Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O caso de Niculae reaviva memórias

Rui Gomes, em 01.02.13

Só quem está pasmado com a (in) decisão da FIFA, é quem nunca andou nestas «andanças» do futebol e quem nunca lidou com os mistérios, conspirações e afins de secretaria. A partir do momento que a FPF sentiu a necessidade de consultar o organismo mundial, a sentença ficou pronunciada. Por outro lado, se a FPF tivesse assumido a posição de aceitar a transferência, ninguém a questionaria, por conseguinte, a culpa não é só da FIFA. No todo do processo admite-se falta de capacidade e experiência por parte do Sporting em lidar com estas questões, sobretudo, por deixar os negócios para a última da hora. Poderá haver incompetência, de facto, mas, acima de tudo, é o desespero financeiro que leva os responsáveis a «espremer o limão» quanto possível, percorrendo vias diversas e recorrendo a meios pouco adequados para resolver questões, onde o dinheiro já as teria resolvido há longo. À conveniência, especialmente tendo em conta o clima do momento, os dedos vão ser impiedosamente apontados aos dirigentes, mas não nos devemos deixar levar pela ilusão de que isso explica tudo. Seria até bom para o Sporting que explicasse, mas não explica.

 

De qualquer modo, voltando ao ponto principal do escrito, este caso faz lembrar um outro, entre os diversos contenciosos em que eu estive envolvido, com a distinta diferença de que este foi parar aos tribunais civeis. Num determinado jogo de uma equipa minha, fomos derrotados por um adversário que eu tinha conhecimento de que utilizou um jogador ilegalmente. A razão: esse jogador, no penúltimo jogo antes do nosso, foi advertido com um cartão amarelo - que provocaria um jogo de suspensão por acumulação (5) e, nesse mesmo jogo, também viu um cartão vermelho directo, por agressão. Protestei o jogo, porque o jogador teria de cumprir, no mínimo, dois jogos de suspensão, um por acumulação de amarelos, e um ou mais pela agressão que provocou a expulsão directa. Não estava, portanto, apto para jogar no jogo contra a minha equipa. Protestei o jogo e o protesto foi indeferido, alegando o Conselho de Discilina que o cartão vermelho anulou o amarelo, muito embora não tenha sido o «segundo amarelo». Recorri às diversas instâncias superiores e perdi em todas, não por falta de justa causa, mas sim porque os bastidores do futebol apenas ocasionalmente agem lógica e justamente. Levei o caso para a FIFA que passado algum tempo de deliberação, decidiu devolver «a batata quente» para resolução pela federação. Como esta já tinha dado o seu parecer, era tempo perdido. O caso foi então parar ao tribunal civel, sob «ameaças» da federação e da FIFA, e, nessa instância, o processo não foi indeferido mas o resultado foi o mesmo, porque o juiz em causa recusou ouvi-lo por «não se querer intrometer em matéria do foro regulamentar desportivo». Acabei por abandonar a contenda, mas ainda hoje tenho memória vívida do episódio e o respectivo dossiê, inclusive dos recibos dos muitos milhares que foram despendidos com os diversos processamentos.

 

E este é apenas um caso, entre diversos outros que poderia citar de carácter semelhante, mas com percursos menos extensos. Há longo que aprendi que existem muitos interesses que influenciam questões e decisões do foro futebolístico, invariavelmente, de difícil compreensão, e quanto mais alto se trepa na hierarquia, mais complexo se torna.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:50

Confusão desnecessária

Rui Gomes, em 31.01.13

Relativamente à transferência de Marius Niculae para o Sporting, tudo não passa de uma confusão desnecessária provocada directamente pela FIFA e, por inevitável associação, pelas federações. Este tipo de dúvida não é inédita, em contrário, é recorrente, em transferências internacionais e era de esperar que o organismo que superintende o futebol mundial já há longo tivesse esclarecido os seus regulamentos e instruído as federações para o efeito, a fim de evitar imbróglios desta natureza. No caso concreto de Niculae, a origem da dúvida não é clara e se de facto foi a FPF que sentiu a necessidade de pedir esclarecimentos à FIFA.

 

Consultada para o efeito, a Federação romena informou que trata a sua época oficial de acordo com os regulamentos da FIFA: começa no primeiro jogo do campeonato e termina no último jogo do campeonato. Esta esclareceu, ainda, que sempre considerou os jogos da supertaça como parte da época finda e não da nova época.

 

Os regulamentos da FIFA estipulam precisamente o que a Federação romena descreve, quanto ao ínício e fim de época oficial. Nos regulamentos deste oganismo ainda consta uma outra condição - Artigo 5.4 - que estipula: «Um jogador não pode jogar jogos oficiais por mais do que dois clubes que compitam no mesmo campeonato e taças nacionais na mesma época». Este regulamento não é aplicável a Niculae, já que as provas da Roménia e as de Portugal são distintas.

 

Perante este tipo de cenários recorrentes, a FIFA tem vindo a decidir caso a caso, condição que precipita uma enorme ambiguidade sobre regulamentos que deveriam ser bem explícitos, universalmente.

 

Veremos o que vai ser decido neste caso, mas uma consideração é por de mais evidente: entre tudo que está a acontecer no Sporting, mais um conflito sensacionalista era dispensável.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

Utilização de Niculae em dúvida

Rui Gomes, em 31.01.13

O Sporting vai mesmo avançar com a inscrição do jogador, sem saber se o vai poder utilizar, depois de ser informado pelo seu advogado sobre as suas circunstâncias. Há um regulamento da FIFA que impede um jogador de representar mais do que dois clubes em uma só época. O Niculae representa o Vaslui desde o primeiro jogo do campeonato romeno mas, antes disso, jogou a Supertaça da Roménia pelo Dínamo de Bucareste, no dia 14 de julho. A dúvida, pela calendarização da Roménia, é se o referido jogo do Dínamo representa a época passada, se já está incluido na corrente época. Segundo consta, a Federação Portuguesa de Futebol já pediu esclarecimentos à FIFA e aguarda-se o seu parecer.

 

Registo: A Supertaça da Roménia foi jogada no dia 14 de julho. Niculae assinou oficialmente pelo Vaslui no dia 20 desse mesmo mês e a Liga romena começou no dia 22.

 

Adenda: A Federação da Roménia já informou que para o efeito de transferências, a Roménia segue as instruções da FIFA, que estipulam que «a época é do primeiro ao último jogo do campeonato» e que, por conseguinte, o jogo da supertaça é da época anterior.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:10

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D


Posts mais comentados



Cristiano Ronaldo


subscrever feeds