os adversários. Ruy da Cunha, um dos primeiros jornalistas desportivos portugueses, escreveu que o guardião leonino “não inchava com os aplausos” por ser um “modelo de desportista”. O site sportingcanal refere o seu carácter, o desportivismo e o espírito de sacrifício, salientando que mesmo adoentado realizou jogos extraordinários.

 

Cipriano dos Santos pertence à História do Sporting. Foi ele que defendeu a baliza leonina na final vitoriosa do Campeonato de Portugal (3-0) disputada com a Académica em Faro, em 24 de Junho de 1923, na conquista do primeiro título a nível nacional. Venceu ainda por quatro vezes o Campeonato de Lisboa. Foi distinguido com a Medalha de Mérito e Dedicação nas Bodas de Prata do Sporting, em 1931.

 

publicado às 13:28

Fotografia com história dentro (102)

Leão Zargo, em 24.06.18

 

thumbnail_Digressão ao Brasil em 1928 Penafiel%2c

 

O Sporting!

 

O Sporting Clube de Portugal nasceu em 1906 com origem social aristocrática e burguesa e de uma divergência no Campo Grande Football Club. Essa matriz social era comum a todos os clubes portugueses que foram fundados nessa madrugada já distante do nosso futebol, e que se tornariam grandes na segunda década do século XX. No entanto, em breve, o Sporting adquiriu um carácter interclassista, onde a lealdade e a identificação com os valores do Clube implicam um fortíssimo sentimento de pertença, de solidariedade e de sociabilidade.

 

A fotografia é de Junho de 1928 e foi feita durante a paragem no Funchal do paquete “Atlântico”, da Mala Real Inglesa, no decurso da viagem para a digressão brasileira onde seriam utilizadas as camisolas com riscas verdes e brancas. Nela estão os jogadores que compunham a linha defensiva leonina. Em primeiro lugar, o defesa direito, António Penafiel, o 4º Marquês de Penafiel, cujo estatuto social os companheiros de equipa só conheceram depois da sua morte. No meio, Cipriano dos Santos, talvez o primeiro grande guarda-redes do Sporting, marinheiro no Arsenal do Alfeite. Finalmente, Jorge Vieira, o “capitão perfeito” e defesa esquerdo, operário nas oficinas da Imprensa Nacional.

 

Trata-se de uma fotografia verdadeiramente singular, de três extraordinários atletas que em 1928 personificavam a matriz original do Sporting: a grandeza no carácter, a nobreza na atitude e o brio no desporto. É também um documento revelador do interclassismo social do Clube, a “casa comum” de todos os sportinguistas.

 

A fotografia foi retirada do livro “Jorge Vieira e o futebol do seu tempo”, da autoria de Romeu Correia.

 

publicado às 13:14

Fotografia com história dentro (70)

Leão Zargo, em 05.11.17

 

20723211_PEOBY.jpg

 

A camisola às riscas horizontais…

 

São conhecidas as diferentes camisolas que foram envergadas pelos jogadores leoninos. No início usaram uma camisola branca, como que herdada dos dois clubes precursores do Sporting, o Sport Club de Belas e o Campo Grande Football Club. Depois, a partir de 1908 num jogo que foi disputado no campo da Feiteira, a bipartida verde e branca, a belíssima ‘Stromp’. Finalmente, desde 1927/1928, com riscas horizontais verdes e brancas.

 

A camisola às riscas inspirou-se na do Racing de Paris, tendo sido adaptada por Salazar Carreira para a equipa de râguebi do Sporting, em 1926. Mas, foram utilizadas pela equipa de futebol em jogos particulares com o Casa Pia (Novembro de 1927) e o FC Porto (Janeiro de 1928), continuando a ‘Stromp’ a ser a oficial. Quando o Sporting realizou a digressão ao Brasil no Verão de 1928 os dirigentes leoninos optaram pela camisola listada por ser mais leve, fresca e justa ao corpo.

 

A fotografia é de Junho de 1928 e foi feita durante a paragem na Funchal do paquete “Alcântara”, da Mala Real Inglesa, no decurso da viagem para a digressão brasileira. Nela estão os jogadores que compunham a linha defensiva sportinguista: António Penafiel, o 4º Marquês de Penafiel, Cipriano dos Santos, o primeiro grande guarda-redes leonino, e Jorge Vieira, o “capitão perfeito”, envergando o bonito e moderno jersey. Em 1929 os estatutos determinaram que as camisolas para os jogos de campo deveriam ter riscas horizontais com seis centímetros de largura. Até hoje!

 

A fotografia foi retirada do livro “Jorge Vieira e o futebol do seu tempo”, da autoria de Romeu Correia.

 

publicado às 13:30

 

Cipriano dos Santos terá sido o primeiro grande guarda-redes do Sporting. Chegou ao Clube em 1920 e estreou-se em 11 de Março de 1923 num jogo no campo do Clube Internacional de Foot-Ball, que o Sporting venceu 2-0, com golos de Rodrigues Ferreira e Jaime Gonçalves. O treinador era o luso-alemão Augusto Sabbo.

 

19074118_eSbrY.jpg

Cipriano deu imediatamente nas vistas por ser um jogador calmo e decidido entre os postes e valente nas disputas da bola com os adversários. Fotografias da época revelam-no atlético a saltar e a segurar com firmeza bolas altas. Possuía uma capacidade inata para jogar futebol, sendo capaz de jogar a bola com os pés com grande facilidade, uma competência técnica invulgar nos guarda-redes daquela época. Neste aspecto apenas António Roquete, do Casa Pia, seria melhor do que ele. A pequena área era sua, o seu território por excelência, onde fazia valer a sua elasticidade e a boa colocação na baliza. Como jogava de frente para a bola, falava muito com os seus companheiros da defesa, gritava-lhes ordens e indicações sobre os adversários.

 

Gritava e ria muito. A revista “Eco dos Desportos” (nº 48 de 6 de Fevereiro de 1927) publicou uma curiosa fotografia que mostra Cipriano do Santos a voar para uma bola que já estava dentro da baliza. “Cipriano ri, mas o caso é sério”, legendou a histórica revista semanal desportiva. Era um dos golos do empate União de Lisboa-Sporting (2-2).

 

Ruy da Cunha, um dos primeiros jornalistas desportivos portugueses, escreveu que o guardião leonino “não inchava com os aplausos” por ser um “modelo de desportista”. O site sportingcanal refere o seu carácter, o desportivismo e o espírito de sacrifício, salientando que mesmo adoentado realizou jogos extraordinários.

 

19074117_9lhne.jpg

Cipriano dos Santos pertence à História do Sporting. Foi ele que defendeu a baliza do Sporting  na final vitoriosa do Campeonato de Portugal disputada com a Académica em Faro (3-0), em 24 de Junho de 1923, na conquista do primeiro título a nível nacional. Venceu ainda por quatro vezes o Campeonato de Lisboa. Foi-lhe atribuída a Medalha de Mérito e Dedicação nas Bodas de Prata do Sporting (1931).

 

 

Fotografia 1 – Cipriano Santos (Eco dos Sports)

 

Fotografia 2 - Equipa do Sporting que conquistou o primeiro título nacional: Em baixo - Torres Pereira, Jaime Gonçalves, Francisco Stromp, João Francisco Maia e Carlos Fernandes. No meio - José Leandro, Filipe dos Santos e Henrique Portela. Em cima - Joaquim Ferreira, Cipriano dos Santos e Jorge Vieira.

 

publicado às 12:06

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo