Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

maxresdefault.jpg

 

Gostaria de ter a disponibilidade e a disposição para escrever um artigo com a atenção e a profundidade argumentativa que este sensível assunto merece, mas não vou deixar de tecer algumas considerações que me parecem mais pertinentes.

 

Decerto que ainda ninguém esqueceu o último confronto entre os eternos rivais de Lisboa, a 5 de Março, em que o clube da Luz venceu o Sporting, em Alvalade, por 1-0. Entre o muito que engloba este desafio, o maior ponto de convergência tem sido o lance em que Bryan Ruiz cometeu um falhanço quase inacreditável à boca da baliza encarnada.

 

Este lance, como bem sabemos, impediu o empate que evitaria que o Sporting perdesse a liderança do campeonato, para, tinha o destino, nunca mais a recuperar. A questão fulcral que tem vindo a precipitar debate aceso e a dominar paixões é se de facto o Sporting teria sido campeão com o empate, caso o jogador costa-riquenho não tivesse falhado.

 

Eis o que Bryan Ruiz teve para dizer sobre este dilema:

 

«Não podemos ficar a pensar nas chances que falhámos. Fico com o positivo, é certo que perdemos três pontos importantes ali, mas também os cedemos noutros jogos. O que nos faltou foi ganhar mais um jogo, não empatar. Dois pontos separaram-nos do título, mas não sinto que essa chance tenha sido a responsável pelo nosso falhanço na obtenção do título. Mas é claro que há tristeza, obviamente.

Há umas semanas já tínhamos garantido o segundo lugar. Já tenho uma participação na Liga dos Campeões e agora preparo-me para outra. É triste não termos sido campeões, mas no final é importante aquilo que alcançámos».

 

Creio que a maioria de sportinguistas sente grande apreço por este jogador, pelos seus dotes técnicos, pela sua visão de jogo, pelo seu profissionalismo. Reconhecemos-lhe alguma ineficácia de finalização e também não é o jogador mais veloz do Mundo, no entanto, a sua experiência, e diga-se, inteligência, permitem-lhe contribuir muito mais para o colectivo do que por vezes aparenta.

 

Na minha opinião, é um futebolista alguns graus acima da média, sem ser um fora de série. Na realidade, se fosse veloz e goleador nato, nunca estaria ao alcance do Sporting, reservado que seria para prestar serviços a um dos clubes galácticos do Planeta.

 

Com isto em mente e também em análise às eventuais consequências do polémico lance, não será exagero avançar que o Sporting não teria conseguido realizar o campeonato de registo sem a sua valorosa contribuição. Na época, participou em 46 jogos, 41 como titular, acumulando 3707 minutos de jogo (41,1 jogos) e marcando 13 golos. Na I Liga, regista 34 jogos, 32 dos quais como titular, acumulando 2788 minutos de jogo (30,9 jogos), com 8 golos marcados.

 

Voltando ao lance, não se refuta a importância do empate, caso tivesse sido o resultado final. O ónus de recuperação, e a inerente pressão, colocar-se-ia totalmente sobre o clube da Luz, com consequências imprevisíveis no que à conquista do título diz respeito. Mas também não devemos perder de vista que até este jogo de 5 de Março, já se registava 5 empates, três dos quais caseiros com equipas do "outro" campeonato, e uma derrota; em suma, 13 pontos perdidos. Hipoteticamente, teria sido suficiente evitar apenas um empate, para garantir o titulo.

 

Por fim, qual é a garantia que as coisas decorreriam como agora se sabe, até à 34.ª jornada, caso o empate tivesse sido assegurado ?... Não pretendo minimizar esse resultado e o falhanço de Bryan Ruiz, mas parece-me injusto atribuir a derrota final a um só golo não concretizado.

 

publicado às 09:19

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


29 comentários

Sem imagem de perfil

De Implacável a 19.05.2016 às 23:42

Ainda que tenha sido aos trambolhões, Teo Gutierrez marcou - a FPF assim o atribuiu - o golo que nos deu o único troféu esta temporada.
Teo constará eternamente na história da época 2015/2016, Bryan Ruiz apenas como um amargo de boca na família Sportinguista enquanto nos lembrarmos...

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Cristiano Ronaldo