Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O mais ecléctico dos clubes portugueses

Naçao Valente, em 18.02.20

2020-02-17 (2).png

*Título extraído de um comentário de Leão Zargo, num post sobre Joaquim Agostinho

O Sporting Clube de Portugal foi fundado por homens que gostavam de jogar futebol, uma modalidade, importada da Inglaterra, mas com muita aceitação no início do século XX. Mas quem consultar a história do Clube encontra logo no período da sua fundação várias outras modalidades, como ténis, atletismo e ginástica. Igualmente curioso é constatar que houve, desde sempre, grande participação de mulheres atletas na vida do Clube, como por exemplo Hortense Roquette.

O Sporting CP é um clube ecléctico, o campeão do eclectismo em Portugal. É e sempre foi. Sendo o futebol como modalidade popular, menos exigente em meios, e portanto acessível a todos os que o quisessem praticar,  depressa se popularizou. Bastava uma bola, às vezes feita de trapos para se reunirem interessados, num espaço mais ou menos amplo, e para se organizar um jogo.

No entanto, outras modalidades foram gradualmente ganhando o seu lugar, captando atletas e competindo ao mais alto nível interno e externo. Não foi por acaso que o Clube ganhou desde muito cedo títulos nacionais e europeus. É uma pena que esta rica história desportiva, não seja mais divulgada, porque é pouco conhecida da gerações mais recentes. Refere-se o ciclismo, que levou ao clube até ao país mais recôndito, o atletismo  com mais de sessenta medalhas internacionais, o hóquei em patins, com oito medalhas de ouro europeias, só para dar alguns exemplos.

2020-02-17 (3).png

Quando se aprecia a grandeza de um clube, tem que se ter em consideração o papel que desempenhou, não apenas no desenvolvimento e divulgação do futebol, mas no trabalho que foi feito noutras modalidades. Esta herança que vem do passado, mas que continua a estar presente, devia orgulhar todos os sportinguistas, e, diga-se, até os portugueses que apoiam outros clubes.

No Camarote Leonino, ao contrário de outros espaços, dá-se grande relevo a todas as modalidades. Um serviço de evidente valor que se presta ao Sporting e que merece ser devidamente reconhecido. Pena é que muitos dos seus leitores passem ao lado dessa divulgação. Pena é que os adeptos sportinguistas, e de todos os clubes, só vivam focados no futebol, com uma cegueira que não permite ir mais além. Deste modo, o chamado desporto rei, que também sigo com paixão, aliena mais do que liberta, como devia ser a função do desporto.

Os sportinguistas precisam de olhar para o Clube de uma forma mais ampla, valorizando o seu historial, passado e presente, unindo-se à sua volta com a convicção que não somos, de nenhum modo, inferiores aos nossos adversários. E  devemos mostrar que como adeptos de um clube ecléctico, apoiamos o eclectismo.

Isto é o verdadeiro Sporting e não o que hoje pulula nas redes sociais!

publicado às 03:33

Fotografia com história dentro (35)

Leão Zargo, em 26.02.17

 

20278114_iaZNr.jpg

 

O presidente João Rocha e o Hóquei em Patins

 

João Rocha foi um dos presidentes do Sporting que deu maior importância ao ecletismo do Clube. Com ele na presidência, o Hóquei em Patins leonino alcançou um nível extraordinário, tendo conquistado uma Taça dos Campeões Europeus, duas Taças das Taças e uma Taça CERS.

 

Nesta fotografia tirada em Alvalade em 18 de Junho de 1977, o presidente João Rocha está acompanhado pelos seus filhos, e um deles segura o troféu dos Campeões Europeus conquistado na final contra os espanhóis do Villanueva. Houve festa rija no Estádio, com os jogadores e técnicos a serem recebidos em euforia por uma multidão de sportinguistas, depois de um cortejo triunfal.

 

Foi o tempo da Equipa Maravilha, os nossos “cinco magníficos” do Hóquei em Patins: Ramalhete, Rendeiro, Sobrinho, Livramento e ‘Chana’. Foi a melhor equipa portuguesa de sempre no hóquei patinado, ganhou tudo o que havia por conquistar!

 

publicado às 12:15

Um desvario é apenas um desvario

Leão Zargo, em 07.06.16

 

Jornal Sporting 1958.jpg

 

Bruno de Carvalho voltou ao seu registo habitual num jantar-convívio no núcleo sportinguista de Alcobaça, realizado na passada 6ª feira. Segundo os jornais, terá afirmado que “o Sporting deu um murro na mesa e disse chega. O desporto será diferente se o Sporting abandonar modalidades.”

 

O desvario a propósito de uma hipotética extinção das modalidades é apenas isso. Um desvario, felizmente inconsequente, porque ele não põe e dispõe do Clube. Mas, serviu para desiludir aqueles sportinguistas que, pelas recentes movimentações na área da Comunicação, chegaram a acreditar que estava na forja um outro “Bruno de Carvalho”, mais ponderado e assertivo e consciente da especificidade da sua condição de presidente do Sporting. Afinal, continua tudo na mesma, até porque o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita.

 

Apesar de inconsequente, a catilinária de Bruno de Carvalho teve a mérito de trazer o ecletismo leonino para o centro das conversas entre os sportinguistas, por ser uma matriz identitária do Sporting e permanente na sua já longa duração histórica. Aliás, o jornal Sporting, em 1958, evidenciava a toda a largura das suas páginas a grandeza eclética do Clube e destacava o Estádio José Alvalade que tinha sido inaugurado dois anos antes. Como se sabe, o Estádio ostentava os anéis olímpicos na bancada central.

 

Muitos de nós recordam-se de como tudo acontecia em Alvalade, desde o futebol às diversas modalidades. Foi precisamente em virtude desse ecletismo que o Sporting se tornou na maior potência desportiva nacional e divulgou no país e no estrangeiro as modalidades desportivas ao mais alto nível. São motivo de orgulho para os sportinguistas os 20 mil títulos conquistados, as 23 taças europeias e as 9 medalhas olímpicas. É por um Clube assim que caminhamos para o Estádio com um olhar de entusiasmo e de ambição.

 

publicado às 12:52

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo