Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



21120704_dl3Da.jpeg

O Sporting Clube de Portugal vem por este meio esclarecer que se mostra disponível para que o Campeonato Placard Andebol 1 termine caso a saúde pública esteja salvaguardada e acredita veemente que quaisquer decisões definitivas não devem ser tomadas enquanto existam datas disponíveis para terminar a competição. Esta tem sido a posição do Clube em todos os campeonatos das modalidades de pavilhão.

Desde o início da pandemia de COVID-19 que o Sporting CP tem estado sempre disponível para conversar com os clubes e federações sobre soluções conjuntas para um problema comum. Foi isso que, mais uma vez, se tentou fazer na passada quarta-feira, numa reunião efectuada por videoconferência com representantes dos catorze clubes do Campeonato Placard Andebol, para analisar a fundo as repercussões que a situação presente causou no desporto e em especial, no andebol.

Apesar da nossa convicção que a melhor solução para o Andebol Nacional é terminar as competições assim que for possível, estamos também apreensivos com alguns problemas, como por exemplo as dificuldades dos jogos nas ilhas, assim como a longa paragem que os clubes já enfrentam.

O Sporting CP continua fortemente empenhado em colaborar com a Federação Portuguesa de Andebol para encontrar as melhores soluções para a recuperação do Andebol Nacional.

publicado às 05:00

Só Eu Sei, Porque Fico Em casa!

Rui Gomes, em 14.03.20

19740811_3QhEz.jpeg

O Sporting Clube de Portugal apela a todos que sigam as recomendações da Direcção Geral de Saúde, na luta contra a propagação do novo coronavírus. 

Nas áreas afectadas, a Organização Mundial da Saúde recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença:

• Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo;
• Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto directo com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%;
• Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória;
• Evitar tocar na cara com as mãos;
• Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado.

Fonte: https://covid19.min-saude.pt/

publicado às 02:33

20581298_c0mZ8.jpeg

O Sporting CP anunciou esta quarta-feira através de comunicado o plano de prevenção ao coronavírus.  São várias as medidas adoptadas: desde a realização de jogos à porta fechada até ao cancelamento de conferência de imprensa pós-jogo de Rúben Amorim bem como de entrevistas na zona mista. 

"Em face das orientações da Direção-Geral da Saúde e das recomendações das diversas entidades, incluindo Ligas e Federações organizadoras das competições desportivas nacionais e internacionais, o Sporting Clube de Portugal e a Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD informam que cumprirão todas as indicações e que vão adoptar as seguintes medidas:".

As medidas anunciadas podem ser lidas no site oficial do Clube, aqui.

"Toda a informação será revista e este comunicado será actualizado sempre que existam alterações, por parte das entidades competentes, que o exijam".

publicado às 03:34

Obrigado Madjer!

Rui Gomes, em 21.02.20

22 anos de carreira, 14 anos de Sporting Clube de Portugal. João Saraiva, mais conhecido por Madjer, termina a sua carreira enquanto jogador de futebol de praia, aos 43 anos.

Em Dezembro de 2019, Madjer disse adeus à Selecção Nacional após conquistar o seu terceiro Campeonato do Mundo. Em Fevereiro de 2020, o melhor jogador de futebol de praia da história – distinguido pela France Football – termina a sua carreira de Leão ao peito, despedindo-se de todos os Sportinguistas.

Com um palmarés que fala por si, Madjer, ao longo da sua extensa carreira, foi cinco vezes melhor do Mundo FIFA; quatro vezes melhor da Europa; três vezes Campeão do Mundo; cinco vezes Campeão Europeu e duas vezes Campeão Nacional pelo Sporting Clube de Portugal.

87153500_10156636983556555_9163808923587706880_o (

Enquanto Leão, o internacional português realizou 210 jogos e marcou 167 golos.

O Sporting Clube de Portugal deseja a João Saraiva - Madjer - as maiores felicidades pessoais e profissionais e manifesta o enorme orgulho em poder ter na sua história o melhor jogador de sempre de futebol de praia.

Como o próprio disse recentemente: “É muito bom ser considerado o melhor de sempre, mas é ainda melhor ser do Sporting Clube de Portugal”.

Obrigado por tudo, Campeão!

publicado às 03:31

21120704_dl3Da.jpeg

O Sporting Clube de Portugal vem por este meio repudiar veemente mais um episódio de violência ocorrido nas instalações de Alvalade.

Esta tarde, depois da vitória da equipa de futsal frente ao SL Benfica, e quando fazia o corredor de acesso aos elevadores, já dentro do Estádio José Alvalade, Miguel Afonso, vogal do Conselho Directivo, foi agredido ao pontapé por várias pessoas identificadas com adereços da Juventude Leonina. A filha adolescente, que o acompanhava, foi cuspida e insultada.

Também Filipe Osório de Castro, vice-presidente, foi alvo de insultos e tentativa de agressão.

Os episódios cobardes e lamentáveis ainda se repetiram com um Assistente de Recinto Desportivo que foi alvo de agressões.

Numa altura que ainda decorre o julgamento de Alcochete no Tribunal de Monsanto e que o Sporting Clube de Portugal tenta ultrapassar os momentos extremamente violentos e traumáticos a que foi sujeito é, mais uma vez, atacado.

Desta vez, até uma menor foi insultada, cuspida, humilhada.

Perante as agressões, a violência, as ameaças e os insultos o Sporting CP não irá ceder.

Isto não é o Sporting CP. Tomaremos as medidas necessárias e defenderemos os Sócios, as famílias e todos aqueles que, sob o signo do Leão, vivem e apoiam sempre o seu Clube, com os valores que fazem parte do ADN do Sporting Clube de Portugal.

publicado às 04:03

image.jpg

CAMPOS INCLINADOS

"Para se compreender o amor de Jorge Sousa aos jogadores do Sporting Clube de Portugal, convém recuar a 2017, quando o então árbitro internacional português foi suspenso por três jogos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol. Em causa, algumas palavras menos agradáveis dirigidas pelo senhor Jorge Sousa ao guarda-redes da equipa B de futebol do Sporting CP Stojkovic apanhadas pelas câmaras de televisão – é preciso ter azar.

O senhor Sousa podia ter aprendido a controlar as suas emoções nos jogos do Sporting CP. Mas não, o homem não se aguenta.

Sem recordar a batalha campal unilateral do jogo desta época contra o Boavista FC, onde o senhor Sousa quase punha em causa a integridade física de Bruno Fernandes – acabando por expulsar o agora jogador do Manchester United FC –, o que se passou em Braga voltou a demonstrar que o senhor Sousa não pode apitar jogos do Sporting Clube de Portugal. Nos primeiros 45 minutos, além do favor de mostrar cinco cartões amarelos aos jogadores leoninos, poupou Galeno da expulsão – se dá amarelo a Neto, porque não fez o mesmo ao jogador bracarense? – e em lance de dúvida apitou sempre para o mesmo lado. Só assim se compreende que tenha cortado uma jogada onde Andraz Sporar se isolava, marcando... falta atacante.

Nos segundos 45 minutos regressaram os equívocos do senhor Sousa, o campo voltou a inclinar decisivamente e até Vietto conseguiu levar um cartão amarelo por ousar entrar em campo dois segundos antes de Acuña sair. Intransigências de via única, não. Assim não.

Miguel Braga

Responsável de Comunicação Sporting Clube de Portugal".

A surpreendente análise do antigo árbitro Duarte Gomes - surpreendente por ele ser um assumido benfiquista que não nutra o mínimo de simpatia pelo Sporting.

publicado às 03:19

42999702_2142193779132232_8028642105112920064_n-1-

A Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto, fez esta terça-feira um comunicado sobre a suspensão das claques Juventude Leonina e Directivo Ultras XXII.

1305391.jpgEpoca16_17_17.jpg

Face à divulgação de notícias que dão conta de que as claques "Juventude Leonina" e "Directivo Ultras XXI" deixaram de ser reconhecidas pela Autoridade para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto (APCVD) como grupos organizados de adeptos (GOA), tornando-se ilegais, importa a esta Autoridade corrigir e esclarecer:

1- É obrigatório o registo dos grupos organizados de adeptos junto da APCVD, de acordo com a Lei n.º 39/2009 - de 30 de Julho - na sua actual redacção, que estabelece definitivamente o regime jurídico da segurança e combate ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espectáculos desportivos. O incumprimento do referido registo veda liminarmente a concessão de apoios por parte dos promotores do espectáculo desportivo (n.ºs 1 e 2 do artigo 14.º).

2- De acordo com o previsto na mesma Lei, o promotor que atribua qualquer tipo de apoio a um grupo organizado de adeptos, está obrigado a manter "um registo sistematizado e actualizado dos filiados no mesmo" – n.º 1 do artigo 15.º, o que viabiliza a atribuição dos apoios "técnicos, financeiros e materiais concedidos a grupos organizados de adeptos" (n.º 3 do artigo 14.º) – e que, por sua vez, "são objecto de protocolo com o promotor do espectáculo desportivo".

3- O registo pode ser suspenso pelo promotor do espectáculo desportivo, como previsto no n.º 3 do art.º 15.º, sendo que, nos termos do n.º 4 desse mesmo artigo, aquando da dita suspensão o promotor do espectáculo desportivo cessa a concessão total de apoios ao grupo organizado de adeptos e informa a APCVD, de imediato e de forma documentada, justificando as razões da sua decisão.

4- Cumprida a formalidade da respectiva comunicação à APCVD, de forma documentada e justificada, esta Autoridade actualiza o estado do registo relativo aos respectivos GOA.

5- Se a suspensão perdurar pelo período de um ano, o promotor terá a obrigação de anular o registo, comunicando-o, de forma documentada à APCVD, nos termos do nº 5 do art.º 15.º.

6- Neste contexto, o Sporting Clube de Portugal comunicou à APCVD, no dia 29 de Outubro de 2019, de forma documentada e justificada, a suspensão do registo dos grupos organizados de adeptos "Juventude Leonina" e "Directivo Ultras XXI".

Assim, tendo sido cumprida a formalidade que a Lei estabelece, resultante da decisão de um clube, não cabe à APCVD emitir qualquer juízo ou autorização, mas sim actualizar a situação dos registos dos respectivos GOA.

Importante ainda esclarecer que, por imperativo legal, enquanto vigorar a suspensão do registo, encontra-se liminarmente vedada a concessão de todo e qualquer apoio aos grupos organizados de adeptos alvo da suspensão de registo por parte dos respectivos clubes.

A Autoridade para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto
Viseu, 12 de Novembro de 2019".

publicado às 03:20

img_796x493$2017_08_06_18_20_55_315296.jpg

Como habitual nas últimas épocas, a SAD do Sporting fez o balanço dos gastos e encaixes com a transferência de passes de jogadores durante o mercado de Verão.

De acordo com o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, na compra de passes de jogadores o Sporting gastou 20,5 milhões de euros, tendo pago 1,367 milhões de euros em comissões.

Em causa estiveram as transferências de Luciano Vietto, Luis Neto, Valentin Rosier, Rafael Camacho e Eduardo Henrique.

OriginalSize$2019_10_22_12_31_00_363415.jpg

Nas vendas o Sporting esteve bastante mais activo, com a transferência de mais de 20 passes de jogadores. No total o Sporting encaixou 51,95 milhões de euros,  sendo que estas transações implicaram o pagamento de 5,55 milhões de euros em comissões.

Assim, entre compras e vendas o Sporting gastou 6,92 milhões de euros em comissões. O valor que encaixou foi 31,45 milhões de euros superior ao que gastou na compra de passes de jogadores. 

OriginalSize$2019_10_22_12_30_59_363414.jpg

As comissões mais avultadas foram pagas nas vendas de Raphinha (2,5 milhões de euros) e Thierry Correia (2 milhões de euros).

Além das compras e vendas, o Sporting efectuou muitos empréstimos de jogadores (9 em Portugal e 10 no estranjeiro). E também recebeu três jogadores emprestados, destacando-se Jesé Rodríguez. O empréstimo do espanhol pelos franceses do PSG custou 2 milhões de euros aos cofres de Alvalade, sendo que o Sporting tem opção de compra.

publicado às 03:03

21120704_dl3Da.jpeg

O Sporting Clube de Portugal e a Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD informam que, na presente data, revogaram, com efeitos imediatos, os protocolos celebrados, no passado dia 31 de Julho, com a Associação Juventude Leonina e com o Directivo Ultras XXI - Associação.

Esta resolução é determinada em virtude da escalada de violência que ontem culminou com tentativas de agressões físicas a dirigentes e a outros adeptos do Sporting Clube de Portugal.

Regista-se também o incumprimento sistemático, por aqueles Grupos Organizados de Adeptos (GOA), das diversas obrigações que para si resultam dos referidos protocolos, nomeadamente a obrigação prevista na cláusula 3.1., mediante a qual “O GOA obriga-se a que os responsáveis dos GOA, os Sócios SCP dos GOA ou simpatizantes cumpram a lei (nomeadamente a Lei n.º 39/2009 de 30 de Junho, na redacção resultante da Lei n.º 52/2013, ou outra que venha a suceder-lhe), os Estatutos do SCP e os Regulamentos, no respeito das Instalações Desportivas do SCP e das pessoas e bens e o disposto no presente protocolo”, de que são exemplo as multas suportadas pelo SCP e SCP - Futebol, SAD por comportamento dos adeptos.

Mas, mais importante ainda do que estes factos, a resolução é determinada por aqueles GOA terem vindo a faltar sistematicamente no apoio devido aos atletas do Sporting CP, nomeadamente da equipa principal de futebol, razão primeira da celebração dos referidos protocolos. Com efeito, a única razão de fundo para a celebração dos protocolos é permitir aos GOA as melhores condições para o apoio aos atletas das equipas do Sporting CP; e, faltando esse apoio, falta, naturalmente, a razão de ser da vigência do protocolo.

O SCP e a SCP - Futebol, SAD cumpriram integralmente os protocolos; e esperavam da Associação Juventude Leonina e do Directivo Ultras XXI - Associação igual cumprimento integral.

O Sporting Clube de Portugal é uma instituição centenária, que sempre fez o seu trajecto no respeito do Desporto e que não pode compactuar com comportamentos violentos, contrários à lei e que apenas contribuem para o afastamento dos restantes Sócios e adeptos dos recintos desportivos. O Sporting Clube de Portugal rege-se pelos seus princípios e não abdicará deles, por muito difícil que seja alterar hábitos e privilégios antigos e sem qualquer justificação dentro do Universo Sportinguista.

Procurámos, com o máximo de abertura possível e pensando exclusivamente no apoio às nossas equipas, reformatar a relação que vinha sendo mantida com os nossos GOA e reformulámos os protocolos de relacionamento, reduzindo benefícios e aproximando os membros dos GOA dos direitos e obrigações dos demais Sócios do Sporting Clube de Portugal.

O futuro do Sporting CP define-se inevitavelmente nas decisões que tomarmos hoje e há coisas que já não podem ser toleradas, menosprezadas e que temos de enfrentar com coragem e lucidez. Não decidir será causador de maiores danos para o destino do Clube.

O presente do Clube é também uma consequência do seu passado. Os crimes cometidos em Alcochete e que se traduziram no maior ataque desportivo, financeiro e humano ao Sporting Clube de Portugal estão na memória de todos e a História não se apaga. Foram dezenas de milhões de euros de prejuízos, danos reputacionais inestimáveis para a imagem, nome e marca Sporting CP. Foi a página mais negra da História do Sporting Clube de Portugal e resultou num impacto muito negativo para o bom nome do Clube, infelizmente com consequências que perduram e dificultam a relação do SCP com outros clubes, dirigentes, agentes, jogadores e treinadores. Mas o que aconteceu tem de servir para que se retirem ilações, e devemos, no limite, aprender com essa tragédia. Aprender implica não repetir os erros do passado e não tolerar as tentativas de repetição como o ocorrido na mais recente invasão à garagem em Alvalade. E com que intuito? Mais agressões, mais rescisões, mais perdas.

Uma claque, seja ela qual for, tem uma função: apoiar as equipas do Clube. Se é usada para outros fins, se ameaça Sócios nos estádios, recintos e assembleias gerais, se usa a violência física ou verbal contra atletas, treinadores, técnicos, dirigentes e outros Sócios, se essa violência é gratuita ou patrocinada, se essa violência é espontânea ou instigada, se acha que está acima dos outros Sócios, se ataca e desvaloriza o Clube e o seu bom nome, se causa prejuízos de milhões de euros ao SCP, se faz com que o Clube pague centenas de milhares de euros em multas, se é notícia pelos piores motivos, se nem sequer apoia o Sporting Clube de Portugal, se faz com que os atletas sintam que “jogamos sempre fora”, então não está a servir o Sporting Clube de Portugal, então não está a desempenhar a função para que foi criada.

Por fim, está ainda em dívida a segunda prestação relativa à regularização da bilhética de 2018/2019, vencida em 9 de Outubro passado, facto que origina, nos termos da Lei, o vencimento automático de todas as demais prestações previstas no Anexos aos Protocolos.

Assim, decidiu o Sporting Clube de Portugal, a bem dos seus Sócios, atletas, dos seus profissionais, dos superiores interesses desportivos e financeiros do Sporting Clube de Portugal, e do seu futuro, terminar, com efeitos imediatos, o protocolo existente com quem violou dolosamente e conscientemente obrigações desse mesmo protocolo, com quem violou os estatutos do Sporting Clube de Portugal, com quem violou a lei da República Portuguesa, com todas as consequências que daí advirão.

Esta é uma questão muito séria, não exclusiva do Sporting Clube de Portugal, e que a partir dum certo momento terá de ser tratada pelo Estado Português. A violência no desporto e os meios de combate à mesma não são uma questão que o Clube deva tratar sozinho. Mas esta não é também uma questão somente do Estado Português, porque a violência no desporto preocupa, e muito, as mais altas instâncias do Futebol Mundial – UEFA, FIFA. Em inúmeros Estados Europeus, nomeadamente em Inglaterra, houve coragem para lidar, combater e erradicar a violência dos estádios e recintos desportivos.

Esta questão é demasiado séria... Apelamos que, não obstante divergências legítimas, independentemente de críticas que sejam justas e que reconhecemos, apesar de protestos e críticas razoáveis e pertinentes da massa associativa que humildemente aceitamos, haja o maior sentido de responsabilidade. Apelamos ao mais elevado sentido de Estado para quem quer verdadeiramente o bem-estar do Sporting Clube de Portugal. Apelamos ao mais profundo e genuíno Sportinguismo de todo e cada Sócio do Sporting Clube de Portugal. Esta é uma questão estrutural para o presente e futuro do Sporting CP e não meramente conjuntural.

Apelamos a todos os sócios do Sporting CP para que não se faça demagogia com este tema e para que não haja nenhum tipo de oportunismo político em torno desta questão. O Sporting Clube de Portugal não merece isso. Nenhuma divergência com qualquer Direcção ou dirigente justifica uma alta traição ao próprio Clube numa questão desta gravidade. Este é um problema que, a bem de todos, a bem do Sporting Clube de Portugal e até do Futebol Português, tem de ser resolvido.

Esta Direcção enfrentou condições muito difíceis e a nossa missão é – apesar do contexto pós-Alcochete, apesar do que fizeram de mal, de muito mal ao Sporting Clube de Portugal – a de entregar o Clube num estado melhor, bem melhor, do que aquele que recebemos. Essa é a nossa missão.

Dissemos e reafirmamos que nunca, mas nunca, nos faltará a coragem para protegermos e defendermos o Sporting Clube de Portugal seja do que for, seja de quem for.

E apesar das ameaças, da coacção, das injúrias, dos insultos, apesar dos riscos, apesar de tudo, consideramos que temos todos, mas todos, de enfrentar este problema que se arrasta e que se agrava a cada dia que passa, esperando uma regeneração, um novo rumo, da parte de quem quer realmente apoiar o Sporting Clube de Portugal.

Esta é uma questão em que os Sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal devem estar verdadeiramente unidos. É altura de dizer basta. É altura de tomar uma posição. E a única posição possível é a de defender o Sporting Clube de Portugal.

Hoje, lamentando profundamente este desfecho, escolhemos o Sporting Clube de Portugal.

O Sporting CP é de todos. Viva o Sporting CP!

Pelo Sporting CP e pela Sporting CP - Futebol, SAD

publicado às 03:34

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 14.10.19

img_920x518$2012_11_28_20_24_00_743554.jpg

A Juventude Leonina reagiu às declarações de João Sampaio, vice-presidente do Sporting, que lamentou esta sexta-feira o clima que se viveu na última Assembleia Geral do Clube. Sem referir qualquer nome, Sampaio criticou o comportamento de alguns sócios e falou numa "subida de grau na escalada da violência verbal". 

Em comunicado, citado pelo jornal Record, a claque desafia a direcção do Clube a "tirar a gravata e a apoiar na bancada", questiona o amor dos directores pelo Clube e deixa uma garantia: "Quem nos tenta derrubar, só perde tempo em tentar".

Eis o comunicado

"Após as declarações de hoje do Sr. João Sampaio, gostaríamos de relembrar a todos os nossos sócios, que a Juventude Leonina não é telecomandada. Somos sócios e como tal, temos direito à opinião e ao voto como qualquer sócio.

Apesar do Sr. João Sampaio, por alguma razão, não ter referido o nome do GOA, vem a Juventude Leonina dizer que não emite este comunicado por, como diz o ditado, nos servir a carapuça, mas por sermos frontais e estarmos conscientes do estado actual do Sporting Clube de Portugal.

Somos e seremos a Juventude Leonina, desde 1976 e para sempre!

Será que o maior problema do Sporting Clube de Portugal são os seus adeptos? Ou só somos bons quando ganhamos? Ou só somos bons quando tudo corre bem? Ou só somos bons quando está tudo bem e tentam nos calar?... Acabou!

Somos sócios, temos a nossa opinião!!!

Um dia experimentem tirar a gravata e venham apoiar na bancada o que nós apoiamos, o que nós amamos é o nosso Sporting Clube de Portugal! E vocês? Amam o Sporting? Amam os vossos ideais? Ou amam a cor do dinheiro??

As direcções passam e nós estamos sempre cá!

Quem nos tenta derrubar, só perde tempo em tentar!

Um dia Juve Leo, Juve Leo até morrer!

Sporting sempre!"

publicado às 05:33

download.jpg

A Sporting SAD reagiu de modo crítico, via comunicado, à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) de não levar a julgamento a SAD do Benfica no âmbito do processo 'E-toupeira', mantendo a decisão instrutória da juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal.

Eis o comunicado:

"A Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD comunga da perplexidade geral face ao Acórdão, conhecido hoje, que decidiu não pronunciar a Sport Lisboa e Benfica - Futebol, SAD, no caso vulgarmente conhecido como ‘e-toupeira’ e foi por isso que, em tempo, acompanhou o recurso oportunamente apresentado pelo Ministério Público.

Sem prejuízo daquilo que possa sustentar a decisão, em termos de argumentos de carácter formal e técnico, permanece incompreensível a cisão operada e agora mantida entre a referida SAD e o Dr. Paulo Gonçalves, o qual, a ser assim, teria agido de motu proprio, com objectivo e finalidades difíceis de conceber.

A Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD continuará a bater-se pela verdade desportiva com energia e intransigência, permanecendo atenta e actuante no âmbito dos diversos processos sob investigação e que indiciam práticas de enorme gravidade, com potencial impacto na verdade desportiva e que serão, uma vez provadas, merecedoras de sanção adequada nos planos criminal e desportivo".

paulo-gonccca7alves_vieira12002-1_1280x640_acf_cro

Em análise final, será que esta decisão do referido Tribunal é surpresa alguma?...

"Não merece provimento o recurso do Ministério Público e do assistente Perdigão na parte em que pretendiam a pronúncia [julgamento] da Benfica SAD como coautora de todos os crimes imputados".

Recorde-se que o ex-árbitro Perdigão da Silva, que se constituiu assistente no processo, também apresentou recurso para a Relação de Lisboa.

Em 21 de Dezembro do ano passado, a juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), não pronunciou (não levou a julgamento) a SAD do Benfica por nenhum dos 30 crimes pelos quais foi acusada pelo Ministério Público (MP), nem o funcionário judicial Júlio Loureiro, mas pronunciou, no entanto, o antigo assessor jurídico do Benfica Paulo Gonçalves e o funcionário judicial José Silva.

O MP interpôs recurso para o TRL, que foi distribuído ao juiz/relator Rui Teixeira, no qual o procurador Válter Alves defendeu a pronúncia da SAD 'encarnada' por um crime de corrupção activa, outro de oferta ou recebimento indevido de vantagem e 28 crimes de falsidade informática: os 30 crimes que constam da acusação por si proferida.

publicado às 04:18

20973671_TOhCZ.jpeg

Em face da notícia da transferência do jogador Rafael Leão do Lille OSC para o AC Milan, a Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD esclarece o seguinte:

1. Que continua a considerar que ao jogador Rafael Leão não assistia razão para resolver o contrato de trabalho desportivo que o ligava à Sporting CP - Futebol, SAD;

2. Que continuará a lutar por fazer valer os seus direitos nas instâncias competentes e, sobretudo, junto da FIFA, onde reclamará do Lille OSC a compensação devida pelos direitos desportivos do jogador de que se viu ilicitamente privada, cujo valor é ilustrado pela transferência agora anunciada,

3. E que tudo fará para que os infractores não sejam beneficiados, como mandam as regras do jogo e da ética na relação entre Clubes.

publicado às 19:38

Comunicado do Sporting

Rui Gomes, em 11.06.19

21120704_dl3Da.jpeg

Perante os acontecimentos verificados durante e após o jogo disputado no pavilhão da Luz entre as equipas de futsal do SL Benfica e do Sporting Clube de Portugal, vem o Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal esclarecer o seguinte:

   1. O Sporting Clube de Portugal não justificará as suas derrotas com as condutas de terceiros, mas não desistirá da sua batalha contra a violência no desporto;

    2. Assim, lamenta-se profundamente que, uma vez mais, o ambiente vivido no pavilhão da Luz tenha incluído sucessivas interrupções de jogo por parte dos adeptos do clube visitado e os já tristemente habituais cânticos de exultação ao assassinato de um adepto do Sporting Clube de Portugal. É tempo de a justiça desportiva actuar energicamente contra este comportamento;

   3. Estranha-se que se refira uma informação pela Polícia de Segurança Pública quando é público – pelas imagens que foram divulgadas – que os acontecimentos relatados foram presenciados, entre outros, por elemento da PSP que, de acordo com o que informou os atletas do Sporting Clube de Portugal presentes no local, cumpriu o seu dever de reportar o acontecimento às suas chefias;

   4. É inútil negar o óbvio: as agressões existiram e foram perpetradas por adeptos do Sport Lisboa e Benfica, conhecidos como tal;

  5. Quem incendeia o ambiente da final não é quem denuncia a prática de crimes: é quem não os condena, e assim os branqueia, quando eles são cometidos pelos seus adeptos;

  6. O Sporting Clube de Portugal e os atletas envolvidos participarão a ocorrência junto da PSP e da FPF, esperando que estas entidades actuem contribuindo para banir do Desporto este tipo de comportamentos.

publicado às 05:00

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 29.04.19

 

img_920x519$2019_04_28_19_40_45_1540020.jpg

 

O SC Braga emitiu um comunicado depois do encontro deste domingo com o Benfica, em que critica duramente a arbitragem dessa partida, assim como a arbitragem em geral em Portugal que, na sua óptica, impediu o clube minhoto de disputar o 3.º lugar, alegando... "que foi também flagrante a forma como o nosso competidor directo foi constantemente favorecido, jornada após jornada, para que o topo da tabela reflectisse a hierarquia crónica.

 

Eis o comunicado:

 

"Mais uma jornada, mais uma demonstração da falência da arbitragem em Portugal, da incoerência dos seus critérios e da sua clara interferência na classificação em prol do "status quo" vigente.


Este domingo, contra o SL Benfica, assistimos a mais um rol de decisões inacreditáveis em prejuízo do SC Braga. Desde logo, um penálti por assinalar por jogo perigoso com contacto sobre Paulinho (17’). Aos 57’, porém, seria indevidamente marcada grande penalidade a favor do SL Benfica, apesar de não existir falta de Esgaio. Tão instável como o critério técnico foi o critério disciplinar, com João Félix (61’) e Florentino (78’ e 79’) a escaparem a claras infracções merecedoras de segundo cartão amarelo.

 

Nos momentos de decisão, o SC Braga foi sempre impedido de disputar o terceiro lugar, sendo também flagrante a forma como o nosso competidor directo foi constantemente favorecido, jornada após jornada, para que o topo da tabela reflectisse a hierarquia crónica.

 

Há bons árbitros em Portugal, mas há também uma notória incapacidade de renovar o sector e isso exige uma profunda reflexão do Conselho de Arbitragem.


A evolução só é possível com autocrítica, exercício a que não são dadas as estruturas que gerem o futebol em Portugal, com responsabilidades a partilhar entre a FPF, o seu CA e a Liga. Em Itália, um erro no recente Juventus-AC Milan mereceu punição pública e pronta intervenção mediática dos responsáveis do sector. Em Portugal, continuamos a preferir o corporativismo e a negação.


Mas quando se desvirtua um campeonato desta maneira, algo vai profundamente mal no reino da arbitragem!"

 

publicado às 04:45

Comunicado do Sporting

Rui Gomes, em 18.04.19

 

21120704_dl3Da.jpeg

 

"O Sporting Clube de Portugal repudia de forma veemente o fait diver relativo ao Hóquei em Patins que hoje é publicado no Jornal A BOLA.

 

É triste verificar que, no dia em que o Sporting CP é escolhido pelo World Skate Europe RH para organizar a Final Four da Liga Europeia, a prova mais importante de clubes do Mundo, um jornal com o prestigio de A BOLA esteja mais preocupado em fornecer um serviço, que consideramos lamentável, em torno de rumores e na base do “diz que disse”, em vez de, realmente, informar os leitores sobre factos que devem encher de orgulho, não só os sportinguistas, mas os amantes de desporto na sua globalidade.

 

Mais: sem querer dar quaisquer lições de moral a ninguém, o Sporting CP não pode deixar de considerar, no mínimo curioso, que o Jornal A Bola volte, uma vez mais, a infringir o código deontológico que deveria ser respeitado. Segundo o documento aprovado no 4.º Congresso de Jornalistas, realizado a 15 de Janeiro de 2017, o ponto 1 não deixa dúvidas: “Os factos devem ser comprovados, ouvindo as partes com interesses atendíveis no caso.”

 

Ora, não foi o que aconteceu aqui. A jornalista que assinou a peça voltou a não ouvir os responsáveis do Sporting CP, como, de resto, tem sido recorrente na presente temporada, com a publicação de notícias profundamente especulatórias, curiosamente difundidas sempre em momentos cruciais da época.

 

O Sporting Clube de Portugal está focado nos objectivos nacionais e europeus em todas as competições de todas as modalidades em que está inserido e, particularmente, em relação ao Hóquei em Patins, congratula-se pela fantástica notícia da atribuição da organização da Final Four da Liga Europeia de Hóquei em Patins".

 

Confesso que publico o Comunicado ler o artigo que está em discussão. Não tenho a edição papel do jornal A Bola e nada encontrei online. Talvez que um leitor tenha conhecimento do escrito que provocou a indignação do Sporting.

 

Capitao.png

A "notícia" no jornal A Bola

 

publicado às 13:08

 

21120704_dl3Da.jpeg

 

"O Sporting Clube de Portugal viu hoje exposto um conjunto de temas da vida do Clube que de maneira alguma deviam ter sido exibidos da forma como foram.

 

Neste momento o relatório de auditoria da Baker Tilly, contratada pela Comissão de Gestão, está concluído.

 

Sobre o mesmo, o Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal tomou a iniciativa de o entregar às entidades de investigação nacionais, ao Conselho Fiscal e Disciplinar do Clube e de pedir ao Departamento de Sócios que o disponibilize para consulta a todos os Sócios com quotas em dia, tal como aconteceu no passado, no centro de atendimento a partir desta 6ª feira".

 

Uma vez que o Relatório de Auditoria datado 15 de Março de 2019 preparado pela Baker Tilly já se encontra na praça pública, disponibilizamos AQUI o link do documento, em formato PDF, para leitura de quem tiver interesse.

 

Ao ler parte do documento, duas declarações da Baker Tilly despertaram interesse:

 

"O âmbito do nosso trabalho, não constituiu a natureza de uma auditoria forense, sendo que as nossas opiniões e conclusões se basearam e assumiram que a informação disponibilizada, é correcta, verdadeira, lícita e factual, bem como que os esclarecimentos que nos foram  disponibilizados, estão despidos de preconceitos ou intenções de distorcer as nossas análises e conclusões".

 

"A nossa análise não constitui uma descrição exaustiva de todas as situações anómalas que possam eventualmente ter ocorrido no período em apreço e que possam ser questionadas do ponto de vista de cumprimento das denominadas boas praticas de gestão, quer pelo facto de termos apenas efectuado as revisões e análises sobre as transacções enunciadas no caderno de encargos (cuja definição não foi da nossa responsabilidade), quer pela subjectividade que a classificação de uma pratica anómala encerra".

 

Induzem qualquer leitor a concluir que o ónus de investigar as anomalias resultantes da Auditoria recai sobre as "entidades de investigação nacionais".

 

publicado às 05:05

 

download.jpg

 

Sporting e Vitória de Guimarães emitiram esta quarta-feira um comunicado conjunto,  dando conta que a SAD minhota desistiu do pedido de insolvência que tinha interposto contra o Sporting devido ao incumprimento na transferência de Raphinha:

 

"SCP SAD e a VSC SAD comunicam que iniciaram negociações tendentes à resolução do incumprimento contratual verificado na transferência do jogador Raphael Dias Belloli. Tentando antecipar a boa conclusão dessas negociações, o que se espera, as partes mais comunicam que já alcançaram um acordo para a desistência da instância do processo de insolvência".

 

Os dois presidentes, Júlio Mendes e Frederico Varandas, estiveram reunidos no passado dia 8 de Março, em Guimarães, na tentativa de alcançar um acordo. Em causa uma dívida de 4,1 milhões de euros do Sporting.

 

publicado às 02:02

 

21120704_dl3Da.jpeg

 

COMUNICADO DO CONSELHO FISCAL E DISCIPLINAR

 

(Processo 7/2018)

 

O Conselho Fiscal e Disciplinar do Sporting Clube de Portugal vem comunicar aos sócios ter sido proferida decisão final no âmbito do processo disciplinar número 7/18, em que são arguidos os sócios visados Bruno Miguel Azevedo Gaspar de Carvalho (“Bruno de Carvalho”), Carlos Fernando Barreiros Godinho Vieira (“Carlos Vieira”), Rui Pereira Caeiro (“Rui Caeiro”), José Eduardo da Câmara Correia de Lemos Quintela (“José Quintela”), Luís Filipe Teixeira Gestas (“Luís Gestas”), Luís Miguel Salgueiro Roque (“Luís Roque”) e Alexandre António Gaspar Carvalho Godinho (“Alexandre Godinho”).

 

Assim, foi deliberado pelo Conselho Fiscal e Disciplinar aplicar as seguintes sanções:

 

- O Sócio Visado Bruno de Carvalho foi punido com a sanção de Expulsão;

 

- O Sócio Visado Alexandre Godinho foi punido com a sanção de Expulsão;

 

- O Sócio Visado Carlos Vieira foi punido com a sanção de Suspensão por nove meses;

 

- O Sócio Visado Luís Gestas foi punido com a sanção de Suspensão de seis meses;

 

- O Sócio Visado Rui Caeiro foi punido com a sanção de Repreensão Registada.

 

Mais foi deliberado arquivar os autos quanto aos sócios visados:

 

- Luís Roque;

 

- José Quintela.

 

A decisão, em detalhe, do Conselho Fiscal e Disciplinar, disponível aqui.

 

publicado às 11:33

Comunicado do Conselho Directivo

Rui Gomes, em 17.02.19

 

11350501_435186369994715_9029993473815943424_n.jpg

 

"O Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal informa que na próxima sexta-feira, 22 de Fevereiro, fará um balanço e exposição da situação do Clube desde Setembro de 2018, altura da sua tomada de posse.

 

É nossa firme convicção que a situação do nosso Clube exigia, por estrito sentido de responsabilidade, uma gestão silenciosa. 

 

Neste momento, e porque o Sporting Clube de Portugal é e será sempre dos Sócios, impõe-se a verdade sobre o “Estado da Nação”, o que faremos em Conferência de Imprensa, sem prejuízo da apresentação mais detalhada, a fazer na próxima Assembleia Geral.

 

O Sporting Clube de Portugal precisa do sentido de responsabilidade de todos. 

 

Todos são necessários para recuperarmos a essência, o nosso ADN. É fundamental voltar a semear, organizar, investir. E com a grande força dos nossos Sócios e Adeptos, com o profissionalismo e entrega de todos os que vestem a nossa camisola, por mais dificuldades, por mais rasteiras, por mais adversidades que existam, o Sporting Clube de Portugal resistirá a tudo, continuará o seu caminho e vai reerguer-se".

 

publicado às 03:10

 

20973671_TOhCZ.jpeg

 

Em face da informação ontem e hoje trazida a público sobre o recurso interposto pelo atleta Ristovski, a Sporting SAD entende como oportuno referir o seguinte:
 
Em primeiro lugar, é de lamentar profundamente que os órgãos federativos tenham optado por discutir publicamente um processo disciplinar e seu recurso, para mais omitindo pormenores que seriam relevantes para o cabal esclarecimento da questão;
 
Em segundo lugar, esclarecer o seguinte:
 
2.1. O mapa de castigos contendo a sanção de suspensão por 2 jogos aplicada ao jogador Ristovski foi divulgado no dia 01 de fevereiro, às 16.58;
 
2.2. Às 17.52 do mesmo dia, foi solicitada à FPF a documentação que fundamenta a decisão;
 
2.3. A esse pedido, respondeu a FPF, às 10.00H do dia 4/2;
 
2.4. O recurso foi preparado e deu entrada nos serviços da FPF às 20:47 do mesmo dia 4/2.
 
O recurso interposto foi julgado sem ouvir qualquer testemunha, analisando apenas a prova videográfica apresentada;
 
Tal decisão poderia, obviamente, ter sido tomada de imediato, a partir das 20.47H do dia 4/2, desconhecendo a Sporting SAD por que razão foi designada a inquirição de uma testemunha cujo depoimento, afinal, se entendia ser inútil para a decisão que veio a ser tomada.
 
É incompreensível, portanto, que, em face dos factos referidos supra, se refira uma alegada demora do Sporting, quando a FPF – porventura porque os serviços estarão encerrados ao fim de semana – demorou mais de 60 horas (!!) a enviar a documentação que fundamenta a decisão.
 
Sublinhe-se: o recurso foi interposto 75 horas e 49 minutos após a divulgação do mapa de castigos. Desse lapso temporal, são atribuíveis ao jogador 11 horas e 41 minutos para a solicitação dos fundamentos e a elaboração do recurso após a recepção e análise daqueles; as remanescentes 64 horas e 08 minutos correspondem ao tempo que a FPF tardou em proceder ao mero envio dos elementos solicitados (que nem careciam de ser elaborados, porque já existiam), de que depende o início do prazo para recurso.

 

ristovski3.jpg

 

É igualmente incompreensível, e caricato, que a FPF aplique uma sanção de suspensão por dois jogos por mapa de castigos, com a mera indicação da norma aplicável, mas já sinta a necessidade de lavrar 23 (vinte e três!) páginas de texto para reduzir essa sanção para um jogo.

 

Quantas horas tomou essa redacção? Porque não comunicar de imediato ao interessado o sentido da decisão, que se sabe ser urgente, e remeter os fundamentos posteriormente, se solicitados?
 
É fundamental que os órgãos dirigentes da FPF dotem o organismo dos meios que possam assegurar que os recursos são decididos em tempo útil, sendo obviamente descabido responsabilizar os recorrentes por isso não ter acontecido.
 
A Sporting SAD lembra que o primeiro jogo em que o castigo foi cumprido se realizou no Domingo e que foi a FPF que tornou manifestamente impossível recorrer do castigo, nessa parte.
 
E termina lembrando que o atleta Ristovski foi despenalizado do segundo jogo de castigo que lhe foi aplicado, o que bem atesta que tinha razão no recurso que interpôs. E que, por isso, foi injustamente afastado do jogo de ontem.
 
A Sporting SAD vai requerer à FPF uma reunião de urgência sobre o tema da adequação dos regulamentos e procedimentos à lei e sobre a necessidade de a FPF garantir o julgamento dos recursos em tempo útil.

 

publicado às 17:54

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo