Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



DdPcLw0X4AEkGIE.jpg

A Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD (Sporting SAD) vem, através deste comunicado, denunciar uma situação que considera constituir um dos episódios mais lamentáveis e surreais da história do futebol português.

Em concreto, informa a Sporting SAD que, na sequência de participação apresentada pela Associação Nacional de Treinadores de Futebol em Março de 2020, a Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional deduziu agora acusação contra a Sporting SAD e o seu treinador Rúben Amorim, alegando existir fraude na inscrição de Rúben Amorim como treinador, e pretendendo ver o mesmo condenado a uma sanção de um a seis anos de suspensão de actividade.

Repetimos... a disciplina desportiva nacional pretende condenar o treinador Rúben Amorim a uma sanção mínima de suspensão por um ano pelo facto de o mesmo, respeitando os regulamentos em vigor, se ter inscrito como treinador-adjunto e não como treinador principal quando ainda não possuía habilitação para tanto.

Este processo e esta acusação constituem uma mancha reputacional indelével no desporto nacional, com repercussões internacionais, por impedirem qualquer possibilidade de crença no regular funcionamento das instituições que movem o processo.

Para além de outros motivos que contradizem a tese vertida na acusação, a Sporting SAD realça que esta, ao que se julga saber neste momento, constitui a primeira acusação com este enquadramento e constituiria a primeira e única condenação desta natureza nas competições profissionais nacionais, apesar de existir e ser por todos conhecido um histórico de dezenas de casos de equipas técnicas de outros Clubes de contornos pelo menos comparáveis. A intenção muito direccionada desta acusação fica por demais evidente quando o próprio Rúben Amorim não foi alvo de qualquer participação ou processo quando integrava a equipa técnica da SC Braga SAD, em circunstâncias que se crêem idênticas.

Acresce que os casos mencionados precederam ou coexistiram com o que é agora objecto de acusação a Rúben Amorim, não podendo a Sporting SAD deixar de sublinhar a sua perplexidade pelo facto de o mesmo surgir quando a sua equipa se encontra em primeiro lugar na Liga, com larga vantagem, assumindo o melhor registo de qualquer outra em Portugal até ao momento, precisamente sob o comando desta equipa técnica.

Só um corporativismo ultrapassado pode acreditar que um processo deste género promove e protege a classe dos treinadores portugueses. E só uma disciplina desportiva cega, no pior sentido, poderia entender ser de acolher essa sanha persecutória.

É assim, lamentando-o, que a Sporting SAD considera que única virtude deste processo é a de evidenciar o tratamento díspar e enviesado em desfavor do Sporting CP que as instituições envolvidas decidiram assumir de forma transparente, tentando prejudicar gravemente a promissora carreira de um muito competente jovem treinador.

A todos os Sócios e adeptos do Clube, a Sporting SAD assegura que:

  1. não existe qualquer fundamento jurídico que sustente a sanção proposta de um a seis anos de suspensão, o que em sede própria será cabalmente demonstrado;
     
  2. reitera a sua total confiança nesta equipa técnica, mantendo inquebrável o compromisso que existe actualmente com a mesma e que foi recentemente reforçado;
     
  3. se manterá fiel aos seus valores, dos quais nunca abdicará nem permitirá que sejam negociados;
     
  4. se mantém confiante na luta que tem levado a cabo pela construção de instituições fortes, que permitam que a única força dominante no futebol português seja a verdade desportiva e os superiores interesses do Desporto em Portugal.

 

ONDE VAI UM VÃO TODOS

________________________________________________

Aproveito o ensejo para adicionar esta observação do nosso leitor RCL, num outro post, embora em contexto do que se debate aqui:

"Não terá chegado o tempo de os milhões de adeptos Sportinguistas se manifestarem contra os donos do futebol?".

publicado às 15:30

20581298_c0mZ8.jpeg

C  O  M  U  N  I  C  A  D  O

A SPORTING CLUBE DE PORTUGAL - FUTEBOL, SAD (Sporting SAD ou Sociedade) vem, nos termos e para efeitos do disposto no artigo 248.º A do Código dos Valores Mobiliários, comunicar o cumprimento dos seus deveres de prestação económica e financeira, referente ao período compreendido entre 1 de Julho de 2019 e 31 de Março de 2020, destacando que a Sociedade registou o maior volume de negócios da história do Sporting em termos homólogos (nove meses). Alguns highlights:

• Maior venda de sempre – Bruno Fernandes por 55 M€ fixos + 25 M€ condicionais;

• Rafael Leão condenado a pagar 16,5 M€ pela resolução ilícita do contrato de trabalho (este valor não está reflectido nas contas deste trimestre);

• Contratação do Treinador Rúben Amorim por 10 M€;

• Volume de negócios nos primeiros nove meses de 156,1 M€ (período homólogo 109,8 M€);

• Decréscimo salarial de 3 M€ (ou 6%) e de 10M€ (ou 16%) sem indemnizações face ao período homólogo;

• Resultado líquido positivo de 30,2 M€ (período homólogo -5,9 M€);

• Capital próprio positivo de 6,6 M€ (Junho 2019 negativo em 23,6 M€);

• Redução do passivo em 20,8 M€ onde 17 M€ são relativos amortização de dívida bancária.

Importa ainda esclarecer que no seguimento dos vários processos de rescisão unilateral sem justa causa decorrentes do ataque à Academia Sporting, já este ano, no mês de Março, foi proferido acórdão pelo qual o Tribunal Arbitral do Desporto condenou o jogador Rafael Leão a pagar à Sporting SAD a quantia de 16.500.000,00 € a título de indemnização pela resolução ilícita do contrato de trabalho desportivo.

A Sporting SAD encontra-se a desenvolver as diligências adequadas junto das instâncias judiciais e desportivas competentes com vista a obter a execução daquela decisão e a cobrança do crédito que a mesma reconhece a seu favor, quer contra o jogador quer contra o clube francês Lille LOSC, que é solidariamente responsável nos termos do artigo 17.2 dos Regulamentos da FIFA. A esta data, o Conselho de Administração encontra-se a analisar o processo que carece de informação necessária para a mensuração ao custo amortizado nas Demonstrações Financeiras da Sporting SAD.

Em 2 de Setembro de 2019, a Sporting SAD chegou a acordo com o Stade Rennais FC para a venda dos direitos económicos e desportivos de Raphinha pelo montante de 21 milhões de euros, aos quais foram deduzidos o valor do mecanismo de solidariedade e de gastos associados à venda, nomeadamente as comissões de intermediação.

Em 1 de Setembro de 2019, a Sporting SAD chegou a acordo com o Valencia CF para a venda dos direitos económicos e desportivos de Thierry Correia pelo montante de 12 milhões de euros, aos quais foram deduzidos o valor do mecanismo de solidariedade e de gastos associados à venda, nomeadamente as comissões de intermediação e o prémio a pagar ao jogador.

Em 29 de Janeiro de 2020, a Sporting SAD chegou a acordo com o Manchester United FC para a venda dos direitos económicos e desportivos de Bruno Fernandes pelo montante de até 80 milhões de euros (55 milhões de euros fixos e 25 milhões de euros condicionais), aos quais foram deduzidos o valor do mecanismo de solidariedade e de gastos associados à venda, nomeadamente as comissões de intermediação. Apesar de ter sido uma venda realizada no mercado de inverno, normalmente menos valorizado, foi a maior venda da história da Sporting SAD superando a venda do João Mário que tinha sido vendido por 40 milhões de euros.

A Sporting SAD fechou o terceiro trimestre da época desportiva de 2019/2020 com um volume de negócios de 156,1 milhões de euros, o que representa um aumento de 42% face ao período homólogo. Este crescimento é suportado pelo aumento das receitas decorrentes da venda de direitos desportivos de jogadores.

Os gastos com pessoal decresceram cerca de 3,1 milhões de euros face ao mesmo período da época passada; no entanto, importa referir que este decréscimo é explicado por dois efeitos contrários: i) redução dos gastos com jogadores e colaboradores em cerca de 7,7 milhões de euros e ii) aumento das indemnizações em 5 milhões de euros. O valor relativo às indemnizações por rescisão de contratos de trabalho desportivo ascende a cerca de 6,9 milhões de euros, mas permitirá uma poupança líquida de cerca de 35 milhões de euros, parte significativa da qual irá reflectir-se ainda na corrente época.

Em termos de Posição Financeira, a Sporting SAD aumentou o activo total em 9.3 milhões de euros e a redução do passivo global em 20,8 milhões de euros, o que permitiu atingir um Capital Próprio positivo, ascendendo este a 6,6 milhões de euros. Nota também para a redução de dívida bancária em 17 milhões de euros.

A Sociedade apresenta a totalidade das suas demonstrações financeiras em conformidade com as Normas Internacionais de Relato Financeiro (NIRF) emitidas pelo International Accounting Standard Board e adoptadas pela União Europeia.

Poderá consultar aqui o documento na íntegra.

publicado às 06:03

img_920x519$2020_03_27_18_08_22_1680213.jpg

A Sporting SAD cooptou André Bernardo para o cargo de administrador, na sequência da renúncia apresentada recentemente por Miguel Cal, informa esta sexta-feira a Sociedade, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM):

"Em face da renúncia apresentada pelo senhor dr. Miguel Garcia Rodrigues Cal, a 26 de Março de 2020, o Conselho de Administração deliberou (...) proceder, na presente data, à designação, por cooptação, do senhor dr. André da Costa Cabral Bernardo, como administrador da Sporting SAD, até ao final do mandato em curso".

André Bernardo foi eleito para o Conselho Directivo do Clube, como suplente, mas com a saída de Francisco Rodrigues dos Santos, em Dezembro, passou a membro efectivo do elenco presidido por Frederico Varandas.

A Sporting SAD justificou a renúncia de Miguel Cal ao cargo de vogal na administração da sociedade com base em "motivos pessoais e profissionais", em comunicado enviado na quinta-feira à CMVM.

Miguel Cal era responsável pela área de marketing e operações na administração, da qual são membros executivos Francisco Salgado Zenha e João Sampaio. Nuno Correia da Silva, vice-presidente da Holdimo, é administrador não executivo da Sporting SAD.

Manterá uma ligação à SAD como responsável pelos contactos internacionais mas poderá exercer outra actividade profissional da sua escolha (antes do Sporting trabalhava na consultora McKinsey International mas desvinculou-se).

publicado às 02:03

20973671_TOhCZ.jpeg

A Sporting SAD comunicou esta sexta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que não irá pagar juros referentes à emissão de Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC), explicando que tal se fica a dever ao facto de "não se verificaram lucros distribuíveis".

Os VMOC, recorde-se, foram emitidos pela SAD leonina em 2011 e 2014 num total de cerca de 135 milhões de euros, tendo o Novo Banco e o BCP sido os subscritores. Este será, portanto, o quarto ano consecutivo no qual a sociedade anónima desportiva não paga juros dos VMOC, já que não apresenta lucros distribuíveis há quatro exercícios.

A SAD pagou juros da emissão de VMOC de 2011 durante os cinco primeiros anos.

publicado às 03:32

20973671_TOhCZ.jpeg

O resultado líquido da Sporting SAD cresceu 31,2% para 21,1 milhões de euros (ME) entre Julho e Setembro, que compara com o lucro de 16,1 milhões de euros em igual período de 2018, anunciou este sábado o Sporting.

As vendas do extremo brasileiro Raphinha ao Rennes por 21 ME e de Thierry Correia ao Valência por 12 ME destacam-se nos resultados deste primeiro trimestre da época de 2019/20, tal como o acordo alcançado com o Olympiacos por causa de Daniel Podence, que permite um encaixe de sete ME ao Sporting.

De acordo com o documento enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, os resultados operacionais das transacções com jogadores atingiram os 31,7 ME, mais 82% do que no período homólogo do ano passado, com as amortizações e perdas de imparidade do plantel a ascenderem a 5,5 ME e os gastos com transacções de jogadores traduzidos em 8,9 ME, mas com os rendimentos com transacções de jogadores a alcançarem os 46 ME.

O activo total da Sporting SAD fixou-se em 315 milhões de euros, enquanto o passivo total ascendeu a 317,5 milhões de euros, com o total do capital próprio a ficar nos 2,5 milhões de euros negativos.

publicado às 02:19

download.jpg

A Sporting SAD reagiu de modo crítico, via comunicado, à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) de não levar a julgamento a SAD do Benfica no âmbito do processo 'E-toupeira', mantendo a decisão instrutória da juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal.

Eis o comunicado:

"A Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD comunga da perplexidade geral face ao Acórdão, conhecido hoje, que decidiu não pronunciar a Sport Lisboa e Benfica - Futebol, SAD, no caso vulgarmente conhecido como ‘e-toupeira’ e foi por isso que, em tempo, acompanhou o recurso oportunamente apresentado pelo Ministério Público.

Sem prejuízo daquilo que possa sustentar a decisão, em termos de argumentos de carácter formal e técnico, permanece incompreensível a cisão operada e agora mantida entre a referida SAD e o Dr. Paulo Gonçalves, o qual, a ser assim, teria agido de motu proprio, com objectivo e finalidades difíceis de conceber.

A Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD continuará a bater-se pela verdade desportiva com energia e intransigência, permanecendo atenta e actuante no âmbito dos diversos processos sob investigação e que indiciam práticas de enorme gravidade, com potencial impacto na verdade desportiva e que serão, uma vez provadas, merecedoras de sanção adequada nos planos criminal e desportivo".

paulo-gonccca7alves_vieira12002-1_1280x640_acf_cro

Em análise final, será que esta decisão do referido Tribunal é surpresa alguma?...

"Não merece provimento o recurso do Ministério Público e do assistente Perdigão na parte em que pretendiam a pronúncia [julgamento] da Benfica SAD como coautora de todos os crimes imputados".

Recorde-se que o ex-árbitro Perdigão da Silva, que se constituiu assistente no processo, também apresentou recurso para a Relação de Lisboa.

Em 21 de Dezembro do ano passado, a juíza Ana Peres, do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), não pronunciou (não levou a julgamento) a SAD do Benfica por nenhum dos 30 crimes pelos quais foi acusada pelo Ministério Público (MP), nem o funcionário judicial Júlio Loureiro, mas pronunciou, no entanto, o antigo assessor jurídico do Benfica Paulo Gonçalves e o funcionário judicial José Silva.

O MP interpôs recurso para o TRL, que foi distribuído ao juiz/relator Rui Teixeira, no qual o procurador Válter Alves defendeu a pronúncia da SAD 'encarnada' por um crime de corrupção activa, outro de oferta ou recebimento indevido de vantagem e 28 crimes de falsidade informática: os 30 crimes que constam da acusação por si proferida.

publicado às 04:18

Considerações de Salgado Zenha

Rui Gomes, em 11.09.19

img_920x518$2019_09_10_16_37_27_1600090.jpg

Em entrevista à agência Lusa, um dia depois de divulgado o Relatório e Contas da época 2018/19, Salgado Zenha, vice-presidente do Sporting, falou sobre o estado de coisas no Clube, nomeadamente na SAD.

Eis algumas das suas considerações, em síntese:

"O balanço do mercado de transferências foi muitíssimo positivo. Foi o segundo maior rendimento com venda de jogadores que tivemos na história da SAD. Depois, a própria janela, se atendermos ao volume de vendas e compras, temos uma receita líquida de cerca de 62 ME".

"O presente Relatório e Contas não contempla ainda as transferências de Raphinha, Thierry Correia e Bas Dost, que só vão constar no exercício 2019/20. Do ponto de vista desportivo, conseguimos manter a ‘espinha’ dorsal do plantel profissional, reforçar posições que achámos fundamentais e manter o nosso melhor jogador. Se tivéssemos tido esta conversa no início do ‘mercado’, pouca gente acharia que o Bruno Fernandes ficaria, a verdade é que ficou e conseguimos manter aquele que será o activo desportivo mais importante".

"A nossa estratégia foi de efectuar ajustamentos cirúrgicos no plantel com a saída de jogadores considerados excedentários. Percebemos que conseguíamos ter tanto ou mais rendimento desportivo ao retirar esses excedentários, que recebiam muitíssimo bem e estavam desajustados ao mercado, e introduzindo novos jogadores, nomeadamente, da formação e mais ajustados ao que vão jogar ao longo da época”.

"Procedemos à venda dos jogadores com um registo de mais minutos, mas não ajustados às possibilidades e com menos repercussões no rendimento desportivo. Conseguimos, com isso, fazer uma redução líquida de custos anualizada de 10 milhões de euros, logo a partir de Janeiro, que se reflecte no Relatório e Contas em cerca de cinco milhões de euros no ano".

"Os jogadores do plantel têm um salário ajustado ao mercado. O Bruno Fernandes terá um aumento adequado ao rendimento dele, dentro das nossas possibilidades. O caso do Bas Dost foi paradigmático, nós podemos fazer um esforço até determinado limite, depois não temos capacidade".

"Sobre Bruno Fernandes, não vou lançar números, porque o mercado é dinâmico e eu até estaria disposto a vender o Bruno por um valor, mas, depois de o Raphinha sair, já só estou disposto por outro. É dinâmico, não vou deixar um número que pode ancorar uma negociação, que depois não faz sentido, porque tem de se analisar o momento do jogador e o momento do rendimento desportivo".

"O desafio da administração passa por equilibrar financeiramente o Clube e manter a competitividade desportiva, ambicionando o reinvestimento na Academia e o reforço da aposta na formação. Temos de ser pacientes. Eu oiço muitas vezes que os sportinguistas são pacientes há muito tempo, pois são. Eu também sou sportinguista, sou sócio há 26 anos, e também tenho de ser paciente e tenho de ter consciência disso. Se quisermos dar um passo maior do que a perna, vamos ficar pelo caminho e isso não queremos. O que queremos é criar os alicerces para lá chegar".

"O Jorge Mendes é um parceiro, como é uma quantidade enorme de agentes, porque sempre dissemos que trabalhamos com todos os agentes, mas defendendo os nossos interesses. (...) Por curiosidade, não comprámos nenhum jogador com o Jorge Mendes, só vendemos, e contribuiu nas operações de Rui Patrício, Gelson Martins, Daniel Podence e Thierry Correia".

"Encaro com absoluta naturalidade a proposta de aumento da remuneração para os administradores da SAD e  para o presidente. Não somos nós que decidimos, mas não sou hipócrita (...), faz sentido porque temos um estudo de 'benchmarking' que mostra que o agora está a ser sugerido é muito abaixo da mediana do mercado e, se formos ver, os administradores dos nossos rivais ganham mais do que nós, e não estou a falar de variáveis.

Em primeiro, quem decide a política de remunerações é uma comissão accionista e, em segundo, esta Direcção prometeu manter inicialmente os vencimentos da anterior e até recebeu menos porque abdicou do 'bolo' dos prémios colectivos indexados aos resultados desportivos".

A Assembleia Geral da SAD está convocada para o dia 1 de Outubro.

publicado às 03:18

 

20973671_TOhCZ.jpeg

 

A Sporting SAD anunciou, esta sexta-feira, os resultados financeiros do primeiro trimestre da temporada 2018/19, com um resultado positivo de 16 milhões de euros.

 

Os primeiros três meses da nova época foram fechados com saldo positivo, muito à conta das transferências de William de Carvalho por 16 milhões de euros (mais objectivos) para o Bétis de Sevilha e de Cristiano Piccini por 8 milhões para o Valência.

 

O Sporting anuncia ainda o decréscimo de 1,6 milhões de euros nas receitas, resultado da não participação na Liga dos Campeões. Por outro lado, a SAD apresenta também uma redução de 2,9 milhões nos custos operacionais, justificados com a redução na folha salarial em equipa técnica e jogadores.

De destacar ainda que o valor do activo aumentou em 12,5 milhões de euros, e o passivo reduzido em 1,3 milhões de euros.

 

*** Neste relatório não está incluída a verba proveniente do acordo com o Wolverhampton pelo negócio de Rui Patrício, sendo considerado uma mais valia futura.

 

Comunicado da Sporting SAD disponível aqui.

 

publicado às 04:01

 

SCP 1906.jpg

 

A Sporting SAD é uma sociedade anónima desportiva constituída com o objectivo de desenvolver as actividades relacionadas com o futebol profissional, anteriormente realizadas pelo Sporting Clube de Portugal. Os sócios do Sporting tendo poder sobre o Clube, não têm directamente sobre a SAD. Ou melhor, os sócios podem influenciar as decisões da Sociedade desde que o Clube tenha a maioria do capital e dos direitos de voto na Sporting SAD.

 

A perda pelo Sporting do controlo da Assembleia Geral da Sociedade gestora do futebol profissional constituiria para muitos sportinguistas uma alteração dramática da natureza do Clube como sempre o conheceram e o imaginaram. E, para além da identidade leonina, poria também em causa a capacidade dos sócios intervirem em aspectos cruciais da política decisória do Sporting.

 

Bruno de Carvalho, nas eleições de 2013, assumiu o compromisso de manter a maioria do Clube na SAD, fez constar esse propósito no seu programa eleitoral e reivindicou para si a condição de ser o único candidato à presidência com essa posição inequívoca. Muitos sportinguistas sublinharam que, enquanto ele parecia firme nesse propósito, José Couceiro assumiu uma atitude ambígua.

 

Entretanto, Bruno de Carvalho substituiu a firmeza na abordagem da questão da maioria na Assembleia Geral da SAD por um discurso vago e de circunstância. No seu mandato não criou condições objectivas para garantir essa maioria. Há quem olhe para a presença de José Maria Ricciardi na lista de Bruno de Carvalho e fique preocupado com o que se vai passar em 2026 quando se verificar a conversão dos títulos de dívida (VMOC’S) em acções da SAD.

 

Pedro Madeira Rodrigues assumiu um compromisso público com os sportinguistas ao anunciar que cativará quatro milhões de euros por ano para fazer face ao pagamento das VMOC’s. Isto é, considera essencial que o Sporting-Clube mantenha a maioria e o controlo na Sporting-SAD. E que neste aspecto importantíssimo o Sporting Clube de Portugal deve permanecer como sempre o conhecemos. Senhor do seu destino.

 

publicado às 13:06

Falta de transparência exasperante !

Rui Gomes, em 23.01.17

 

mw-860.jpg

 

Segundo o jornal Record, uma fonte não identificada do Sporting prestou declarações em reacção à notícia que a Doyen tem a intenção de avançar com penhora de bens, pelo não pagamento da já bem conhecida dívida.

 

Terá afirmado esta "fonte", que a Sporting SAD está tranquila quanto a este assunto, uma vez que enquanto o caso estiver nos tribunais, não pode haver penhora. Além disso, a verba em questão está cativa na UEFA e o organismo que tutela o futebol europeu pode proceder ao seu desbloqueamento a partir do momento em que haja uma decisão nesse sentido. Por fim, que o único objectivo da Doyen é o de causar pânico entre os sportinguistas.

 

Exasperante, para ser simpático, esta falta de transparência de Bruno de Carvalho e da Direcção do Sporting. Primeiro e sobretudo, se há algo a esclarecer, e pelos vistos ainda há muito, deve ser participado aos sportinguistas por vias oficiais e não através de dirigentes não identificados.

 

Segundo, após a decisão do Supremo Tribunal Federal da Suíça, que ordenou o Sporting a efectuar o pagamento, em que outro tribunal está agora o caso ?

 

Terceiro, a verba que está retida pela UEFA, proveniente dos prémios do Sporting na Champions, não é suficiente para liquidar a dívida em questão, partindo do princípio que eventualmente será desbloqueada para esse fim.

 

Já aqui escrevi e reitero que me parece óbvio que o intuito único de Bruno de Carvalho é de continuar a fazer a "vida cara" à Doyen Sports, atrasando o pagamento por todos e quaisquer meios ao alcance, permitindo-lhe, em simultâneo, ganhar tempo para obter a disponibilidade líquida para satisfazer a dívida, disposição que não existirá nesta altura.

 

Adenda: Segundo o que foi revelado - e não refutado pelo Sporting - após o juízo do Supremo Tribunal Federal da Suíça, a dívida por liquidar é no valor de 15,6 milhões de euros, que contarão com o devido acréscimo de custas e dos juros (0.5% por cada mês de atraso).

 

publicado às 03:40

"O investimento é para manter"

Rui Gomes, em 11.11.16

 

img_770x433$2016_11_11_00_38_21_1182380.jpg

José Sousa Cintra, Nuno Correia da Silva e Álvaro Sobrinho

 

 

Considerações de Nuno Correia da Silva, administrador da Sporting SAD e vice-presidente da Holdimo, empresa de Álvaro Sobrinho que detém 30 por cento do capital da SAD:

 

«É um investimento que foi feito com o propósito de criar uma equipa que gera resultados e, portanto, ainda é cedo para avaliar. Até agora tem dado resultados. Mas ainda estamos a meio do caminho. As avaliações fazem-se quando chegarmos ao final do caminho.

 

É para manter, sempre com a intensidade que nos motivou quando chegámos e acreditando no projeto do Sporting. É evidente que é um projeto que tem de fazer um caminho, que tem um tempo, mas temos de ser persistentes e ter muita paciência. Mas a Holdimo é um apoiante do Sporting, foi um suporte financeiro do Sporting e fará seguramente parte do grande futuro que nós acreditamos que o Sporting vai ter.

 

Não podemos deixar de acreditar. Temos de acreditar. É essa a nossa missão. É possível. Ainda está nas nossas mãos. O Sporting depende de si. Tem dois jogos com o actual líder, que é o Benfica, e se os vencer passa para primeiro. Não podemos ter outra atitude que não seja essa. A equipa é boa. Ainda não está com aquela articulação e com aquela sintonia a que nos habituou no final da última época. Talvez por esse contraste, nós sentimos a diferença. Mas acredito que vai conseguir».

 

Posição muito positiva para o Sporting, esta da Holdimo. No entanto, não devemos perder de vista que existem diversas maneiras de investir e diversos tipos de mercados. Quando um investimento não dá retorno, surge a necessidade de mudar a estratégia de investir. Se mesmo mudando a estratégia de investimento o retorno não se realizar, a alternativa é mudar de mercado. Como em muito na vida, o que hoje é verdade, amanhã essa verdade sofre alterações adequadas à realidade actualizada. Nada é eterno, portanto !

 

publicado às 13:45

 

Sporting SAD 15'16.png 

 

A Sporting SAD apresentou os resultados relativos ao 3º trimestre de 2015/2016 à Comissão de Mercados e Valores Mobiliários. Segundo o diário A Bola esta apresentação de contas foi feita com atraso. Sabe-se que há sanções previstas no caso deste tipo de incumprimento.

 

Integrando-se estes resultados no contexto do exercício anual de Julho de 2015 a Junho de 2016, verifica-se que a Sporting SAD obteve até esta data um prejuízo no valor de 17,1 milhões de euros. O prejuízo é justificado com os "gastos associados a situações não recorrentes, no caso em apreço devido ao processo Doyen", que obrigou a constituir uma provisão no valor de 14,1 milhões de euros. No entanto, não havendo valores oficialmente confirmados, consta-se que será paga à Doyen uma quantia superior à que foi provisionada.

 

Se confrontarmos este prejuízo de 17,1 milhões de euros com o lucro de 22,1 milhões de euros que foi alcançado no período homólogo anterior, constata-se que existe uma preocupante perda de 39,2 milhões de euros.

 

No período restrito de Janeiro a Março de 2016, a Sporting SAD apresentou um lucro de 1,04 milhões de euros, fazendo com que o resultado do exercício anual até este momento se situe nesses 17,1 milhões de euros de dano.

 

Houve um crescimento acelerado nos custos com o pessoal. Nos primeiros nove meses, a Sporting SAD gastou 35,7 milhões de euros em salários e seguros, praticamente o dobro em relação ao período precedente. Neste aspecto, suscita alguma apreensão o facto de se prever ainda um maior investimento no futebol nos próximos meses.

 

Na rubrica dos gastos com pessoal fica-se, ainda, a saber que as remunerações dos órgãos sociais contemplaram um crescimento muito significativo: pagaram-se 320 mil euros, quando no período homólogo anterior foram 130 mil euros (um aumento de 146%).

 

No primeiro trimestre do actual exercício, a SAD obteve rendimentos de 7,6 milhões de euros com a venda de passes de jogadores, muito inferior aos 21,7 milhões de euros obtidos no mesmo período do desempenho antecedente. Conseguiu-se um saldo positivo de 1,5 milhões de euros na diferença entre a compra e a venda de passes desportivos de jogadores (16,1 no ano anterior). Excluindo eventos extraordinários, os resultados operacionais foram positivos (637 mil euros), muito abaixo do que foi registado no período do exercício transacto (23,8).

 

Ao contrário do que chegou a constar, a SAD do Clube continua a pagar elevadíssimas comissões a empresários. Houve lugar ao pagamento de mais de 1,8 milhões de euros em comissões pela contratação de cinco jogadores no mercado de transferências em Janeiro. Desta quantia, 1,3 milhões de euros referem-se a Bruno César. No que diz respeito às saídas de jogadores no mercado de inverno gastaram-se 400 mil euros em comissões. Portanto, pagam-se comissões a empresários em situações de venda e de compra de direitos desportivos de jogadores. Ironicamente, este valor é superior ao que consta no último R&C de Godinho Lopes.

 

Foram alienados passes desportivos de alguns jogadores, sem haver lugar à entrada de qualquer verba financeira. Foi o caso de Marcelo Boeck, Valentin Viola e Diogo Salomão, ficando a Sporting SAD com direito a uma determinada percentagem quando se verificar uma futura transferência de clube.

 

Há no presente relatório outros resultados que permitirão uma avaliação mais favorável, mas os que são realçados neste texto, pelo seu carácter e grandeza, suscitam uma séria apreensão. Nomeadamente pelas seguintes razões:

 

- A reestruturação financeira que foi anunciada em 2013 ameaça revelar-se inconsequente;

- O passivo cresceu de forma significativa, estando agora nos 245,5 milhões de euros (228,5 em 30 Junho de 2015);

- A Sporting SAD continua pagar aos empresários elevados valores em comissões;

- Serão vendidos os passes de jogadores nucleares para ser possível cumprir o que está determinado no Fair-Play Financeiro da UEFA;

- Persiste a prática antiga de recorrer à venda de direitos desportivos de jogadores para acorrer a situações de desespero financeiro.

 

publicado às 12:40

 

Soube-se através do portal Citius que no passado dia 18 de Março a Sporting SAD avançou com um processo na 1ª Secção de Comércio do Tribunal de Instrução Central da Comarca de Lisboa contra antigos dirigentes do Clube. No referido processo são visados os ex-presidentes Luís Godinho Lopes e José Eduardo Bettencourt, para além de Luís Duque, José Castro Guedes, José Manuel Silva e Costa, Francisco Sousa Louro, Lino de Castro, Carlos Barbosa e Carlos Freitas. É pedida uma indemnização global de 73,6 milhões de euros, alegando gestão danosa. Esta acção judicial contra dirigentes do Sporting foi aprovada em assembleias gerais da SAD e do Clube.

 

19372920_ZzI2z.jpg

 

Em Junho de 2015 o Tribunal da Comarca de Lisboa declarou-se "incompetente" para analisar uma acção movida pelo Sporting contra Godinho Lopes, Luís Duque, Nobre Guedes e Carlos Freitas, acusados de violarem "culposamente os deveres de diligência e cuidado a que estavam obrigados, causando prejuízos à sociedade". Os ex-dirigentes foram absolvidos e o Clube condenado a pagar as custas do processo. Estavam em causa a renovação de Izmailov e as contratações de Jéffren e Alberto Rodríguez, tendo considerado a actual administração da Sporting SAD que houve "violação dos deveres de diligência e falta de racionalidade económica".

 

Ao que parece, agora neste novo processo foi superada a questão do tribunal competente, havendo na Sporting SAD a convicção que, desta vez, existirá decisão judicial. A administração da SAD apresentou a sua própria gestão “baseada na racionalidade empresarial” como o exemplo do modelo que deveria ter sido adoptado pelos administradores anteriores.

 

No entanto, é complexa a aferição do grau de responsabilidade individual que será atribuída a cada um dos indiciados nos diferentes actos decisórios. Refiro-me, por exemplo, à exacta dimensão da falha do “dever de cuidado” que cada um terá praticado ou da participação nas medidas de gestão que foram “gravemente culposas”. Por certo, a decisão do tribunal fará luz sobre esta matéria, até porque é pedida uma indemnização global superior a setenta milhões de euros. Supõe-se que, por consequência, fará jurisprudência para outros casos em Portugal.

 

Já existe, em Espanha, uma decisão judicial relativa a Joan Laporta, antigo presidente do Barcelona, que foi condenado a pagar 63 milhões de euros ao clube catalão, em consequência de perdas acumuladas durante o exercício da época de 2002-03 no valor de cerca de 164 milhões de euros. De nada valeu o recurso do ex-presidente para o Supremo Tribunal (2013).

 

Independentemente de se considerar que a complexidade do processo implicará uma morosidade para além deste mandato presidencial ou até a impossibilidade de responsabilização individual efectiva, é evidente que no Sporting se entrou numa nova fase de inculpação judicial pelos que integraram administrações do Clube e da SAD. É, também, provável que no futuro a actual administração seja incriminada e sobre isso há quem garanta que não faltará assunto relativo a gestão danosa.

 

Apesar de se viver a fase de todas as decisões no campeonato da Liga, existe no Sporting um ambiente de campanha eleitoral para as próximas eleições presidenciais e fala-se com frequência da sua antecipação. Sendo assim, as decisões mais importantes do Conselho Directivo ou da administração da SAD devem ser analisadas sob esse prisma. Por exemplo, utilizando um jargão futebolístico, perceber quem é que põe ‘toda a carne no assador’ e com que finalidade estratégica. Também seria interessante conhecer a opinião de alguém que em tempos chegou a parecer o eterno vice-presidente do Conselho Fiscal do Sporting: José Maria Ricciardi.

 

publicado às 12:46

Sporting SAD: uma semana complicada

Leão Zargo, em 12.01.16

 

19172214_ef4O8.jpg

 

A reestruturação financeira estabelecida em 2013 consistiu numa “engenharia” que implicou medidas draconianas decorrentes do acordo com a banca credora. Que se trata de uma “engenharia financeira” parece-me ser uma verdade inquestionável, o que não invalida que tenham sido tomadas decisões úteis e oportunas. Devo sublinhar que a origem dos males do Sporting não está nesta reestruturação, mas na má gestão do Clube levada a cabo durante muitos anos por diferentes corpos directivos.

 

O estado financeiro do Sporting não se alterou profundamente, continuando numa situação de falência técnica pelo valor elevado dos capitais próprios negativos e onde a insolvência permanece como um risco. Na dívida financeira não está incluído valor do financiamento dos VMOC, no entanto ele existe e é de 127,9M€. O Sporting continua a ter fluxos de caixa negativos supridos com empréstimos bancários e ainda não há meios para pagar os juros da dívida, recorrendo-se a mais dívida. Entretanto, acrescentou-se a outros, o risco do capital da Sporting Clube de Portugal, Futebol SAD passar a ser detido em maioria pelos credores.

 

A situação é conhecida pelos sportinguistas: a Sporting SAD tinha-se comprometido com o BES e o BCP a proceder até 17 de Janeiro de 2016 ao pagamento dos Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC) contratualizados por José Eduardo Bettencourt, em 2010, quando negociou a dívida que o Clube tinha com os referidos bancos. Agora, seriam necessários no mínimo 27M€, mas a SAD não tem capacidade financeira para cumprir o estabelecido, tendo requerido a extensão dos VMOC até 2026 a troco do pagamento de juros no valor 4% sempre que sejam distribuídos dividendos.

 

AG SAD.jpg

Consta que a Assembleia Geral da SAD, em 8 de Janeiro, chegou a ser muito tensa e em determinado momento as posições pareceram extremadas. Finalmente, chegou-se a um acordo que foi aprovado por unanimidade: os titulares de VMOC têm cinco dias úteis para decidir se aceitam uma extensão do pagamento até dez anos ou se pretendem convertê-los em acções da SAD. Optando pela primeira hipótese ficam com o direito de exercer a opção de conversão antecipada em qualquer data de pagamento de juros a partir de 26 de Dezembro de 2016.

 

A perda da maioria da SAD constitui para muitos sportinguistas uma alteração dramática da natureza do Sporting Clube de Portugal como sempre o conheceram e imaginaram. Para além da identidade leonina, põe também em causa a capacidade dos sócios intervirem na política decisória do Clube. Aliás, Bruno de Carvalho, nas eleições de 2013, assumiu o compromisso de manter a maioria do Clube na SAD, fez constar esse propósito no seu programa eleitoral e reivindicou para si a condição de ser o único candidato à presidência com essa posição inequívoca.

 

Decorre durante esta semana até 15 de Janeiro o período de ponderação dos detentores de VMOC. Acredito que a SAD e a banca credora alcançarão um acordo conveniente para as duas partes, sabendo-se que se isso não se verificar o Sporting-Clube perderá o controlo maioritário da SAD e o NB e o BCP passarão a ter a maior percentagem do capital. Neste caso, os bancos poderão assumir a gestão da Sporting Clube de Portugal, Futebol SAD.

 

19172236_39vZB.jpg

A situação que se vive é complexa, revelando que a Sporting SAD não acautelou as suas obrigações financeiras e que continua prisioneira das exigências dos bancos. O acordo de 2010 prevê a possibilidade de emissão de novos VMOC que absorvam os actuais, mas agora não parece haver condições para isso. De tudo isto resta a lastimável constatação que situação financeira do Sporting permanece periclitante, a banca continua com o Clube nas mãos e que este corre o sério risco de ver alterada a sua natureza mais profunda.

 

publicado às 12:18

Novo Banco "salva" Bruno

Rui Gomes, em 10.01.16

 

sporting-sad.jpg

 

Os accionistas da SAD do Sporting aprovaram, esta sexta-feira, o alargamento do prazo de pagamento de VMOC's (Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis) por mais 10 anos. A decisão não é ainda vinculativa, mas garante praticamente a manutenção do controlo do capital social da SAD nas mãos do próprio Sporting.

 

Em assembleia-geral de accionistas realizada ao final da tarde, em Alvalade, a proposta de Bruno de Carvalho, líder da sociedade, foi aprovada por unanimidade, com o aval de todos os detentores de VMOC's. Numa segunda reunião, esta já com os bancos à mesa, o projecto da administração da SAD voltou a passar, desta feita com os votos a favor do Novo Banco, ao contrário do que era perspectivado e, ainda, do Millennium BCP.

 

O Novo Banco, que hoje era dado como um dos opositores ao projecto de alargamento do prazo de pagamento da dívida, acabou por aceder às pretensões de Bruno de Carvalho.

 

Importa referir, ainda assim, que os bancos têm uma semana para optarem, ou não, pela reconversão das VMOC's em acções da SAD. Todavia, Bruno de Carvalho acredita que os accionistas vão cumprir o que foi decidido hoje:

 

«A Assembleia-Geral foi rápida, não foi um dia fácil. Está aprovado por unanimidade, por todos os bancos e pequenos 'vmoquistas'. Existe ainda a possibilidade de até ao final da próxima sexta poderem dizer que querem converter na mesma. Mas estamos satisfeitos porque a proposta passou por unanimidade. Acredito que os bancos vão cumprir o resto do acordo, de não fazer a conversão. Até sexta vão chegar as cartas a dizer que não querem fazer a conversão. Temos de cumprir todos com o que se acorda. Novo Banco? Não foi um dia fácil, mas a decisão foi aprovada e este processo só acabará na próxima sexta e os bancos têm de cumprir. Os bancos estavam aqui hoje, aprovaram por unanimidade a prorrogação e deram este primeiro passo. Não faria sentido que não dessem o segundo.»

 

A não-concretização do adiamento obrigaria, no imediato, a SAD sportinguista a pagar 27 milhões de euros para poder continuar a deter mais de 50% das acções da sociedade, conservando assim a maioria, ainda que longe de absoluta.

 

VMOC's. Do que estamos a falar?
 

Em 2010, aquando da reestruturação financeira levada a cabo pela a SAD do Sporting, foi renegociada a dívida que a sociedade tinha para com os bancos BES (transformado em Novo Banco) e BPI através da emissão das famosas VMOC's, no valor de 55 milhões de euros.

 

 

Agência Lusa

 

publicado às 03:57

 

17790596_DoAGB.jpg

 

Em comunicado enviado na segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sporting SAD revela ter registado 74 mil euros neste primeiro trimestre fiscal, contra os 24,62 milhões de euros registados entre julho e setembro de 2014.

 

Em relação aos proveitos operacionais, o Sporting refere que o aumento verificado na rubrica vendas e prestações de serviços, de 8,5 para 12,6 milhões de euros, "é sobretudo reflexo de no primeiro trimestre do exercício anterior não estar ainda integrada a Sporting -- Património e Marketing (SPM) nas contas da Sporting SAD, originando uma melhoria das receitas com bilheteira e bilhetes de época com um aumento de 1,086 milhões de euros e de equipamentos e merchandising, no valor de 1,64 milhões de euros, apresentando também uma melhoria das receitas obtidas com direitos televisivos de 233 mil de euros".

 

A eliminação prematura na Liga dos Campeões causou uma diminuição na rubrica 'outros rendimentos e ganhos', que passou de 9,12 para 7,56 milhões de euros.

 

A Sporting SAD justificou ainda o aumento nos gastos com pessoal, sublinhando que "de facto, tendo sido ultrapassadas as iniciais dificuldades decorrentes do processo de reestruturação e considerando o conselho de administração fundamental para a recuperação do posicionamento de liderança da Sporting SAD, e estando em curso no curto e médio prazos revisões ou renovações de contratos de significativa importância para a sociedade, entendeu-se ser o momento de se avançar para o referido investimento".

 

Já sobre as mais-valias, a Sporting SAD refere que no primeiro trimestre de 2015/16 não foram registadas mais-valias significativas, salientando as de Naby Sarr e de Shikabala, o que compara com transações de passes de jogadores no montante de 19,169 milhões de euros no exercício anterior, associadas à alienação dos direitos desportivos dos jogadores Marcos Rojo, Eric Dier e Fito Rinaudo.

 

publicado às 03:07

 

 

Dando seguimento ao recém-post sobre o fundo Sporting Portugal Fund e a sua percentagem de passes de jogadores do Sporting, referimos aqui a mesma disposição relativamente à HOLDIMO - Participações e Investimentos, SA - e a parceria estabelecida com a Sporting SAD, em que foram cedidas percentagens dos direitos económicos detidos pela SAD referentes a 23 jogadores. Mediante o que foi aprovado em Assembleia Geral, com o aumento de capital da SAD, a realizar (já terá sido realizado) por subscrição particular pela sociedade Holdimo, no montante de 20 milhões de euros, esta passará (já terá passado) a deter 23,5 por cento do capital da SAD. Em contrapartida, o Sporting recupera (já terá recuperado) as percentagens dos jogadores do plantel, que estão (estavam) na posse da Holdimo.

 

No Relatório e Contas referente ao Exercício 2012/2013, apenas 23 jogadores são referidos, no entanto, o presidente do Sporting, em entrevista à Sic Notícias, salvo erro em Junho de 2013, apresentou uma lista de 28 jogadores. O acima citado Relatório e Contas não nomeia os jogadores, mas podemos adiantar aqui alguns nomes, e as respectivas percentagens então (ou ainda) na posse da Holdimo:

 

Bruma - 50%

Tiago Ilori - 20%

Marcelo Boeck - 15%

Jeffrén Suarez - 20%

João Mário - 15%

Cédric Soares - 25%

Diego Capel - 15%

André Martins - 25%

Adrien Silva - 20%

Ricardo Esgaio - 25%

Santiago Arias - 20%

Stijn Schaars - 15%

Elias -20%

Betinho - 45%

 

Isto, à parte das percentagens na posse de outros Fundos, como já previamente indicámos as do Sporting Portugal Fund.

 

O fundo Quality Football Ireland Limited, detém ou já deteve percentagens dos seguintes jogadores:

 

Carlos Chaby (Filipe) - 50% - Preço pago pelo Fundo 1 milhão de euros

Cristian Ponde - 25% - 100 mil euros

Diego Rubio - 40% - 1.400

Elias Trindade - 50% - 3.850

Fabian Rinaudo - 50% - 1.100

João Mário - 25% - 400

Stijn Schaars - 37,5% - 319

Tobias Figueiredo - 50% - 1.000

 

O fundo Doyen Sports Investments, detém ou já deteve percentagens dos seguintes jogadores:

 

Marcos Rojo - 75% - 2 milhões de euros

Zakaria Labyad - 35% - 1.500 milhões de euros

 

* O valor cedido ao Fundo sobre Marcos Rojo foi na realidade de 3 milhões de euros, sendo que a prestação remanescente venceu em Outubro de 2013 e, segunda consta, não foi exercida pelo Sporting por falta de liquidez para o efeito.

 

Entre tanta informação, ainda aparece a Leiston Holdings - assente em "Associação de Participação" - com 50% do passe de André Carrillo, pelo qual pagou 352 mil euros, e 48% de Valentin Viola, por 2.280 milhões de euros. Estranho este tão baixo valor por Carrillo, mas é o que se verifica no Relatório e Contas.

 

Em conclusão, e tendo em conta alguma leitura e/ou interpretação errada da minha parte, parece ser óbvio que de uma forma ou outra, com um ou mais Fundos, a maior percentagem dos direitos económicos da vasta maioria de jogadores do Sporting - equipa principal e B - estão nas mãos de Fundos, por actos de gestão da anterior administração da Sporting SAD. Neste contexto, a actual liderança está completamente isenta de responsabilidade. A única disposição que pode ser apontada a Bruno de Carvalho e à actual SAD, é a promessa incumprida do investimento de 18/20 milhões de euros, que teria então possibilitado a recuperação destes passes, na totalidade, caso tivesse surgido logo no início do mandato, ou da época, antes dos jogadores se valorizarem. A exemplo simples e claro, quanto teria então custado negociar a percentagem de William Carvalho (que foi alienado (40%) a troco de 400 mil euros), comparado com o seu actual valor depois da excelente época por si realizada e a respectiva valorização no mercado.

 

publicado às 18:05

 

 

A Sporting SAD emitiu um comunicado no sentido de anunciar que vai proceder litigiosamente contra todos os responsáveis das arbitragens do ano passado que impediram ao Sporting a participação nas provas europeias e, ainda, as que esta época são responsáveis pela retirada de, pelo menos, 7 pontos no campeonato.

 

Não tenho disponibilidade neste momento para comentar este assunto com a atenção e profundidade que merece, mas deixo aqui a ligação de modo a permitir a leitura do comunicado da Sporting SAD.

 

publicado às 16:00

Comunicado da Sporting, SAD

Rui Gomes, em 11.07.13

 

A Sporting SAD emitiu um comunicado confirmando que recebeu uma notificação judicial avulsa, na qual Bruma alega que se encontra livre de qualquer compromisso com o Clube a partir do dia 30 de Junho de 2013.

 

Nesse comunicado - que pode ser lido aqui - a Sporting SAD explica a sua versão do estado contratual de Bruma e as circunstâncias em torno do processo negocial que tem estado em curso.

 

publicado às 23:21

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Cristiano Ronaldo