Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fotografia com história dentro (115)

Leão Zargo, em 30.09.18

 

21186628_pU6RG.jpeg

 

Libânio Avelar

 

Libânio Avelar chegou ao Sporting no Verão de 1961 com 31 anos de idade. Octávio de Sá tinha regressado a Moçambique, o brasileiro Aníbal Saraiva não convencera, e os leões procuravam um guarda-redes muito mais experiente e seguro para disputar a baliza ao jovem Carvalho. Era um guardião com muita tarimba, com longa carreira na CUF (oito anos e Campeão Nacional da 2ª Divisão) e no Vitória de Setúbal (quatro anos).

 

Libânio Avelar permaneceu quatro épocas em Alvalade e assumiu-se sempre como uma alternativa válida a Carvalho, a quem nunca deu descanso. De tal forma que o treinador Juca deu-lhe a titularidade nas três últimas jornadas do Campeonato Nacional quando Sporting e FC Porto estavam com os mesmos pontos no topo da classificação. No último jogo da competição, decisivo para a atribuição do título, houve dérbi com o Benfica bicampeão europeu, Libânio é que defendeu a baliza sportinguista, os leões venceram por 3-1 e foram os campeões nacionais. Foi o primeiro jogo de Eusébio em Alvalade.


O futebol não é uma ciência exacta, mas existem coisas exactas no futebol. Na fase crucial do Campeonato, Juca confiou num guarda-redes imperturbável, mesmo nas situações de maior pressão ofensiva dos jogadores adversários, que transmitia grande confiança aos companheiros de equipa. Apesar de ser “baixote” (tinha 1,78 de altura), Libânio era seguro entre os postes e eficaz nas saídas destemidas da baliza. Na verdade, foi um bom guarda-redes do nosso futebol nas décadas de 1950 e 1960, um dos melhores numa segunda linha logo a seguir aos habituais titulares dos principais clubes portugueses.

 

No futebol as grandes vitórias também se alcançam com jogadores que parecem normais, que não são considerados excepcionais. Ao treinador compete impor uma visão comum, colectiva, que faça com que cada jogador se supere, que se torne indispensável. Foi o que se passou em 1961-62 com um plantel sobre o qual Otto Glória chegou a dizer, antes de ser demitido pela direcção sportinguista, que “sem ovos não se fazem omeletas”. Essa visão comum é também o combustível que conduz ao sucesso.

 

Na fotografia, Libânio está rodeado por adeptos leoninos que festejam o título no final do jogo com o Benfica em 27 de Maio de 1962.

 

publicado às 13:30

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Posts mais comentados



Cristiano Ronaldo