Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Lado a lado! Sempre!

Leão Zargo, em 20.05.24

22644510_OCQG5.jpeg

O presidente Frederico Varandas e o goleador Viktor Gyökeres foram visitar o "capitão" Manuel Fernandes ao hospital com a taça de Campeão Nacional em 2023-24, antes da recepção na Câmara Municipal de Lisboa. A grandeza do Sporting revela-se dentro e fora do campo pelos seus valores sempre presentes de dignidade, lealdade e humanismo.

Onde vai um, vão todos! 

publicado às 18:00

Dia de festa. E de guardar memória!

Leão Zargo, em 18.05.24

Rui Mendes homenagem 2015.jpg

Hoje é dia de festa em Alvalade. Perante os seus adeptos, a equipa leonina vai finalmente erguer o troféu de campeão nacional de 2023-24. Conquistado com clara superioridade competitiva sobre os seus rivais, constitui sinal de orgulho e glória para o Sporting e para os sportinguistas. Mas, nesta data completam-se 28 anos sobre a morte de Rui Mendes atingido por um “very-light” assassino numa final da Taça de Portugal. Tinha 38 anos de idade. O dia mais negro do futebol português.

Dia de comemoração! Dia de memória!

Na fotografia, antes da final da Taça de Portugal em 2015, Rui Patrício e Marcelo Boeck colocam uma coroa de flores junto à bancada onde Rui Mendes faleceu.

publicado às 16:59

Honra e glória!

Leão Zargo, em 13.05.24

wse 2023-24.jpg

A conquista da WSE Liga dos Campeões Europeus pela equipa leonina de hóquei em patins enriqueceu o importante espólio sportinguista em conquistas internacionais nas modalidades. Andebol, Atletismo, Basquetebol, Futsal, Goalball, Hóquei em Patins, Judo e Voleibol são as modalidades em que o Sporting se notabilizou no confronto com equipas estrangeiras, dando sentido prático ao lema de José Alvalade: “Queremos que o Sporting seja um grande clube, tão grande quanto os maiores da Europa.” 

Lista dos principais títulos internacionais nas modalidades (em Wiki Sporting):

1977 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Valência - Espanha

1977 - Hóquei Patins - CERH - Taça dos Campeões Europeus - Villanueva - Espanha

1979 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Arlon - Bélgica

1981 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Varese - Itália

1981 - Hóquei Patins - CERH - Taça dos Vencedores das Taças - Oviedo - Espanha

1982 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Clusone - Itália

1983 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Lyon - França

1984 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Açoteias - Portugal

1984 - Hóquei Patins - CERH - Taça CERS - Novara - Itália

1985 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Açoteias - Portugal

1985 - Hóquei Patins - CERH - Taça dos Vencedores das Taças - Waslum - Alemanha

1986 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Açoteias - Portugal

1989 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Açoteias - Portugal

1990 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Açoteias - Portugal

1991 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Marignane - França

1991 - Hóquei Patins - CERH - Taça dos Vencedores das Taças - Novara - Itália

1992 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Alicante - Espanha

1993 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Açoteias - Portugal

1994 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Amorebieta - Espanha

2000 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus em Pista (M) - V.R. Santo António - Portugal

2010 - Andebol - EHF - Taça Challenge - Kwidzyn - Polónia

2015 - Hóquei Patins - CERH - Taça CERS - Igualada - Espanha

2016 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus em Pista (F) - Mersin - Turquia

2017 - Andebol - EHF - Taça Challenge - Cluj Napoca - Roménia

2018 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (F) - Mira - Portugal

2018 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (M) - Mira - Portugal

2018 - Goalball - IBSA - Liga dos Campeões de Goalball (M) - Malmo - Suécia

2018 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus em Pista (F) - Birmingham - Inglaterra

2018 - Judo - IJF - Liga dos Campeões de Judo (M) - Bucareste - Roménia

2019 - Atletismo - EAA - Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato (F) - Açoteias - Portugal

2019 - Goalball - IBSA - Liga dos Campeões de Goalball (F) - Odivelas - Portugal

2019 - Goalball - IBSA - Liga dos Campeões de Goalball (M) - Odivelas - Portugal

2019 - Futsal - UEFA - Liga dos Campeões de Futsal - Almaty - Cazaquistão

2019 - Hóquei Patins - WSERH - Liga Europeia - Lisboa - Portugal

2019 - Hóquei Patins - WSERH - Taça Continental - Lisboa - Portugal

2019 - Judo - IJF - Liga dos Campeões de Judo (M) - Odivelas - Portugal

2021 - Futsal - UEFA - Liga dos Campeões de Futsal - Zadar - Croácia

2021 - Hóquei Patins - WSERH - Liga Europeia - Luso - Portugal

2021 - Hóquei Patins - WSERH - Taça Continental - Lleida - Espanha

2021 - Goalball - IBSA - Liga dos Campeões de Goalball (F) - Odivelas - Portugal

2021 - Goalball - IBSA - Campeonato do Mundo de Clubes de Goalball (F) - Lisboa - Portugal

2024 - Hóquei Patins - WSE Liga dos Campeões - Porto - Portugal

publicado às 14:30

Sporting festa do título 2001-02.jpg

No decurso da festa do título de campeão nacional em 1999-00, Iordanov foi protagonista de um acto que ficou na memória dos sportinguistas: com o auxílio de uma grua colocou um cachecol de campeão no pescoço do leão do Marquês. A equipa tinha sido recebida na Câmara Municipal de Lisboa, mas esse gesto ficou para sempre como uma das imagens emblemáticas da grande festa leonina que se espalhou por todo o país.

Dois anos depois, em 28 de Abril de 2002, o Sporting iniciou no Marquês do Pombal uma tradição, que se prolonga até hoje, festejar ali a conquista do título de campeão. A razão principal é o simbolismo do leão conduzido pelo Marquês. Francisco dos Santos, o autor da estátua, alinhou no Sporting entre 1908 e 1911, ao lado de Francisco, José e António Stromp, de António Couto, de João Bentes e dos irmãos Catatau, entre outros. Por razões desconhecidas, em 2014 o Benfica utilizou pela primeira vez este cenário para comemorar o título.

No seu livro “Sporting Clube de Portugal: Uma história diferente”, Marina Tavares Dias escreveu o seguinte sobre Francisco dos Santos: “O monumento ao Marquês de Pombal, por ele concebido, vai ficar também, e para sempre, ligado ao Clube do seu coração. Porque em ambos o leão representa a coragem, a serenidade e a força. No estilo dos grandes campeões.” O arquitecto António Couto, companheiro de equipa de Francisco dos Santos, e Adães Bermudes também foram autores do projecto do monumento ao Marquês de Pombal.

Na fotografia, a festa do título de campeão nacional em 2002.

publicado às 13:45

Futebol e identidade colectiva

Leão Zargo, em 04.05.24

SCP 2023-24 Sporting-Guimarães.jpg

O treinador lidera com palavras, mas ainda mais com ideias. É que no centro de tudo está o modelo de jogo, aquilo que define os posicionamentos e as movimentações. Se o modelo permitir que os jogadores se sintam confortáveis, que se destaquem, eles terão confiança em si próprios e nos companheiros, e acreditarão na vitória. Assim torna-se mais fácil que eles realizem aquilo que os torna ainda melhores. É isso que dá confiança a cada um dos atletas, não as palavras mágicas do treinador durante a semana, ou no banco com o jogo a decorrer. O treinador não é um feiticeiro, é um "artífice" que com régua e esquadro decide que o futebol da sua equipa seja mais eficaz e mais imprevisível.

Todos conseguimos prever como é que a equipa sportinguista se vai apresentar hoje frente ao Portimonense. Na verdade, possui uma qualidade insuperável que se chama identidade colectiva que decorre de uma ideia de jogo sólida assente em boas dinâmicas defensivas e ofensivas. Nesta época, no campeonato, nunca se viu a equipa sem organização, perdida em campo. O futebol é um desporto colectivo, por isso é um jogo de rotinas, e a rotina é essencial. Ter identidade colectiva revela a excelência do trabalho feito por Rúben Amorim e constitui o princípio básico para alcançar a vitória que pode abrir as Portas da Alegria.

publicado às 14:30

Um “campeonato” à parte

Leão Zargo, em 01.05.24

Porto 2 - Sporting 2 2023-24.jpg

Até ao lavar dos cestos é vindima, como se costuma dizer, as contas fazem-se no fim. O campeonato ainda não acabou, mas dentro dele há um “campeonato” que já terminou. Aquele que é disputado entre os chamados “três grandes”, e que o Sporting venceu.

- Benfica 1 - Porto 0 (7ª jornada)

- Benfica 2 - Sporting 1 (11ª jornada)

- Sporting 2 - Porto 0 (14ª jornada)

- Porto 5 - Benfica 0 (24ª jornada)

- Sporting 2 - Benfica 1 (28ª jornada)

- Porto 2 - Sporting 2 (31ª jornada)

Classificação: Sporting 7 pontos, Benfica 6 pontos e Porto 4 pontos.

Sendo verdade que o campeonato nacional é uma prova de regularidade, e o campeão é o mais regular durante toda a competição, tem interesse considerar os resultados dos jogos entre si dos principais candidatos ao título.

publicado às 14:30

Manuel Fernandes Bola de Prata 1985-86.jpeg

A atravessar um período delicado em termos de saúde, Manuel Fernandes ficou muito sensibilizado com a homenagem de que foi alvo no jogo no Dragão, no passado domingo. Os jogadores sportinguistas entraram em campo com uma camisola verde e branca, com o número nove nas costas, igual a uma que o antigo avançado leonino vestiu. O filho, Tiago Fernandes, agradeceu num texto emocionante:

Manuel Fernandes camisola.jpg

“Ele viu o jogo, vimos o jogo ao lado um do outro e foi mais um momento bonito e motivo de orgulho para ele e para lhe dar força também nesta fase, que é importante ele sentir que a história que construiu ao longo da sua vida num grande clube, como o Sporting, valeu a pena. Não tenho dúvida nenhuma que é o que o alimenta neste momento é a espera de ver o Sporting ser campeão. Está desejoso que isso aconteça.

Os jogadores também demonstraram nesta altura que estão a lutar pelo campeonato, que estão solidários com ele e que também querem que ele volte rapidamente a estar bem e estar perto deles, foi muito importante em todos os aspectos. Tanto emocionais como físicos, porque para ele o Sporting é tudo, é o grande amor da vida dele, é o que o faz acordar de manhã e ler os jornais e perceber o que é que se passa à volta do clube. Acho que isso, o que aconteceu ontem, foi mais um motivo de orgulho para ele e de emoção também para que ele se motive e que dê a volta à situação.

A homenagem que fizeram ontem ao meu pai é uma homenagem muito bonita, mais uma homenagem feita a um homem que abdicou de muita coisa para servir o Sporting ao longo da sua vida. O meu pai foi uma pessoa que nunca levou os filhos à escola, que não viu os filhos a nascer, que abdicou de muito em termos familiares para poder estar sempre pronto para ajudar o Sporting, em doze épocas como jogador. E hoje ver este reconhecimento por parte da massa associativa, dos jogadores e da actual direcção é gratificante.”

publicado às 14:30

Homenagem a Manuel Fernandes

Leão Zargo, em 29.04.24

22635722_abaO4.jpeg

Os jogadores leoninos homenagearam Manuel Fernandes antes do apito inicial do jogo no Dragão. Entraram com a camisola verde e branca com o número 9 em homenagem ao antigo avançado e mensagem de reconhecimento e de força pela gravidade da doença que sofre. “Entramos em campo com a mítica camisola. Estamos contigo, capitão Manuel Fernandes”, publicou o Clube na rede social 'X'.

Manuel Fernandes faz parte de uma restrita plêiade de grandes capitães de equipa do Sporting e é o segundo melhor goleador de leão ao peito (260), apenas Fernando Peyroteo marcou mais do que ele. O futebol, como grande fenómeno social, cultural e desportivo, possui a extraordinária qualidade de fazer guardar na memória dos seus adeptos um núcleo de sinais de glória e de afirmação clubística. É o caso do “eterno capitão”.

publicado às 18:00

Um caso sério de loucos apaixonados!

Leão Zargo, em 31.03.24

22623234_kJz4g.jpeg

Para os sportinguistas, 31 de Março constitui um dia muito especial. É que em 1922, nesse dia, foi publicado o primeiro “Boletim do Sporting Club de Portugal”, com a periodicidade quinzenal. Inicialmente tinha oito páginas no formato de 20x28, com o pagamento facultativo de 2$00 semestrais. Trata-se do mais antigo periódico mundial de um clube desportivo. A convicção da absoluta necessidade de um órgão informativo do Clube nasceu numa tertúlia no Café Martinho, em Lisboa, onde se destacavam José Serrano, Mendes Leal e Júlio Araújo, entre outros.

O jornal Sporting constitui uma história de amor invulgar. De facto, uma história assim, já com 102 anos, só pode ser um caso sério próprio de loucos apaixonados. Faz lembrar um conhecido fado que Carlos Ramos cantava nos anos 50 e 60: “O amor é louco / não façam pouco / desta loucura”! Inúmeras gerações de sportinguistas consolidaram a sua paixão pelo Clube e o seu querer leonino através da leitura das narrativas escritas nas páginas do Boletim, que passou a jornal em Junho de 1952.

Longa vida ao nosso jornal, são os votos do Camarote Leonino. Que venham muitos mais anos de informação e sportinguismo, com relatos de grandes e gloriosas vitórias!

Na imagem, a capa do último número do jornal Sporting, publicado em 28 de Março.

publicado às 14:30

Recordando Alexandre Baptista

Leão Zargo, em 04.03.24

22612218_2IOEl.jpeg

Alexandre Baptista, um produto da formação do Sporting, começou nos principiantes em 1957, jogou como interior direito e no meio campo, tornando-se um defesa central de grande categoria, eficiente e elegante. Estreou-se na equipa principal a 26 de Fevereiro de 1961, poucos dias depois de ter completado 20 anos, num jogo para a Taça de Portugal em que os leões derrotaram o Atlético por 2-0. Na época de 1963-64 afirmou-se como titular indiscutível quando fez a dupla com José Carlos que se manteve durante vários anos.

22612219_Tkzt7.jpeg

Pelo Sporting, foi por duas vezes campeão nacional (1965-66 e 1969-70), conquistou a Taça das Taças (1963-64) e a Taça de Portugal (1970-71). O defesa leonino somou aos seus grandes êxitos com a camisola verde e branca uma passagem brilhante pela Selecção Nacional. Participou em onze jogos, cinco deles na fase final do Mundial de Inglaterra, em 1966, em que Portugal alcançou o 3º lugar. Colegas de equipa e adversários consideram Alexandre Baptista como um dos grandes cavalheiros do nosso futebol e um dos melhores na sua posição. 

Selecção Nacional Mundial 1965-66.webp

Alexandre Baptista era um desportista eclético, que também praticou ténis de mesa, ténis, voleibol e basquetebol, licenciou-se em Económicas, terminou a sua carreira de futebolista em 1971, tendo participado em 163 jogos oficiais de leão ao peito. A camisola leonina foi a única que vestiu. Sócio número 584-0, foi vice-presidente da última Direcção de João Rocha, na Gerência de 1984-86, vogal do Conselho Fiscal, fez parte da Comissão de Honra do Centenário do Sporting Clube de Portugal e foi distinguido com o Prémio Stromp na categoria Saudade em 2010.

Nas fotografias, Alexandre Baptista na capa da revista Ídolos do Desporto, na equipa do Sporting que foi campeã nacional em 1965-66 (entre Hilário e Pedro Gomes) e na Selecção Nacional no Mundial de Inglaterra em 1966 (entre Jaime Graça e Vicente).

publicado às 16:00

“E tudo o vento levou…”

Leão Zargo, em 24.02.24

É frequente os sportinguistas enumerarem situações em que o Sporting foi severamente prejudicado pela arbitragem. Não se trata de alguma teoria da conspiração, ou coisa do género, mas de situações factuais que todos recordam. No entanto, há muitos outros casos entretanto engolidos pela voracidade do tempo. Por essa razão, para tentarmos evitar que caiam no esquecimento, o Camarote Leonino procedeu ao levantamento de situações que deram brado e foram motivo de conversa entre nós. O nosso objectivo é lutar pela verdade desportiva, que nunca existirá sem uma arbitragem livre, independente e qualificada.

O primeiro jogo da lista é o Sporting - Leixões disputado em 1972 que terminou com uma invasão de campo aos 7 minutos de jogo. Foi a primeira vez que assisti a uma partida de futebol no Estádio de Alvalade e marcou a minha memória para sempre. Depois, de se recordarem algumas situações insólitas até à década de 1990, abordam-se os últimos 20 anos e alguns casos que ficaram na memória de todos os sportinguistas. A listagem não é exaustiva, está incompleta, nem sequer são referidos jogos de “campo inclinado” desde o apito inicial, de que Artur Soares Dias e João Pinheiro serão os mais completos praticantes na actualidade.

1972-73

Sporting Leixões 29.10.1972.jpg

Sporting 0 - Leixões 1, Campeonato Nacional, em 29 de Outubro de 1972. Árbitro Carlos Lopes.

Invasão de campo aos 7 minutos depois do árbitro não ter indicado um canto a favor dos leões. No entanto, a razão foi um penálti marcado contra o Sporting minutos antes, apesar do fiscal de linha ter assinalado fora de jogo. Vítor Damas defendeu o penálti, mas Carlos Lopes mandou repetir e foi golo. O Estádio de Alvalade foi interdito por 9 jogos.

1975-76

Atlético 3 - Sporting 0, Campeonato Nacional, 21 de Setembro de 1975. Árbitro Amândio Silva.

O árbitro marcou um penálti contra o Sporting a 11 minutos do fim do jogo que estava empatado a duas bolas. Não havendo razão para falta de penálti, e por ter havido outros casos durante o jogo, verificou-se invasão de campo. A Federação estabeleceu uma derrota do Sporting por 3-0.

Porto 2 - Sporting 3 1975-76.jpg

Porto 2 - Sporting 3, Campeonato Nacional, 18 de Outubro de 1975. Árbitro Alder Dante.

Num jogo nas Antas com nevoeiro cada vez mais denso, os leões venciam por 2-1 quando um remate de Gomes levou a bola à malha lateral e um apanha bolas introduziu-a na baliza. O árbitro assinalou golo e Juca, com a sua fleuma britânica, chamou-lhe um “sonho fantástico”. Alder Dante no seu relatório reconheceu a falha, apanhou uma repreensão e o processo foi arquivado.

1980-81

Benfica 1 - Sporting 1, Campeonato Nacional, 2 de Maio de 1981. Árbitro Inácio Almeida.

O árbitro assinalou um penálti duvidoso contra o Sporting, que mandou repetir depois de Nené ter falhado. Numa outra jogada, virou as costas quando Pietra rasteirou Manuel Fernandes dentro da grande área, mandou seguir o jogo, Bento, com a pressa atrapalhou-se, largou a bola e permitiu que Jordão marcasse golo, que Inácio de Almeida anulou.

1998-99

Académica 2 - Sporting 2. Campeonato Nacional, 11 de Setembro de 1998. Árbitro António Costa.

Anulação de um golo limpo a Edmilson.

Chaves 2 - Sporting 2. Campeonato Nacional, 23 Janeiro 1999. Árbitro Jorge Coroado.

Jorge Coroado não assinalou três penáltis claros a favor da equipa sportinguista. Garantiu depois que tinha ficado cheio de azia pela sua falha.

Na sequência deste jogo, a Direcção sportinguista declarou luto desportivo em virtude da ausência de critérios uniformes no tratamento aos vários clubes. A bandeira do Clube foi colocada a meia haste e os jogadores leoninos passaram a equipar com meias pretas. Uma sondagem do painel Expresso/Euroexpansão publicado no jornal Expresso, em 4.2.1999, demostrou que o Sporting era o clube mais prejudicado pelas arbitragens.

2004-05

Benfica 1 - Sporting 0 2004-05.png

Benfica 1 - Sporting 0. Campeonato Nacional, 14 de Maio de 2005. Árbitro Paulo Paraty.

Os leões estavam no 1º lugar, mas um golo de Luisão com falta sobre Ricardo roubou-lhes a liderança.

Sporting 2-Nacional 4. Campeonato Nacional, 22 de Maio de 2005. Árbitro António Costa.

O Nacional venceu com três golos fora de jogo e o Sporting desceu ao 3º lugar.

2006-07

Sporting 0 - Paços de Ferreira 1 2006-07.jpg

Sporting 0 - Paços de Ferreira 1. Campeonato Nacional, 16 Setembro 2006. Árbitro João Ferreira.

Ronny marcou com a mão o golo da vitória pacense. O Sporting perderia o Campeonato por um ponto.

2008-09

Paulo Bento e Lucílio Batista.jpg

Sporting 1- Benfica 1 (2-3 g.p.). Taça da Liga, 21 de Março de 2009. Árbitro Lucílio Batista.

Exemplo de adulteração da verdade desportiva. O Benfica conseguiu o empate com um penálti inventado por pretensa falta de Pedro Silva. Paulo Bento fez um gesto com a mão que se tornou viral. Ficou para a história como a “Taça Lucílio Baptista”.

2011-12

Sporting 1 - Olhanense 1. Campeonato Nacional, 13 de Agosto de 2011. Árbitro Carlos Xistra.

A Direcção sportinguista contestou a arbitragem, ao que se seguiu o boicote dos árbitros ao jogo da 2ª jornada em Aveiro. João Ferreira não compareceu e a partida foi arbitrada por Fernando Martins, árbitro da II divisão distrital de Aveiro. O boicote seria levantado na jornada seguinte, no Sporting - Marítimo arbitrado por Pedro Proença.

2012-13

Benfica 2 - Sporting 0 2012-13.jpg

Benfica 2 - Sporting 0, Liga ZON Sagres, 21 de Abril de 2013. Árbitro João Capela.

Este dérbi lisboeta ficou para a história como o “jogo do Capela” pelas inúmeras decisões tendenciosas, nomeadamente na grande área do Benfica. Também ficou na memória pelo “limpinho, limpinho” de Jorge Jesus.

2013-14

Benfica 4 - Sporting 3 (a.p.). Taça de Portugal, 9 de Novembro de 2013. Árbitro Duarte Gomes.

Não foram marcados dois penáltis contra a equipa do Benfica, um deles verdadeiramente escandaloso.

2014-15

Schalke 04 4 - Sporting 3, Liga dos Campeões, 21 de Outubro de 2014. Árbitro Sergei Karasev (Rússia).

Um inacreditável penálti marcado no final do jogo (90+3 minutos) deu a vitória ao clube alemão.

2015-16

Play-off da Liga dos Campeões com o CSKA Moscovo. O Sporting foi eliminado por duas arbitragens inqualificáveis, que não marcaram dois penáltis evidentes, permitiram um golo com a mão e anularam erradamente um golo aos leões. 

Braga 4 - Sporting 3 (a. p.), Taça de Portugal, 16 de Dezembro de 2015. Árbitro Fábio Veríssimo.

Anulado um golo limpo a Slimani.

2016-17

Benfica 2 - Sporting 1, Liga NOS, 11 de Dezembro de 2016. Árbitro Jorge Sousa.

O árbitro teve um activo, perdoou dois penáltis aos benfiquistas Pizzi e Nélson Semedo. Na sequência do penálti não assinalado a Pizzi, num rápida conta-ataque o Benfica marcou o primeiro golo do jogo. Irregular, portanto.

Sporting 0 - Braga 2, Liga NOS, 18 de Dezembro de 2016. Árbitro Hugo Miguel.

O árbitro não marcou dois penáltis contra os bracarenses.

Marítimo 2 - Sporting 2, Liga NOS, 21 de Janeiro de 2017. Árbitro João Pinheiro.

Golo mal anulado a Alan Ruiz.

2018-19

22607246_zYiCP.jpeg

Setúbal 1 - Sporting 1, Liga NOS, 30 de Janeiro de 2019. Árbitro Hélder Malheiro.

Ristovski foi agredido com uma cotovelada que o deixou com grande hematoma na testa. Nos protestos, foi ele o expulso aos 54 minutos com o resultado favorável aos sadinos por 1-0.

Marítimo 0 - Sporting 0, Liga NOS, 25 de Feveiro de 2019. Árbitro Tiago Martins.

Tiago Martins faz o pleno neste jogo em matéria de expulsões. Coates aos 51 minutos, pouco depois Nélson Pereira, treinador de guarda-redes, e ainda executa um sprint de 30 metros para expulsar Marcel Keizer. Isto tudo durante uma arbitragem vergonhosamente inclinada.

2019-20

Sporting 2 - Rio Ave 3, Liga NOS, 31 de Agosto de 2019. Árbitro João Pinheiro.

João Pinheiro viu e assinalou três penáltis contra o Sporting. No entanto, ele e o VAR não viram Raphinha ser empurrado por um adversário com as duas mãos a escassos metros da linha de golo.

Braga 2 - Sporting 1. Final da Taça da Liga. 21 de Janeiro de 2020. Árbitro Nuno Almeida.

Com o resultado em 1-1, Nuno Almeida expulsa Bolasie por decisão do VAR Artur Soares Dias, depois de descarada e grosseira simulação do bracarense Willyan. Paulinho fez o 2-1, aos 90 minutos, com providencial empurrão a Mathieu.

2020-21

Famalicão 2 - Sporting 2 2020-21.jpg

Famalicão 2 - Sporting 2. Liga NOS, 5 de Dezembro de 2020. Árbitro Luís Godinho.

Expulsão de Pote aos 80 minutos e anulação de um golo limpo por Coates, que faria o 2-3, por indicação do VAR. “Onde vai um, vão todos!”, foi o grito de guerra assumido por todo o plantel e que culminaria na festa do título de campeão no Marquês.

2021-22

Sporting 1 - Porto 1 2021-22.jpg

Sporting 1 - Porto 1, Liga Portugal bwin, 11 de Setembro de 2021. Árbitro Nuno Almeida.

Pepe agrediu Coates com um murro violento na cara. Não viram, nem árbitro nem VAR!

Sporting 1 - Braga 2. Liga Portugal Bwin, 22 de Janeiro de 2022. Árbitro Hugo Miguel.

O Braga fez 1-1 com um daqueles penáltis que só se marcam contra o Sporting. O VAR João Pinheiro pressionou Hugo Miguel para o assinalar.

Porto 2 - Sporting 2. Liga Portugal Bwin, 11 de Fevereiro de 2022. Árbitro João Pinheiro.

Arbitragem caótica de João Pinheiro. Expulsões de Coates, Palhinha e Pepe, colocando o Porto em vantagem numérica, ao mesmo tempo que permitiu que Taremi abusasse das habituais simulações e de jogo perigoso.

Sporting 0 - Benfica 2. Liga Portugal Bwin, 17 de Abril de 2022. Árbitro Fábio Veríssimo.

O Sporting fez um jogo fraco, mas o árbitro perdoou um penálti claro de Otamendi sobre Coates aos 68 minutos quando o resultado estava em 1-0.

2022-23

Santa Clara 1 - Sporting 2. Liga Portugal Bwin, 8 de Outubro de 2022. Árbitro Artur Soares Dias.

Arbitragem manhosa como é habitual neste árbitro. Ele e o VAR não viram dois penáltis claros a favor do Sporting.

Porto 2 - Sporting 0. Final Allianz Cup, 28 de Janeiro de 2023. Árbitro João Pinheiro.

João Pinheiro mostrou o segundo amarelo a Paulinho, ignorando uma agressão de Otávio sobre o sportinguista. Antes já tinha ignorado uma clara agressão de Wendell a Pote.

Sporting 3 - Boavista 0. Liga Portugal Bwin, 12 de Março de 2023. Árbitro João Pinheiro.

Não foi assinalado penálti sobre Francisco Trincão, apesar de claramente carregado pelas costas.

2023-24

Casa Pia 1 - Sporting 2. Liga Portugal Bwin, 18 de Agosto de 2023. Árbitro Nuno Almeida.

Golo mal validado ao Sporting compensado por um penálti sobre Edwards perdoado aos casapianos.

Guimarães 3 - Sporting 2. Liga Portugal Bwin, 10 de Dezembro de 2023. Árbitro João Pinheiro.

Penálti inexistente contra o Sporting que permitiu o empate (1-1) nos últimos instantes da 1ª parte.

Sporting 2 - Porto 0 2023-24.jpeg

Sporting 2 - Porto 0. Liga Portugal Bwin, 18 de Dezembro de 2023. Árbitro Nuno Almeida.

Dois golos do Sporting anulados sem razão, com o falso pretexto de faltas de Quaresma e de Bragança.

Nas fotografias:

- Sporting 0 - Leixões 1, em 1972-73. Penálti mal assinalado.

- Porto 2 - Sporting 3, em 1975-76. Alder Dante e o “golo no nevoeiro”.

- Benfica 1 - Sporting 0, em 2004-05. Falta de Luisão sobre Ricardo.

- Sporting 0 - Paços de Ferreira 1, em 2006-07. “Golo” com a mão.

- Sporting 1 - Benfica 1 (2-3 g.p.), em 2008-09. O gesto de Paulo Bento.

- Benfica 2 - Sporting 0 em 2012-13. O tal jogo do “limpinho, limpinho”.

- Setúbal 1 - Sporting 1, em 2018-19. Agressão a Ristovski.

- Famalicão 2 - Sporting 2, em 2020-21. “Onde vai um, vão todos.”

- Sporting 1 - Porto 1, em 2021-22. Agressão a Coates.

- Sporting 2 - Porto 0, em 2023-24. Falta mal assinalada a Quaresma.

publicado às 02:45

Aula de comunicação

Leão Zargo, em 06.02.24

22599861_ikbKp.jpeg

Cada conferência de imprensa de Rúben Amorim é uma aula de comunicação. Como ele se prepara previamente, surge calmo, informado, competente, assertivo, empático. Não foge às perguntas, não se queixa disto ou daquilo, revela-se sempre confiante. Desvaloriza os problemas ou dificuldades realçando que o importante é delinear uma estratégia para os superar. Não se arma em vítima para justificar um hipotético insucesso. Nunca procura intimidar ou condicionar os jornalistas, mostra compreender o trabalho e as exigências da profissão. Partilha informação, revela bom humor, sempre sereno e inteligente.

Por isso, cada conferência de imprensa de Rúben Amorim é uma “masterclass” do líder de uma equipa vasta e multidisciplinar em que as competências e as responsabilidades são sabiamente distribuídas por todos os elementos. Hoje, a antevisão do jogo com a União de Leiria para a Taça de Portugal constituiu mais uma lição de como um treinador de futebol deve comunicar e como pode prestar determinadas informações ou explicações que são do interesse dos jornalistas e dos adeptos. Assim, todos conhecemos e percebemos melhor o pulsar do Clube, os anseios dos jogadores, a ideia e o projecto do treinador.

publicado às 18:57

Chaves 0 Sporting 3 2023-24.jpg

Haver vantagem, ou não, em lances de penálti é uma situação que se verifica por vezes num jogo de futebol. Antigamente não havia lei da vantagem num lance com falta para penálti, que tinha de ser assinalada. Actualmente há ou não lei da vantagem conforme decorrer a jogada da equipa atacante no momento imediatamente a seguir. O último Chaves - Sporting confrontou o árbitro Luís Godinho com a aplicação das leis 5 e 12 quando, na sequência de braço na bola por um jogador flaviense, Paulinho marcou golo em situação privilegiada.

O jogo esteve interrompido durante vários minutos para observação pelo VAR, mas terá sido por outro motivo que não essa falta do jogador do Chaves. A Lei 5 é clara: “Deixar o jogo prosseguir quando a equipa contra a qual foi cometida uma falta possa tirar uma vantagem, e sancionar a falta cometida inicialmente se a presumível vantagem não se concretizar.”

Também a Lei 12 esclarece qualquer dúvida que reste: “A vantagem não deve ser aplicada em situações de falta grosseira, conduta violenta ou numa segunda infracção passível de advertência, a menos que se trate de uma clara oportunidade de golo.”  O árbitro decidiu bem ao assinalar golo, caso contrário estaria a beneficiar o infractor.

A chamada lei da vantagem é apenas uma das muitas premissas previstas nas leis do jogo sobre faltas e incorreções. Baseia-se na ideia de que o árbitro deve abster-se de castigar uma infracção se a bola seguir para a equipa lesada numa situação vantajosa. Não se trata apenas de mera posse de bola, mas de possibilitar que o desafio prossiga se isso for mais benéfico para a equipa que sofreu a falta, ou de interromper e sancionar a infracção se não for assim.

*** O leitor pode rever aqui o golo do Paulinho frente ao Chaves.

publicado às 14:30

Um Chaves - Sporting insólito!

Leão Zargo, em 13.01.24

Chaves 1 Sporting 1 1995-96.jpg

Em 1995-96 aconteceu um Desportivo de Chaves - Sporting CP verdadeiramente insólito. Os flavienses lutavam pela permanência na 1ª divisão enquanto que o Sporting seguia no 2º lugar da classificação, a 5 pontos do Porto. O jogo estava a ser muito disputado no meio campo da equipa da casa, que fez o 1-0 aos 60 minutos e Carlos Xavier empatou de livre directo aos 86 minutos, mas a luz foi abaixo no Municipal de Chaves pouco depois dos 87 minutos. Não houve condições para se chegar ao final do desafio.

A Federação decidiu que o tempo restante seria disputado duas semanas depois. Assim foi, a equipa sportinguista voltou a fazer a longa viagem para lá do Marão para jogar os últimos momentos da partida. Precisamente 2 minutos e 25 segundos, segundo o árbitro Juvenal Silvestre, com o treinador Carlos Queiroz e os jogadores leoninos a saírem muito contrariados de Chaves, enquanto que os flavienses festejavam um empate preciosíssimo para garantir a manutenção no escalão principal. Passados dois dias, em 13 de Janeiro de 1996, o Sporting recebeu o Porto em Alvalade e perdeu por 2-0.

publicado às 14:00

Parabéns, Mário Lino!

Leão Zargo, em 09.01.24

Mário Lino 86 anos.jpg

Mário Lino destacou-se no Sport Clube Lusitânia e a sua transferência para o Sporting em 1958, a mais avultada dos Açores até então, deu ao Lusitânia a possibilidade de comprar a sua sede social, um dos mais belos e históricos edifícios de Angra do Heroísmo. O antigo jogador sportinguista costuma dizer “que a Primária foi na Horta, o Liceu no Lusitânia e a Universidade no Sporting”.

Em Alvalade passou de médio ofensivo a defesa direito no decurso da renovação do sector recuado da equipa, e apesar de ser baixo era muito forte fisicamente e tinha uma grande capacidade de desarme, que aliada a uma excelente técnica individual, fez dele um jogador que também era capaz de participar nas acções ofensivas da equipa. Foi titular indiscutível durante cinco épocas, tendo conquistado um Campeonato Nacional (1961-62) e uma Taça de Portugal (1962-63).

Como treinador, em Janeiro de 1969 substituiu Fernando Caiado, de quem era adjunto, até ao regresso de Armando Ferreira ao cargo de Secretário Técnico, com quem trabalhou como treinador de campo. Foi adjunto de Fernando Vaz, com o qual conquistou um Campeonato (1969-70) e uma Taça de Portugal (1970-71), e depois de Ronnie Allen, com uma vitória na Taça de Portugal (1972-73). Foi o treinador principal em 1973-74, numa das melhores épocas de sempre do Sporting, em que chegou às meias-finais da Taça das Taças, e venceu o Campeonato Nacional e a Taça de Portugal, embora Mário Lino já não se tenha sentado no banco no jogo da final.

Foi galardoado com o Prémio Stromp Técnico Profissional em 1972 e 1974.

Mário Lino completa hoje 86 anos.

publicado às 16:31

Viva o Sporting disco1.jpg

Em 1969-70, o Sporting CP garantiu a quatro jornadas do fim a conquista do título de campeão nacional. Foi um dos campeonatos mais tranquilos de sempre, com uma equipa orientada pelo treinador Fernando Vaz. A época da confirmação de Vítor Damas como o melhor guarda-redes português, o jovem Caló fez dupla com José Carlos, Vítor Gonçalves e Fernando Peres brilharam como médios, Nelson Fernandes foi o goleador de serviço e Marinho e Dinis partiram a louça toda como extremos.

Viva o Sporting disco2.jpg

Era imenso o entusiasmo entre os leões e o conjunto musical “Os Lagartos” lançou um disco vinil (single) para celebrar o feito. Chamou-se “Viva o Sporting!”. Na capa tinha uma fotografia da equipa leonina, feita por Nuno Ferrari, e na contra-capa as quatro canções com os autores das letras e das músicas, e que teve um extraordinário sucesso entre os sportinguistas. Por estes dias, encontrei no youtube “Verde Sporting”, e que, passados tantos anos, mantém o mesmo ritmo apelativo, viciante, apetece cantar até que a voz doa.

“O verde brilha

muito mais do que as outras cores

o verde é a cor dos triunfadores

o verde é esperança

mas com franqueza

Verde Sporting

não é esperança é uma certeza

o verde é mar é cor diferente

Verde Sporting

é o verde de toda a gente.”

(Disco EP de 45 R.P.M. editado pela “Riso e Ritmo Discos, S.A.”, distribuído por Arnaldo Trindade, 1970)

publicado às 14:30

As balizas do futebol

Leão Zargo, em 04.01.24

Azevedo Sporting.jpg

No princípio era o Verbo. Duas balizas, uma em cada extremidade do campo de futebol, ambas com 8 jardas (7,32 metros) de comprimento e 8 pés (2,44 metros) de altura. Os postes têm uma espessura que não pode ser superior a 12 centímetros. Trata-se de uma área de 17,86 metros quadrados por conta do “keeper”, que no início quase que não saía de debaixo dos postes. Hoje em dia até vai marcar penalties na grande área adversária.

As medidas das balizas são as do portão original da Universidade de Cambridge onde o futebol começou a ser jogado e foi assim que decidiram os fundadores da “Football Association” em 1863-1865. Depois, caíram impérios, abdicaram imperadores, guerras dilaceraram o Mundo, mudaram-se as leis, a ciência evoluiu, Elvis Presley abanou as ancas e as mentalidades, transformaram-se os sistemas tácticos do futebol, a preparação física dos jogadores passou a ser para especialistas, os guarda-redes jogam como se fossem defesas, a madeira das balizas pode ser substituída por metal ou por fibra de vidro, mas as medidas continuam a ser as mesmas de 1865.

Por vezes, aqui e ali, lemos opiniões dos que defendem o aumento das balizas em nome da espectacularidade do futebol, nomeadamente por burocratas do futebol. Ou treinadores e jornalistas que consideram que o futebol no início era jogado por dez contra dez jogadores, mais dois que quase que praticamente não saíam da pequena área. O treinador Manuel Machado considera que as balizas foram originalmente concebidas para homens com 1,70 de altura. Agora, guarda-redes que tenha menos de 1,85 chega a ser considerado um anão. E joga com os pés como qualquer outro jogador. 

O antigo guarda-redes Gianluigi Buffon, citado ontem no Camarote Leonino, afirmou que “fala-se em aumentar a dimensão das balizas e acho que devíamos começar a pensar seriamente nisso. De longe é muito difícil marcar um golo a um guarda-redes de dois metros”. A este propósito Rui Gomes divergiu ao considerar que a redução de golos deve-se essencialmente aos sistemas defensivos, recordando o que se passa em jogos da 1ª Liga portuguesa, com o que concordo em absoluto. O treino, a estatura e a técnica dos guarda-redes evoluíram, mas o mesmo aconteceu com os jogadores de campo. Buffon esqueceu-se da média de golos no tempo do “catenaccio” italiano nos anos 60.

Há quem considere que uma das razões da força e da universalidade do futebol é o seu conservadorismo através da permanência das mesmas regras simples e entendidas por todos. Aqui entra também o tamanho das balizas. De facto, quando à nossa volta quase tudo muda e evolui a uma velocidade estonteante, é confortável ter algumas coisas que aparentemente permanecem inalteráveis. Apenas aparentemente, na verdade, pois todos sabemos que as célebres “Regras de Cambridge” de 1848 têm mudado, mudado sempre… mas devagar, devagarinho!

Na fotografia, João Azevedo, o “Hércules do Barreiro”, um guarda-redes moderno pela sua agilidade e flexibilidade entre os postes e a prontidão e agressividade a sair da baliza.

publicado às 14:15

“Bombardeiros” e “caceteiros”

Leão Zargo, em 28.12.23

Peyroteo e Vitória 1948.jpg

Há inúmeras histórias a propósito de grandes disputas entre defesas e avançados em jogos de futebol. Muitos garantem que eles não são propriamente farinha do mesmo saco e é frequente ouvir-se falar das vezes em que o caldo ficou bastante entornado. Por exemplo, ficaram memoráveis os duelos entre Fernando Peyroteo e o benfiquista Gaspar Pinto pela faísca que provocavam.

No entanto, parece que não tem de ser necessariamente assim e até acontece que defesa e avançado se façam fotografar sorrindo para a posteridade. É o caso desta fotografia do “bombardeiro” Peyroteo e de Francisco Vitória antes de um Portimonense - Sporting para a Taça de Portugal, em 20 de Junho de 1948. Curiosamente, Francisco Vitória também era conhecido por Chico Caceteiro vá lá saber-se porquê.

Os leões venceram facilmente o jogo por 6-1 e o avançado sportinguista não deixou os seus créditos por mãos alheias. O jornalista algarvio Constantino Romão escreveu que “coube ao Chico Caceteiro fazer a marcação ao Peyroteo, que era o melhor marcador de golos em Portugal. O Peyroteo marcou cinco golos, mas o Chico fez uma exibição memorável, que tenho a certeza nem ele próprio esqueceu”.

No sábado, Viktor Gyökeres vai pisar a relva de Portimão, num jogo crucial para a equipa do Sporting. O grande objectivo é terminar o ano da melhor maneira, no primeiro lugar do campeonato, e à espera dele não estará apenas um, mas vários “caceteiros” para tentarem evitar os golos do actual “bombardeiro” sportinguista. Numa entrevista ao jornal Record, Gyökeres referiu a sua dificuldade em lidar com tantas faltas que os árbitros lhe marcam. Logo ele que é tão severamente castigado pelos adversários. Há coisas que não mudam no futebol!

A fotografia é de Chico Vitória (trata-se de outro Francisco Vitória), repórter fotográfico do futebol algarvio entre os anos 30 e 50 do século passado.

publicado às 14:30

O médio que tarda em afirmar-se

Leão Zargo, em 25.12.23

allianz-cup-tondela-x-sporting.jpg

Daniel Bragança esteve em grande destaque no jogo com o Tondela, e para muitos foi o melhor jogador em campo. Depois da longa paragem em consequência de uma grave lesão no ligamento cruzado anterior do joelho o que o levou a enfrentar um longo período de paragem, parece ter alcançado bons níveis físicos. Trata-se de uma boa notícia perante a próxima ausência de Morita que, como se sabe, será prolongada. Independentemente de ser contratado um médio, ou de Pote poder jogar mais recuado, é importante saber que o Sporting tem mais um jogador preparado para fazer o lugar. Tal como Eduardo Quaresma, Bragança tem uma excelente oportunidade para, em definitivo, se afirmar.

Sou admirador de Bragança, mesmo sabendo que tem características físicas que não lhe permitem ocupar espaços tão abrangentes como Morita, por exemplo. Apesar disso, o jogador possui qualidades que o tornam muito especial, pela capacidade para criar linhas de passe na zona central e depois, com verticalidade, lançar as unidades mais ofensivas, ou pela tendência para ajudar a criar situações de superioridade na ala. Alia a essa capacidade técnica um forte espírito de serviço do colectivo. É o tipo de jogador que receio que saia devido à pouca utilização e que um dia ainda vamos vê-lo a brilhar com outra camisola, ao mesmo tempo que lamentamos ter deixado fugir um médio com imensa qualidade.

publicado às 03:05

A Superliga Europeia

Leão Zargo, em 23.12.23

Superliga Europeia.jpg

O Tribunal de Justiça da União Europeia deu razão aos promotores da Superliga Europeia ao considerar que a UEFA viola a Lei da Concorrência. O Tribunal de Justiça determinou que a UEFA não pode deter o monopólio das competições europeias e da exploração dos direitos de media e que é impossível banir ou sancionar clubes e jogadores que participem numa nova prova. Assim, "as regras da FIFA e da UEFA sobre a aprovação prévia de competições interclubes de futebol, como a Superliga, são contrárias à legislação da UE".

De acordo com o projecto da Superliga, no primeiro ano da competição os clubes serão seleccionados de acordo com critérios do rendimento desportivo. As actuais regras de sustentabilidade financeira e transparência serão fundamentais para garantir um lugar na competição entre todos os participantes. Haverá promoção e despromoção anual entre as três ligas. As duas primeiras ligas, a Star League e a Gold League, têm 16 clubes cada uma, enquanto a terceira, a Blue League, é composta por 32 clubes. Apenas o acesso à Blue League resultará do desempenho nas ligas nacionais.

A decisão caiu como uma bomba, mas não se sabe ao certo qual será o resultado. Para já, com a excepção do Real Madrid e do Barcelona, apoiantes da Superliga Europeia, reina o silêncio ou a rejeição de alguns dos principais clubes europeus. Por exemplo, Manchester United, Liverpool, Bayern Munique, Borussia Dortmund, Atlético de Madrid, Sevilha, PSG, Inter de Milão e AS Roma já se manifestaram contra a nova competição. O Sporting também é contra, e afirmou que "defenderá sempre a existência de ligas domésticas e um modelo de competições europeias democrático, alicerçado em critérios de transparência e meritocracia".

Os clubes opositores criticam a falta de democraticidade do projecto e consideram que a qualificação para as competições europeias de clubes deve ser definida pelo desempenho anual nas provas nacionais. Concretamente, são as competições nacionais que devem estabelecer quem participará nas provas europeias, sem haver determinados clubes com direitos ou privilégios específicos. A UEFA, que assim perdeu o monopólio de organizar competições europeias e fica impedida de punir os clubes que participem, alertou que não há espaço no calendário competitivo para os jogos da Superliga.

publicado às 14:30

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds