Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Treinadores querem sempre tudo

Rui Gomes, em 16.12.16

 

untitled.png

 

Pep Guardiola entende que a FIFA deveria permitir "quatro, cinco ou seis" substituições para combater o esgotamento físico dos jogadores. A entidade do futebol mundial pretende expandir o Mundial para um total de 48 equipas e o treinador do Manchester City acha que semelhante alargamento "matará os jogadores". "Os jogadores passam a vida em concentrações e isso afecta a qualidade. Eles precisam de respirar, ter um intervalo, desfrutar a vida".

 

Se os jogos de futebol passassem a ter mais substituições, haveria, segundo Guardiola, "menos lesões e mais jogos abertos". "E os treinadores poderiam usar tácticas diferentes, tudo seria melhor", resumiu o técnico espanhol.

 

Na realidade, isto não é um novo tema, até porque a FIFA fez a experiência nos Jogos Olímpicos do Rio e agora no Mundial de Clubes em curso, permitindo uma quarta substituição em jogos que vão a prolongamento.

 

Já competi numa Liga onde cinco substituições eram permitidas. Pelas circunstâncias dessa Liga - era "não-amadora", ou seja, integrava jogadores *não-amadores e amadores -  até fazia algum sentido, mas mesmo assim verificava-se muito do que eu antecipo que aconteceria em Portugal. Contrário ao que Guardiola argumenta, não melhoraria a qualidade de futebol e as tácticas dos técnicos teriam como foco quase exclusivo "queimar" o relógio. Se mesmo com três substituições já se verifica isso, dá para imaginar se 4/5/6 fossem permitidas.

 

Não discordo da ideia da FIFA, ou seja, permitir uma quarta substituição em competições em que prolongamento é uma possibilidade. Devido ao cansaço e maior vulnerabilidade a lesões, faz sentido.

 

A FIFA, ou melhor, o "International Board" é extremamente conservador e alterações ao jogo neste contexto vão ser muito moderadas e com implementação de longo prazo.

 

*Pela própria definição da FIFA, um jogador "não-amador" está ligado ao clube em regime de part-time e muito embora seja remunerado, pode exercer outra profissão em simultâneo. Creio ser este o caso da terceira divisão em Portugal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:39

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


18 comentários

Imagem de perfil

De Mike Portugal a 16.12.2016 às 08:54

Eu sou a favor de se poder fazer 2 substituições extra no perí0do de prolongamento e não apenas 1. Mas poder fazer 6 substituições num jogo de 90m só aceitaria a partir do momento em que o cronometro parasse cada vez que o jogo também parasse.
Imagem de perfil

De Mike Portugal a 16.12.2016 às 09:27

Ah, outra coisa que me esqueci. Para mim a substituição de GR por GR (e apenas esta e teria que ser direta) deveria ser SEMPRE possivel em qualquer circunstância.
Sem imagem de perfil

De Schmeichel a 16.12.2016 às 09:56

O problema do excesso do nº de jogos só pode ser contrariado com maior rotatividade no plantel e não no nº de substituições.... não é por um jogador sair aos 70 minutos que terá grande descanso.... no caso europeu, a maioria dos planteis tem cerca de 25 jogadores, o que em teoria dá 2 jogadores por posição, o que permite a tal rotatividade!
Imagem de perfil

De Rampante a 16.12.2016 às 10:08

Bom dia,

Rui, nesse campeonato não-amador quando havia 5 substituições as mesmas eram repartidas? ou seja, eu tenho ideia de haver campeonatos onde se permitiam 2 substituições na 1ª parte e 3 na segunda, mas como era muito novo, posso estar equivocado.

Eu até aprecio o sistema actual, com exceção, de que deveria de haver a possibilidade de fazer 2 substituições em caso de prolongamento.

Também considero que, havendo um 4º arbitro, o modelo prático em que se procedem às substituições deveria estar mais dinâmico, não encontrando lógica em que em certos jogos as substituições "queimem" mais de 1 minuto de jogo.
Para dar o tal "dinamismo" e evitar perdas de tempo, seria interessante, nem que fosse nas camadas jovens, testar um modelo em que as substituições fossem realizadas durante o jogo corrido, em jogos em que exista 4º árbitro.

FR
RR
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 16.12.2016 às 10:29

Naquela Liga não eram repartidas, timing totalmente à escolha dos treinadores.
Imagem de perfil

De Rampante a 16.12.2016 às 10:32

Ok, obrigado,

tinha ideia de haver um campeonato desse género onde eram repartidas, para evitar as tais substituições a queimar tempo na 2ª parte.
Sem imagem de perfil

De Pedro Miguel a 16.12.2016 às 16:04

Boa tarde.

Nos campeonatos de camadas jovens (futebol 11) é assim. 2 substituições na 1ª parte e 3 na 2ª.

Sendo que, este ano, há a inovação de os treinadores, na 2ª parte, terem apenas 2 momentos para fazer as substituições. Ou seja, podem fazer 3, mas 2 delas têm de ser ao mesmo tempo, assim sendo, o jogo só é interrompido 2 vezes.
Sem imagem de perfil

De Vasco Granja a 16.12.2016 às 10:44

Uma substituição não queima tempo. Quem queima tempo é o árbrito, que devia compensar o tempo da substituição. É só parar o relógio durante a substituição, não me lixem.

Se o problema é esse digam que só se pode fazer substituições nos últimos X minutos (e descontos) no caso de lesões.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 16.12.2016 às 10:51

Como é que se determina que uma lesão é genuína ?
Sem imagem de perfil

De Guilherme Rosado a 16.12.2016 às 14:08

Penso que se devia pôr os olhos no futsal, onde cada equipa inscreve 14 jogadores por jogo, normalmente 3 guarda redes e 11 jogadores de campo, as substituições são ilimitadas e podem acontecer em qualquer altura. Os jogos de futsal têm um ritmo incrível, com incerteza no resultado até ao último segundo.
E porque não aproveitar aquilo que o futsal tem de bom? Que benefícios traria para o espetáculo futebol? Podia ser mais ou menos assim: uma equipa inscrevia 20 ou 25 jogadores por jogo, as substituições decorriam sem pausas no jogo, os jogadores substituídos podiam retornar ao jogo. Qual seria o peso dos treinadores no jogo? Muitíssimo na minha opinião.
É claro que isto não passa de uma ideia maluca, mas pelo menos substituições (e em maior número) com o jogo a decorrer podiam acontecer, diminuindo -se o anti-jogo. Afinal para que serve o quarto árbitro?
SL
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 16.12.2016 às 14:18

Há uma enormíssima diferença: no futsal, o relógio para, no futebol não para.
Sem imagem de perfil

De RDS a 16.12.2016 às 15:05

Caro Rui Gomes,
Se não me engano nas substituições o relógio não para, acontecem em jogo corrido, apenas nas marcações de faltas, cantos e foras.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 16.12.2016 às 15:10

Nas substituições é verdade, mas o relógio é parado para tudo o resto. O grande problema do futebol é o tempo desperdiçado por vários meios e NUNCA verdadeiramente compensado pelos árbitros. Isto incentiva ainda mais o anti-jogo, com simulações de lesões e muito mais. Aumento de substituições só agravaria esta disposição.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.12.2016 às 15:34

Concordo consigo, daí defender os sistemas do futsal e do hoquei (já sei que errei no basquete.
Quanto ao excesso de paragens no jogo pouco há a fazer, passa muito por uma questão de cultura dos jogadores e técnicos. Desconfio que parar o relógio não resultaria porque teriamos jogos de 3, 4 ou 5 horas. Talvez, con a entrada do cartão azul e suspensões de 2 ou 5 minutos a coisa começasse a encarrilhar.
Sem imagem de perfil

De RDS a 16.12.2016 às 15:35

A resposta acima é minha.
Sem imagem de perfil

De RDS a 16.12.2016 às 15:03

Seria interessante ver como decorreria um jogo de futebol 11 com o mesmo sistema de substituições do hoquei, futsal ou basquet, sem paragens, troca direta com o jogo a decorrer. Penso que poderia resultar e trazer mais dinâmica ao jogo com os treinadores a poderem alterar sistemas táticos mais defensivos ou atacantes. Poderia também ajudar a evitar táticas demasiado defensivas, visto que estas podeiam ser mais facilmente contrariadas durante o jogo.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 16.12.2016 às 15:12

No basquetebol o jogo é parado, mas também o relógio.
Sem imagem de perfil

De RDS a 16.12.2016 às 15:29

Tem razão, obrigado pela correção.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Cristiano Ronaldo