Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



image.jpg

Rúben Amorim, numa mensagem de ambição, pode sublinhar que o ano 2 da sua era não foi satisfatório, mas, para quem que se habituara ao caos e à política de terra queimada, terminar uma temporada sabendo que para o ano se construirá em cima de trabalho feito é uma grande vitória para o projecto do Sporting. E, como falar em projecto do Sporting é falar no projecto de Rúben Amorim, essa construção com vista para o futuro é o grande triunfo pessoal do homem em quem assenta o edifício do futebol leonino.

Para um clube que há bem pouco tempo vivia saltando de projecto em projecto, fazendo de cada temporada uma história terminada sem ligação com a que se seguiria, acabar uma época com um ponto e vírgula e não com um ponto final é uma boa notícia.

Excerto da crónica de Pedro Barata em Tribuna Expresso

publicado às 05:18

Canção da canção triste

Rui Gomes, em 12.02.22

GettyImages-1238388749-1536x1024.jpg

Depois de 100 minutos de queixas generalizadas, de rodas e rodinhas, de mais acusações do que futebol, os episódios que se seguiram ao apito final resumem melhor o panorama global do FC Porto – Sporting do que o ocorrido anteriormente: uma sucessão de ofensas, empurrões, corridas para aqui e para ali, conflitos entre jogadores, entre jogadores e dirigentes, entre membros exteriores ao jogo e jogadores, tudo pontuado por um árbitro perdido que ia distribuindo expulsões.

O FC Porto – Sporting teve um prólogo de elogios de parte a parte, revestidos das “canções de embalar” de que ambos os técnicos falaram. Mas o 2-2 final produziu-se no contexto mais próprio de uma “canção da canção triste”, como diria Manuel Cruz. Além dos 11 amarelos e das expulsões de Coates, Pepe, Marchesín, Tabata e Palhinha — estes quatro últimos já após o final da partida —, a sensação que fica é de mais um jogo que, podendo ser uma promoção do futebol português, acabou por ser uma lamentável sucessão de incidentes.

GettyImages-1238388624-1536x1024.jpg

O clássico terminou, mas o sucedido posteriormente evidencia que o jogo quase parecia algo secundário naquele contexto, tal o empenho geral em sair por cima de uma situação em que todos ficaram a perder — desde logo, a imagem do futebol português. O corrupio de atitudes lamentáveis e infantis colocou um ponto final num espetáculo triste. As cantigas de embalar do encontro do título foram canções tristes da partida em que o jogo não foi destaque.

Excerto do artigo da autoria de Pedro Barata, em Tribuna Expresso

publicado às 04:32

fama5 (1).jpg

Não é preciso ser um observador muito atento para notar que, no Sporting de Rúben Amorim, há uma abundância e preponderância dos jogadores canhotos que raras vezes são vistas. Não é nada incomum que os campeões nacionais tenham em campo mais esquerdinos do que destros, sendo que casos já houve — como na última visita ao reduto do Belenenses SAD — nos quais os leões já tiveram, ao mesmo tempo, oito canhotos entre os seus 11 futebolistas em campo.

Esta preponderância contradiz a tendência normal na sociedade: um canhoto de mãos não tem, necessariamente, de ser também um canhoto de pés, mas os estudos mais recentes e consensuais indicam que cerca de 10,6% das pessoas são canhotas de mãos. Ora, entre os esquerdinos do Sporting, três assumem, recorrentemente, especial destaque, e esse trio voltou a ser fundamental no triunfo, por 2-0, contra o Famalicão.

Praticamente no último lance do jogo, Adán evitou o 2-1 com uma boa defesa, num muito raro momento de perigo ao cair do pano. O guarda-redes do Sporting, um canhoto numa equipa de canhotos, é assim: intervém pouco e com pouco espalhafato, mas quase sempre com segurança e muitas vezes de maneira decisiva. Na antecâmara de um clássico que muito pode esclarecer na luta pelo título, o Sporting voltou a apoiar-se na sua maioria absoluta de esquerda para ganhar.

Achei piada a este excerto do artigo de Pedro Barata, em Tribuna Expresso

*** Na imagem, Adán consola Banza após defender o penálti.

publicado às 14:15

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Cristiano Ronaldo