Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

21764863_10154728616601555_2759917003691297143_n.j

 

O Sporting gastou 28,3 milhões de euros em aquisições de jogadores para esta época, um valor a que se acrescentam ainda 5,15 milhões em comissões pagas pelos negócios de 14 jogadores: Salin, Mathieu, André Pinto, Piccini, Battaglia, Bruno Fernandes, Matheus Oliveira, Acuña, Demiral, Euclides Cabral, Echedey Verde, Filipe Ribeiro, Leonardo Ruiz e Pedro Mendes.

 

O jogador mais caro foi Marcos Acuña, com um custo de 9,67 milhões de euros por 100% do passe, tendo o Sporting pago 800 mil euros de comissão a Marcelo Simonian, representante do jogador. Logo a seguir, na lista dos mais caros, está Bruno Fernandes, com um custo total de 9,35 milhões de euros, com 8,5 a serem referentes à compra de 100% do passe. No caso do médio português a comissão paga foi de 850 mil euros, à Position Number. Por André Pinto, central que chegou livre, o Sporting também pagou 800 mil euros de comissão, neste caso à PP Sports. Mathieu, também central e quem também chegou sem contrato, deu origem ao pagamento da comissão mais alta, de dois milhões de euros, paga à Team Spirit Football Consulting.

 

No que toca a empréstimos, o Sporting contabiliza cinco situações. Fábio Coentrão, Doumbia, Ristovski, Paulo Lucas Paula, Kenedy Có e Sphephelo Sithole. Pelos três jogadores da equipa principal os leões pagaram 2,6 milhões de euros, 1 milhão por Coentrão, 1,1 milhão por Ristovski e 500 mil euros por Doumbia. Nestes dois últimos casos, o Sporting tem opção de compra, estabelecida em 1,15 milhões de euros no caso do lateral, e 3 milhões, por 70% do passe, para o avançado.

 

No que toca a saídas, a que rendeu mais aos cofres de Alvalade foi a de Adrien Silva. O Sporting contabiliza 24,5 milhões de euros, que já inclui a "renúncia de direitos que se encontravam registados como passivos e passivos contingentes no valor de cerca de 4,5 milhões de euros." Os leões, que pagaram 1 milhão de euros de comissão à Soccer Club Properties, podem ainda receber 5 milhões, em bónus, e ficam com 15% de uma futura mais valia.

 

Rúben Semedo foi quem rendeu mais, depois do capitão, com a venda a ser registada por 14 milhões de euros. Os leões informam que pagaram 1,4 milhões de euros de comissão à Buttonpath, a mesma empresa que recebeu mais 530 mil euros pelas transferências de Paulo Oliveira para o Eibar e Marvin para o Watford que, em conjunto, renderam 6,5 milhões de euros.

 

O Sporting enumera a saída de 21 jogadores, alguns em fim de empréstimo, como foi o caso de Joel Campbell, com uma receita total de 51,8 milhões de euros. Nas vendas os leões pagaram 6,3 milhões em comissões.

 

Nota: Segundo o que foi noticiado além do jornal Sporting, as opções sobre Ristovski e Doumbia tornaram-se obrigatórias pelas respectivas primeiras convocatórias de Jorge Jesus.

 

É evidente que não vamos disputar o que o próprio Sporting reporta, mas até agora era a ideia que Bruno Fernandes tinha sido a transferência mais cara, num total de 9,69 milhões de euros, ligeiramente acima de Acuña, assentes em 8,5 milhões valor de aquisição e 1,19 outros encargos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:14

 

img_infografias$2016_09_02_09_25_43_1151542.jpg

Depois da recém-transferência de Pogba para o Manchester United, Cristiano Ronaldo caiu para terceiro no histórico dos milhões do mercado. Curioso que entre jogadores já retirados, Zidane é o único que aparece no "top ten". Clara indicação da inflação do mercado nos últimos anos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45

O que hoje é verdade amanhã é mentira

Naçao Valente, em 15.08.16

 

ng7460566.jpg

A chamada Silly Season é fértil em "compra e venda" de jogadores. Na comunicação social, todos os dias se anunciam as mais desvairadas transferências. Algumas concretizam-se, a maioria não. Sem fazer uma análise muito rigorosa, mais de noventa por cento não passa de especulação. O facto é que essas notícias, alimentam jornais e programas de desporto televisivo durante horas e horas. É o "lumpen" marginal que vive da indústria do futebol.

 

A anunciada venda de João Mário é mais um capítulo da novela das transferências garantidas por uns, e desmentida por outros. Já foi, vendido e revendido muitas vezes. Consta nesses “mentideros” que está negociado com o Inter de Milão. A ser verdade a sua venda, ou ao que agora se diz o seu empréstimo, será o primeiro grande negócio de um clube que tem dito que não está vendedor. Nada a que não estejamos habituados no mundo do futebol. Parafraseando Pimenta Machado “o que hoje é verdade amanhã é mentira”.


Mas a saída de João Mário do Sporting, que tem estado na ordem do dia, e que já originou aceso debate aqui no Camarote, leva-me a fazer, para além da especulação inerente, algumas considerações, sobre as razões da sua eventual mudança, assim como do mérito da mais valia que daí resultará para o clube. Num país como Portugal e num clube como o Sporting, a formação e a rentabilização de activos é uma forma normal de conseguir receitas. Ponto. A oferta de valores acima de trinta milhões, é um valor muito alto para a realidade dos nossos clubes para poder ser recusada, mau grado as cláusulas  de rescisão estratosféricas. Portanto, a conversa do Sporting não ser vendedor é música para adormecer papalvos. Além disso, não se pode deixar de considerar a vontade do jogador, assim como a evolução da sua carreira.


Outra questão que divide os adeptos é a discussão sobre a quem se devem entregar os louros do provável negócio. Esses louros, como tenho visto escrito pelos indefectíveis da infalível Presidência BdC, não se devem, especificamente, a esta como a qualquer outra Direcção. Devem-se a todas, desde a que captou o jogador, até à actual que fez a previsível venda, passando por aquelas que fizeram a sua formação. E aqui se incluem “olheiros”,dirigentes técnicos. Muita gente, incluindo, croquetes ou pastéis de bacalhau. Foi graças a este longo processo, que o atleta, desenvolvendo capacidades intrínsecas, se tornou naquilo que hoje é. Em suma não é "produto espontâneo" de quem chegou agora ao clube. Para bom entendedor.


Do mesmo modo, o seu valor não se deve aos bonitos olhos deste ou daquele dirigente. O seu preço é-lhe atribuído pelo mercado, em função das suas prestações. E se vale cinquenta milhões é porque há quem ache que faz bom investimento ao comprá-lo por esse dinheiro. Não há nenhum dirigente por mais iluminado que seja a quem se possa dar a exclusividade deste possível bom negócio. É um negócio do Sporting Clube de Portugal e quem o fizer em sua representação, não faz mais que a sua obrigação. É para isso que são pagos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:17

 

 img_infografias$2016_07_27_09_53_53_1135357.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:58

Excesso de... melodrama

Rui Gomes, em 26.01.16

 

train.gif

 

As janelas anuais do mercado de transferências são períodos de grande entretenimento para os adeptos. Pelo menos, é assim que eu as considero, pela expectativa da chegada de novos talentos para a nossa equipa, pela curiosidade de ver o que os nossos adversários fazem nesse mesmo sentido e, mais à distância, pela fascinação das transacções levadas a cabo pelos galácticos, para quem os milhões não são impedimento.

 

Compreende-se, no entanto, que este sentimento não seja partilhado por dirigentes, treinadores e até jogadores, pela complexidade do futebol-indústria dos nossos tempos e pela incerteza do que um talento tem para oferecer, face ao investimento, no futuro.

 

Para aqueles que escrevem para consumo público, como é o nosso caso aqui no Camarote Leonino, é um período que nos proporciona um leque de temáticas mais alargado, e para quem publica 8/9 ou 10 posts por dia, sete dias por semana, nem sempre é missão fácil abordar assuntos de interesse para os leitores.

 

No que à comunicação social diz respeito, o aproveitamento é inevitável, com um misto de ficção e sensacionalismo a deturpar os factos. A divulgação de informação permite-nos debater os prós e contras de um qualquer acto de gestão desportiva do nosso clube, não perdendo de vista, no entanto, que pouco ou nada é oficial até ser confirmado pelas respectivas entidades. Mesmo assim, não deixa de fazer parte do entretenimento que o futebol nos oferece e dá causa para questionar a reacção excessivamente melodramática de alguns adeptos, indignados por informações que tendem, ocasionalmente, levantar o espectro de incompetência dos seus dirigentes e, por outro lado, mistificar a mestria dos adversários.

 

No caso concreto do Sporting, é perfeitamente compreensível que a SAD não pode vir diariamente desmentir as inúmeras manchetes noticiosas e respectivos rumores que surgem na praça pública. Há ocasiões, no entanto, que, na minha opinião, o deve fazer, a exemplo  do recém-caso de Marega e José Sá. Apesar das alegadas declarações do empresário do primeiro, relativamente à não existência de propostas por parte do Sporting, acredito que tenha havido interesse e um ou mais contactos para determinar as condições contratuais dos jogadores e que, em data posterior, houve uma tomada de decisão de não tentar efectuar o negócio, pelos valores e porventura outras questões pertinentes. Cenário perfeitamente normal no futebol sem dar causa para drama. Pelo excesso deste, seria suficiente uma breve palavra da Sporting SAD para o assunto ficar clarificado, de uma vez por todas. De uma forma ou outra, não seria a primeira vez que um qualquer clube levou a melhor mão negocial e não será a última.

 

Para excesso de melodrama... já chega o jogo, em si.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:35

Mercado fecha a 1 de Setembro

Rui Gomes, em 26.08.14
 

 

A Liga emitiu um comunicado para informar que o último dia de inscrição de jogadores neste período de transferências será segunda-feira, dia 1 de Setembro, e não a 31 de Agosto, como é habitual. Isto, porque o dia 31 coincide com um domingo, o que, no seu entender, poderia prejudicar os clubes. Ainda, que o prazo efectivo para a entrega da documentação exigida termina às 18h00 do dia 3 de Setembro, sem possibilidade de prorrogação.

 

Dado o estado das coisas até acho que é uma decisão lógica, no entanto, há muito que penso que o mercado de transferências é excessivamente longo e que deveria fechar antes do início dos principais campeonatos europeus, porventura entre 7 a 15 de Agosto.

 

É por de mais ingrato para os clubes, equipas, treinadores e até para os jogadores, um tão longo período de incerteza e ainda considerando que quatro meses mais tarde o mercado abre novamente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:18

Os valores das transferências

Rui Gomes, em 13.07.13

 

Os valores das transferências de Stijn Schaars e Santiago Arias não foram revelados pelos dois clubes, por conseguinte, o cenário que aqui se apresenta é baseado numa computação de cálculo.

 

Partindo do principio de que o que foi noticiado na Holanda é correcto, os jogadores foram vendidos em pacote por 1,600 milhões de euros. Para os efeitos deste meu cálculo, atribuo 600 mil a Schaars e um milhão a Arias.

 

a) Schaars: Baseado no comunicado que o Sporting enviou à CMVM em Outubro de 2011, o jogador custou 1,350 milhões por 100 por cento do seu passe. Pelo RC do Sporting em 31 de Dezembro de 2012, o clube detinha 37,5 por cento do seu passe que, dos acima referidos 600 mil euros corresponde a 225 mil euros.  É sabido que 37,5 por cento foi alienado ao fundo "Quality Football Ireland Limited", mas a verba não foi revelada. Os restantes 25 por cento seriam da pertença do "Sporting Portugal Fund" ou da "Holdimo" que, entretanto, após a reestruturação financeira, poderão ou não terem sido recuperados pelo Sporting.

 

Um aspecto do contrato penso que identifico correctamente: a sua compra ao AZ Alkmaar foi por 850 mil euros e 500 mil euros correspondem ao prémio de assinatura faseado em pagamentos ao longo dos seus três anos de contrato. As dificuldades que foram referidas nas negociações entre o jogador e o Sporting, referem-se ao balanço do prémio de assinatura que era para ser pago ao longo da época de 2013/14, do qual o jogador não esteve/estava disposto a abdicar.

 

b) Arias: Baseado no acima referido comunicado à CMVM, o jogador custou 920 mil euros (clube não é revelado) por 50 por cento do seu passe. Pelo mesmo RC, o Sporting detinha 46 por cento do seu passe que, dos acima referidos um milhão de euros corresponde a 460 mil euros. É sabido que 4 por cento foi vendido ao "Sporting Portugal Fund" por 100 mil euros que, após a reestruturação financeira, poderão ou não terem sido recuperados.

 

E, salvo o Sporting esclarecer a contenda - algo pouco ou nada expectável - estas são as contas possíveis. De qualquer modo, mesmo existindo algumas diferenças, é por demais evidente, como já aqui indiquei, que este negócio com o PSV teve como objectivo único reduzir o número de activos no plantel e baixar a folha salarial, por muito difícil que seja compreender a transferência de Arias, pela sua juventude, potencial, um salário que não deveria ser elevado e, após a cedência de Miguel Lopes ao Lyon, Cédric Soares ficar como o único lateral direito na equipa principal.

 

Nota: Para eliminar rumores sem fundamento, informa-se que o salário de Santiago Arias era 300 mil euros brutos ao ano, ou seja 25 mil mensal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:26

As regras da CMVM

Rui Gomes, em 24.06.13

 

Veio a debate os regulamentos da Comissão de Valores Mobiliários em relação à obrigatoriedade das SAD informar os mercados quanto a propostas e negociações sobre jogadores.  

 

Tenho conhecimento de que em Junho de 2011 o Sporting, FC Porto e Benfica reuniram-se com responsáveis da CMVM a fim de debater a possível alteração das regras do dever de informação a que os clubes estão sujeitos. Sem haver um qualquer acordo formal, ficou então em aberto a possibilidade das regras serem alteradas de modo a permitirem que os clubes só tenham de anunciar transferências quando os jogadores já tiverem contrato assinado. Desconheço se essas alterações foram aprovadas e implementadas e não encontrei escrita alguma nesse sentido, admitindo, no entanto, a possibilidade que tenham sido.

 

É do conhecimento público que a CMVM tem reagido e, por vezes, multado clubes, assente em meros rumores a circular na praça pública. Era a minha impressão que clubes estavam sob a obrigatoriedade de comunicar propostas formais por jogadores, sejam estas aceites ou não. Existem algumas dúvidas sobre este aspecto dos relevantes regulamentos.

 

Curiosamente, pela altura da acima referida reunião entre os três grandes e a CMVM, o Benfica foi multado 25 mil euros por falta de informação no despedimento de Fernando Santos e contratação de Camacho e 40 mil euros pelo mesmo motivo relativamente à transferência de Ramires. O Sporting foi multado 60 mil euros por Soares Franco, enquanto presidente, se ter referido a um aumento de capital em entrevistas a jornais e 25 mil euros em relação ao processo de contratação de Domingos Paciência.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:06

 

Um recém-estudo mandatado pela Comissão Europeia recomendou que que o sistema de transferências seja reestruturado de modo a corrigir o que considera múltiplos excessos e abusos. As recomendações incluem baixar os acentuados altos níveis das transacções - considerados excessivamente inflacionados - e a imposição de uma taxa suplementar naquelas que excederem um determinado patamar, a fim de garantir que o futebol continue competitivo e visando deter o actual astronómico custo em adquirir jogadores.

As conclusões apuradas apontam para a avaliação de jogadores considerados "super estrelas", como um dos principais factores que estão a conduzir o futebol europeu para um enquadramento fechado e elitista, com evidente acréscimo de disparidade competitiva, tanto nas competições domésticas como nas internacionais, com menos de 2 por cento das verbas que transitam a beneficiarem os clubes de menor dimensão e o futebol amador. Tão ou mais oneroso nesta equação, a apreensão que subsiste no mercado relativamente a actividades ilegítimas nos processos.

As partes mais interessadas neste modelo de consulta incluem a FIFA, UEFA e a Associação de Futebol Europeu. Embora não se verifique grande determinação por parte destas entidades em quererem alterar o sistema vigente, foram identificados vários níveis de reconhecimento no sentido de irem ao encontro da reestruturação, com cautelas pontuais, pelo receio de que certas alterações possam vir a agravar os problemas existentes.

A empresa que efectuou o estudo - sita em Bruxelas - declarou: "Dezassete anos após a implementação da "lei Bosman" e 11 após o acordo informal entre a FIFA, UEFA e a Comissão Europeia sobre a transferência de jogadores, verifica-se que as regras desportivas têm vindo a contribuir para um maior movimento de jogadores profissionais sem, contudo, gerirem e controlarem devidamente os custos das transferências. Recomendamos que medidas sejam tomadas para estimular transferências baseadas em uma premissa mais equitativa e que promova paridade competitiva. Enquanto que a redistribuição de verbas que advêm de transferências pelos clubes formadores constituem uma das mais importantes justificações para o actual sistema, o impacto no todo do mercado continua limitado. Em facto, compensação pela formação e os mecanismos de solidariedade representam somente 1.84 por cento da soma das verbas de transferências na Europa."

O estudo recomenda inúmeras alterações ao actual sistema - extensas de mais para este limitado espaço - e sublinha a falta de transparência nas transacções que contribui para o agravamento competitivo. Considera, igualmente, que as regras de "fair-play" financeiro impostas pela UEFA constituem um factor determinante no desenvolvimento de um estado mais equilibrado e que obrigarão, com o passar do tempo, uma redução muito significativa nos abusos verificados no mercado actual.

É reconhecido o direito fundamental das entidades que superintendem o futebol europeu e mundial de especificarem as regras que governam transferências e muito embora não haja a necessidade de desmantelar o sistema por completo, vários níveis de reestruturação tornam-se imperativos se a indústria futebol pretende reduzir o "campo inclinado" em que o jogo é agora assente e um maior reconhecimento de todos os clubes - não apenas aqueles considerados ricos - e dos jogadores jovens.

Veremos o que o futuro providenciará neste sentido, mas torna-se evidente que as conclusões fulcrais do estudo impactam significativamente a existência e o funcionamento de clubes como o Sporting.

 

* Artigo publicado hoje no jornal "Sporting".

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:27

Fazer o mesmo, por outras palavras

Rui Gomes, em 22.05.13

Qual é a diferença entre comprar jogadores mais "caros" para depois vender percentagens dos seus passes a fundos e comprar jogadores mais "baratos" cujos direitos económicos já são da pertença de fundos e continuarão a ser ?

 

Será mais do mesmo por outras palavras ?... Esta aparente nova "política" intriga-me, pelo muito que se tem falado sobre um plano de investimento que permita o Sportins crescer.

 

Teremos de esperar por comunicado oficial, evidentemente, mas confirmando-se, a transferência de Jefferson para o Sporting será por cerca de 400 mil euros, verba que corresponde apenas a uma insignificante percentagem do passe que é da pertença da Traffic.

 

Caso semelhante por outras palavras: um milhão por 50 por cento de Josué do Paços de Ferreira. A outra metade pertence ao FC Porto.

 

A referência a estes dois jogadores serve somente para tema de conversa, já que não existe confirmação oficial de qualquer transferência.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:19

O Sporting e o mercado de inverno

Rui Gomes, em 03.01.13

Ainda é muito cedo para grandes novidades, mas depois da transferência de Daniel Carriço para o Reading, espera-se mais algum envolvimento em breve, que além da possível ida de Izmailov para o FC Porto, também poderá ver Elias e Boulahrouz mudarem de emblema. Nada de concreto existe sobre o defesa central holandês, mas já consta que Nuno Reis poderá regressar do Cercle de Brugge, caso algo se confirme. Elias, como já comentámos no Camarote Leonino, encontra-se no Brasil à procura de clube e a outra possibilidade, Xandão, aparenta estar seguro em Alvalade, pelo menos até ao fim da época. O Sporting ainda não exerceu a sua opção de compra, por 3,1 milhões de euros, mas a pedido do jogador, pressão não será exercida, salvo se aparecer uma oferta do exterior e, mesmo nessa eventualidade, o Sporting terá sempre a primeira palavra no negócio.

Nesta indústria, nesta altura do ano, o que é verdade de manhã poderá não ser à tarde, por conseguinte, teremos que manter a nossa atenção nos movimentos do mercado. Na opinião deste observador, não é de prever outras saídas do Clube, pela juventude da maioria dos atletas e por muitos deles representarem grande promessa. Não obstante os impedimentos físicos, Jefffen está a começar a dar sinais significativos de recuperação de forma - o jogo com o Rio Ave já foi de bom nível - e muito indica que a SAD leonina e o treinador Vercauteren acreditam nele.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:55

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Cristiano Ronaldo