Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



João Benedito, a cara do novo Brunismo

Ricardo Leão, em 07.09.18

 

21162801_V8Mop.jpeg

 

Imaturo, impreparado e incompetente, não é alternativa credível para presidente do Sporting Clube de Portugal. Razões? Nunca se lhe ouviu da boca uma crítica que fosse a Azevedo de Carvalho, jantando aliás com ele, de forma surreal, na noite da invasão de Alcochete. Não se lhe reconhece experiência empresarial de relevo, a exemplo do seu antecessor. Demonstrou ao longo de toda a campanha não saber conviver com a crítica e não aceitar reparos à sua conduta, mesmo a desportiva, quando não acatou ordens do seu treinador. Falta-lhe experiência, capacidade de liderança e o seu programa é um enorme vazio. Foi incapaz de revelar publicamente o nome do CEO que escolheu para presidir à SAD. Não tem savoir faire nem se soube rodear de quem o tivesse. Será o receptor de largas centenas de votos do brunismo militante, quiçá antecipando o regresso do tiranete. Só quem tiver memória muito curta pode votar em Benedito. Ele representa tudo aquilo que combatemos nos últimos 6 anos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

 

img_920x518$2018_08_19_21_04_14_1437846.jpg

 

Apenas assisti a parte do debate que foi realizado ontem à noite na Sporting TV, entre os sete candidatos à presidência do Sporting no acto eleitoral de 8 de Setembro. Há quem diga que se ouviu mais bocas do que ideias, mas decerto que houve algum aproveitamento.

 

Há todo o interesse em saber a opinião dos nossos leitores, desejando, no entanto, que essa opinião seja construtiva e objectiva, simpatias pessoais não obstante.

 

Vejo-me ainda muito longe de tomar uma decisão definitiva, mas por tudo aquilo que li e ouvi e se tivesse que fazer uma declaração de apoio hoje, a minha escolha talvez fosse Fernando Tavares Pereira.

 

Parece-me, entre todos, o mais sensato e sincero, sem vaidades, desinteressado e com um registo de grande sucesso na sua vida. Tem um plano muito concreto sobre o que pretende para o Sporting e como levar as suas ideias a concretização.

 

- Fernando Tavares Pereira quer arrumar a casa em termos financeiros no Sporting, que tem um passivo de 400 milhões, tem empréstimo obrigacionista para pagar em Novembro e até ao fim do ano terá de pagar 100 milhões de euros. Que vai fazer uma limpeza total na Academia.

 

João Benedito garante que André Cruz (director desportivo) podia antecipar situações como a de Matheus Pereira. Muito daquilo que se fala das questões financeiras, têm de passar por uma participação activa por parte dos sócios. Pede a todos que não deixem de pagar quotas, comprar gameboxes e merchandising do clube.

 

Rui Jorge Rego confirma Roberto Carlos como director desportivo e garante Paulo Lobo como presidente da SAD.

 

José Maria Ricciardi acusa Frederico Varandas de andar a esconder Godinho Lopes como apoiante e clama que tanto o médico como João Benedito não têm capacidade de liderança.

 

Pedro Madeira Rodrigues volta a referir Ranieri e insiste que uma equipa para o futebol com este treinador, Delfim, Mariano Barreto e Marco Aurélio oferecem garantias de ser campeão.

 

Dias Ferreira diz que ao chegar ao Sporting não vai fazer como fazem no Governo; mandar tudo embora. Terá de avaliar o trabalho de quem está no Clube e tomar decisões sem fazer nenhuma revolução.

 

Frederico Varandas, além de acusar Ricciardi de amadorismo e de não perceber nada de futebol, clama que tem de longe o coordenador para o futebol com mais conhecimento de todos e nas modalidades  uma pessoa com muita experiência. Que o papel de um líder é saber rodear-se bem. Diz que o ambiente no futebol tem sido envenenado e 'abatotado' e exige ser rectificado.

 

***A ordem dos candidatos não tem significado algum.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:33

 

É com muita alma leonina e sentido da responsabilidade que vos apresento este programa para os próximos 4 anos do Grande Sporting Clube de Portugal. São 9 traves-mestras e 64 medidas que resumem aquilo que de principal queremos trazer para o nosso clube. Foram muitos os sportinguistas de todo o país que ajudaram a conceber este programa que acreditamos corresponde aos desejos de toda a família leonina. Muito obrigado a todos!

 

Vesti a nossa camisola pela primeira vez como jogador aos 11 anos, no ano em que me fiz sócio.

 

Aprendi nessa altura os valores do Sporting: uma enorme sede de vitórias; esforço, dedicação e devoção sem limites na luta por essas vitórias, aliadas a um forte desportivismo, respeito, integridade, humildade, lealdade, disciplina, alegria, amizade, coragem, solidariedade e espirito de equipa e de sacrifício.

 

Cresci no clube e foi aqui que aprendi a transpirá-lo. Tenho formação e mais de 25 anos de experiência em gestão de empresas e em liderança de equipas.

 

Tenho a maturidade, serenidade e segurança para atacar os problemas que temos e estou, mais do que nunca, preparado para ajudar a mobilizar o grande Sporting a viver os seus valores; a assumir uma visão global e ambiciosa e a conseguir grandes vitórias!

 

Mais do que qualquer outro candidato a Presidente e até pela minha experiência recente, serei a pessoa indicada para conciliar o Sporting e os sportinguistas, respeitando a pluralidade das suas sensibilidades. Foi por isto que lutei tanto e sofri bem na pele este esforço que fiz, tantas vezes tão incompreendido. Valeu a pena!

Consegui trazer e recuperar para o clube uma equipa coesa e inter-geracional de sportinguistas competentes e com provas dadas de prática dos valores identitários leoninos preparados para enfrentar os grandes desafios que nos esperam.

 

Os 3 candidatos a Presidentes dos Órgãos Sociais são todos ex-atletas do Sporting com carreiras profissionais de sucesso. Queremos, com a ajuda das nossas equipas, voltar a servir o nosso clube, a maior potência desportiva nacional, dando o melhor de nós (como iremos sempre exigir a todos os que trabalham para o Sporting) para passar um Sporting bem melhor a quem nos suceder.

 

Teremos como principal referência na nossa actuação tantos modelos de sportinguismo que nos antecederam, em particular o Professor Mário Moniz Pereira que iremos propor se torne o nosso sócio perpétuo número 2.

 

Com esforço, dedicação e devoção iremos chegar à glória de ver o Sporting Clube de Portugal cada vez mais um Grande clube, tão Grande como os maiores da Europa.

 

Viva o Grande Sporting!

 

Pedro Madeira Rodrigues

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

Eleições: que projectos ?

Naçao Valente, em 07.07.18

 

sporting.jpg

 

Rodrigo Roquette, num texto, transcrito aqui no Camarote Leonino, faz uma apreciação negativa, devido à falta de ideias claras e objectivas pelas candidaturas, que até agora se apresentaram a eleições, e enumera uma série de sugestões, que  poderiam fazer parte de um programa a apresentar aos sócios.

 

Num post que aqui escrevi, a propósito da candidatura de Francisco Varandas, intitulado Candidatura: A montanha pariu um rato? escrevi: "Na forma, pareceu-me haver uma grande preocupação com os efeitos visuais, o que talvez fosse dispensável. Mas isso é o menos relevante. Já quanto ao conteúdo, o achei algo vazio. Para uma candidatura que tem sido anunciada com pompa e circunstancia, vejo apenas no campo das ideias uma muito vaga enumeração de linhas gerais, inteiramente expectáveis, e de qualquer candidato".

 

Indo um pouco ao encontro das críticas de Rodrigo Roquette, que subscrevo, o que disse sobre a candidatura do Dr. Varandas, aplica-se aos outros candidatos, com o mesmo show-off e o vazio de ideias, ou dizendo de outro modo, com a inexistência de um projecto objectivo.Até este momento, procura-se captar o voto do eleitor, com a parafernália de apoios sonantes, ou com a apresentação de nomes de treinadores, como o às de ouros de um baralho de cartas.

 

Esse tipo de trunfos eleitorais, pode convencer alguns eleitores, mas parece-me que não é a principal razão para motivar o voto em qualquer candidatura. Não passa de fogo fátuo. Como escrevi no post Não é tempo de aventureirismos, quem quiser ganhar as eleições "tem de ter um projecto consistente e credível" . O que me parece, até este momento, é que os candidatos se limitam a mostrar desejo e ambição de ocupar o lugar da presidência, com muito foguetório e pouca substância. E desculpem-me a comparação: passa a ideia de putos pequenos a dizer, a minha é maior que a tua. Mas, salvo melhor opinião, isto é um assunto de homens.

 

Sem me debruçar especificamente sobre as medidas apresentadas, como ponto de partida, para elaboração de um projecto coerente e realista, admito que muitas delas fazem sentido, precisando de ser estruturadas e adequadas à verdadeira situação do Clube. Constituem um bom ponto de partida, para uma reflexão séria sobre o que queremos para o Clube, e como o queremos ver dirigido. Haverá outras que não passam de demonstração de meras utopias, sem pôr em causa a boa intenção.

 

Deixo, para terminar, algumas interrogações. O que pretende Rodrigo Roquette, cujo currículo desconheço, com esta reflexão? Contribuir apenas para um debate, até agora muito pobre? Ou não haverá outros objectivos que estejam inclusive a ser lançados, como uma semente, para o aparecimento de uma eventual candidatura?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:48

EduardoBarrosoBrunoCarvalho.jpg

 

"Sei que a esmagadora maioria dos sportinguistas me admira e confia em mim. Espero ajudá-lo (a Varandas, nota nossa) a ser o próximo presidente"

 

Eduardo Barroso, ex-presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:28

 

 

Gostei de ouvir Rogério Alves, foi directo às questões cruciais e sublinhou repetidamente a necessidade de dar a palavra aos sócios através de eleições. Mais uma vez, no entanto, recusou comprometer-se com a sua eventual candidatura.

 

No que diz respeito a outros aspectos da crise em curso, não deixou dúvidas quanto à legitimidade de Jaime Marta Soares e, no inverso da moeda, à ilegitimidade das outras comissões criadas pelo Conselho Directivo, uma delas liderada pela dra. Elsa Tiago Judas. Confesso - e será defeito meu, decerto - que não tenho estômago para ouvir essa senhora falar, meramente repugnante. Direi o mesmo de quem a acompanhou na conferência de imprensa de ontem, que eu nem sequer conheço.

 

Quanto à eventualidade de Bruno de Carvalho ignorar a suspensão e apresentar-se em Alvalade para "trabalhar", Rogério Alves afirmou que num Estado de Direito a sua entrada não deve ser barrada, e terá então de ser o tribunal a fazer acatar a decisão.

 

Neste sentido, a moderadora do Jornal da Noite da SIC falhou ao não questionar Rogério Alves sobre o tempo que será necessário para que a decisão do tribunal seja concedida, disposição preocupante, nas circunstâncias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:49

 

eleições.png

 

Bruno de Carvalho ainda não caiu, mas já há quem se perfile para uma candidatura à presidência do Sporting, e as movimentações são já muitas no sentido da preparação para a realização de eleições antecipadas. Vários têm sido os nomes já aventados – e há mesmo uma candidatura assumida: a de Bruno Conceição, sobrinho-neto de José Travassos, uma das lendas do clube.

 

Consta, contudo, que há vaga de fundo a crescer em redor de alguns nomes possíveis: Miguel Relvas, Bernardo Trindade e Rogério Alves.

 

O ministro Adjunto (com a pasta do Desporto) e dos Assuntos Parlamentares de 2011 a 2013, durante o Governo de Pedro Passos Coelho, nunca escondeu o seu sportinguismo e, curiosamente, foi um dos membros da comissão de honra do atual presidente leonino aquando da sua recandidatura ao cargo, em março do ano passado. Tendo também em conta as suas relações com a banca e atuais e eventuais acionistas, Miguel Relvas é um nome que gera bastante consenso na comunidade leonina. Enquanto ministro do Desporto, Relvas lançou a Casa das Federações e conseguiu fazer a ponte entre Pinto da Costa, Luís Filipe Vieira, Godinho Lopes e António Salvador para resolver a crise do ‘Totonegócio’ entre os ‘quatro grandes’. 

 

Além de Miguel Relvas, também Bernardo Trindade, ex-secretário de Estado do Turismo (Governo de José Sócrates), tem sido incentivado a avançar por um grupo de sócios.

 

Porém, entre o referido social-democrata e o socialista Bernardo Trindade, o preferido dos sportinguistas parece ser mesmo: o ex-bastonário da Ordem dos Advogados e ex-líder da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, Rogério Alves.

 

Alves conta com o apoio do maior accionista individual da SAD (Holdimo), mas também, como aliás Miguel Relvas e Bernardo Trindade, recusa-se a falar sobre um cenário de eleições enquanto ele não se colocar: ou seja, se Bruno de Carvalho não tomar a iniciativa de sair ou enquanto a assembleia geral não revogar o seu mandato e convocar eleições antecipadas.

 

Há, entretanto, uma outra questão de relevo que pode acelerar todo o processo: a emissão obrigacionista e o sucesso, ou melhor o insucesso da operação. Se Bruno de Carvalho não conseguir reunir condições para o financiamento do clube em 30 milhões de euros dificilmente terá condições para permanecer no cargo. E o seu sucessor será quem melhor der melhores garantias de o conseguir.

 

É, aliás, neste enquadramento que os apoiantes de Miguel Relvas mais confiam, já que o consideram com melhores condições – rede de contactos internacionais – para garantir o financiamento do clube.

 

Reportagem do Jornal i

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:11

 

eleicoes_urna_voto-768x506.jpg

 

O Governo ainda vai a ponderar a proibição de jogos de futebol em dias de eleições, esclarece a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques. A governante recusou alongar-se sobre essa hipótese, argumentando que não foi tratada no Conselho de Ministros desta quinta-feira:

 

«A ponderação que iremos fazer é se deveremos tornar obrigatório que certo tipo de eventos, não tem que ser só futebolísticos, não ocorram nesse dia. O objectivo da medida seria permitir às pessoas maior liberdade de tempo, de voto, não haver problemas de trânsito ou de acesso às mesas eleitorais. Há uma recomendação da Comissão Nacional de Eleições (CNE), naturalmente sem valor de imposição, não é obrigatório que seja seguida, mas até foi seguida durante muitos actos eleitorais. Esta é uma recomendação da CNE, que não é um órgão do Governo».

 

Para o próximo dia 1 de Outubro, data de eleições autárquicas, estão marcados quatro jogos da I Liga de futebol, caso do 'clássico' entre Sporting e FC Porto, às 18h00, mas também Marítimo-Benfica (20h15), Sporting de Braga-Estoril-Praia (16h00) e Belenenses-Vitória de Guimarães (20h30).

 

ADENDA: O Sporting-FC Porto, agendado para 1 de Outubro, dia de eleições autárquicas em Portugal, será disputado apenas após o fecho das urnas. Marcado, inicialmente para começar às 18 horas, o primeiro clássico da temporada terá início às 19h15. A Liga anunciou que os restantes jogos do dia 1 de Outubro serão igualmente disputados para o período após o fecho das urnas, o que faz antever, desde já, alteração no horário do Braga-Estoril, marcado para as 16h00O

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27

O palhaço sem vergonha

Rui Gomes, em 04.03.17

 

img_770x433$2017_03_03_22_47_11_1232193.jpg

 

«Sporting merece outra elevação naqueles

que querem ser presidentes»

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:24

Eleições no Sporting. Que democracia ?

Naçao Valente, em 01.03.17

 

imagen-votar-mexico.jpg

 

O sistema eleitoral existente nalgumas grandes colectividades é passível de uma séria reflexão. Dir-me-ão que este não é o momento mais oportuno, por haver eleições no Sporting Clube de Portugal. Com todo o respeito por essas eventuais opiniões, parece-me, pelo contrário, e pela mesma razão, que é um momento adequado.


Numa breve explicação genérica, recordo que o sistema liberal, teve o seu arranque na Europa com a Revolução Francesa. E o que despoletou, para além de outras causas, os acontecimentos que deram inicio à revolução, foi a questão do voto nos Estados Gerais. O voto neste órgão da monarquia era por grupo social. Deste modo, o Terceiro Estado (povo) representando mais de noventa por cento da população, tinha um voto, e os outros grupos minoritários , Clero e Nobreza dois votos. Esta situação, levou o Terceiro Estado a separar-se, e a constituir a sua própria Assembleia. Passou mais de um século até chegarmos ao voto universal, independentemente  de sexo, religião, instrução, estatuto social e apenas limitado pela “menoridade”.


O Sporting vai no dia 4 a votos para a sua Direcção. De acordo com os Estatutos, há uma desigualdade na distribuição do voto pelos eleitores. Há quem tenha direito a colocar na urna vários votos e quem só possa colocar um. Podem dizer-me que a situação é legal. Não digo que não. Mas o facto de ser legal, não significa que seja democrática. A forma de eleger dirigentes no Sporting e noutros grandes clubes, não corresponde à assunção de uma democracia plena. É um sistema de voto privilegiado, e salvaguardadas todas as diferenças, como acontecia, na sociedade, antes das revoluções liberais.


A democracia nos clubes não acompanhou a evolução da democracia nas sociedades. Embora o sistema, um homem um voto, se aplique na grande maioria das colectividades, sobretudo nas mais pequenas, nalgumas, nas quais se inclui o Sporting, esse desiderato democrático continua ausente. Entram presidentes, saem presidentes, o sistema subsiste. Perdoem-me a classificação mas este sistema é uma aberração. Não há qualquer explicação que o justifique. Por que razão um sócio mais velho tem mais direitos que um mais novo?


No caso concreto das eleições a decorrer, não sei quem poderá ou não beneficiar deste sistema. Seja quem for, é sempre uma distorção de uma eleição verdadeiramente democrática. Possivelmente, esta reflexão não será acompanhada por muitos sócios e nem chegará ao conhecimento das altas instâncias decisórias. No entanto, algumas vezes, basta uma pequena fagulha para incendiar a pradaria. Oxalá esta abordagem sirva para lançar o debate de um problema de elementar justiça na igualdade entre cidadãos.


Outra questão que merece ser revista é a da localização das Assembleia(s) de voto. Se num clube de âmbito local se justifica que exista apenas um Assembleia, na sede, nos clubes de dimensão nacional, esse facto prejudica os eleitores afastados da sede nacional. Sem abordar razões de ordem técnica, interrogo-me porque razão não se colocam mesas de voto, pelo menos nas capitais de distrito, onde os grandes clubes têm núcleos organizados? Querer é poder. Isso daria aos associados residentes em locais distantes, a possibilidade de votar, acabando com a diferença, entre sócios de primeira e de segunda, tal como no voto privilegiado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

 

madeirarodriguesDR1.jpg

 

Pedro Madeira Rodrigues, candidato à presidência do Sporting, já tem treinador para suceder a Jorge Jesus caso vença as eleições no dia 4 e, segundo recém-reportagens, vai revelá-lo esta terça-feira, às 12.30:

 

«É um treinador europeu, a nossa primeira escolha. Vai trazer muitas alegrias aos sportinguistas, um nome fortíssimo e que já está a começar a colaborar comigo e com Laszlo Bölöni. Estes não conseguiram ser campeões em quatro anos, apesar de muitas promessas e investimentos milionários. Nós vamos conseguir».

 

Além disto, João Alvim, director de campanha da lista "A", enviou esta segunda-feira uma carta à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a pedir àquele organismo que notifique o Sporting para revelar qual o nome do investidor "que irá subscrever, ou que já subscreveu, o aumento de capital", assim como quem são os "beneficiários últimos (UBO) da entidade que irá subscrever, ou que já subscreveu" o referido aumento de capital social, no valor de 18 milhões de euros.

 

Nota: Circulam rumores que o treinador será Juande Ramos, espanhol de 62 anos, que já orientou um bom número de clubes, inclusive, por uma época, o Real Madrid. Valência, Sevilha, Tottenham e CSKA Moscovo são alguns dos outros emblemas. O seu último clube foi o Málaga, do qual se demitiu em Dezembro 2016. No seu palmarés, duas Ligas Europa, uma Supertaça Europeia e uma Taça do Rei.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:42

Debate entre candidatos: brechas na muralha

Naçao Valente, em 25.02.17

 

muralhas.jpg

  

A análise de qualquer aspecto da realidade é subjectiva. Está condicionada pela selecção dos factos, pela sua interpretação e pela subjectividade do analista, em função do seu posicionamento político e ideológico. Este caso concreto, o debate entre Pedro Madeira Rodrigues (lista A) e Bruno de Carvalho (lista B) insere-se na formulação enunciada. Por isso, as apreciações sobre o debate, estão subordinadas pelo juízo pré-determinado, que cada qual tem dos intervenientes. Não escondendo a minha predilecção por Madeira Rodrigues, procurarei, no entanto, usar a imparcialidade na avaliação da prestação dos candidatos, com a certeza que não conseguirei ser neutro.

 

Em sentido lato, a primeira leitura que faço do debate, é que os opositores eram portadores de um guião que pretendiam cumprir. Madeira Rodrigues, partindo de uma posição de desvantagem, pelo facto de ser menos conhecido no universo sportinguista, e por estar do lado de fora da fortaleza, ocupada pelo seu adversário, teve de utilizar uma estratégia de ataque constante, procurando centrar a sua investida nas zonas mais fracas da muralha. Daí que se concentrasse na questão do futebol profissional, o tema mais apetitoso para o adepto, e dele procurasse tirar vantagens, para enfraquecer Bruno de Carvalho. Focou os maus resultados desportivos, as contratações erradas, a equipa técnica tremendamente cara. Esta estratégia, colocou Bruno de Carvalho à defesa, procurando limitar os danos. Além disso, usou algumas armas inovadores, como a coordenação para o futebol. Espera-se agora a apresentação do seu treinador.


No guião de Bruno de Carvalho estava, à partida,  a defesa de uma posição privilegiada, sem arriscar, sem pôr um pé em falso. A ideia foi fazer-se de peixe morto para se poder manter à tona. Contrariando a sua própria natureza belicista, conteve a agressividade, escudou-se atrás da sua muralha, que o intruso queria ocupar. Refugiou-se na obra feita, na solidez do edifício, na construção de novas ameias. Acentuou o recurso a apoios mediáticos, muitos deles com ligações ao repudiado passado, com especial enfoque para Ricciardi, uma espécie de Rasputine do Sporting, cuja presença perpassou pelo debate. Salientou o pavilhão, a salvação da bancarrota, números e mais números, gráficos e mais gráficos, na minha opinião de reduzida eficácia.


Para cumprir o seu guião, o ainda presidente foi instruído para se focar nos aspectos positivos, para manter uma imagem de urbanidade, chegando a afirmar, que num próximo mandato se irá resguardar mais, leia-se ter uma actuação mais discreta, sem voltas olímpicas por exemplo. Nesta área, Madeira Rodrigues, porque não tem as mesmas armas, e porque é candidato fora da muralha, limitou-se a questionar os dados apresentados, não podendo, em concreto ir muito mais além. Apesar disso, ainda conseguiu causar algum embaraço com o assunto pavilhão, alegando que estará pago com o dinheiro da Doyen. Quanto aos investidores, Madeira Rodrigues, não pode concretizar, enquanto candidato, o que só a um presidente compete. Pode-se discordar do seu projecto ou da concretização de algumas propostas, porque elas existem.Para bom entendedor..


Em conclusão, os dois contendores foram cumprindo os guiões previamente estabelecidos. Pelo facto, foi um debate morno, com algumas picardias, pouco significativas. Pedro Madeira Rodrigues fez o que tinha que fazer e penso que conseguiu alguns ganhos. Manteve o adversário à defesa e abriu algumas brechas. Para aqueles que consideram a fortaleza inexpugnável, é talvez altura de começarem a ter alguma modéstia. Foi o único que teve a coragem de desafiar o poder instalado, depois de constatar que mais ninguém avançava, surpreendeu-me e surpreendeu os observadores. O seu principal problema é a escassez de tempo, mas creio que está a mostrar que tem uma nova visão para o clube,  fibra, competência e condições para assumir a sua presidência. Assim queiram os associados.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:30

Eleições taco a taco !

Rui Gomes, em 17.02.17

 

IMG_0001.jpg

IMG_0001.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:04

Candidatos vão a debate no dia 23

Rui Gomes, em 16.02.17

 

Debate.jpg

 

O primeiro e... último debate entre Bruno de Carvalho e Pedro Madeira Rodrigues está marcado para 23 de Fevereiro e será transmitido em directo na Sporting TV. A data foi proposta pela mesa da Assembleia Geral e reuniu consenso nas duas candidaturas, isto depois de ter falhado uma primeira tentativa de acordo. Faltam apenas acertar questões de detalhe, nomeadamente a duração do debate e a possibilidade de serem convidados jornalistas dos três canais generalistas para participarem na moderação.

 

Do que já não há dúvidas é de que o frente-a-frente terá lugar no próximo dia 23, acontecerá na estação do Clube e será o único desta campanha eleitoral a opor os dois candidatos ao Conselho Directivo, a despeito do natural interesse e dos pedidos de outros órgãos de comunicação social, entretanto recusados. A multiplicação de debates, verificada em eleições anteriores, principalmente em 2011, foi tida como contraproducente e prejudicial à eficiência da mensagem. Um duelo é, agora, considerado suficiente para esclarecer os sportinguistas, numa etapa decisiva da corrida à presidência.

 

Sinto curiosidade em saber qual dos dois candidatos, caso a decisão não tenha sido de mútuo acordo, recusou a realização de mais debates por ser "prejudicial à eficiência da mensagem". Parece-me um argumento à lá Bruno...

 

Não sei se Pedro Madeira Rodrigues fez bem ao aceitar que o debate tenha lugar na Sporting TV e, ainda pior, se os moderadores vão ser actuais funcionários do Clube, ou seja, vassalos de Bruno de Carvalho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:24

Evolução na continuidade

Naçao Valente, em 10.02.17

 

600_14115580.jpg

 

Marcelo Caetano, o sucessor de Salazar, esteve na tribuna do velho estádio de Alvalade a assistir a um jogo de futebol. Tendo sido anunciado o seu nome recebeu uma estrondosa ovação. Era presidente João Rocha. Pouco depois, Marcelo foi deposto por um golpe militar. Não era homem de rupturas e apesar de tomar algumas medidas de cariz social, não tinha condições para fazer a transição para a democracia. Assumiu o seu mandato como evolução na continuidade , isto é, uma mudança sem ruptura com o passado. Missão impossível como se veio a verificar.


Quando Bruno de Carvalho venceu José Couceiro, um candidato com perfil para ser um bom presidente, assumiu-se como o homem da ruptura com o passado. Daí a sanha persecutória a anteriores Direcções, mas sem qualquer resultado palpável. O que interessava era passar a imagem de refundação do Sporting , liberto dos seus fantasmas, e finalmente conquistado pelas massas populares. Presidentes foram vilipendiados e insultados, denominados croquetes, para congregar, através dos impulsos emocionais, a massa adepta. Ao invés o Presidente revolucionário era incensado até ao absurdo. Num estilo basista senta-se no banco de suplentes, invectiva os adeptos, colhe os aplausos, dá voltas ao estádio, em suma atira os foguetes e apanha as canas. Numa coisa é especialista e teve sucesso: na aplicação do populismo.

 

Marcelo Caetano Alvalade1.jpg

A realidade foi sendo escondida atrás do manto das aparências. O presidente nunca foi mais do que um testa de ferro dos interesses financeiros da Banca, muito em especial de JM Ricciardi (um croquete), interessada em garantir os seus empréstimos e receber os respectivos juros. A muito propagada tese da bancarrota também é muito contestável, pois não podiam os credores deixar cair o Sporting fosse quem fosse o Presidente. Portanto, a ruptura com o passado nunca passou de uma falácia. É preciso recordar, para que tem memória curta, que foi com o apoio das elites que Bruno chegou à Presidência. O que são Sampaio ou Barroso, na terminologia brunista, senão “croquetes”? Mas a aliança entre Bruno e as elites ainda está mais evidente nesta eleição. Basta ver a designada comissão de honra, uma espécie de albergue espanhol, onde pontuam, Dias Ferreira, Jorge Coelho (ex-ministro) Subtil de Sousa, Sousa Sintra entre muitos outros. Querem melhor evolução na continuidade?


Se me perguntarem se Pedro Madeira Rodrigues (PMR) é o candidato que esperava para se opor ao situacionismo, digo que não, com toda a frontalidade. Esperava que aparecesse uma figura mais carismática que conseguisse unir toda a oposição, e que criasse inquietação no universo brunista. Essa figura, por razões que a razão desconhece, não surgiu. Temos PMR, que teve a coragem e a ousadia de se disponibilizar para enfrentar o brunismo. Apresentou um programa eleitoral, tem uma equipa, tem currículo profissional, sportinguismo acima de qualquer suspeita. Nem sempre é politicamente correcto, como na decisão de dispensar o treinador, mas mostrou determinação. Vai à luta em condições muito desiguais. Enfrenta não só Bruno mas os lóbis que o apoiam e sustentam, o poder financeiro que o mantém à tona. Se nestas eleições há alguém que quer fazer ruptura com certo passado é PMR. Pode não ter capacidade demagógica para empolgar os adeptos, mas tem a honestidade e a competência de quem quer pôr o Sporting num caminho real de sustentabilidade. Merece uma oportunidade. Tanto mais que a gestão de Bruno, apesar do foguetório, falhou em muitos aspectos, visíveis e ocultos.

 

P.S. Não posso deixar de considerar as declarações de baixo nível do senhor(?) Subtil de Sousa como vergonhosas. Como pode atacar PMR, chamando-lhe Jota me me, pelas suas opções políticas. O que é que isso tem a ver com a sua candidatura. E Sousa Sintra de que se salienta no seu currículo o despedimento de Robson, que autoridade moral tem para atacar sem fundamento PMR, pessoa que seguramente nem conhece. Diz-me com quem andas...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:45

A lista de Pedro Madeira Rodrigues

Ricardo Leão, em 07.02.17

 

20236754_h2tq0.png

 

CONSELHO DIRECTIVO


CARGO
NOMEN.º SÓCIO
Presidente Pedro Madeira Rodrigues 10668
Vice-Pres. Victor Ferreira 55796
Vice-Pres. Pedro Rebelo Pinto 40631
Vice-Pres. Mário Saldanha 57659
Vice-Pres. Manuel Rogério de Brito 5561
Vogal João Alvim 12087
Vogal Rafael Joanes 29914
Vogal Bernardo Mendes 31940
Vogal Domingos Cruz 25453
Vogal José Pedro Rodrigues 19409
Vogal Luis Figueiredo 2418
Suplente José Vieira de Sampaio 5234
Suplente Sofia Pinto Martins 39638
 

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

CARGO  NOMENº SÓCIO

Presidente Rui Pedro Morgado 11887
Vice-Pres. Margarida Dias Ferreira 21101
Secretário Pedro Quartin Graça 10670
Secretário Paulo Silva Almeida 7661
Secretário Nuno Miguel Caetano 7703
Suplente Francisco Landeira 24899
Suplente Carla Filipe 5682
Suplente Joaquim Silva Abreu 1260
 

CONSELHO FISCAL

 CARGONOME Nº SÓCIO 

Presidente

Filipe Marques

17295

Vice-Pres.

Bernardo Ayala

7118

Vogal

Pedro Lopes de Brito

10771

Vogal

Miguel Graciano

4392

Vogal

Francisco Peres

11424

Vogal

João Cabral Meneres

22315

Vogal

Francisco Ferraz de Carvalho

39714

Suplente

Ricardo João Amaro

7784

Suplente

Frederico Fernandes

79628

 

Nota: Dado o tamanho deste post não se publica aqui a extensa lista de candidatos ao Conselho Leonino a qual está disponível aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:05

 

20193293_Wz63y.jpg

 

Como seria de esperar, honrando a frase "quem com ferros mata com ferros morre", a blogosfera brunista, mesmo a assalariada, não foi de poucas medidas. Agora quer a cabeça do chefe. Para nós, infelizmente o dizemos, esta situação não é novidade já que, como é sabido, alertamos para a mesma quase há 4 anos.

 

Não se esperaria pois, por desnecessidade, que fossemos os primeiros a exigir a demissão antecipada de Azevedo de Carvalho e, naturalmente, a sua não recandidatura, pelo facto do projecto(???) que apresentou e para o qual gastou milhões de euros que nos pertencem, estar falido.

 

Outros, contudo, habituais defensores de Azevedo, foram rápidos a exigir o óbvio. Senão vejamos um exemplo que resume o estado de espírito da nação leonina:

 

"Bruno de Carvalho é o principal responsável ponto final!

 

- Agora a cereja no topo de bolo era este ridículo presidente despedir cobardemente Jorge Jesus e pagar uma indemnização choruda e assim salva a pele, vergonha esta época, deu total poder a Jorge Jesus no Sporting e quem se está a rir é o Orelhas que o despediu e continua a ganhar e não falem em arbitragens e que não sou sócio e que não posso opinar!

 

Quando saiu Marco Silva quem devia ter saido era Bruno de Carvalho!

 

Mais a frio amanhã falaremos sobre esta vergonha!"

 

Mas, para que melhor se perceba o tipo de "cultura de clube" que o triste consulado de Bruno trouxe ao Sporting, nada como citar um comentador habitual deste espaço que, em meia dúzia de palavras, tantas quantas a sua escassa capacidade intelectual o permite, resumiu, na tasca que habitualmente o acolhe, o estado de espírito destes "sportinguistas":

 

"(...) o problema vosso mesmo hipoteticamente vocês abustres ganharem as eleições não vão ter paz. Porque aqui os camaradas não vos querem lá, vão ser minados diariamente . Querem guerra vão tela e da grossa" (Fight for your right)

 

Está apresentado o que espera Pedro Madeira Rodrigues e o enorme trabalho que terá em reerguer um clube completamente perdido numa "cultura" clubística lampiónica, que nunca foi a sua, mas que Azevedo de Carvalho fomentou diariamente.

 

Pobre Sporting.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:29

A brigada do reumático

Naçao Valente, em 14.01.17

 

Convém fazer um ponto prévio. Qualquer pessoa é livre de se assumir como apoiante de candidaturas à presidência do Sporting. É uma assunção de livre arbítrio. Nem podia ser de outra forma. Era o que mais faltava.


Vem esta clarificação a propósito da badalada comissão de honra da candidatura de Bruno Miguel de Azevedo Gaspar de Carvalho. Até à apresentação do candidato Pedro Madeira Rodrigues, a candidatura do actual presidente mantinha-se em banho maria. Estou convicto que tinham esperança que não aparecesse opositor e que a reeleição seria um passeio apoteótico. Infere-se que o facto de ter aparecido um candidato fez tocar todas as campainhas do lado do situacionismo, na feliz expressão de Leão Zargo. Logo a candidatura da evolução na continuidade, saiu da bruma e assumiu-se com todo o seu potencial.

 

BrigadadoReumático2.jpg

A apresentação de uma comissão de honra faz-me lembrar, salvaguardadas as devidas distâncias de contexto e de circunstância, uma situação que aconteceu em 1974 quando os generais Spínola e Costa Gomes se afastaram de Marcelo Caetano. Surgiu então um grupo de altas patentes militares que foram prestar vassalagem ao Presidente do Conselho. Esse grupo de fiéis ficou na época conhecido como “a brigada do reumático”.


As primeiras cinquenta sombras da imagem presidencial, vieram à luz do dia logo após o anúncio da sua candidatura. E a sombra foi alastrando para obscurecer qualquer luz da oposição. Olhando para as sombras não se percebe qual o critério para a sua constituição, de tal modo que já alguém lhe chamou, uma espécie de albergue espanhol. Há ali de tudo: brunistas convictos do milagre financeiro; contestatários reconvertidos à situação; putativos candidatos em pirueta arriscada, comentadores engajados e comprometidos. Lembro-me dessa eminência parda, José Maria Ricciardi, abono de vida do Presidente, de Dias Ferreira rendido à truculência presidencial, de Vasco Lourenço crítico amnésico, e do “yes men”doutor Barroso ,entre outros.


Há quem diga que este beija-mão foi ,nalguns casos, assumido por voluntarismo obrigatório. Uns porque gostam, alguns porque têm que gostar, outros porque sim. Seja como for, todos se aliam ao propalado carro vencedor. Se vão ou não receber louros logo se verá.


Com mais ou menos artritismo, físico ou mental, o facto é que o situacionismo tem que ir a jogo, com pelo menos um candidato (veremos se aparecem mais) e denota algum nervosismo. Como só gosto de fazer prognósticos depois do jogo, espero pelas propostas que surgirem e pela sua consistência. Depois os votantes decidirão, bem ou mal. E nessa decisão, boa ou má, estará o futuro do Sporting.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:46

Bacelar Gouveia "bate com a porta"

Ricardo Leão, em 11.01.17

 

jorge-bacelar-gouveia.jpg

 

Eis a última saída da equipa de Azevedo de Carvalho. Jorge Bacelar Gouveia, presidente do Conselho Fiscal e Disciplinar, abandona as funções e não se recandidata. Junta-se a outros ex-brunistas como Rui Morgado, Vitor Ferreira e Artur Torres Campos, entre outros.

 

No seu mural do Facebook faz os habituais elogios e agradecimentos de circunstância mas sabe-se que, por detrás dos públicos elogios, existiram sempre enormes divergências com Azevedo de Carvalho que levaram Bacelar Gouveia a avisar da sua intenção de não se recandidatar.

 

No mural de Bacelar Gouveia pode ler-se "Amanhã presidirei à última reunião do Conselho Fiscal e Disciplinar (CFD) do Sporting Clube de Portugal deste mandato do quadriénio 2013-2017, não sendo candidato a qualquer órgão social do Clube nas eleições agendadas para 4 de março de 2017."

 

É mais uma baixa de peso na equipa de Bruno, crescentemente isolado e em ruptura com aquele que foi, em tempos, o seu núcleo duro.

 

Porque será? 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33

A solidão do poder

Naçao Valente, em 03.01.17

 

Solitude.jpg

 

O presidente do Sporting faz-me lembrar o Coronel Buendía, uma personagem de um livro de Gabriel Garcia Márquez, Cem Anos de Solidão. O autor diz da personagem “promoveu trinta e duas revoluções armadas e perdeu todas”.

 

Bruno de Carvalho, da sua natureza, trouxe para o Sporting, não a paz mas guerra. Não sei quantas batalhas iniciou, mas tem muitas perdidas e outras em vias de as perder. De tal modo que ofuscaram uma ou outra vitória que tenha conseguido. Salientem-se as guerras inúteis e desnecessários com o passado, as lutas absurdas com os fundos, os conflitos com sócios ou adeptos, as demandas esotéricas com adversários, a cruzada das cores, do verde contra o encarnado, a errada estratégia desportiva. Casos e mais casos, derrotas e mais derrotas. Não admira que agora apareça cansado e peça a ajuda de tudo o que vier à rede no mundo sportinguista.


O presidente e agora candidato, assumiu publicamente, numa entrevista a um jornal, uma outra personagem da literatura: D. Quixote de La Mancha. Disse ele que estava cansado de representar o papel da personagem de Cervantes, e de tanto lutar sozinho, contra os moinhos da sua imaginação. E vem pedir, ou quase exigir, a ajuda de outros sportinguistas pois está farto da tarefa quixotesca. Logo se levantou uma horda de guerreiros em seu auxílio. Pelo que consta, mais de cem e de todos os quadrantes. Nem os ditos croquetes, tão amaldiçoados deixaram de responder à chamada. E até um putativo candidato de espinha extra flexível deu um passo em frente.

 
Há, no entanto, uma personagem real que se adequa à sua atitude: chama-se Oliveira Salazar. Não que exerça o poder autocrático, porque os tempos mudaram, mas porque lhe copia alguns tiques de superioridade e alguma hipocrisia. O antigo Presidente do Conselho, numa das comemorações do 28 de Maio, disse que era hora de se retirar, mas que olhando à sua volta não encontrava alguém para continuar a sua obra . Aplausos. Bruno de Carvalho numa encenação mais subtil fez o mesmo número. O cargo que ocupa é muito desgastante, no entanto sacrifica-se pela causa. Fazer o quê, quando olha à sua volta e só vê mediocridade.


Salazar só saiu depois de cair da cadeira. Ainda o mantiveram semivivo durante algum tempo como o chefe virtual, tal como o grande agrário Diogo Relvas, do romance Barranco de Cegos de Alves Redol, que sentado numa torre, embalsamado, mantinha o respeito dos servos, cegos conduzidos por um cego. Vieram outros governantes e o país sobreviveu e está melhor, o que significa que não há insubstituíveis.


Bruno de Carvalho apresenta-se agora, como o bom da fita. Que candura! Faz-me lembrar o filme de Sérgio Leone, o Bom, o Mau e o Vilão. Sendo ele o bom, qualquer adversário tem de fazer outro papel. Madeira Rodrigues já está etiquetado. Além de ser mau, é fraco e já está derrotado. Dizem os seus homens de mão. Não parece ser essa a posição do herói. A arregimentação de tropas no exército “inimigo” indicia que está com medo? Estaremos perante um herói medroso? Que ironia! Ou teremos um general perdido no seu labirinto da solidão do poder? E se aparecer também um vilão? Ou apesar de ter o melhor armamento, a brigada ligeira e a artilharia pesada, sabe que numa guerra não há vencedores antecipados e só perde quem desiste de lutar? Entre muitos exemplos lembro-me de Aljubarrota.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:15

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Cristiano Ronaldo