Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As Notas de Julius 2021/22 (22)

Julius Coelho, em 04.12.21

Nesta rubrica, o leitor tem a oportunidade de apreciar - e se entender, criticar as notas (0-6) que eu atribuí aos jogadores do Sporting CP e a outros intervenientes do jogo com o Benfica da 13.ª jornada da Liga BWIN, que resultou numa vitória do Sporting por 3-1. Golos de Sarabia (8') , Paulinho (62') e Matheus Nunes (68').

Screenshot (475).png

ONZE INDOMÁVEIS PATIFES ARRASARAM E CALARAM A LUZ 

Uma noite de sonho para o Sporting CP, deram uma lição do que é uma grande equipa contra um grupo de jogadores adversários. Grande vitória no palco mais apetecido de todos!... Os jogadores leoninos e o seu magnífico treinador jamais irão esquecer a noite em que despediram os adeptos do Benfica das bancadas e muito provavelmente o mestre da táctica. Domínio absoluto de todos os momentos de jogo de principio ao fim, com uma exibição irrepreensível e portentosa que deixaram orgulhosos e em festa os seus adeptos pelos quatro cantos do planeta. 

DESTAQUE - A EQUIPA DO SPORTING E O SEU TREINADOR - 6 - Uma exibição notável de todos que rebentou a escala, calaram e despediram os adeptos encarnados das bancadas da Luz no muito querer, nas garras afiadas do leão, na disponibilidade física que foi impressionante e na tremenda solidariedade; interpretaram na perfeição a estratégia do jovem treinador do Sporting que comeu de cebolada o mestre da táctica. Foi limpinho.

ANTONIO ADÁN - 6 - Mostrou toda a sua classe e faz tremer os avançados adversários. Está em grande forma o guardião espanhol do Sporting. Quase que consegue chegar à bola cruzada do Pizzi, um golo que não merecia.

PEDRO PORRO - 6 - Coitado do Grimaldo, vai ter pesadelos nas próximas noites, o Pedro meteu-o no bolso.

LUÍS NETO - 6 - Foi a melhor versão do Luís, que foi um autentico patife a varrer tudo à sua frente. 

GONÇALO INÁCIO - 6 - Alôô Fernando Santos já conhece o Gonçalo? Mesmo quando perdeu o colega do lado, o marroquino Feddal por lesão, não tremeu e deixou seguramente o seu capitão Coates muito orgulhoso. 

ZOUHAIR FEDDAL - 6 - Deu tudo o que tinha e que não tinha e foi até rasgar. Enquanto lá esteve, ajudou a manter as vedetas da equipa adversária sempre bem distantes da sua área. 

MATHEUS REIS - 6 - Foi um tremendo leão, incansável, aparecia por todas as partes a cortar e a dobrar. Com a lesão do Feddal ocupou o seu lugar e ficou mais posicional. Mas as suas pilhas nunca se esgotaram. Também está em grande forma.

MANUEL UGARTE - 6 - Sensacional exibição! Tinha uma tarefa de nível altíssimo, cortar os espaços de fuga ao Rafa e... secou-o. Que inveja provocou aos rivais, o Sporting tem dois jogadores fantásticos para aquela posição. Não tremeu um único momento e a equipa cedo percebeu que podia confiar no jovem Uruguaio.

MATHEUS NUNES - 6 - Que patife!!! Mas qual João Mário?... Agora todos ficaram a perceber quem ganhou e bem com a troca, desportiva e financeira. Foi um monstro, um autêntico patife a destruir a equipa do Benfica. O golo? É para ver e rever. 

PEDRO GONÇALVES - 6 - Outro patife à solta, depois do que vimos ontem ninguém iria querer estar na pele do imbecil do seleccionador nacional, que jogazo fez e ainda deu para ser perdulário falhando dois golos cantados.

PABLO SARABIA - 6 - Grande classe de um patife endiabrado, em espanhol diz-se... um ¨sinverguenza". Que golazo aproveitando aquela bola teleguiada do Pote de ouro e quase que marcava um segundo golo.

PAULINHO - 6 - A máquina ou o pior dos patifes, pobrezitos do Otamendi e Vertonghen que só com muita malandrice o paravam. Foi vítima do sistema que queria a vitória do Benfica; aquele golo anulado é golo em toda a parte do Mundo. Mas 50 mil nas bancadas presenciaram bem a sua marca que deixou vincadíssima no golazo que marcou. Esse valeu mesmo.

RICARDO ESGAIO - 6 - A lesão do Feddal obrigou a várias mexidas na defesa, o Ricardo foi para a esquerda e ainda foi a tempo de participar nas patifarias da grande noite na Luz, ajudando a equipa a marcar mais 2 golos. Num contra-ataque quase que também a metia lá dentro da baliza do grego.

TIAGO TOMÁS - 6 - A equipa concretizou o seu principal sucesso em ter conseguido ser um autêntico bloco sem oscilações durante os 97' da partida e por isso todos merecem a mesma nota máxima. O jovem patife Tomás também fez pontaria ao grego nos escassos minutos que jogou, logo após ter substituído Sarabia.

DANIEL BRAGANÇA - 6 - Substituiu um dos grandes heróis do dérbi, o uruguaio Ugarte. Foi quase ao cair do pano e não teve muita oportunidade para se exibir.

NUNO SANTOS - 6 - Quatro minutos em campo, a noite memorável já estava ganha e não teve tempo para as suas usuais patifarias.

RUBÉN AMORIM - 6 - Foi um grande patife, ao fazer toda aquela desfeita no estádio da luz, aos mais de 50 mil adeptos encarnados. Muitos deles não acharam piada nenhuma e foram-se embora logo a seguir ao grande golo do Matheus Nunes, ainda com mais de 20 minutos para se jogar. Por este andamento ainda ficamos sem ele (?) em menos tempo do que imaginamos. Estava bastante confiante e mostrou que tinha amplas razões para isso. Jogo fantástico, muito bem organizado e colocado em prática, é um craque de treinador. Vai despedir muitos treinadores adversários.

Screenshot (468).png

JORGE JESUS - 1 - Foi arrasado e viu o adversário jogar o triplo na sua própria casa. Levou uma lição de futebol e como se joga com uma defesa a cinco. Depois de perceber que estava só a inventar, mudou-a para quatro e levou mais 2 golos. Esteve mudo e calado no banco, os onze patifes do Sporting deram-lhe um banho de bola, acontece.

ARTUR SOARES DIAS - 1 - Tentar bem tentou, não fossem os jogadores do Sporting mais patifes que ele e teríamos o caldo entornado. Depois percebeu que já não podia forçar mais e acalmou fingindo mais justiça nas suas decisões.

HUGO MIGUEL - 1 - Como pode anular o golo do Paulinho?... A bola não chega a ele, é interceptada pelo Sarabia e só depois o Sarabia lhe faz o passe com ele bem dentro do jogo. Felizmente não teve influência no resultado mas podia ter tido.

publicado às 12:16

O presidente da Liga Portugal reafirma que está preocupado com a “falta de respostas e de decisões" por parte do Governo no que toca ao futebol profissional.

e418c3263188b0dc8d3dfcdca1cb64a3.jpg

"No dia em que o Presidente da República anunciou a dissolução do Governo e decidiu as datas das próximas eleições legislativas, reforço, mais uma vez, a preocupação que tenho em relação à falta de respostas e de decisões, no que ao futebol profissional diz respeito. Por mais que tentemos fazer e arranjar formas e mecanismos para dar apoio às nossas Sociedades Desportivas, considero que seja de extrema importância termos o suporte do Governo, assim como, respostas às propostas que a Liga Portugal apresenta”.

O líder da Liga deixa exemplos: “criação de condições fiscais em sede de IVA, IRC e IRS; reformulação do desadequado regime jurídico das Sociedades Desportivas; respostas às dores de implementação do Cartão do Adepto e necessidade de readaptação. São oito os pontos apresentados ao executivo - a centralização dos direitos audiovisuais está em andamento - e para os quais pedimos respostas".

"Deixo mais uma vez este alerta de que o futebol, apesar de ser uma grande indústria com forte contributo em termos de fiscalidade para o país e de ainda ter um enorme reconhecimento internacional, é colocado à margem nos mais diferentes quadrantes. A crise de respostas e soluções é um tema que o Governo não tem conseguido dizimar no futebol profissional", acrescentou Pedro Proença.

publicado às 04:31

As Notas de Julius 2021/22 (14)

Julius Coelho, em 24.10.21

Nesta rubrica, o leitor tem a oportunidade de apreciar - e se entender, criticar as notas (0-6) que eu atribuí aos jogadores do Sporting CP e a outros intervenientes do jogo com o Moreirense da 9.ª jornada da Liga BWIN, que resultou numa vitória leonina por 1-0. Golo de Sebastián Coates (16').

Falsa partida da equipa no jogo, contra um adversário que apostou todas as suas fichas em surpreender o campeão numa tentativa de marcar logo nos minutos iniciais. De facto o Moreirense entrou com tudo, conseguiu uma excelente oportunidade para inaugurar o marcador, mas o guarda-redes leonino mais uma vez foi gigante e não deixou. Depois a equipa do Sporting entrou no jogo e tomou-lhe as rédeas. O golo do capitão Seba surgiu naturalmente (mais do mesmo dele) e Paulinho podia mais uma vez ter arrumado o assunto muito mais cedo mas... ainda não foi desta. Ao intervalo, Rúben Amorim acertou melhor as peças de xadrez e na segunda parte a equipa bloqueou melhor a circulação de bola do adversário, controlando, daí em diante, tanto o jogo como o resultado final. O Sporting consegue, à 9.ª jornada, precisamente o mesmo registo de 23 pontos (7 vitórias e 2 empates) da época passada.

0jl16088.jpg

DESTAQUEDANIEL BRAGANÇA - 4 - De assinalar que jogou os 90 minutos, e dentro do registo médio de intensidade de toda a equipa, foi o que mais deu nas vistas, o mais esclarecido, principalmente pelos recortes técnicos com traço de mestre no passe que encheram o olho. Fez um bom jogo e teve físico para o fazer até final e é desta forma que evolui para poder chegar a níveis mais elevados. Mostra ter capacidade de poder chegar lá.

ANTONIO ADÁN - 4 - Evitou com uma excelente defesa de recurso (12') que o adversário marcasse primeiro o que poderia ter provocado um grande problema. Esse lance foi o clique que fez acordar toda a equipa e a partir daí foi mais espectador intervindo poucas vezes em lances controlados até final.

PEDRO PORRO - 3 - Bem a defender e na saída mas esteve muito desastrado na definição do último passe e foi aí que sai duramente penalizado. Falta de concentração ou cansaço? Algo aconteceu, porque não é de todo normal vê-lo decidir tantas vezes mal.

GONÇALO INÁCIO - 3 - Partida muito discreta, raramente foi visto a aventurar-se na audácia dos seus passes longos. Ainda procura recuperar o ritmo e intensidade da equipa e, por isso, prefere manter-se só por ali a defender não saindo da sua zona de conforto no risco mínimo.

SEBASTIÁN COATES (CAP) - 4 - Mais um golo à ponta de lança e mais um que valeu três pontos. No final, na entrevista, disse algo curioso, "tem muito a haver com quem bate a bola" e tem toda a razão. Na sombra começa-se a vislumbrar um grande batedor, Sarabia. Depois do golo fez o que de melhor sabe fazer, comandar a sua defesa e os colegas à sua frente, creio que vamos ter ali um futuro treinador.

MATHEUS REIS - 3.5 - Desta vez surpreendeu pela positiva, sempre que foi chamado a intervir fê-lo invariavelmente bem, principalmente a partir daqueles primeiros 15 minutos em que o adversário teimou em tentar entrar pelo seu lado e do Nuno Santos. Procurou em concentrar-se primeiro nas tarefas defensivas e foi o melhor que fez, ontem acrescentou à equipa.

NUNO SANTOS - 3 - Quase que marcava um golo de bandeira aos 75 minutos; que golazo a cerca de 30 metros da baliza e o público bem merecia. Na verdade pouco mais fez. Vinha fresco da Turquia, esperava-se mais, mas a sua missão era principalmente fechar o lado esquerdo ao Moreirense o que não conseguiu fazer nos tais 15 minutos iniciais. Sentiu o perigo e por ali deixou-se ficar, sendo sempre mais cauteloso nas saídas.

JOÃO PALHINHA - 3 - De ressaca depois daquele seu grande vendaval na Turquia, jogou em intensidade sempre moderada - mais ainda com o cartão amarelo a condicioná-lo - mas o suficiente para manter o meio campo controlado; acusou o desgaste e saiu aos 85 minutos.

PEDRO GONÇALVES - 2.5 - Tal como o Gonçalo Inácio, procura chegar aos seus normais índices físicos, mas ainda lhe falta muito. Tem que ser paciente, porque eles acabarão por chegar. O seu jogo voltou a ser fracote, mas tem que persistir. O treinador também está a puxar por ele. Deu de bandeja uma bola para golo cantado ao Paulinho.

PABLO SARABIA - 3.5 - Também evidenciou a ressaca do jogo na Turquia. Começa a ter papel importante nas bolas paradas e se ele conseguir meter a bola direitinha no capitão temos golo pela certa. É brigão, trabalhador e muito sério no que faz.

PAULINHO - 2.5 - Como disse o treinador, amanhã há treino e vai voltar a ter uma baliza na sua frente para treinar meter as bolas lá dentro. A água tanto bate, até que fura. Vai ultrapassar esta fase de azar e também de alguma aselhice, aquele lance ao 47 minutos não se pode falhar, era para o outro lado que tinha que desviar a bola para um golo fácil, não quis ser famoso e falhou. Felizmente a equipa ganhou os três pontos mas... tantas vezes o cântaro vai à fonte que um dia fica lá em cacos.

MATHEUS NUNES - 2.5 - Entrou para os vinte minutos finais a substituir o Sarabia, mas a equipa no geral não mostrou interesse em arriscar a provocar maior intensidade nessa altura do jogo, preferindo manter a posse de bola impedindo a sua circulação nos pés do adversário, pouco se viu.

TIAGO TOMÁS - 2.5 - Entrou para os 15 minutos finais para pressionar a saída da defesa adversária e nessa tarefa fê-lo bem mas também pouco mais de viu fazer. Com a bola nos pés a ansiedade fé-lo atrapalhar-se e não soube decidir bem.

MANUEL UGARTE - 2 - A sua entrada a 5 minutos do final foi a derradeira mensagem do treinador à equipa que o resultado precioso era para preservar de qualquer forma. Não foi tempo suficiente para se mostrar, embora se tenha metido em algumas alhadas em que acabou por perder a bola.

RICARDO ESGAIO - 2 - Aos 85 minutos era definitivamente a hora de guardar o ouro e entrou fresco para ajudar a dar essa garantia.

RÚBEN AMORIM - 4 - Conseguiu mudar o chip à equipa do jogo da Liga dos Campeões e com isso garantir a vitória no campeonato e mais três pontos. Para já, obteve o mesmo registo da época passada: 7 vitórias e 2 empates. Estes, curiosamente, com os mesmos adversários ( Famalicão e FC Porto) e nos mesmos estádios, tem os mesmos 23 pontos à nona jornada. Viu ontem a equipa passar por apuros nos primeiros quinze minutos mas foi gradualmente acertando as posições dos jogadores até encaixarem na estratégia do Moreirense, depois controlou sempre o jogo até final.

JOÃO HENRIQUES - 3 - Nota positiva para uma equipa que conseguiu surpreender nos primeiros quinze minutos  do jogo com um futebol rápido e com muitas movimentações e com isso quase que chegam ao golo. Depois, a equipa do Sporting acordou e o futebol do Moreirense foi desaparecendo; não mais incomodaram o Adán.

VITOR FERREIRA (Árbitro) - 3 - Arbitragem sofrível, positiva no limite, muitos erros (para os dois lados) e algum desnorte deste jovem árbitro que precisa também de jogos para evoluir. 

LUÍS FERREIRA (VAR) - 3 - Não houve registo de casos flagrantes que necessitassem da intervenção do VAR

publicado às 03:34

As Notas de Julius 2021/22 (07)

Julius Coelho, em 20.09.21

Nesta rubrica, o leitor tem a oportunidade de apreciar - e se entender, criticar as notas (0-6) que eu atribuí aos jogadores do Sporting e a outros intervenientes do jogo com o Estoril da 6.ª jornada da Liga BWIN, que resultou numa vitória por 1- 0. Golo de Pedro Porro (67').

Todos muito solidários a jogarem à campeão ontem à noite na Amoreira; garra, querer, disponibilidade física, concentração no limite, coragem e persistência resultou numa vitória justíssima que só peca por escassa. Um penálti muito bem marcado pelo Pedro Porro tirou o enguiço que parecia ter a baliza do Estoril...e o Ajax já é passado.

est10.jpg

DESTAQUE - PAULINHO - 5.5 - Mereceu a coroa do destaque e ainda mais valorizada pela concorrência de peso de colegas que poderiam também serem escolhidos. Se alguém merecia o golo foi o Paulinho, foi o mais rematador do jogo, procurou-o de todas as formas mas havia sempre algo a impedir a bola de entrar, até o poste naquele excelente remate em arco que daria um golo monumental, a sua persistência provocou o erro do guarda-redes no lance do penálti. Nunca se acomodou ou escondeu-se do jogo. Calou os críticos.

ANTONIO ADÁN - 4.5 - Foi fundamental na primeira parte ao impedir que o Estoril Praia ficasse na frente do marcador, defendendo à queima em duas situações a bola que levava o caminho do golo. Na segunda parte teve menos trabalho sem necessidade de intervenções de nível complicado.

PEDRO PORRO - 5 Está num bom período de forma e de muita confiança, foi um abre latas pelo seu corredor, pena que o Sarabia ainda não esteja entrosado e maiores danos poderiam sair daquele lado para o adversário, com facilidade consegue espaço para cruzar com perigo. Marcou o penálti de forma irrepreensível e o próximo voltará a ser dele.

LUÍS NETO - 5 - A sua excelente forma física permitiu-lhe chegar à bola sempre primeiro que o adversário, varreu tudo à sua frente não dando nenhumas chances a ninguém. Podia ter marcado num remate de ressaca que levava o selo de golo mas ressaltou num defesa e a bola saiu ao lado. Boa exibição do veterano, foi um exemplo de garra.

SEBASTIÁN COATES (cap) - 5 - O patrão voltou ao seu posto e tudo foi diferente na defesa. Só mesmo ele consegue fazer aqueles cortes in extremis com a acentuada classe de grande craque. Comandou tudo à sua volta e a música saiu bem sincronizada com todos. Tornou-se fundamental no centro da defesa desta equipa do Sporting de Rúben Amorim.

MATHEUS REIS - 4 - Olhem quem é ele, entrou com atitude do sim ou sopas e as coisas até que lhe começaram a sair melhor que as outras vezes que foi chamado, foi até agora a sua melhor exibição na equipa, mostrou-se mais decidido a assumir a responsabilidade e o risco, menos faltoso, quererá sair da casca? 

RÚBEN VINAGRE - 3.5 - Voltou a ser o elo mais frágil da defesa, melhor que na quarta-feira (o adversário também foi outro) procura recuperar a confiança. Esteve uns furos abaixo dos colegas mas fez uma exibição no geral positiva.

JOÃO PALHINHA - 5.5 - Um monstro no meio campo, a sua melhor forma está a chegar e foi o que se viu, entregou-se ao jogo como um leão com um só objectivo, vencer. Levou quase sempre a melhor e é responsável pela inoperância do ataque do adversário em toda a segunda parte, bloqueou-os na maior parte do tempo de jogo.Teve um tremendo remate fora da área dando vida a uma bola que quase trai o guarda redes do Estoril. Nas saídas da equipa terá que ajustar-se melhor no terreno para oferecer outra linha de passe.

MATHEUS NUNES - 4.5 - Menos exuberante por défice de inspiração mas teve um papel deveras importante no transporte da bola para a linha da frente do ataque. Executou um bom remate que quase dava jackpot na baliza do Estoril. Mostrou atitude e muita técnica quando rompia pelas linhas adversárias, criando roturas.

NUNO SANTOS - 3.5 - Não esteve ao seu melhor. Pouco inspirado, mostrou dificuldades nos duelos, desta vez perdeu mais do que ganhou, viu-se num excelente cruzamento que quase deu golo, a bola foi tirada em cima da linha de golo pelo Joãozinho.

PABLO SARABIA - 3.5 - Não está ainda entrosado nos esquemas das movimentações e por isso mostra ainda alguma lentidão a decidir, mas deixou o registo de alguns lances que mostraram um jogador inteligente e de toque fácil na bola, com capacidade de descobrir caminhos que mais ninguém vê.

JOVANE CABRAL - 3 - As suas últimas exibições muito mal conseguidas já faziam prever que voltasse neste jogo ao seu registo normal das entradas a meio das segundas partes; não trouxe nada de especial ao jogo, pareceu lento e hesitante que mostram uma crise de confiança que necessita de recuperar.

TIAGO TOMÁS - 2.5 - Entrou para os 10 minutos finais para o lugar do esgotado Pablo Sarabia, pareceu querer fazer tudo muito depressa, sem ler os tempos de jogo, precipitou-se a rematar à baliza por duas vezes matando boas movimentaçôes da equipa em contra ataque e que podiam ter terminado de melhor forma.

RICARDO ESGAIO - 2 - Entrou já em cima dos 90 minutos e só para ajudar a segurar o ouro conquistado, não fosse o diabo tecê-las.

RÚBEN AMORIM - 5 - Pediu que à equipa que desse uma boa resposta após o desaire e os jogadores corresponderam na íntegra, cumprindo especialmente na atitude, controlando o jogo na segunda parte em que abafaram o adversário. Percebeu-se que todos levaram para o campo do Estoril um único objectivo: ganhar. Fez somente três substituições, o que diz muito do compromisso assumido pelos titulares. Os adeptos sportinguistas presentes no estádio também ajudaram, dando-lhes força e confiança... foi bonito.

BRUNO PINHEIRO - 4 - Não tem as mesmas armas do seu adversário, mas bateu-se bem e até podia ter marcado primeiro não fosse o guarda redes do Sporting chamar-se Antonio Adán, o melhor guarda redes da Liga 2020. Reconheceu no final que o resultado foi justo e fica-lhe bem, tentou tudo, meteu jogadores frescos nos minutos finais, mas o adversário esteve sempre muito forte e não lhe deu quaisquer possibilidades.

TIAGO MARTINS (Árbitro) - 4 - O árbitro mais inglês que apita no futebol português, com um critério bastante largo, por vezes excessivo em que confunde faltas reais e grosseiras com faltinhas.  Mas fé-lo para os dois lados e quando assim é nada a apontar.

BRUNO ESTEVES (VAR) - 4 - Nada a registar.

publicado às 04:03

As Notas de Julius 2021/22 (03)

Julius Coelho, em 15.08.21

Nesta rubrica, o leitor tem a oportunidade de apreciar - e se entender, criticar as notas (0-6) que eu atribuí aos jogadores do Sporting e a outros intervenientes do jogo com o SC Braga da 2.ª jornada da Liga BWIN, que resultou numa vitória do Sporting por 2-1. Golos de Jovane Cabral (40') e Pedro Gonçalves (50').

Passagem em Braga com distinção e ainda não foi desta que o treinador dos bracarenses conseguiu enganar Rúben Amorim, vitória personalizada da melhor equipa em campo, melhor organizada, mais destemida e muito focada no objectivo dos 3 pontos. Pena a tremenda infantilidade do Matheus Reis que, ao ser expulso, deixou a equipa reduzida a dez elementos e quase deitava tudo a perder. Valeu o guarda-redes espanhol que com duas espantosas defesas ajudou a agarrar a vitória e evitar o que seria uma tremenda injustiça e desilusão se o Braga tivesse conseguido empatar nesse período. 

Screenshot (243).png

DESTAQUE - JOVANE CABRAL - 5.5 - Um golaço com soberba execução técnica, a assistência ao golo de Pedro Gonçalves e meia dúzia de arrancadas pela esquerda que provocaram o alerta na defesa do Braga, foi o suficiente para ser decisivo na vitória da equipa. Teve contudo um mau arranque no início da partida, falhando os primeiros passes que quase comprometeram os colegas da defesa, mas foi-se recompondo e entrou depois bem no jogo até à sua substituição.

ANTÓNIO ADÁN - 5.5 - Deu espectáculo, só foram 4 paradas extraordinárias que vão seguramente tirar o sono na noite de hoje ao Yuri Medeiros, Abel Ruiz, Fábio Martins e Al Musrati. Ter um guarda-redes com esta categoria pode-se sonhar sempre o que se quiser, aquele tiraço do "6" do Braga a morrer nas suas mãos daquela forma, como se nada tivesse passado, deixou-nos sem palavras.

RICARDO ESGAIO - 4.5 - Irrepreensível a anular as jogadas do veloz Galeno e sem levar qualquer cartolina amarela. Fantástico o cruzamento para entrada fulgurante do Jovane de cabeça que deu o primeiro golo. A vida do Pedro Porro não vai ser nada fácil esta época. Transformou-se num senhor jogador, de facto é muito bem vindo.

GONÇALO INÁCIO - 4 - Já consegue ser imperial em todas as suas acções, apresenta uma evolução notável na leitura do jogo e dos espaços; está já de pedra e cal naquela posição. Quase que fazia o segundo golo, mas o cabeceamento foi ligeiramente ao lado. Na parte final do jogo já com a equipa em inferioridade numérica e com tantas trocas à esquerda, ele e os colegas defesas tiveram mesmo que se agarrar uns aos outros, porque num ápice o jogo complicou-se e ficou feio.

SEBASTIÁN COATES - 4.5 - Até à expulsão do Matheus Reis foi comandante e imperador, nunca dando grande azo aos avançados do Braga, geriu sempre muito bem os espaços nas suas costas, entre a linha de toda a defesa e o Adán. Já está melhor fisicamente e começa de novo a ser um problema para os adversários no jogo aéreo, principalmente nas bolas paradas. Levou um amarelo porque o Fábio Martins é também um grande jogador e foi mais rápido.

ZOUHAIR FEDDAL - 4 - Fez uma boa exibição, muito forte na antecipação e nunca temeu ter que usar o físico pela garra, também já está com mais capacidade física mas não se livrou de andar também aos papeis naqueles minutos finais após a expulsão do colega que abriu todo aquele espaço à esquerda perto de si e que o Braga estava a tentar aproveitar para entrar.

RÚBEN VINAGRE - 4 - Outra excelente exibição de um jovem jogador que está a mostrar muita qualidade e coragem. É rápido e inteligente a defender e sabe muito bem subir pelo seu corredor com critério, personalidade e segurança. Está a provar que estamos muito melhor nas laterais que na época passada.

JOÃO PALHINHA - 4 - Foi de novo um leão incansável em todas as zonas do terreno. Ainda não atingiu a sua melhor condição física, mas já ganha a maioria dos lances por antecipação, cada vez mais posicionalmente entrosado com o Matheus Nunes. Falta sim uma melhor ligação dos dois com o Pedro Gonçalves, aparecem ainda por vezes demasiado afastados em momentos que deviam estar mais juntos.

MATHEUS NUNES - 5.5 - Marcava um golo e teria nota máxima. Mas que excelente jogo fez o Matheus Nunes! Cada vez melhor a segurar a bola, irrequieto, espontâneo, aguerrido e veloz. Já usa a cabeça para executar bons lançamentos nos espaços vazios à distância. É um joker naquele meio campo, tem magia e é um gosto vê-lo naquelas arrancadas que faz levando os adversários a correr atrás dele. 

PEDRO GONÇALVES - 4 - O suspeito do costume na hora de finalizar com um soberbo remate seco e colocado que não deu hipóteses ao gigante guardião da baliza do Braga. Não fez uma primeira parte brilhante, vai com certeza trabalhar uma melhor ligação com o Matheus Nunes e o João Palhinha que irá ajudar para que se desgastem menos. Terá que recuar no terreno mais vezes e entrar assim de forma mais constante no jogo.

PAULINHO - 3.5 - O menos notado na frente do ataque da equipa, mas trabalhou bastante e teve participação na movimentação com várias trocas de bola na excelente jogada que lançou à esquerda o Jovane e que acabou no segundo golo marcado pelo Pedro Gonçalves. Com a expulsão, tudo mudou e ele foi um dos sacrificados para o treinador refrescar a equipa.

NUNO SANTOS - 3 - Teve uma entrada ingrata, levava a missão de manter a pressão alta na saída dos defesas do Braga e esperar uma bola que entrasse no seu espaço, mas viu a equipa ficar reduzida a dez elementos pouco tempo depois e foi forçado a alterar o seu plano e ter que ocupar posições mais recuadas. 

MATHEUS REIS - 1 - Incompreensível o número de erros que este jogador continua a cometer do tipo Borja versão 2. Que tremendo disparate o primeiro amarelo e depois ainda é displicente naquela entrada quando já está admoestado. É imperdoável, sacrificou a equipa a momentos de sofrimento que não merecia e pôs em risco a vitória e os 3 pontos. São estes tipos de "acidentes" que podem depois marcar uma época. Terá forçosamente que repensar a sua forma de actuar e alcançar outro tipo de tranquilidade.

TIAGO TOMÁS - 2 - Entrou e minutos depois o Braga fez o seu golo e tudo mudou. O ataque da equipa do Sporting desapareceu e o Tiago andou à deriva sem quaisquer efeitos práticos nas suas acções até ao apito final.

PEDRO PORRO - 2.5 - A substituição do Rúben Vinagre com a expulsão do Matheus Reis baralharam todo aquele lado esquerdo e com isso toda a organização defensiva da equipa. Num só jogo o lado esquerdo conheceu três elementos, quando o Rúben Amorim deslocou o Ricardo Esgaio para lá e fez entrar o Pedro Porro para a direita. O Pedro cumpriu como pôde naquela confusão e em momentos de grande sacrifício de todos.

MANUEL UGARTE - 2 - Estreou-se de leão ao peito, mas a sua entrada a cinco minutos do final foi mera estratégia para incomodar a dinâmica de jogo do Braga que estava em claro crescimento. 

RÚBEN AMORIM - 5.5 - Preparou mais uma vez muito bem o jogo e tornou ainda mais infeliz o Carlos Carvalhal, que perde já 5 vezes seguidas com o Sporting. Naturalmente viu a equipa chegar aos dois golos de vantagem com superioridade bem notável, mas aquela traição do Matheus Reis quase que levava tudo a perder. Foi todavia um novo e grande desafio para ele, vir a ser obrigado a colocar três jogadores diferentes no lado esquerdo da defesa. Reagiu muito bem às incidências que provocaram a expulsão e manteve a equipa unida, quiçá tenha recuado em excesso.

CARLOS CARVALHAL - 4 - Preparou melhor a equipa que no jogo anterior da Supertaça, mas até à expulsão e em igualdade numérica a sua equipa raramente incomodou a defesa do Sporting, que controlou sempre a partida e o resultado. Depois da expulsão e com o espaço que se abriu no lado esquerdo da defesa do Sporting foi com tudo por aí, colocou toda a sua artilharia em jogo, conseguindo ainda reduzir com um golo e nos instantes finais levou a incerteza no resultado, mas no final ganhou com toda a justiça a melhor equipa.

LUIS GODINHO (Árbitro) - 5.5 - Excelente actuação, técnica e disciplinarmente. Foi correcto e justo nas suas decisões, quiçá na primeira parte deveria ter mostrado o cartão amarelo mais cedo, o Raul Silva andou a pedi-lo. Corajoso a não se deixar ir na manha dos jogadores em faltas que eram de facto inexistentes. Tem tudo para se tornar um bom árbitro de momento que não tenha no VAR os podres da arbitragem portuguesa.

HUGO MIGUEL (VAR) - 4 - Decidiu correctamente quando foi chamado a intervir, principalmente na validação do golo do Jovane. Ficaram só algumas duvidas no lance entre o guarda-redes do Braga, Matheus e o Coates.

publicado às 03:18

Governo corrige Liga de Futebol...

Rui Gomes, em 10.07.21

cartoon-sport-fans-vector-illustration-260nw-43846

A decisão sobre o regresso dos espectadores aos estádios das competições profissionais de futebol, anunciada esta sexta-feira pela Liga de clubes, ainda não está tomada, esclareceu fonte oficial do Governo.

A mesma fonte explicou à Lusa que têm decorrido reuniões entre a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) e a Direção-Geral da Saúde (DGS), de preparação para a próxima época, mas a decisão ainda não está tomada.

Relativamente a esta medida, qualquer decisão sobre o regresso do público aos recintos desportivos deverá ser tomada e anunciada após reunião de Conselho de Ministros.

A LPFP anunciou esta sexta-feira que as competições profissionais vão começar com a possibilidade de 33% de lotação dos estádios, depois de reuniões com o Governo e a DGS.

"No seguimento das reuniões levadas a cabo nas últimas semanas com o Governo e a DGS foi hoje definida a norma que será aplicada ao regresso do público aos estádios. Depois de uma luta da direcção da LPFP e das sociedades desportivas, é com enorme satisfação que vemos concretizada a reivindicação da Liga e das suas associadas de ter os adeptos de regresso aos estádios", refere o organismo, em comunicado.

A Liga, liderada por Pedro Proença, explica que, em breve, a DGS vai publicar "todas as regras e condições de acesso do público aos estádios", acordadas com a LPFP, que passam por um arranque das competições profissionais com "a possibilidade de 33% de lotação dos recintos".

publicado às 04:15

Palhinhabessa.jpg

O 'caso Palhinha' foi um dos episódios mais polémicos da temporada, mas não voltará a repetir-se. Foi essa a decisão que saiu da Assembleia Geral da Liga, onde os clubes decidiram que, mesmo que haja recurso e suspensão do castigo, este terá de ser cumprido ao sexto amarelo.

De recordar que João Palhinha viu o quinto amarelo num jogo frente ao Boavista, cartão esse que o retiraria do jogo com o Benfica, mas o Tribunal Central Administrativo do Sul aceitou a providência cautelar interposta e o médio não cumpriu o castigo.

EM NOTA SEPARADA, os clubes também aprovaram uma alteração aos regulamentos com a finalidade de punir com um jogo de suspensão os treinadores que cumprirem uma sequência de cinco amarelos.

Ainda, que qualquer expulsão, mesmo que seja apenas por protestos contra a equipa de arbitragem ou comportamento incorreto, obrigará ao cumprimento automático de um jogo de suspensão. Em caso de reincidência, a punição passará para o dobro.

Esta proposta foi avançada pela Direcção da Liga e também entrará em vigor na próxima época.

Dá para imaginar o arruaceiro-MOR do Norte preocupado com esta última medida!?!

publicado às 08:01

49528618_1145767578936587_8008475335282655232_n.jp

Ao contrário do que já havia sido anunciado, os jogos da última jornada da Liga NOS não vão afinal ter público nas bancadas, caindo agora por terra os eventos-teste que poderiam viabilizar o regresso de público aos estádios.

"A Direcção da Liga Portugal reuniu-se na manhã desta segunda-feira, num encontro de carácter extraordinário – depois de o ter feito de forma ordinária na passada sexta-feira -, tendo ficado decidido que a última jornada da Liga NOS não terá público em testes-piloto, como chegou a ser uma possibilidade. Entre vários outros motivos, a Direcção da Liga Portugal entendeu que não estavam reunidas todas as condições de equidade, quando na jornada 34 existem equipas que, desportivamente, têm o futuro ainda por decidir", pode ler-se no comunicado do organismo.

Pode ler aqui o comunicado da Liga, na íntegra.

Parece-me que se o objectivo era de levar a cabo testes-piloto, poderia ser implementado naqueles jogos em que as duas equipas não têm nada em disputa, no que à classificação diz respeito. A exemplo, a recepção do Sporting ao Marítimo. Um já é campeão, o outro já assegurou a permanência na I Liga e não tem quaisquer outras aspirações.

Para não variar muito, as decisões dos organismos que superintendem o futebol português deixam o essencial a desejar.

publicado às 03:45

Screenshot (105).png

Sporting 2 Nacional 0

publicado às 22:30

all-new-liga-portugal (2).jpg

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) propõe a redução do campeonato de 18 para 16 equipas na temporada 2022/23.

A LPFP realizou, esta quarta-feira, mais uma edição das Jornadas Anuais, com 37 reuniões em oito grupos de trabalho distintos. Das várias sessões, saiu um plano de reestruturação do futebol português.

A principal proposta é a redução da I Liga das actuais 18 equipas para 16 em 2022/23, com o intuito de evitar sobrecarga do calendário, face à proximidade do Mundial 2022, no Qatar. Esta alteração permitiria "a preparação do novo ciclo da UEFA 2024/2027", lê-se em comunicado.

A LPFP também propõe a criação de um "play-off" entre o terceiro e o quarto classificados da II Liga, a uma partida, em casa do primeiro.

O vencedor disputaria, depois, um segundo "play-off" frente ao 16.º classificado da I Liga, com o acesso ao principal escalão em jogo. Este mesmo formato da II Liga seria, então, replicado para o Campeonato de Portugal, sob o abrigo da FPF.

Quanto à Taça de Portugal, que é igualmente organizada pela FPF, a Liga de Clubes e as Sociedades Desportivas sugerem que as meias-finais passem a ser disputadas apenas a uma mão e em campo neutro.

As mudanças estruturais propostas para a Taça da Liga, esta, sim, organizada pela LPFP, são profundas. Desde logo, o organismo pretende que a prova passe a disputar-se em três fases diferentes, a primeira com 16 equipas da II Liga e 12 equipas do principal escalão, com excepção daquelas que participem nas competições internacionais.

A segunda fase seria disputada entre as 14 equipas qualificadas da ronda inicial mais duas equipas que disputarão a Europa Conference League, nova competição europeia de clubes introduzida pela UEFA.

A terceira ronda introduziria uma fase de grupos com doze equipas (oito da segunda fase mais os quatro melhores classificados), com quatro grupos de três formações. O vencedor de cada grupo qualificar-se-ia, então, para a Final Four da Taça da Liga.

publicado às 16:30

Liga teve falta de sensibilidade

Rui Gomes, em 13.01.21

Cinco dias após a turbulenta viagem à Madeira, e depois de Rúben Amorim ter acusado a directora-executiva, Helena Pires, de ter exercido pressão sobre a comitiva leonina, agora foi Miguel Braga que surgiu a reforçar a tónica. No programa ‘Raio-X’, da Sporting TV, o responsável de comunicação do Sporting garante que o clube está apostado em “seguir em frente” quanto ao sucedido, no entanto sublinha as queixas do técnico contra a postura da Liga, que através de fontes do organismo já veio negar qualquer tipo de pressão.

mw-1920.jpg

“Ficou claro o que se passou. O Rúben (Amorim) tem muitas qualidades e uma delas é a forma como se expressa, não deixa dúvidas. Houve alguma falta de sensibilidade por parte da Liga, acredito que ao dia de hoje não voltariam a repetir essas palavras. Não foi o Sporting que decidiu não aterrar na Madeira ou se o avião podia ou não aterrar. Foi uma situação que não se deveria ter passado, mas passou”, considerou Miguel Braga, comentando a publicação de Pedro Proença, presidente da Liga, que aponta no sentido de o futebol manter a sua actividade, a despeito do agravamento da pandemia. 

“Se há actividade em Portugal que está testada e trabalha diariamente para impedir que a pandemia cresça tem sido o futebol. Cada um daqueles jogadores ou elementos do staff já fez mais de 50 testes. Há esta preocupação, não somos imunes à pandemia”, salientou.

Excesso de zelo

A propósito do que considera ter sido uma falta ofensiva mal assinalada a Zouhair Feddal,  frente ao Marítimo, o responsável frisou, igualmente, o desagrado em relação ao critério que tem sido aplicado pela arbitragem contra o Sporting CP: “Parece que de cada vez que saltam (os centrais do Sporting) na área é falta contra nós. E não se percebe o porquê...”

publicado às 13:45

Screenshot (521).png

Rúben Amorim, na conferência de imprensa no final do jogo com o Nacional, comentou a Liga Portugal face à muita pressão que esta exerceu relativamente à aterragem da comitiva do Sporting na Madeira. 

Recorde-se que o avião foi inicialmente impossibilitado de aterrar no Funchal devido ao mau tempo, tendo sido então desviado para Porto Santo. Só cerca de três horas mais tarde, numa segunda tentativa, a aterragem no Funchal foi conseguida.

No que diz respeito ao adiamento do jogo, de quinta-feira para sexta-feira, a decisão foi do árbitro Manuel Mota e não do Sporting, muito embora se admita que houve diálogo entre as partes, assim como com o Nacional.

"Foi algo estranho, havia um alerta vermelho e mesmo assim viemos. Foi um momento difícil dentro do avião, recebemos muitas chamadas da Dra Helena (Pires) que tínhamos de aterrar, que tínhamos de ir a jogo, como se nós não quiséssemos ir a jogo. Nós éramos os mais interessados a ir a jogo. Fizeram pressão enorme para aterrarmos, como se fôssemos nós a pilotar o avião. Não há uma pessoa que estivesse aqui ontem que dissesse que havia condições para se jogar aqui".

Algo para reflexão... parece-me!

ADENDA

Gostei deste comentário do leitor Fernando Pais na nossa página de Facebook:

"Sra. Helena, o Rúben Amorim não podia pilotar o avião. Não tem o nível 4".

publicado às 03:48

nn5.jpg

O Sporting goleou o Tondela por 4-0, em jogo da sexta jornada da I Liga, resultado que permite aos leões isolarem-se provisoriamente na liderança da prova, com mais um ponto do que o Benfica.

Um bis de Pedro Gonçalves, aos 45 e 49 minutos, e golos de Pedro Porro, aos 79', e Sporar, aos 90+3', construíram novo triunfo da equipa de Alvalade, que, até ao momento, apenas cedeu dois pontos, no empate 2-2 na receção ao FC Porto.

Com esta vitória, o Sporting CP assume a liderança provisória, com 16 pontos, mais um do que o Benfica, que apenas joga esta segunda-feira em casa do Boavista. O FC Porto está a seis pontos do Sporting.

GoalPoint-Sporting-Tondela-Liga-NOS-202021-90m.jpg

As estatística não deixam margem para dúvidas sobre a total superioridade do Sporting. Rúben Amorim optou por alinhar com um 'onze' muito mais ofensivo do que temos visto e a exibição dos leões justificam a sua aposta.

Eis algumas das suas considerações (em síntese) no final da partida:

"Foram três pontos, vale o mesmo que os conseguidos frente ao Gil Vicente. As exibições dependem sempre do adversário. Não é a mesma coisa enfrentar o Pepe que um central do Tondela, com todo o respeito que me merece. Após semana com três jogos, às vezes é preciso jogadores com sangue fresco. Foi uma excelente exibição mas que não dá direito a ninguém de ser titular".

Claro que há que melhorar a eficácia de jogo. Mas não sofremos um golo por centímetros perante um adversário que quase não atacou. Se não sofrermos estaremos sempre muito mais perto de vencer. Estamos contentes mas são apenas três pontos. Como adepto, eles devem estar satisfeitos com este tipo de exibição. Mas enquanto treinador não dou assim tanto valor a isso. Da mesma forma que disse aos jogadores para não lerem jornais se não vão pensar que são melhores do que são e ser enganados".

Pako Ayestarán, treinador do Tondela, estava resignado após a goleada sofrida:

"Muito mérito do Sporting hoje. Nós imaginámos aqui um jogo, que não conseguimos cumprir. Fomos superados tanto na saída de bola, como no meio-campo e isso permitiu-lhes lançar os avançados nas costas da nossa defesa. Simplesmente felicitar o Sporting, que demonstrou a grande equipa que é. Nós não estivemos à altura hoje. Dá gosto ver o Sporting jogar e vê-se que há um treinador por detrás desta equipa".

img_920x518$2020_11_01_22_30_18_1774188.jpg

João Mário no seu primeiro jogo como titular após o regresso a "casa":

"Sensações óptimas por voltar a casa. É sempre uma grande alegria jogar aqui. É pena que sempre estive habituado a jogar com este estádio cheio e é completamente diferente. Espero que possam voltar rapidamente. Acima de tudo, estamos a trabalhar muito bem para que quando os adeptos regressem estejam contentes com a equipa e acho que foi uma grande vitória.

Muito feliz por voltar ao Sporting. Sinto-me muito bem cá. Todos sabem o carinho que tenho pelo Clube. Precisava de um ano assim, em casa, com pessoas que gostem de mim. Agradeço pelo apoio que me têm dado mesmo de fora".

E, para terminar, transcrevo algo que li num artigo de opinião que me parece certeiro:

"Pote continua a ser a figura deste Sporting e não só por ser o melhor marcador. Está confiante, sabe aparecer na área contrária e revela uma frieza a finalizar bem superior aos companheiros. Cuidado com ele!

João Mário já começou a assumir a posição de destaque que lhe estava destinada na construção ofensiva. Mas mais interessante é olhar para Andraz Sporar... Trabalhou muito, assistiu e marcou. Também é certo que falhou, mas o técnico já percebeu a sua utilidade".

publicado às 03:33

doc2017122923460655jc_4276215ef08defaultlarge_1024

A perda de receitas do futebol profissional português pode atingir os 350 milhões de euros (ME) na época de 2020/21, concluiu o grupo de acompanhamento do impacto da Covid-19 criado pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

A revelação foi feita pelo presidente do próprio organismo, no discurso de abertura da conferência 'Talks Santander/Record', em Lisboa, onde Pedro Proença reconheceu que o futebol “não fica de fora” do enormíssimo impacto que a pandemia está a provocar na economia mundial e nacional.

Num cenário de continuação da ausência de adeptos, de retracção de investimento de patrocinadores e diminuição de receitas de transferências, a época de 2020/21 pode atingir perdas de 350 ME de receitas. E isto assumindo que os direitos televisivos não serão colocados em causa”, revelou o presidente do organismo que tutela o futebol profissional em Portugal.

O líder da LPFP lembrou, ainda, que a pausa da I Liga, em Março, e o cancelamento definitivo do escalão secundário representaram uma perda de 135 ME para as sociedades desportivas na última época e referiu que a Covid-19 “realçou ainda mais algumas das grandes vulnerabilidades existentes no sector”, sinalizando "assimetrias" entre os clubes e ‘destapando’ os “modelos excessivamente dependentes de receitas extraordinárias como a venda de jogadores”.

São valores preocupantes e revelam uma fragilidade que o futebol português não podia ter em 2020”, sentenciou o presidente da LPFP.

Nesse sentido, Pedro Proença realçou que a pandemia de Covid-19 pode ser, também, uma grande “oportunidade” para reformular toda a estrutura do futebol profissional português, naquilo que apelidou de um autêntico ‘Plano Marshall’, mas sublinhou que esse caminho “só pode ser percorrido com o governo” português.

O presidente da Liga realçou, entre outros aspectos, a “necessidade de levar a cabo uma revisão legislativa do quadro fiscal e da distribuição da receita das apostas”, assim como uma “revisão do regime jurídico das sociedades desportivas” de forma a promover um “maior escrutínio dos potenciais investidores”.

publicado às 03:30

Liga quer ter público nos estádios

Rui Gomes, em 03.08.20

img_920x518$2017_05_01_01_23_01_1258443.jpg

A diretora executiva da Liga Portugal espera ter público nos estádios na próxima época, apesar da Covid-19.

No final da Assembleia Geral Extraordinária da Liga, Sónia Carneiro diz que é intenção reunir em breve com a Direcção Geral de Saúde.

“Todos percebemos, nestas últimas jornadas, que o público é o coração deste jogo. Foi triste ver as bancadas vazias. Já pedimos uma reunião com a DGS para abordar, de novo, este assunto. Queremos ter um tratamento idêntico ao de outros espectáculos e começar, paulatinamente, a ter público nos estádios, a partir do início da próxima época”, refere.

Foi nesta Assembleia Geral que foi aprovada a criação de um play-off a duas mãos entre o 16.º classificado da I Liga e o 3.º da II Liga e ainda um modelo transitório para a Taça da Liga, apenas com oito equipas, para 2020/21.

Entretanto, Pinto da Costa, na cerimónia de entrega das duas taças conquistadas pelo FC Porto esta época ao museu dos 'dragões', abordou  a questão da ausência de público nas bancadas do Estádio Cidade de Coimbra na final da Taça de Portugal:

"Todas as pessoas responsáveis com quem já falei, inclusive o secretário de estado do desporto, todas elas acharam que era inacreditável como é que não podiam estar ali umas centenas de pessoas. Toda a gente achava. O que é certo é que toda a gente acha que não faz sentido, que não tem razão de ser, que é uma injustiça, que vão levar os clubes à falência.

Isto é um não ligar ao futebol, permite-se público nas touradas, permite-se público nos espectáculos fechados. No dia em que estávamos a jogar em Tondela com o campo sem ninguém estava à mesma hora, não a dar chutos na bola, mas o Xutos & Pontapés a dar um concerto no Tivoli, que é um recinto fechado, com 500 pessoas. Mas isto tem alguma explicação? Eu só queria entender, mas ninguém me explica".

publicado às 04:48

mw-860.jfif

Os clubes profissionais aprovaram esta terça-feira, em Assembleia Geral Extraordinária, a introdução de um playoff (a duas mãos) entre o 16.º da Liga NOS e o terceiro classificado da 2.ª Liga na próxima temporada. O novo formato foi aprovado com 28 votos a favor, 4 abstenções e 18 contra.

Este tipo de playoff é inspirado na Bundesliga e viabilizará a possibilidade de mais uma subida de divisão. Isto porque de entre os campeonatos com 18 equipas só em Portugal existem somente duas despromoções.

Na mesma AG extraordinária foi também aprovada a regra dos cinco substituições num jogo, com 19 votos a favor, 4 contra e 22 abstenções.

Entre tudo isto, fico a reflectir como é possível haver 22 abstenções na proposta - que acabou por ser aprovada - sobre as cinco substituições...

Onde está o sentido de responsabilidade dos clubes?

publicado às 02:49

image.jpg

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LFFP) apresentou uma queixa-crime contra José Godinho, ex-presidente da Oliveirense, participou à Lusa fonte oficial do organismo, devido a um documento que pede a saída de Pedro Proença do cargo de presidente.

Segundo essa mesma fonte, a queixa-crime íntima José Godinho a identificar outros "14 elementos que alegadamente" assinaram o documento.

Um grupo de 15 ex-presidente e dirigentes de futebol, encabeçado por José Godinho, ex-presidente da Oliveirense, apelaram à saída de Pedro Proença da liderança da Liga de clubes, garantindo que ele é o responsável pela "situação danosa".

Num comunicado a que a agência Lusa teve acesso, a 30 de Maio, este grupo defende que, "ultimamente, tem-se assistido a um gradual e deveras inusitado degradar da imagem da Liga Portugal, muito por responsabilidade dos titulares dos seus órgãos estatutários, designadamente o Exmo. Senhor Presidente da Liga Pedro Proença, o qual, tendo sido eleito Presidente da Liga Portugal em 2015, conseguiu ao fim de quatro anos, em 2019, ser reeleito para novo mandato até 2023"

"A sua actuação, como titular oficial daquele órgão, tem revelado um autêntico, contínuo e reiterado desrespeito pelas mais elementares normas jurídicas, estatutárias e ainda regulamentares, conduzindo a Liga Portugal (LFFP) para a completa descredibilidade e inusitado desprestígio, quer institucional, nas suas relações externas com terceiros, quer internamente, nas relações com associados, demais órgãos e funcionários", pode ler-se no comunicado.

O grupo de dirigentes acusa Pedro Proença de ser "adepto da usurpação de poderes, uma vez que tem praticado e ainda legitimado vários actos que são da competência de outros órgãos estatutários da Liga, como é o caso da aprovação pela Direção da Liga, com o voto do presidente, da alteração regulamentar, ocorrida em maio de 2020, do regime de subidas e descidas entre as competições profissionais, cuja competência é, em termos estatutários e regulamentares, exclusiva da Assembleia Geral".

Neste documento, o presidente da Liga de clubes é ainda acusado de desvio de poder.

Reportagem da Agência Lusa

publicado às 17:45

Acredita no regresso da Liga?

Rui Gomes, em 11.05.20

unnamed.png

Face aos casos positivos de Covid-19 em quatro equipas - Famalicão, Guimarães, Benfica e Moreirense - e ainda, pelos vistos, com os jogadores do FC Porto a recorrer às redes sociais para reprovarem as condições prescritas pela Direção-Geral da Saúde para o retomar da Liga NOS, acredita no regresso da Liga?

No que ao futebol nacional diz respeito, a dúvida que nos confronta neste momento.

publicado às 03:34

Pedro-Proenca-presidente-da-Liga-Portuguesa-de-Fut

Pedro Proença, presidente da Liga de Clubes, admitiu que a I liga poderá ser completada à porta fechada e mantém confiança de que as competições de futebol em Portugal possam regressar “rapidamente à normalidade”.

O presidente da Liga de Clubes discutiu a actual situação do futebol em Portugal durante uma entrevista à TSF, na qual admitiu que a Liga continua “dependente das instâncias governamentais e das próprias instâncias internacionais”.

Pedro Proença reforça a ideia de que “é fundamental que as ligas nacionais terminem as épocas desportivas, permitindo deste modo que se termine a presente época com a maior normalidade possível. Haverá campeão e equipas a subir e a descer”.

A paragem das competições desportivos a nível nacional e internacional têm, obviamente, impacto na saúde financeira dos clubes, como tal, para Pedro Proença tudo vai depender “do tempo que ainda vai demorar a retoma da actividade”. Para já, não está descartada a possibilidade no futebol português, e o presidente da Liga de Clubes sublinha que existem “instrumentos que o Governo coloca à disposição das empresas e o futebol também terá de colocar em cima da mesa todas as possibilidades”.

Sobre a adopção de medidas dentro dos clubes, nomeadamente a redução dos salários dos jogadores (à semelhança do que está a acontecer no estrangeiro), Pedro Proença assegura que o organismo está a “criar condições para evitar que surjam processos de rotura”.

"Mantém confiança de que as competições em Portugal possam regressar rapidamente à normalidade”...

Parece-me que estamos perante um Pedro Proença a sofrer de uma boa dose de irrealismo.

publicado às 13:06

liga_portugal_34691-768x432.jpg

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional assumiu, esta segunda-feira, que os clubes da Primeira Liga e da Segunda Liga vão acatar a realização de jogos à porta fechada ou o possível adiamento das jornadas, devido ao Covid-19, em caso de agravamento da situação e seguindo sempre as "recomendações da Direcção Geral da Saúde", pode ler-se num comunicado enviado às redacções.

Durante uma reunião extraordinária, a Liga decidiu que se um jogo for adiado "a jornada toda deverá ser adiada para manter o equilíbrio competitivo".

"Caso seja decretada a realização de jogos à porta fechada, haverá acatamento nos jogos de competições profissionais por parte de todas as entidades envolvidas", afirmam.

No caso de adiamento, os jogos deverão ser então agendados para as datas destinadas às competições europeias, visto que nenhuma equipa portuguesa está a disputar a Liga dos Campeões ou a Liga Europa.

publicado às 04:00

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds