Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

21206556_5bREh.jpeg

 

Na Parte I deste texto, tentei abordar de forma mais ou menos teórica, a problemática do Tempo na tomada de decisão. Antes de continuar, gostava apenas de realçar algo que tive de repetir na resposta a muitos comentários: Tempo para decidir e o momento da Comunicação da decisão são dois aspectos completamente diferentes.

 

Hoje neste texto, gostava de continuar a abordar esta temática de forma mais prática, com exemplos que espero eu, possam levar a uma melhor compreensão e a uma saudável discussão acerca de como deverá o Sporting encarar este tema no futuro.

 

Tempo para as decisões

 

Um qualquer gestor de topo, deverá saber medir a sua reacção nos tempos acertados. Tal como disse no texto anterior, a sociedade actual exige uma rapidez que não é compatível com a capacidade humana, pelo que, grandes gestores tomam as decisões nos tempos necessários e não quando as pressões o exigem.


O processo de negociação das rescisões é um exemplo tremendo. Um “qualquer” gestor facilmente poderia ceder à pressão da falta de dinheiro, da exigência dos sócios e de todos os actores que gravitam à volta do Sporting e que exercem pressão consoante os seus interesses. Um bom gestor, não compromete o futuro com teimosias, mas também não decide “a quente” mesmo perante a iminência de penhoras por falta de tesouraria.

 

Um mau exemplo de gestão do Tempo na tomada de decisão era quase tudo o que Bruno de Carvalho fazia. Por exemplo, muitos dizem que ele é o “pai” dos problemas do SLB por causa da denúncia dos vouchers. Vamos ver se o futuro não vai mostrar que ele foi “pai” e “salvador”, pois ele com a ânsia de “queimar” o SLB fez o que não devia ter feito: veio a público precocemente denunciar.

 

Tivesse ele sabido gerir o seu Tempo, teria numa primeira fase feito uma denúncia ao Ministério Público e só posteriormente, caso não houvesse resultados, viria a denunciar o caso publicamente. Tivesse ele feito essa denúncia, que outras situações não teriam sido “apanhadas” pelas escutas?

 

Da maneira como agiu, BdC deu ao SLB o tempo necessário para “apagar provas”, tomar precauções e jogar com a consequente investigação que dificilmente trará consequências desportivas.


Outro mau exemplo de gestão do Tempo, foi a tomada de decisões no momento em que estava a Comunicar.

 

Por exemplo, quando suspendeu a equipa através do FB, BdC não só errou, como cometeu acto ilícito que em Portugal só não é condenado porque a nossa CMVM é uma anedota. Vejam o que aconteceu a Elon Musk (CEO da Tesla) por ter twittado sobre actividades da empresa que não estavam ainda outorgadas.

 

Só em Portugal, um qualquer CEO de uma empresa cotada pode fazer declarações públicas que afectam gravemente os activos da empresa, e consequente cotação em bolsa, e não leva nenhuma repreensão.

 

Neste caso foi ainda pior, pois Bruno de Carvalho comunicou uma decisão que não tinha poder de tomar e ainda por cima posteriormente teve de “voltar atrás” o que, sob o ponto de vista de qualquer investidor/financiador/fornecedor mostra o quão pouco credível é aquele CEO.

 

Péssima gestão de Tempo com repercussões gravíssimas para o SCP.

 

A extensão das decisões no Tempo

 

Uma outra forma de ver o Tempo nas organizações, tem a ver com a extensão das decisões no Tempo. Numa empresa “normal” este assunto é mais ou menos controlado uma vez que todos os actores estão a “remar para o mesmo lado”, no entanto na gestão publica e na gestão desportiva este tema merece ser amplamente discutido.

Um caso que foi falado já há alguns meses, teve a ver com os contractos de TV e questiona-se se é ético que uma Direcção eleita para um intervalo de tempo de quatro anos, negocie contratos de extrema importância e valor, que possuem prazos temporais tão extensos como dez ou quinze anos. Nestes casos estamos a falar de “impedir” que as próximas três ou quatro Direcções negoceiem elas uma das principais fontes de rendimentos do clube.


O que é deveras curioso neste exemplo, é que o mesmo adepto que critica a existência de um contrato de 15 anos para a prestação de um serviço (catering), acha que é um grande negócio um contrato de 12 anos que vale quase 200 vezes mais pelos direitos de TV, etc.

 

A diferença é que o adepto tem todo o direito de ser irracional, já o Gestor tem o dever de agir competentemente.

 

Penso que urge que no universo sportinguista se discuta este assunto e se tomem medidas. Pessoalmente defendo uma solução que passe pelo impedimento de uma Direcção encetar contratos com um peso superior a X % do orçamento anual e que se estendam no tempo mais que o seu mandato, sem a aprovação da AG. Uma regra deste género impediria um hábito tão português como o chamado “empurrar com a barriga para a frente”.

 

Afinal de contas, o que impede uma Direcção impopular de, no final do seu mandato, encetar um contrato qualquer para os próximos 50 anos, que a venha a favorecer a si pessoalmente?

 

publicado às 14:00

 

21206556_5bREh.jpeg

 

"A Persistência da Memória" é uma extraordinária obra do excêntrico Salvador Dali. Terá o próprio afirmado que a fez enquanto a sua esposa foi ao teatro e a quando do seu regresso a casa, ele lhe perguntou se ela após ver a obra ainda se lembraria dela dali a 3 anos, ao que ela lhe terá respondido, que uma vez vista, ninguém jamais a conseguiria esquecer. 

 

Como qualquer grande obra, "A Persistência da Memória" possui diferentes interpretações consoante a pessoa que a está a ver, sendo no entanto mais ou menos generalizada a ideia que ela nos transmite um sentimento de "tempo que nos escorre por entre os dedos".

 

Tempo. Esse velho conhecido que pode ser o nosso melhor aliado, ou o pior inimigo.

 

A medição da passagem do tempo, uma invenção do homem moderno, tem servido o propósito de apoiar a evolução da humanidade, sendo que é possível ler na história dos Homens, uma crescente urgência na concretização de tarefas iguais. Esta urgência crescente tem evoluído à medida do desenvolvimento da tecnologia disponível, dai que tenha tido um crescimento exponencial no inicio do Sec. XX com a revolução industrial e agora novamente com a revolução tecnológica. O que antes era aceitável ser feito em 2 dias, agora não pode demorar mais de 2 horas. O que antes era aceitável ser feito em 2 horas, agora têm de ser imediato...

 

Toda esta evolução parece natural e necessária, pelo que é difícil percepcionar que dela advenham problemas. Afinal de contas, que mal pode vir ao mundo, a exigência de evoluir e fazer as tarefas cada vez mais instantâneas?

 

O problema é que esta urgência que atribuímos às tarefas, tendemos também a atribuir às decisões, e o ser humano, ao contrário da tecnologia, tem uma evolução lenta pelo que estamos a exigir uma rapidez que não se coaduna com as nossas capacidades e isso leva inevitavelmente ao erro.

 

Seja no trabalho, seja na vida pessoal, vivemos o imediato... exigimos o imediato... Se o patrão detecta um problema, exige resposta sem dar tempo a reflexões. Se o telemóvel toca, exige-se que se atenda ou que se responda. Se temos a necessidade de algo, compra-se, não se reflectindo nem procurando alternativas.

 

A urgência do tempo, imposta por nós e principalmente pelos outros, está a roubar-nos o pensamento e a reflexão... Está a obrigar-nos a cometer erros.

 

E o que tudo isto tem a ver com o Sporting?

 

TUDO!!!!

BdC, não tivesse ele sentido urgência em dar resposta a tudo e a todos, ainda hoje era Presidente. Não se tivesse ele sentido pressionado pela urgência do tempo, e não teria feito todos aqueles posts no Facebook, não teria comprado as guerras que comprou, não teria cometido os erros que cometeu... foi vencido pelo sentimento de urgência e a cada dia que passava as suas decisões eram cada vez mais imediatas, urgentes... erradas...

 

Quem ocupa posições de topo tem de perceber que a reflexão é sempre necessária. Tem de perceber que o ser humano não evoluiu à mesma velocidade que a tecnologia; que precisa de tempo para decidir.

 

Se a resposta é imediata, a probabilidade de errar é enorme. Um grandes gestor sabe disto e por maior que seja a pressão daqueles que o rodeiam, cabe a ele não ceder...

 

Todas as decisões precisam de Tempo... Grandes decisões precisam de muito Tempo.

 

Frederico Varandas (em quem não votei), até agora tem sabido gerir o seu tempo. É porventura o presidente do Sporting que mais tem sido pressionado pelo imediatismo e pela urgência. É igualmente o que menos tem cedido.

 

Felizmente tem-se mostrado à altura da posição que ocupa e tem ignorado essa pressão e mesmo quando figuras de peso como Ricciardi vieram exigir o imediato ele soube responder com a necessidade do Tempo.

 

Ricciardi mostrou uma vez mais que não passa de um incompetente que teve a sorte de nascer num berço de ouro.

 

O Sporting possui demasiados problemas para que as decisões não sejam ponderadas... Todas as decisões exigem reflexão, pois o espaço para tomar decisões erradas é cada vez menor. É isto que poucos Sportinguistas compreendem.

 

O "sangue na guelra" tem de estar no estádio ou nos pavilhões durante os tempos de jogo, não pode, não deve, estar nos gabinetes onde se tomam decisões.

 

publicado às 12:00

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo