Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



img_920x518$2020_10_21_15_24_07_1769047.jpg

Rúben Amorim foi punido pelo Conselho de Disciplina da FPF com 6 dias de suspensão e uma multa de 3.825 euros pelo comportamento no Clássico entre o Sporting e o FC Porto.

O treinador leonino terá dito após a decisão de reverter o penálti: "Isto é uma vergonha. Vocês são uma vergonha". 

A manifestação de Rúben Amorim terá sido comunicada ao árbitro, pelo quarto árbitro, que, minutos antes, ignorou os palavrões de protesto verbalizados por Sérgio Conceição. Daí que Amorim tenha sublinhado a lamentável dualidade de critérios.

_______________________________________________

Entretanto, o Sporting emitiu um Comunicado sobre a função do VAR, em função de vários episódios adversos e, muito em especial, no que sucedeu no Sporting vs FC Porto, no passado sábado:

"O Sporting Clube de Portugal entende (sempre entendeu) que o videoárbitro (VAR) é um instrumento deveras essencial para a protecção da arbitragem e do espectáculo desportivo.

O VAR não pode voltar atrás, mas também não pode ficar parado.

A sua função não só pode como deve ser aperfeiçoada o mais possível, nomeadamente adoptando-se mecanismos que tornem a sua utilização mais uniforme e transparente.

O Sporting Clube de Portugal defende, por isso, que o protocolo do VAR seja objecto de intervenção no sentido da adopção de critérios claros e inequívocos de uniformização, que mantenham o princípio da intervenção absolutamente mínima, mas garantam que esta efectivamente não ocorra quando não pode ocorrer, e que efectivamente ocorra quando tem de ocorrer.

Defende, igualmente, que os diálogos entre o VAR e o árbitro, com o jogo parado, sejam divulgados em directo, durante a transmissão do encontro, à semelhança do que acontece noutros desportos em que as decisões tanto do VAR como das equipas de arbitragem são transparentemente explicadas a todos os intervenientes do espectáculo e aos espectadores.

Por essa razão, apresentará as suas propostas de alteração neste caminho no sentido da transparência.

O Sporting Clube de Portugal continuará a lutar pela adopção de todas as medidas que, como estas, visem proteger os árbitros e contribuir para a transparência e compreensão da sua actuação, mantendo o foco no jogo jogado, no espectáculo e na verdade desportiva.

Quem não deve, não teme".

publicado às 15:35

Nada menos do que anedótico...

Rui Gomes, em 21.10.20

Screenshot (244).png

Já se perdeu na memória o número de vezes em que o Benfica foi punido com interdição do Estádio da Luz ou jogos à porta fechada, sem nada, na realidade, acontecer. Tanto assim, que este tipo de decisão do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol tornou-se nada menos do que anedótico, especialmente quando se trata de "apoio a claques não legalizadas".

Como sempre acontece, o clube encarnado irá interpor uma providência cautelar e recurso da decisão junto do TAD, o que terá efeito suspensivo da punição.

E... daqui a uns anos saberemos algo mais!

publicado às 04:04

unnamed.jpg

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou esta quarta-feira a criação de uma nova prova, designada III Liga, que servirá de acesso à LigaPro, a II Liga.

A nova competição está agendada para arrancar só em 2021/2022 e vai conviver com o Campeonato de Portugal, revela a FPF, em comunicado.

No horizonte mais imediato, na próxima época de 2020/2021, competirão no Campeonato de Portugal um total de 96 equipas: “duas vindas da LigaPro, 70 que permanecem, 20 que ascendem das competições regionais e quatro novas equipas B”, explica a Federação.

As equipas provenientes da LigaPro serão o Cova da Piedade e o Casa Pia, que entretanto ficaram a saber da despromoção administrativa ao Campeonato de Portugal. O Cova da Piedade já anunciou que vai tentar impugnar a decisão da Liga de Clubes.

Sobre o novo quadro competitivo, a Federação refere que nas três épocas seguintes, “a «III Liga» e o Campeonato de Portugal verão o número de clubes reduzir-se até 76”.

A FPF revelou que acordou com o Sindicato dos Jogadores (SJPF) que os jogadores destas competições “terão como valor de remuneração base o salário mínimo nacional”.

Além desta medida, a taxa de jogo sofrerá uma redução significativa e haverá ajustes no valor de inscrição de jogadores”, sublinha o comunicado do organismo liderado por Fernando Gomes.

Estas medidas estão integradas num "plano de emergência e reestruturação" do terceiro escalão do futebol sénior, aprovado esta quarta-feira pela Direcção da FPF.

O objectivo do plano assenta em cinco pilares:

  • Assegurar o maior número possível de projetos equilibrados
  • Aumentar a competitividade
  • Melhorar a qualidade de jogo
  • Aproximar os adeptos do futebol local
  • Criar espaços de desenvolvimento para o jovem jogador português na transição dos sub-19 para os seniores e garantir um formato adequado ao que se prevê venha a ser a próxima época, no quadro da pandemia Covid-19.

publicado às 12:31

19 de Março de 1961. Portugal-Luxemburgo, 6-0. Estádio Nacional, Lisboa

O início da década de 60 foi fantástico para o jogador que então representava a CUF. José Carlos esteve na Seleção de juniores que precisamente em 1960 conquistou de forma brilhante o 3º lugar no Torneio Internacional da UEFA, disputado na Hungria, e menos de um ano depois estreava-se na equipa principal das quinas num jogo que “obviamente fica gravado na memória”. Ele próprio confessa: “Foi tudo muito de repente. Não estava à espera…”

José Carlos tinha 18 anos quando se estreou num Portugal-Luxemburgo que correu às mil maravilhas para a Seleção Nacional e quase à mesma proporção para o jovem jogador da CUF. Ele explica: “Foi magnífico. O pior foram as botas. Sofri muito, não por causa do jogo ou do adversário mas por culpa das botas que eram novas e eu só tinha feito um treino com elas. Andei a sofrer o jogo todo”.

Jose Carlos_camisola 1.jpg

De resto, “foi uma tarde tranquila”, lembra. “Ainda tive ali um ou outro lance complicado na 1ª parte mas depois não houve muito trabalho. O resultado fala por si”. Fala, sim senhor. Portugal chegou à meia dúzia de golos sem resposta no arranque da campanha de qualificação para o Mundial’62, fase final se disputou no Chile e que a Selecção Nacional falhou.

Não falhou quatro anos depois... “Gratas recordações desse Mundial, são as minhas melhores memórias a par da conquista da Taça das Taças pelo Sporting em 1964”. Sim, porque nessa altura José Carlos já tinha dado mais um salto, passando da CUF para o Sporting. “Há treinadores que nos marcam e, no meu caso, Fernando Vaz teve uma influência tremenda. Levou-me da CUF para o Sporting Clube de Portugal e ensinou-me muitas coisas importantíssimas para a minha carreira. Nunca o esquecerei”, conclui emocionado.

José Carlos fez famosa dupla com Alexandre Baptista no Sporting e nalguns jogos também na Selecção. A cumplicidade em campo foi transportada para a vida familiar, sendo que cada um deles é padrinho das filhas que à época nasceram. No Mundial de 66, os compadres Magriços alinharam juntos os dois jogos finais (Inglaterra e União Soviética). José Carlos foi totalista na fase de apuramento e Alexandre Baptista foi opção mais constante em Inglaterra a jogar ao lado de Vicente Lucas.

publicado às 04:48

Os proverbiais pesos e medidas

Rui Gomes, em 05.05.20

generica_jogadores.jpg

Há quem acusa a Federação Portuguesa de Futebol e o Governo português de dois pesos, duas medidas, no que refere às decisões tomadas sobre os três principais escalões de futebol no país.

Em princípio, a I Liga vai ter oportunidade de concluir a época, a II Liga, cancelada a época com o Nacional e Farense a serem promovidos ao escalão superior, e depois temos ainda o Campeonato de Portugal.

Vejamos o que a FPF teve para dizer, em comunicado, sobre esta prova:

"A Direcção da Federação Portuguesa de Futebol deu por terminadas, a 8 de Abril, as provas nacionais seniores não-profissionais que organiza.

Na mesma data, decidiu que analisaria "de que forma serão indicados os dois clubes que acedem à II Liga de futebol".

O Decreto-Lei 18-A/2020, de 23 de Abril, autorizou as federações a proceder às alterações regulamentares necessárias para dar resposta adequada a constrangimentos causados pela emergência de saúde pública relacionada com a pandemia COVID-19.

No dia 24 de Abril, a UEFA indicou às federações que deveriam ter em conta o mérito desportivo sempre que não fosse possível terminar em campo uma competição.

No dia 30 de Abril, o Conselho de Ministros decidiu que só autorizará a realização de jogos da Liga NOS e a final da Taça de Portugal.

A FPF assinou com a Liga Portugal, a 1 de Julho de 2016, um contrato que estabelece, entre outros pontos, que ascendem à II Liga dois clubes do Campeonato de Portugal, em função do mérito desportivo.

O Campeonato de Portugal é uma competição em duas fases. Na primeira, 72 clubes competem em 4 séries de 18 equipas. Os dois primeiros de cada série disputam um play-off para encontrar os dois a indicar à II Liga.

O Campeonato de Portugal foi interrompido em Março, quando faltavam disputar nove jornadas da primeira fase e todos os clubes se encontravam com o mesmo número de jogos.

É manifesta a impossibilidade de utilizar o play-off para indicar à Liga Portugal os dois clubes com acesso à II Liga.

Assim, a Direcção da FPF reconhece o mérito desportivo e indicará, de entre os líderes das séries à data em que a prova foi dada por concluída, os dois clubes com maior número de pontos.

Na época 2019/20 serão indicados para ascender à II Liga o Futebol Clube de Vizela, Futebol SAD (Série A) e o Futebol Clube de Arouca, Futebol SDUQ LDA (Série B)".

Mediante o formato do Campeonato de Portugal, seis clubes acabam por serem preteridos e acusam a Federação de ter optado por uma decisão 'habilidosa" que lhes causam danos injustos.

Além dos óbvios prejuízos económicos, estamos perante mais um caso em que a verdade desportiva foi desvirtuada, mesmo considerando a excepcionalidade do período de crise que atravessamos.

publicado às 14:00

naom_503d1efb0c225.jpg

Num artigo de opinião divulgado hoje em vários jornais, Fernando Gomes sublinha que acredita, que na abertura parcial da sociedade, uma das prioridades do futebol nacional “será tornar a sua actividade mais sólida”.

Vivemos o tempo do impensável. O presente desafia-nos e ao olharmos para o futuro já não alcançamos o que antes parecia certo. O futuro do futebol, lamento dizê-lo, não está garantido. O futebol, durante muitos anos, parecia o centro da vida para muitas pessoas, mas, não aligeiremos as palavras, já todos percebemos que não é”, disse.

De acordo com Fernando Gomes, perante um paradigma inteiramente novo, o futebol tem de partir para a construção de um novo caminho.

O futebol, como a própria sociedade, tem vivido num modelo económico e comunitário estruturalmente baseado na velocidade das interacções. Temos pensado de menos no amanhã”, salientou.

Fernando Gomes considera ser importante diversificar fontes de financiamento no futebol nacional, salientando que os orçamentos dos clubes não podem estar dependentes das participações nas competições europeias.

Pode ler as restantes considerações do presidente da Federação Portuguesa de Futebol aqui.

publicado às 13:22

Nuno Dias questiona decisão da FPF

Rui Gomes, em 10.04.20

image.jpg

Nuno Dias, treinador de futsal do Sporting, reagiu à decisão da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) que deu por terminada a época nas competições de futebol e futsal sob a sua alçada, determinando a não existência de campeões, subidas e descidas:

"Para reflectir... A FPF decidiu, ontem, dia 8 de Abril (a 2 meses e 22 dias do término das épocas desportivas), terminar com as competições de futebol e futsal que estão sob a sua alçada...

Mas será mesmo assim? O que vai acontecer à final da Taça de Portugal de futebol, onde SL Benfica e FC Porto se encontram? Por coerência suponho que não se realize... Vai-se realizar?

Nesse caso parece-me coerente terminar a Taça de Portugal de futsal, onde Sporting, Leões de Porto Salvo, Portimonense e Braga se encontravam nas meias-finais, faltando 2 dias para finalizar a competição. Vale a pena pensar nisto...".

O Sporting, recorde-se, liderava a tabela classificativa da Liga Placard (55 pontos, mais dois que o segundo Benfica) e estava na fase final da Taça de Portugal.

publicado às 04:04

campeonatos-da-fpf-terminados-sem-campeoes-subidas

As provas seniores não profissionais vão ser canceladas, sem campeão nacional, bem como não será aplicado o regime de subidas e descidas. Informação avançada, esta quarta-feira, através de um comunicado emitido pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Em grande destaque está o Campeonato de Portugal, bem como as ligas de futsal masculino e de futebol feminino.

COMUNICADO

A Federação Portuguesa de Futebol reuniu-se, esta quarta-feira, por teleconferência, com as associações distritais e regionais para uma análise do impacto da pandemia COVID-19 no futebol sénior não-profissional.

A FPF entende que continuam a não estar reunidas as condições de saúde pública para que clubes com estruturas amadoras, como é próprio das provas em que participam, possam treinar e competir em segurança.

Por outro lado, vigora em Portugal o Estado de Emergência, pelo menos, até ao dia 17 de abril, sendo possível a sua prorrogação.

Estas circunstâncias impedem o normal decurso das competições, sendo imprevisível antever quando e se tais condições de saúde pública estarão reunidas ainda durante esta época desportiva.

Assim, a Direcção da FPF entendeu dar por concluídas, sem vencedores, todas as suas competições seniores que se encontram agora suspensas, não sendo atribuídos títulos nem aplicado o regime de subidas e descidas.

A Federação Portuguesa de Futebol analisará e comunicará com a maior brevidade possível de que forma serão indicados os dois clubes que acedem à II Liga de futebol, bem como os representantes de Portugal na Liga dos Campeões de futebol feminino e de futsal masculino.

A Federação Portuguesa de Futebol continuará a estudar com as respectivas associações distritais e regionais o leque de moldes em que decorrerão as competições nacionais não-profissionais na época 2020/21.

Uma tomada de decisão da FPF que me parece incompleta e até contraditória. Por um lado, é declarado que "não será aplicado o regime de subidas e descidas", no entanto, também é adiantado que "serão indicados os dois clubes que acedem à II Liga de futebol". E para o efeito, depreende-se, também teremos a despromoção de dois clubes da II Liga, competição profissional.

Outra questão que fica omissa é o campeonato sénior de futsal feminino. Ainda, o futebol feminino, ou seja, a Liga BPI, não é profissional muito embora seja organizada pela FPF?

publicado às 17:45

download.jpg

Os campeonatos de futebol e futsal dos escalões de formação da época 2019/20 foram hoje cancelados pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), devido à pandemia da Covid-19.

"Devem dar-se por concluídas as competições nacionais de todos os escalões de formação de futebol e futsal, masculinas e femininas, não resultando das mesmas qualquer efeito desportivo imediato. Deste modo, não serão atribuídos títulos nas referidas competições nem aplicado o regime de subidas e descidas".

As competições nacionais dos escalões de formação tinham sido suspensas por um período de duas semanas, em 10 de março, dois dias antes de a FPF ter decidido suspender todas as competições, incluindo as seniores, que assim permanecem.

O comunicado da FPF, na íntegra, disponível aqui.

publicado às 20:37

download.jpg

As competições de futebol e futsal organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) foram suspensas por tempo indeterminado, anunciou a entidade. A medida entra em vigor a 13 de Março.

Leia o comunicado na íntegra:

"O grupo de emergência criado pelo presidente da Federação Portuguesa de Futebol para monitorizar o impacto do Covid-19 reuniu esta quinta-feira de manhã.

Face à limitação crescente de acesso a instalações desportivas e à necessidade de toda a população do País seguir medidas eficazes de higiene e etiqueta respiratória, foi decidido suspender todas as competições nacionais de futebol e futsal organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol. A medida é aplicada a partir de 13 de Março e vigora por tempo indeterminado.

A situação provocada pelo coronavírus Covid-19 continuará a ser monitorizada pelo grupo de emergência que poderá entretanto rever - ampliando ou reduzindo - as medidas agora implementadas.

O grupo de emergência foi criado pelo presidente da FPF para monitorizar o impacto do Covid-19 nas nossas provas, e é constituído pelo Presidente da FPF, Presidente da Liga Portugal, Presidente da Comissão Delegada das Associações, Presidente do Sindicato de Jogadores, Presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, Presidente da Associação Nacional de Treinadores de Futebol e Presidente da Associação Nacional de Médicos de Futebol".

Nota: 

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detectado em Dezembro, na China, e já provocou mais de 4.600 mortos em todo o Mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infectados ultrapassou as 125 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios, incluindo Portugal.

publicado às 15:39

21695169_GYSka.jpeg

A Federação Portuguesa de Futebol promoveu uma campanha intitulada 'Racismo Fora de Jogo' que já é visível em todas as competições organizadas pelo organismo, nas quais decorrem acções de sensibilização com a colaboração de árbitros e futebolistas.

A campanha, que envolve igualmente a Associação Portuguesa de Árbitros e o Sindicato de Jogadores e apela aos valores da ética e do ‘fair-play’, procurando combater a violência e a intolerância no futebol, foi lançada em jogos do Campeonato de Portugal, da I Liga de futebol feminino, da I Liga de futsal, do Campeonato Nacional de futsal feminino e da Liga Revelação.

Uma das recentes acções da FPF, que participou a par de outras federações na campanha promovida pela UEFA “Diz Não ao Racismo”, constou da exposição de um vídeo onde pais de jovens atletas são confrontados com insultos e ofensas que os seus filhos são vítimas em plena actividade desportiva.

publicado às 03:00

Recorde de jogadoras federadas na FPF

Rui Gomes, em 20.02.20

download.jpg

De acordo com a FPF, estão neste momento inscritas no organismo 11.038 atletas, 6.552 a disputar futebol e 4.386 no futsal, sendo que 7.610 pertencem às camadas jovens e 3.428 integram as competições seniores.

Em relação a Fevereiro de 2019, em que havia 9.587 federadas, houve um aumento de praticamente 1.500 futebolistas. De acordo com os números apresentados pela FPF, desde 2011 há um acréscimo superior a 5.000 atletas federadas.

Pedro Dias, director da FPF, considerou que uma das grandes causas para este aumento é “a melhoria das condições e da oferta para a prática feminina” das modalidades:

É muito importante destacar o compromisso sério de clubes, associações e Federação Portuguesa de Futebol no crescimento da prática feminina, aumentando a oferta de competições e oportunidades para as meninas e mulheres que querem jogar futebol ou futsal”.

Reportagem MadreMedia/Lusa

publicado às 03:15

img_920x518$2020_01_14_17_32_39_1650276.jpg

O mapa de castigos sumários divulgado esta terça-feira pelo Conselho de Disciplina da FPF, que cita os relatórios do árbitro, do delegado da Liga e de policiamento, detalha os dois incidentes. "Os adeptos afetos ao Sporting CP (…) fizeram deflagrar os seguintes engenhos pirotécnicos: Minuto 22 - (...) 1 pote de fumo (este engenho foi arremessado para o relvado, caindo no interior da área do guarda-redes do visitado, não tendo atingido ninguém nem interrompido a partida); (...) Minuto 46 - (...) 1 tocha verde foi arremessada para o relvado, caindo no interior da área do guarda redes do visitante, não tendo atingido ninguém nem interrompido a partida".

Pote de fumo e tocha no relvado resultaram em 10,200 euros de multa; a  entrada e permanência de materiais pirotécnicos no recinto valeu mais 4,463 euros, bem como o comportamento incorrecto do público.

E, para finalizar, a pièce de resistance... multa de 510 euros por causa de insultos das claques dirigidos ao próprio presidente. "Os adeptos afectos ao Sporting CP (…) gritaram repetidamente nos minutos finais da partida, as seguintes expressões: ‘Varandas cab***, pede a demissão", "Ó Varandas vai para o car****’", explica o comunicado do CD.

Frederico Varandas mencionou há dias, num seu discurso, e tem razão, quando diz que neste tipo de situações o Sporting é punido duplamente e que face às circunstâncias exige-se responsabilidade individual.

Hoje em dia há meios nos estádios para identificar a vasta maioria de espectadores. Casos que deveriam ser da responsabilidade das autoridades e não apenas resolvidos com multas aos clubes.

publicado às 03:47

5dd15db779252.jpeg

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) continua a amealhar milhões de euros com o bom desempenho da selecção portuguesa nas grandes competições como os campeonatos mundiais e europeus.

Desde 2000, a FPF já angariou 142 milhões de euros, com destaque para a conquista do Euro2016, em França, tendo recebido 25,5 milhões de euros.

Dez anos antes, no Mundial2006 na Alemanha, a equipa das quinas já tinha arrecadado 22,5 milhões pelo quarto lugar. Agora, garantida a presença no Euro2020, Portugal tem também garantido 9,25 milhões de euros.

Este ano, Portugal ganhou ainda a Liga das Nações, sendo uma competição nova, ainda pouco mediática, logo menos rentável, mas mesmo assim a federação comandada por Fernando Gomes conseguiu um prémio de seis milhões de euros, com o bónus de não ter gastado em grandes deslocações e alojamento, uma vez que a competição foi organizada em Portugal.

Agora, quando ao Euro2020, que começa em Junho do próximo ano, cada uma das 24 selecções presentes irá receber os tais 9,25 milhões de euros apenas pela presença, mas o número pode aumentar para 34 milhões de euros - muito superior ao que aconteceu em 2016 - caso vençam a prova.

publicado às 02:45

orig.jpeg

Algumas considerações de José Couceiro - director-técnico da Federação Portuguesa de Futebol - num almoço-debate, organizado pelo International Club of Portugal (ICP), num hotel de Lisboa, com o tema Deixa jogar... E formar para o mundo":

- "Para se ter um futebol de qualidade, precisamos de espaços com melhores qualidades. Vamos ter de ter, obrigatoriamente, melhores condições. Com o processo de certificação da FPF, só a partir de um determinado nível é que se pode fazer contratos de formação desportiva".

- "Os pais são um factor excessivo de pressão sobre os jovens. Não é preciso que sejam pais mal-educados, basta o pai estar na bancada a dar indicações contrárias ao que o treinador pediu ao filho, por exemplo. Coloca os jovens numa posição difícil. Obedecem ao treinador ou ao pai? Não têm de intervir”.

- "Copiar tudo o que se faz nas equipas seniores profissionais nos escalões de formação, sobretudo nos mais baixos, é um erro. É necessário adaptar o jogo à criança e não obrigar o jovem futebolista a adaptar-se ao jogo dos adultos".

- "O jogador é o centro de tudo. Quando os dirigentes ou os treinadores julgam que são eles o espaço central num jogo, estão a cometer um erro básico. Os treinadores são muito importantes para potenciar os jogadores, os dirigentes têm um carácter decisivo no processo, mas sem jogadores de qualidade, não se formam equipas de qualidade".

- "Há uma grande pressão sobre os treinadores encarregues das equipas de formação e fraco reconhecimento na sua valorização. Os clubes trabalham a um nível muito bom. Não há selecções nacionais sem clubes. O trabalho vem dos clubes e as selecções nacionais ajudam a potenciar".

Actualmente director-técnico da FPF, José Couceiro regista passagens, enquanto treinador de futebol, por Alverca, Vitória de Setúbal, FC Porto, Belenenses, Kaunas, da Lituânia, Selecção lituana, Gaziantepspor, da Turquia, Lokomotiv de Moscovo, da Rússia, Estoril Praia e Sporting, no qual também desempenhou o cargo de director-geral e foi candidato à presidência, nas eleições de 2013.

O homem que eu gostava de ver à frente do futebol do Sporting. Houve essa oportunidade em 2013, mas, claro, os sócios é que sabem mais e melhor e por isso não o elegeram.

publicado às 05:01

 

download (1).jpg

 

A Federação Portuguesa de Futebol e a UEFA pediram para serem constituídas assistentes no processo que envolve Rui Pinto.

 

As duas instituições vão ser representadas pelo advogado e antigo Secretário de Estado do Desporto e da Juventude, Alexandre Mestre, consultor da Abreu Advogados.

 

Os requerimentos chegaram ao DCIAP no início de Abril, com a UEFA e a FPF a pedirem autorização para consultar os autos, alegando estar em causa o envolvimento de vários operadores ligados ao futebol.

 

Recorde-se que Rui Pinto foi detido na Hungria devido a um mandado de captura europeu pedido pela Polícia Judiciária. Depois de uma primeira fase em prisão domiciliária em solo húngaro, o português foi extraditado para Portugal, onde aguarda em prisão preventiva.

 

publicado às 06:32

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 29.03.19

 

naom_5a380b3208fa2.jpg

 

No final de acesa reunião que foi realizada esta quinta-feira, em Gaia, o grupo de clubes denominado G15, decidiu, "por unanimidade", requerer reunião com o presidente da Liga, na próxima segunda-feira, para "pedir mais explicações" sobre o processo de reintegração do Gil Vicente na próxima edição da primeira liga, já exigida pela Federação Portuguesa de Futebol.

 

O chamado G15, do qual não fazem parte F. C. Porto, Benfica e Sporting, ou, pelo menos, uma boa parte dos clubes questionam a validade da decisão tomada por Pedro Proença, presidente da Liga, após acordo com Gil Vicente e Belenenses. Outros emblemas não aceitam que se volte a adiar a reintegração, desrespeitando o que ficou acordado em 2018 e que já se encontra plasmado no regulamento de competições para 2019/2020.

 

A Federação Portuguesa de Futebol, entretanto, também emitiu um comunicado, no qual exige a integração do clube de Barcelos na Liga já na próxima temporada. O organismo federativo diz não aceitar que "as expectativas criadas em todas as entidades e agentes desportivos, por via das alterações regulamentares e deliberações tomadas no seio da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, sejam frustradas neste momento, com impactos negativos em todas as competições seniores nacionais".

 

A FPF garante ainda que "os factos mais recentes vindos a público, quase três anos após a primeira decisão, em nada alteram a posição" e assegura que não terá uma "atitude passiva"  na matéria.

 

publicado às 04:03

 

21397803_N0E3b.jpeg

 

Dez dias após ter escrito este artigo aqui no Camarote Leonino, eis que hoje volto a escrever, não um original, mas antes para citar uma noticia acabada de ser lançada no site da FPF:

 

"O próximo jogo em casa da Selecção Nacional A no grupo B da fase de qualificação para o Campeonato da Europa de 2020, frente ao Luxemburgo, vai realizar-se no Estádio José Alvalade, a 11 de Outubro (19h45).

 

Antes desta partida, Portugal vai cumprir os dois encontros da "final four" da Liga das Nações na zona Norte do País: o Portugal-Suíça está já marcado para o Estádio do Dragão (19h45), sendo que o palco da outra partida dependerá do resultado frente aos helvéticos (as únicas possibilidades são o Estádio do Dragão e o Estádio D. Afonso Henriques).

 

Até ao mês de Outubro, a 'Equipa das Quinas' tem ainda duas deslocações no âmbito do apuramento para o próximo Europeu, à Sérvia (7 de Setembro) e à Lituânia (10 de Setembro).

 

O Presidente da FPF, Fernando Gomes, salientou a importância do apoio dos adeptos em todo o país nos compromissos que se avizinham:

 

"Nos últimos anos, a Selecção Nacional tem efectuado jogos em diversos estádios do País, o que de resto sucede com todas as Selecções Nacionais dos diferentes escalões. Em Junho estaremos no Norte, que escolhemos para receber a fase final da Liga das Nações, e em Outubro disputaremos um jogo muito importante com o Luxemburgo, em Alvalade. Estamos certos que, a exemplo do que aconteceu na recém-dupla jornada de qualificação para o Europeu 2020, os portugueses estarão nos estádios ao lado da Selecção nestes compromissos tão importantes."

 

Frederico Varandas, presidente do Sporting, congratulou-se com o regresso da principal Equipa das Quinas ao recinto do emblema leonino:

 

“Estamos muito satisfeitos com a decisão da Federação Portuguesa de Futebol. Não recebemos, no Estádio José Alvalade, um jogo da Selecção desde 2015. É o regresso da nossa Selecção, Campeã em título do torneio, a um palco de excelência que é a casa de um conjunto largo de jogadores que foram formados no Sporting Clube de Portugal. Uma feliz notícia para o Sporting. Esperamos um Estádio cheio e um grande ambiente de vitória para a Selecção Nacional."

 

in: www.fpf.pt

 

publicado às 16:30

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 24.03.19

 

naom_5117dc13e2f1c.jpg

 

Na quinta-feira, a Federação Portuguesa de Futebol reuniu-se com com os presidentes de clubes que actuam no principal escalão português, e o assunto fulcral em discussão foi a redução do número de equipas da 1.ª Liga de 18 para 16, a curto prazo. 

 

Entende a FPF que é prioridade máxima tornar a 1.ª Liga mais competitiva - e assim subir no ranking da UEFA. Desta forma, seria possível que duas equipas portuguesas entrassem directamente para a Liga dos Campeões.

 

Outro ponto em discussão foi a reestruturação das competições internas, com foco na Taça da Liga. Esta competição poderá ser extinta, permitindo às equipas nacionais mais tempo de descanso.

 

publicado às 03:04

A "Luz" que ilumina a FPF

Rampante, em 16.03.19

 

21385595_0Tar1.jpeg

 

Escrevo este texto, motivado pelo comentário do leitor “Leão da Guia”, que comentava neste post, o facto da Selecção Nacional jogar os próximos dois encontros deste mês no Estádio da Luz.

 

Na minha opinião, é notório e demais evidente que existe uma óbvia preferência da FPF por este estádio, senão vejamos:

 

Desde Março de 2015 (último ano em que a Selecção jogou em Alvalade), até Março de 2019, a equipa de todos nós fez 25 jogos em Portugal, sendo 14 amigáveis e 11 oficiais.

 

Destes 25 jogos:

 

  • 8 foram no Estádio da Luz
  • 3 no Estádio-Fantasma de Leiria
  • 2 no Bessa e 2 no Algarve
  • 1 em Alvalade (a 04 de Setembro de 2015)
  • 1 no Estádio do Dragão
  • 8 nos restantes estádios

 

Se formos a ver apenas os jogos oficiais, então temos:

 

  • 6 no Estádio da Luz
  • 1 em Guimarães, Bessa, Algarve, Aveiro, Braga
  • 0 em Alvalade e 0 no Dragão

 

A última vez que a Selecção jogou em competição em Alvalade foi a 11 de Outubro de 2013, já lá vão quase 6 anos.

 

Exige-se que a FPF explique os motivos e se o não fizer, exige-se que os clubes exijam uma justificação junto da FPF.

 

O FCP provavelmente irá remeter-se ao silêncio, uma vez que o Estádio do Dragão já tem garantidos 2 jogos para este ano (após 3 anos de um amigável que lá se jogou).

 

Não havendo explicações públicas, é natural que as pessoas acreditem que esta preferência se dê pelos motivos que vieram a público através dos e-mails filtrados, ou seja, por haver trocas de dinheiro entre a FPF e o SLB, “pela porta do cavalo”, para além dos montantes oficiais.

 

Da minha parte, surpreende-me que nem FPF, nem SLB, tenham vindo ainda a público justificar o que para eles significa “…pagar pela porta do cavalo…”, em especial, porque esta afirmação indicia práticas ilegais de branqueamento de capitais, um crime público que a ser real, poderia levar a FPF a perder o Estatuto de Utilidade Pública.

 

Mais, surpreende-me que sendo o SLB uma SAD cotada em bolsa, nunca tenha havido por parte das entidades reguladoras, nomeadamente CMVM, qualquer questão e/ou pedido de esclarecimento, esquecendo-se porventura (ou fazendo-se de esquecida) que o crime é alargado às Instituições Reguladoras que, por mero indício, não actuem.

 

Este caso com certeza ainda dará muito que falar, até porque estes são crimes públicos e a partir do momento que a mera suspeita surja (e já surgiu na imprensa nacional) o Ministério Publico terá de actuar…

 

Poderão as Instituições tentar “esquecer” o caso, no entanto compete-nos a nós cidadãos pressionar até que haja respostas, e nesse sentido, o Sporting, como um dos principais lesados, poderá ter um papel fundamental, queira esta Direcção disponibilizar-se a isso.

 

P.S.: Podendo um jogo oficial render mais de 1 Milhão de euros (directa e indirectamente) ao “dono” do Estádio, é fácil perceber o quão apetecível é albergar os jogos da Selecção.

 

publicado às 12:00

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds