Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Reflexão do dia

Rui Gomes, em 09.08.19

mw-1360.jpg

"Desculpem-me a expressão, mas o Partido Socialista borrou-se de medo do Benfica. E isso incomoda-me".

Rui Santos - programa Tempo Extra, SIC Notícias - considera que o Partido Socialista se curvou perante o Benfica, ao esclarecer que as posições da ex-eurodeputada Ana Gomes não vinculam o partido.

Vídeo disponível aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:02

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 17.06.19

mw-960.jpg

No programa Play-Off da SIC Notícias, Rui Santos analisa a importância do agente Jorge Mendes nas possíveis transferências de Bruno Fernandes e João Félix, dois jogadores que, na sua opinião, são incomparáveis.

" O factor Jorge Mendes é decisivo aqui. Se Bruno Fernandes fosse jogador do Benfica, quanto é que valeria?"

O vídeo está disponível aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 13.06.19

mw-960.jpg

Rui Santos, no programa Tempo Extra da SIC Notícias, analisou a condenação do FC Porto no caso da divulgação dos e-mails do Benfica, fazendo distinção, no entanto, entre este processo e aquele que investiga o conteúdo dos e-mails:

"Uma coisa é a violação de correspondência privada que tinha de ter uma punição. Outra coisa é o conteúdo dos e-mails".

Vídeo dessa parte do programa está disponível aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:03

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 29.05.19

mw-480.jpg

Rui Santos, na sua usual participação no programa Tempo Extra, SIC Notícias, acha que o treinador do FC Porto precisa de "corrigir alguns comportamentos anti-desportivos", e indo ainda um pouco mais além, disse também isto:

"O mundo não está contra Sérgio Conceição. Ele acha que é a montanha e Maomé e que tem de ser o Batman. Super-heróis só na BD".

Uma proposição algo inovadora, mesmo para o sempre polémico comentador desportivo. Mas à sua boa maneira, com tiques de 'showman', creio que passa a mensagem, muito embora, na minha opinião, seja um desiderato inatingível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 16.05.19

 

mw-1360.jpg

 

"Um nome para a Liga? Liga Palhaça, Liga Marginal ou Liga Pecado"

 

A frase é de Rui Santos, no programa Tempo Extra, SIC Notícias, que considera que se tem assistido a episódios tristes no futebol português e que todos os intervenientes são culpados.

 

Vídeo disponível aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:48

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 02.05.19

 

mw-480.jpg

 

Considerações de Rui Santos, no programa Tempo Extra, da SIC Notícias, disponível aqui.

 

Além de considerar que o castigo a Luís Filipe Vieira é justo, dado que as palavras por ele proferidas condicionaram o Conselho de Arbitragem, o comentador ainda teve isto para dizer sobre o árbitro Fábio Veríssimo:

 

"Passaram-se quatro meses e Veríssimo não apitou um jogo do Benfica. Isto é dramático, há lógicas de captura que vencem".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:34

 

mw-480.jpg

 

"A Liga e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), cada uma nas suas tamanquinhas, tiveram uma reunião ridícula, inócua, que durou 15 minutos".

 

Rui Santos, no programa Tempo Extra da SIC Notícias (vídeo aqui), criticou a Liga e a FPF por não terem chegado a conclusões algumas na reunião conjunta que se realizou esta segunda-feira, a fim de discutir os procedimentos das escolhas dos árbitros, face ao caso das fugas de informação de César Boaventura.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:09

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 18.04.19

 

wm.jpg

 

"É preciso separar os melhores árbitros dos menos bons, e há árbitros que não merecem as oportunidades. É o caso de Bruno Paixão".

 

Rui Santos no programa Tempo Extra da SIC Notícias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:32

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 11.04.19

 

wm.jpg

 

O Conselho de Discplina da Federação Portuguesa de Futebol interditou o Estádio da Luz por um jogo, mas os encarnados interpuseram uma providência cautelar que protelou a decisão para mais tarde. OUTRA VEZ...

 

Eis o que Rui Santos tem para dizer sobre este assunto:

 

"A Federação permite que o Benfica empurre no tempo a decisão sobre a interdição da Luz. Isto tem consequências na verdade desportiva".

 

O link do vídeo do programa da SIC Notícias, está disponível aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:02

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 28.03.19

 

mw-480.jpg

 

Rui Santos - SIC Notícias - diz que a eurodeputada Ana Gomes está a realizar um trabalho importante ao denunciar a corrupção que existe no mundo do futebol. E deixa questões aos presidentes do Benfica e FC Porto sobre César Boaventura e Vítor Catão.

 

"Eu gostava muito de perguntar a Luís Filipe Vieira se ele não tem vergonha de César Boaventura", diz o comentador.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:18

Frase do dia

Rui Gomes, em 27.03.19

 

mw-480.jpg

 

"Agora, tudo o que mexe leva um processo do Benfica"

 

 

Consideração de Rui Santos, no programa "Play-Off" da SIC Notícias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:18

Que Rui Pinto não se iluda

Rui Gomes, em 25.03.19


«"Portugal está podre!" - atirou Rui Pinto no dia em que, na Hungria, conheceu a decisão do tribunal em extraditá-lo para Portugal.

21363942_wdw5M.jpeg

A expressão chocou parte da ‘intelligentsia’ nacional, a mesma que, nas suas fragilidades e dependências, alimentaram o sistema que levou ao colapso do BES. "Está podre?!" Não. Não está. Como pode estar podre um País cujos apoios aos bancos já custaram, em nove anos, a partir de 2008 — segundo o Tribunal de Contas — 16,8 mil milhões de euros? Como pode estar podre um País que obrigou os contribuintes a financiar este custo, faltando depois dinheiro para investimento público e para melhorar a qualidade de vida dos portugueses?

 

Como pode estar podre um País que, confortável perante a apatia dos "coletes anémicos", se diverte a "bastonar" sem piedade os contribuintes, chamados a pagar todos os abusos, os dislates e os ‘chás dançantes’ das elites — de direita e de esquerda —, nada preocupados em fazer pagar a factura aqueles que são os verdadeiros culpados do gigantesco buraco em que colocaram o País?

No futebol, não sei se é melhor ou pior, mas o mal é semelhante e resulta tudo da mesma causa: o sentimento de impunidade. Como o Apito Dourado não teve as consequências que deveria ter tido, e não obstante a evolução que o sistema judicial conheceu em Portugal nos últimos anos, continua a achar-se que a construção de um novo poder ou a alternância de poderes se pode fazer numa mesma base de viciação orgânica. Pode mas não deve.

Aliás, esse é precisamente o problema de visão de Luís Filipe Vieira, presidente do maior clube desportivo português, em número de adeptos e em capacidade de gerar receitas e faturação acima de todas as entidades rivais.

 

Está a fazer uma boa gestão, assente desportivamente em pilares de desenvolvimento e crescimento interessantes, mas é incapaz de travar todos aqueles que vão projectando uma imagem tremendamente negativa do clube, seja nos espaços televisivos de debate, seja através de pontas-de-lança que enxameiam as redes sociais, seja através de intermediários que, montados em cima de ‘boas aventuranças’, metem-se em assuntos que nada têm a ver (ou têm?!) com transferências de jogadores.

Na verdade, bastava a Luís Filipe Vieira e a Jorge Nuno Pinto da Costa enterrarem de vez estes prosélitos do futebol marginal para tudo começar a mudar. A sensação que se colhe é a inversa; é a percepção de que precisam desses ‘anfíbios’, capazes de se moverem em qualquer tipo de ambientes e terrenos, mesmo os mais enlameados, para fazer a afirmação do seu poder. Talvez seja uma questão de e da natureza.

 

E por isso eu tenho sugerido a Luís Filipe Vieira que se agarre aquilo que verdadeiramente interessa (o cumprimento do seu projecto, nas vertentes desportiva e financeira), fechando a botija de oxigénio a quem se sente confortável com aquilo que eles consideram ser o patrocínio do Benfica, achando-se por isso ‘intocáveis". Não serão afinal Pinto da Costa e Luís Filipe Vieira mais próximos do que aparentam?…

 

Um excerto da crónica semanal de Rui Santos, no jornal Record.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:55

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 12.03.19

 

21363942_wdw5M.jpeg

 

"Não é só de agora, é praticamente de sempre a percepção de que a ‘paixão clubística’ domina quem não deveria dominar, porque uma coisa são os adeptos, despidos da sua condição de decisores, em matérias relacionadas com a lei, as regras e os regulamentos; outra coisa são as personalidades que, de acordo com as suas valências académicas e (para)profissionais, são chamados a colocar os seus afectos pessoais de parte e a agir imparcialmente de acordo com a sua condição de decisores.

 

Essa condição obriga a um omnidever de isenção que deveria ser fomentado, protegido e premiado — e nada disso acontece em Portugal. Na verdade, alguma coisa está errada quando alguns desses decisores aceitam (ou aceitavam, até há bem pouco tempo) lugares em tribunas VIP, cujos convites — ao contrário do que se quer fazer crer — não são actos de mera pura cortesia; são formas de gerir, potenciar e aproveitar diversos níveis de influência.

 

Na verdade, não se sente que haja uma profunda vontade de combater a corrupção no futebol (e no País, acrescente-se), e isso pode ter a ver, ou não, com o grau de satisfação de muitos ‘agentes’ em relação ao ‘sistema’ vigente".

 

Excerto da crónica semanal de Rui Santos, jornal Record

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:32

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 02.03.19

 

2019-03-01.png

 

"Frederico Varandas não vai ter sossego. Bruno de Carvalho vai estar sempre atrás da árvore. Há mais casos de polícia no Sporting".

 

Considerações de Rui Santos, aqui, na Tribuna Expresso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:33

Reflexão do dia

Rui Gomes, em 25.02.19

 

download.jpg

 

"Toda a gente entende a afirmação de Frederico Varandas segundo a qual o ataque à Academia de Alcochete constituiu "o maior rombo financeiro e desportivo da história do clube" e toda a gente sabe quem gerou as condições para que o Sporting visse rebentar dentro das suas próprias instalações um dos barris de pólvora mais indignos da história do futebol.
 
Parece fácil restaurar todos os estragos (e as consequências financeiras, cujas contas finais serão apuradas a seu tempo), mas não é. O Sporting precisa de tempo para sarar feridas tão profundas. E isso só poderá ser feito, se os sócios do Sporting perceberem o que aconteceu ao clube e quem o atirou para uma situação tão delicada.
 
Frederico Varandas — sem ruído mas com coragem — colocou o dedo em várias feridas. Uma delas foi a das claques. Na verdade, é preciso ter coragem para mexer no vespeiro. Naquilo que ele representa de subversão de todos os valores que devem estar associados ao desporto e às sociedades. Varandas relembrou que fez parte da Juve Leo quando não (lhes) era dado nada em troca.
 
As claques, entretanto, por responsabilidade das Direcções, passaram a ser espaços de negócio e de poder. E o clube ficou e estava refém das claques. Dos seus caprichos e das suas exigências. Desmantelar o todo desse processo não é fácil. Mas é um imperativo de consciência para quem quer fazer crescer o clube. E, para isso, como diz Varandas, as claques não podem estar acima dos sócios que pagam as suas quotas e bilhetes e que se devem enquadrar num regime de normalidade".

 

Um breve excerto da crónica semanal de Rui Santos, no Record.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:49

 

download.jpg

 

"Há três anos e meio, o Benfica precisava de um treinador que fosse a antítese de Jorge Jesus. Na Luz, Jorge Jesus era o treinador que não ouvia a estrutura e nem queria saber se A ou B compunha a estrutura. A estrutura era ele, em estreita relação com Luís Filipe Vieira. Jogava quem o treinador achava que tinha condições para jogar e essa coisa de colocar os jovens da formação no ‘onze’ não poderia ser nem uma obrigação, nem algo forçado ou meramente induzido.
 
O presidente do Benfica, naquele momento, achou que era tempo de abalizar a estrutura e tentou ejectar Jorge Jesus sem dor e até com algum ‘carinho’. A coisa saiu-lhe mal e Jesus acabou no Sporting. Era preciso arranjar um treinador que ouvisse e respeitasse a estrutura e, mais do que isso, se convertesse rapidamente na extensão dessa mesma estrutura. E um treinador que não fizesse ‘peito’ à estrutura só podia ser um ‘treinador bonzinho’. Logo, Rui Vitória.
 
Luís Filipe Vieira é um ’self-made man’, com faro para o negócio, mas foi desenvolvendo ao longo dos anos o seu lado político. Todavia, o autoconvencimento de que é capaz de controlar tudo e todos, utilizando um tacticismo — como lhe chamar? — tugo-esperto, tem-lhe trazido alguns dissabores".
 
Extracto da mais recente crónica de Rui Santos no jornal Record, intitulada "Vieira, o tugo-esperto... da iluminação".
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:15

Para onde vai o futebol português?

Rui Gomes, em 07.10.18

 

Benfica, FC Porto e Sporting venceram os seus compromissos europeus desta semana - somando pontos sempre importantes para o 'ranking' da UEFA - e isso poderia ser observado como um sinal de pujança do futebol português.

 

img_240x200$2015_10_26_19_11_45_1006496_im_6358148

Não é, como adiante se pode ver. Em que circunstância for, ganhar é sempre bom, mas é importante reter que esta semana tivemos, na Champions, o 21.º do ranking da UEFA (Benfica) a jogar em 'casa' do 81.º (AEK); o 9.º (FC Porto) a receber o 64.º (Galatasaray) e, na Liga Europa, o 33.º (Sporting) a deslocar-se ao reduto do Vorskla Poltava (141.º).

 

… E o que se viu? As equipas portuguesas, todas elas, a revelarem imensas dificuldades para vencerem os seus menos cotados adversários. Nos casos de Benfica e Sporting, com adversários realmente inferiores, a imagem deixada foi muitíssimo pobre. Um Benfica descontrolado e incapaz de fazer valer a qualidade dos jogadores que tinha disponíveis para a partida de Atenas; um Sporting muito mexido em relação aos habituais titulares e a evidenciar pouco mais de 'zero'… em classe futebolística.

 

Mesmo o campeão nacional FC Porto, não obstante ter actuado perante melhor equipa entre os três adversários das equipas portuguesas nesta semana europeia, foi ameaçado em demasia por um Galatasaray que desperdiçou muitas oportunidades de golo, fazendo brilhar Casillas.

A imagem de produção futebolística foi, portanto, genericamente pobre. Poder-se-ia tratar de uma situação pontual, mais ou menos ocasional. A verdade, porém, é que essa imagem é mais ou menos a mesma daquela que as três equipas têm revelado nas competições domésticas, e talvez não seja por acaso que o líder do campeonato seja o Sp. Braga, que curiosamente deixou demasiado cedo os palcos europeus.

Recorde-se: antes de entrarem em campo nas competições europeias, o Benfica tinha deixado uma imagem igualmente pobre em Chaves; o FC Porto, com melhor desempenho, viu-se e desejou-se para ultrapassar o Tondela e o Sporting também não foi eloquente frente ao Marítimo.

 

Há razões diferenciadas que podem explicar o arranque e o desempenho das principais equipas portuguesas, mas a convicção de que os adeptos não andam satisfeitos com o rendimento dos jogadores, individual e colectivamente, com assobios ouvidos em diversos momentos, já levou por exemplo Sérgio Conceição a dizer que, "se querem espectáculo vão ao Coliseu"; Rui Vitória a tentar desculpar-se com as arbitragens e José Peseiro - noutro contexto, é preciso sublinhá-lo - a relativizar as exibições menos conseguidas.

Parece-me claro que se está a jogar menos no campeonato português. Uma coisa é a (boa) organização táctica das equipas, quase sempre muito arrumadinhas no contexto nacional; outra coisa é a capacidade de meter pressão e velocidade no jogo, imagem de marca do FC Porto na época passada como também do Benfica, aqui e ali, mas com assinaláveis intermitências, face à superior qualidade do plantel.

O futebol português vive, então, uma fase preocupante: está com um problema dentro do campo (escassez de qualidade futebolística) e tem um outro ainda maior fora das quatro linhas, com os processos judiciais que se acumularam nos últimos meses - a revelarem, muito para além das imputações especificas de enorme gravidade, escasso ou nenhum entendimento institucional, agora mitigado com a mudança de presidência no Sporting.

 

Nenhuma Federação e nenhuma Liga, seja onde for, gostariam de estar confrontadas com estes tipos de problemas (o pior dos cenários), mas a verdade é que eles existem e não se vê forma de o futebol português poder evoluir, rapidamente, para outro estádio de desenvolvimento e comportamento, porque o desenlace dos diversos processos judiciais não será conhecido tão cedo, há que contar com as consequências desses desenlaces (em caso de pronúncias e condenações) e questões relacionadas com a falta de qualidade futebolística da nossa Liga não se resolvem com uma varinha mágica, uma vez que estão dependentes de imensos factores, difíceis de potenciar ao mesmo tempo.

 

A realidade portuguesa também não se pode dissociar da realidade europeia e mundial, porque a FIFA e a UEFA têm estado empenhadas em não travar esta escalada de aumento de número de jogos, tudo no sentido da obtenção do lucro, não se preocupando com o tempo de gestão da recuperação dos jogadores - e parece-me que até nas principais ligas europeias começa a assistir-se à implantação do 'primado da gestão', de uma forma mais clara, em detrimento do futebol-espectáculo. E isso é muito mau, porque o futebol sem espectáculo, resumido à eterna rivalidade no momento da vitória, passa a ser uma coisa exclusivamente tribal.

É neste contexto que se realiza hoje o Benfica-FC Porto e, sinceramente, desejo muito (sem grande fé) que o espectáculo não se resuma às coreografias dos adeptos… 

 

Rui Santos, jornal Record

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:01

À porta fechada? Só a gargalhada!

Rui Gomes, em 30.09.18

 

O mau comportamento dos adeptos nos jogos de futebol é uma matéria sensível, que promete continuar a fazer correr muita tinta.

 

img_240x200$2015_10_26_19_11_45_1006496_im_6358148

O Conselho de Disciplina da FPF já havia sublinhado, no seu último relatório, que "esse tipo de comportamento, (…) quando assenta na deflagração e arremesso de objetos perigosos, representa uma das manifestações de maior violência no desporto e, entre outras tantas consequências negativas, assume-se como um factor de insegurança e perigo para os espectadores e todos os agentes desportivos que participam num espetáculo desportivo".

 

Chegou, pois, o crucial momento em que era impossível não haver castigos de jogos à porta fechada, sob pena de a justiça desportiva aceitar ser uma figura pouco mais do que decorativa, incapaz de tomar decisões que afrontem os poderes instituídos.


O futebol português recusa corrigir-se, os principais clubes não querem aceitar que não podem mandar em tudo e que os métodos utilizados para condicionar as decisões são absolutamente intoleráveis.

 

Tudo é susceptível de recurso (os advogados e os seus escritórios agradecem e rejubilam com tanto ‘caso’), com custos impensáveis, e até saltaram muitas figuras a patrocinar a ideia de que a ‘porta fechada’ é um mecanismo anti-futebol.

 

Controlem melhor os adeptos, naquilo que podem fazer, e verão que a ‘porta fechada’ não acontecerá.

 

De resto, um Benfica-FC Porto, à porta fechada, significaria uma decisão do TAD em 8 dias. À porta fechada? Só se for uma sonora gargalhada.

 

Rui Santos, jornal Record

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26

 

mw-320.jpg

 

"O Benfica anichou-se, acomodou-se e pôs-se de cócoras perante Paulo Gonçalves. Quanto é que vale o silêncio dele ?"

 

Pergunta de Rui Santos, que, além do mais, insiste que o clube da Luz continua refém de Paulo Gonçalves.

 

Um breve vídeo disponível aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00

Promiscuidade ao mais alto nível

Rui Gomes, em 23.09.18

 

img_240x200$2015_10_26_19_11_45_1006496_im_6358148

Quem segue as minhas intervenções públicas sabe que, em relação ao 'Benfica de Vieira', sempre apresentei as minhas teses em dois planos:


1. A vincada evolução que o clube conheceu, do ponto de vista da ultra modernização das infra-estruturas, com óbvia repercussão na qualidade do projecto desportivo;


2. A obsessão em querer ver tudo controlado, fora das quatro linhas, como espécie de 'lei' conferida pela sua dimensão, sendo esta sobretudo nacional - número de adeptos, maior atractividade comercial, etc., etc.


Com Vieira, tem havido '2 Benficas': um pujante e progressivo, e profissional, no que diz respeito à sua 'roupagem' de grande clube; um outro capaz de promover mecanismos e dinâmicas de sedução pouco recomendáveis - e o eufemismo nem sequer pretende mitigar a acusação do Ministério Público em relação ao 'e-toupeira', segundo a qual a SAD está acusada de 1 crime de corrupção activa, 1 crime de oferta ou recebimento indevido de vantagem e 28 crimes de falsidade informática.

 

Nesta óbvia obsessão de ver tudo controlado (Arbitragem, Disciplina, Justiça, Parlamento, Comunicação Social, etc.), os responsáveis do Benfica têm sido de uma arrogância que lhes pode ser fatal. Acharam que nada os podia atingir, protegidos pela força da 'marca Benfica', e a revelação dos emails, depois de ter aberto a 'caça ao hacker', mostra acima de tudo - e o que de resto as investigações determinarem - uma grande promiscuidade. Promiscuidade ao mais alto nível.

 

Esta clara ideia de promiscuidade à solta, sob a convicção de que a Justiça não pune os poderosos, representa um olhar redutor de um país periférico, sem lei, sem autoridade, sem dignidade. Um olhar próprio de quem vê, através de um umbigo espelhado, uma República das Bananas.

O acesso ilegítimo é punido por lei. Mas, como tenho sempre dito, o acesso ilegítimo não pode ser apenas censurado quando nos sentimos invadidos na nossa privacidade; também tem de ser (auto) reprovado quando se acede, ilegitimamente, aos processos que deveriam estar em recato na máquina do aparelho judicial e judiciário.

O Benfica perde qualquer tipo de razão ao criticar a devassa do seu sistema informático e não o consegue fazer quando devassa o sistema informático da Justiça. Ambas as situações são graves e punidas por lei.

Há um denominador comum em todos os processos a envolver o Benfica: tentar 'prender o rabo' a várias figuras ligadas, directa e/ou indirectamente, ao futebol. Foi assim com os vouchers, foi assim com a criação das toupeiras, foi assim com o processo de rangelização do 'aparelho judicial'. A ideia é a mesma: que nenhum 'árbitro' tenha condições ou a ousadia de tomar decisões contra os alegados interesses do Benfica. Uma espécie de (boa) polícia de usos e costumes, à prova de qualquer iniciativa policial.

Quando um clube de futebol ousa criar uma espécie de 'ultra-polícia', para tentar estar um passo à frente das investigações, algo está profundamente errado no cérebro de algumas pessoas. A ideia é demasiado ousada e arriscada para ser patrocinada ou em negação ou em doses contraditórias de decisões que nunca são assumidas em pleno, como no caso vertente de Paulo Gonçalves.

 

As ligações do Benfica com Paulo Gonçalves são tão fortes que, mesmo na hora de prescindir dos seus serviços, foram necessários (em comunicado) mais do que mínimos salamaleques. O reconhecimento da lealdade (de Paulo Gonçalves) legitima a leitura de que ele estava alinhado com uma estratégia e com o projecto em todas as suas vertentes. A não assumpção, por parte da Benfica SAD, da responsabilidade de prescindir dos serviços do seu ex-assessor jurídico já significa muito. A proposta foi de Paulo Gonçalves; não foi do Benfica. Quer dizer: ambos podem ter concertado posições, no sentido de, no limite, se protegerem um ao outro, numa manobra de contorcionismo desconfortável e impossível, mas a imagem que fica é muito redutora para o Benfica: não foi capaz de tomar uma posição clara, e a recente imagem de Paulo Gonçalves na tribuna de honra [vide foto deste texto] adensa essa ideia de que o Benfica se deixou aprisionar.

Esta ideia de um Benfica aprisionado (e verdadeiramente em apertos) é perturbante e penaliza muito a imagem de Luís Filipe Vieira.

 

Rui Santos, jornal Record

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:32

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo