Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O que dizem eles

Rui Gomes, em 09.12.15

 

ng3784200.jpg

 

«Não estou surpreendido pela liderança do Sporting nesta altura da temporada. Fez um excelente campeonato na época passada e tem jogadores de elevada qualidade, muitos deles portugueses. Criou raízes e alicerces para uma grande equipa e joga o que o treinador trabalha. Jorge Jesus impôs uma filosofia de jogo. Está focado no campeonato mas a dinâmica de vitória reflecte-se nas outras provas.

 

Uma característica importante desta equipa é que nunca desiste em campo e ganha vários jogos nos últimos minutos. Os campeões constroem-se assim e essa é uma vantagem que o Sporting tem em relação aos outros candidatos. É uma equipa muito pragmática e objectiva, com sentido de vitória.»

 

 

Ainda bem que José Mota reconhece que nem tudo veio à Terra apenas em dias recentes. Terá exagerado com a sua apreciação da época passada, dado que qualquer superlativo é da pertença exclusiva de Jorge Jesus.

 

publicado às 04:41

 

Aconteceu com José Mota, poderia ter acontecido com qualquer outro treinador - como aliás já aconteceu com muitos - mas para o caso até nem interessa. Há longo que me intriga - por falta de termo mais adequado - a mentalidade operacional e desportiva de clubes de menor capacidade estrutural e financeira, em geral, e do Vitória de Setúbal em particular.

 

José Mota é um técnico muito experiente e, na opinião de alguns, deveras competente. Curiosamente, um grande amigo meu - devoto adepto benfiquista - detesta Jorge Jesus e um dos treinadores que ele gostaria de ver orientar o seu clube é precisamente o técnico que foi ontem demitido do clube do Bonfim.

 

A contenda que me afronta, já há muito, é não compreender o que um clube como o Vitória de Setúbal pretende realizar e provar a mudar de treinador ao mais pequeno sinal de instabilidade de resultados, ignorando que simplesmente não tem condições, à raiz, para muito mais. Entre 2000 com Rui Águas até o momento actual, já passou por 20 treinadores e as únicas realizações de relevo nestas 13 épocas são a conquista da Taça de Portugal em 2005 e a Taça da Liga em 2008. De 2004/05 - pelo seu regresso à I Liga - até à época finda, alcançou uma vez o 6.º lugar com 45 pontos e em uma outra ocasião o 8.º lugar com 46 pontos. As restantes sete épocas registam todas classificações entre o 10.º e o 14.º lugares, contabilizando entre 24 a 30 pontos. Neste mesmo período apenas dois treinadores se mantiveram mais do que uma época e nenhum duas épocas completas consecutivas.

 

Neste momento o Vitória de Setúbal encontra-se empatado com o Olhanense e a Académica em 13,º lugar com 5 pontos, resultante de uma vitória, 2 empates e 4 derrotas. Vejamos os jogos: duas das derrotas foram com o Sporting em Alvalade e pela visita do FC Porto - nada de invulgar aqui; outra foi pela visita ao Rio Ave, equipa do seu campeonato onde qualquer resultado é possível; e a única que talvez seja discutível, embora também não espectacular, foi a recepção ao Marítimo por 2-4. Os dois empates foram repartidos, em casa frente ao Gil Vicente e fora frente ao Paços de Ferreira, também aqui nada bombástico. Não sem muita surpresa, a única vitória, e por 4-1, surgiu pela visita ao Vitória de Guimarães, este sim, um resultado espectacular.

 

Entra agora José Couceiro, que poderá ou não melhorar o estado das coisas, mas qualquer melhora, por inevitável natureza, nunca será mais do que temporária. E quando novos resultados desagradáveis surgirem - e vão surgir quer com Couceiro quer com outro - qual será a solução ? Mudar de treinador novamente... pelos vistos. Algo ilude a minha imaginação no todo deste processo recorrente, ano após ano, época insuficiente após época insuficiente. Todos os treinadores - à excepção de dois ou três notáveis no Mundo - desgastam-se passado algum tempo no mesmo clube, é inevitável. No entanto, no extremo oposto, temos o Vitória de Setúbal - entre outros - que muda de "Mister" com a mesma frequência que muitos mudam de camisa, ignorando que um só homem não conseguirá aquilo que o todo de uma instituição não consegue.

 

publicado às 03:21

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Posts mais comentados



Cristiano Ronaldo