Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bater, sem olhar a quem!

Rampante, em 07.11.19

5036dddb89cf14c68a4ecc4a7e678cdb_crop_north.jpg

Ponto prévio

As minhas mais sinceras desculpas a todos os leitores e em especial aos meus colegas do Camarote Leonino, por a minha escrita não abundar nos últimos tempos.

E se é a pura verdade que o tempo disponível não tem sido muito, também é verdade que a vontade para escrever vai escasseando, muito porque, gosto que a minha escrita seja critica, de evidenciar problemas para que se discutam soluções e com isso progredir… no entanto o clima de crispação existente, não me deixa à vontade para discutir, pois tudo está a ser aproveitado para “apedrejar” o Sporting e por muitos assuntos que eu gostasse de ver a serem discutidos, comigo não contem para o maltratar.

Neste momento, o meu silêncio, é o meu total apoio à Direcção e consequentemente ao Sporting Clube de Portugal.

A crítica

Todos nós sabemos que o Sporting está dividido e quem está “contra” esta Direcção, tem aproveitado tudo como pedra de arremesso.

Eu, que acompanho assiduamente e leio um bom número de espaços on-line dedicados ao Sporting, deparo-me diariamente com mentiras intoleráveis, extrapolação de situações, ofensas, contradições deveras infinitas e muito pouca racionalidade, no ataque aos órgãos directivos do Sporting e em especial ao nosso presidente.

E sendo verdade que se percebe bem qual a facção de onde provêm estes discursos, o que é certo é que estes ataques “sem olhar a quem”, acabam por prejudicar não a Direcção, mas sim todo o universo leonino, inclusive a equipa principal de futebol.

É um facto que o Sporting não está a jogar bem e não dá muitas esperanças para o futuro, mas eu ainda não percebi bem esta história de deitar a toalha ao chão à 10ª jornada e de se andar a gritar aos sete ventos, e mais, que o Sporting está afastado de tudo desde o início de Outubro...

De quem era de esperar estes tipos de discursos hostis, era de adversários do Sporting e nunca de sportinguistas... se é que verdadeiramente o são... pois sportinguistas de verdade podem (e devem) até criticar Direcções, mas não, jamais, equipas inteiras com enfoque especial na sua motivação...

Um sportinguista que à 5ª jornada, 6ª, 7ª, etc… ande a gritar aos sete ventos, e mais, que o Sporting já está afastado do título, que ganha ele com isso?... E o que acha ele que ganha o Sporting ou a equipa com esse discurso derrotista?... Acha ele que está a fazer bem ao Clube?

Os factos e a realidade

- Na época passada (201818/19), à 16ª jornada (a meio da época) o SLB estava a 7 pontos do líder e acabou Campeão com 2 pontos de vantagem...

- Na época 201414/15, à 10ª jornada o Sporting tinha exactamente os mesmos 17 pontos que tem esta época (o Benfica tinha 8 de avanço)… é verdade que acabou em 3º, mas ao contrário de hoje, não se colocou a Direcção e a equipa em causa por tão fraca prestação, nem se gritava que se iria repetir a época 2012/13… muito pelo contrário, a equipa teve apoio até ao fim.

- Na época 20005/06, à 10ª jornada o Sporting tinha exactamente os mesmos 17 pontos, fruto de um arranque muito tremido…. Relembro, no entanto, que terminou em 2ª lugar, conquistando assim acesso à Liga dos Campeões.

- Apesar de na temporada anterior (20004/05), à 10ª jornada, o Sporting também ter estado com os mesmos 17 pontos (acabando em 3º lugar), chamo à atenção para a época 2001/2002, onde à 10ª jornada o Sporting contava com 3 derrotas e somava os mesmos 17 pontos. Parece que ninguém se lembra desta situação… e porquê? Porque nessa época o Sporting acabou Campeão.

Atenção que com isto não estou a dizer que o Sporting pode facilmente recuperar e muito menos desvalorizo o mau futebol que se está a praticar… o que me custa… e muito… é ver ditos sportinguistas, que com a ânsia de atacar a Direcção, atacam a equipa…

Atirar a toalha ao chão neste momento da época é completamente prematuro tal como nos mostra a história…

Atacar” a equipa neste momento, não é atacar a Direcção, é atacar o Sporting.

publicado às 14:30

A avareza enquanto pecado capital

Rampante, em 19.06.19

O Sporting está a passar uma espécie de mini-revolução, não causada por uma qualquer transferência mais ou menos polémica, mas por causa do novo preçário das GameBox, que sofreu um aumento significativo para a época 2019/2020, o que para mim representa o segundo grande erro da administração de Varandas.

Começando pelo aspecto positivo: a reformulação da organização dos sectores que há muito era “pedida” pelos sócios e adeptos.

Agora o negativo: o aumento dos preços.

64474671_10156036895346555_1189859971404136448_n.j

É verdade que nos últimos anos o Sporting viu o preço das suas GameBox aumentarem, no entanto isso não é “desculpa” para os aumentos deste ano.

Esta Direcção devia ter tido a inteligência para perceber que as receitas de GameBox são uma pequena parte das receitas anuais da SAD (menos de 5M€) e que estes aumentos, mesmo que se mantivesse o numero de GBs vendidas, representariam um pequeníssimo aumento de receitas (menos de 1M€), ou seja, este aumento praticamente não se nota nas contas anuais da SAD.

MAS NOTA-SE, E MUITO, NAS CONTAS INDIVIDUAIS DE CADA SÓCIO

Conheço alguns casos em que entre pai e filho os aumentos batem quase nos 200€, e isto sem contar que já tem custos acrescidos por terem de fazer mais de 300kms cada vez que vão a Alvalade. Mas esquecendo a injustiça crónica para com os sócios de fora de Lisboa, cuja discussão deixarei para outra ocasião, este aumento brutal vai eventualmente afastar muitas famílias de Alvalade.

E mais... se esta Direcção está a olhar para as GB como forma de receitas, então percebem muito pouco da dinâmica comercial de eventos para massas.

Trazer pessoas a Alvalade, devia ser um investimento e não uma fonte de receitas. Daí eu até defender uma baixa de preços nas GameBox.

Porquê?

Porque GB mais baratas representariam um pequeníssimo investimento no “bolo total” de receitas anuais do Sporting…

Investimento esse que seria provavelmente colmatado com o aumento de vendas de GB.

E um maior número de pessoas a assistir aos jogos em Alvalade, cria uma dinâmica viva entre adeptos e sócios, o que faria com que também fosse aumentada a venda de bilhetes pontuais… além de representar também receitas acrescidas em merchandising e melhores contratos na exploração de bares, publicidade, etc… Toda uma dinâmica crescente…

…e tudo isto, sem sequer referir o rendimento desportivo que beneficia de um maior apoio dos adeptos.

Este aumento é, na minha opinião, um erro enorme de Varandas. Avidez de ganho que lhe poderá sair cara.

Primeiro, enche-se Alvalade, e só depois, se poderá jogar com a questão de oferta/procura e fazer aumentar os preços.

Uma decisão incompreensível e sem qualquer justificação aparente, e que, apesar dos meus (consideráveis) conhecimentos na área da gestão comercial, não descortino qualquer razão lógica para ocorrer… muito pelo contrário.

Varandas, que precisa do apoio de todos para a próxima época, “compra uma guerra” que jamais poderá vencer… e basta ver a generalidade de notícias difundidas, bem como toda a agitação precipitada, para verdadeiramente compreender que não há aumentos de preços que possam compensar o momento.

Após esta decisão completamente amadora, espero profissionalismo, pelo que aguardo que alguém da Direcção venha justificar cabalmente esta medida, ou que no mínimo, venha dizer que ouviram os sócios e como tal irão apresentar uma nova tabela de preços.

P.S.: Este aumento não representa simplesmente uma má estratégia de gestão, representa também que na ânsia de fazer dinheiro há quem esteja disposto a jogar com o Amor que os sócios e adeptos têm pelo Sporting. 

Nota final: Para os que ficaram a questionar qual eu considero ter sido o primeiro grande erro desta Administração, considero que foi e é, a Comunicação.

Tags:

publicado às 06:49

 

Leão-IR6.jpg

 

Continuando a minha análise à auditoria, faço este post destacando apenas um assunto: a relação com a empresa Sigma Trust International, do Luxemburgo.

 

O contracto com a SigmaTrust é algo que à primeira vista seria normal e razoável, pois compreendia um contracto onde esta empresa iria tentar obter um financiamento mínimo de 150M€ para o Sporting com uma taxa de juro máxima de 6,5% ao ano.

 

Adicionalmente o Sporting pagaria à SigmaTrust no mínimo 1M€ caso ela conseguisse um haircut (redução) na divida da banca nacional, e mais um valor de 25 mil euros mensais durante 2 a 6 meses.

 

Em princípio, não aparenta haverem indícios de anomalias neste contrato, no entanto, o auditor entendeu dar relevo a algumas peculariedades, nomeadamente:

 

  • Se não existe haircut mínimo, então no limite bastaria a esta empresa fazer um haircut de 1€, para o Sporting ter de lhe pagar 1M€.

 

  • Apesar de facturar dois meses (50.000€), nunca esta empresa respondeu ao Sporting nas diversas solicitações acerca dos trabalhos desenvolvidos, não existindo assim qualquer evidência desse trabalho.

 

Estas são as considerações do auditor, no entanto acho que neste caso o auditor podia e devia ter ido mais longe, senão vejamos:

 

O contrato foi assinado por Riccardo Moraldi e Jorge Cunha, pese embora a empresa seja “apenas” de Riccardo Moraldi.

 

Apesar de não ter encontrado informação que ligue algum Jorge Cunha à SigmaTrust, é fácil perceber que na realidade se trata do mesmo Jorge Cunha que trabalha na Goldreds que possui sede no mesmo local da SigmaTrust e que também pertence a Moraldi.

 

E qual a importância disto?

 

É que este Jorge Cunha foi um dos principais portugueses envolvidos no escândalo dos Panamá Papers, estando ligado à gestão de algumas fortunas, incluindo à de Manuel Vilarinho, antigo Presidente do Benfica.

 

Após o escândalo dos Panamá Papers (em 2016) Jorge Cunha afastou-se (ou foi afastado) do Banco do Luxemburgo e ter-se-á juntado a Riccardo Moraldi.

 

Isto até poderia não ter especial importância, mas temos de ter em consideração que BdC sempre se mostrou paladino da verdade, da ética e mostrava-se como sendo um cruzado contra fundos de origem duvidosa e contra todos os interesses obscuros que rodeiam o futebol…

 

Sendo ele essa pessoa, então o que o fez juntar-se (e pagar) a uma empresa que se fazia representar precisamente por um dos rostos que a nível mundial, mais está ligado a “esquemas altamente duvidosos”?

 

Faz-se de santo e vai dar dinheiro ao diabo?

 

Curiosidade final: Apesar de Moraldi ser um Italiano que faz carreira no Luxemburgo é curioso perceber que o domínio da SigmaTrust foi registado em Portugal e o próprio site terá sido desenvolvido por pessoa e/ou empresa portuguesa, bem como está sediado em servidores portugueses (tal como a Goldreds). Será que existem aqui mais coincidências?

 

Deixo ao leitor o desafio de comentar este contrato, nomeadamente os dois pontos que o auditor levantou, bem como da idoneidade (ou falta dela) aparente da empresa em causa.

 

publicado às 12:01

 

21417157_kzSON.jpeg

 

(Em uma auditoria séria, ninguém está a salvo, nem o próprio auditor!)

 

Nestes dias, no mundo desportivo não se fala de outra coisa a não ser da auditoria... No meio de tanta asneira que tenho lido (aliás, maioritáriamente só leio e ouço asneiras em relação à auditoria) tenho tentado manter algum silencio acerca do assunto, no entanto, sinto que devo deixar alguns esclarecimentos, questões e pensamentos, para que todos em conjunto possamos fazer o nosso debate aqui no Camarote Leonino.


Assim, ao contrário das extensas análises que costumo fazer acerca dos diversos assuntos, irei distribuir em vários posts (este é o primeiro), deixando apenas referências àquilo que considero relevante.

As minhas pertinências de hoje são:

 

1 - Facto: A auditoria foi solicitada pela Comissão de Gestão e não pela Direcção actual;

 

2 - Facto: A auditoria foi entregue ao Sporting CP a 15 de Março, que entretanto a terá feito chegar a outras instituições, nomeadamente do foro de investigação criminal. Terá havido uma "fuga" de informação, estando esta a ser considerada da responsabilidade exclusiva do Conselho Directivo. Efectivamente, a "fuga" é lamentável e o Sporting deve agir de forma a encontrar os autores da acção.

 

De momento, é prematuro e infantil "culpar" a Direcção, pois trata-se de um documento de elevado interesse jornalístico e  a fuga pode ter surgido de vários locais, incluindo os de investigação criminal, pois como se sabe a Imprensa tem conseguido o que quer, inclusive e surpreendentemente vídeos de interrogatórios judiciais (surreal e digno de país de terceiro mundo). 

 

3 - Facto: A lamentável fuga tem servido para a "ala brunista" atacar esta Direcção e por consequência o Sporting. Pessoas, blogs, páginas e artigos de opinião têm sido escritos e em quase todos é denominador comum o ataque a Frederico Varandas, sendo que alguns vão mais longe e citam os Estatutos de forma a justificar uma pretensa destituição.

 

Esta fracção radical diz que isto é um ataque pessoal (como se BdC ainda tivesse alguma relevância institucional na actualidade do Sporting) e que com ele isto não seria possível. Aos leitores do Camarote Leonino, deixo o alerta para não se deixarem enganar por estes "falsos moralistas", pois foi precisamente com o ex-presidente destituído que o Sporting viu contratos seus serem "escarrapachados" na praça pública.

 

Mas pior... lembram-se da auditoria que BdC mandou fazer às Direcções anteriores? Então não é que essa mesma auditoria também foi publicada nos jornais antes de ser dada aos sócios? E não é que houve inclusivamente processos em tribunal contra BdC por essa "fuga"??

 

4 - Nota: As auditorias NÃO são investigações, são sim análises de métodos, processos, documentos, etc... da entidade contratante. Da mesma forma, a auditoria incide sobre essa mesma entidade e não sobre os seus fornecedores, clientes, funcionários, etc... 

 

Falo nisto porque ouvi hoje um comentário de Octávio Machado que estaria preocupado com a sua situação fiscal, bem como li uma nota de imprensa (infantil) de um fornecedor (YoungNetwork) onde tentam justificar algumas situações. Eles deviam ter percebido que não foram eles os auditados mas sim o Sporting.


Em relação ao antigo dirigente, a exemplo, o alerta do auditor era que o trabalho realizado poderia configurar não uma prestação de serviços mas sim um contrato laboral e daí os riscos fiscais, pois a ACT, por exemplo, poderia considerar que estaríamos perante um caso semelhante aos "falsos recibos verdes". Aqui, o auditor apenas alerta o Sporting para que de futuro estas situações sejam evitadas.


Relativamente à YoungNetwork, nem vou comentar para já, pois quero acreditar que a nota de imprensa foi escrita por alguém que lhes "hackeou" a conta do Facebook e não da autoria de uma empresa minimamente credível.

 

5 - Questão: Na página 17 da auditoria, ficamos a saber que em Junho de 2018 (depois do ataque a Alcochete e antes de BdC sair) houve um acerto de contas no saldo das claques num total de cerca de 1 milhão e 100 mil euros.

 

A que se refere este acerto, como e exactamente quando foi pago?

 

O auditor não conseguiu determinar, no entanto, dado o momento do Clube à data e o substancial montante em causa, considero que esta questão exige resposta, até porque o então presidente tinha supostamente "cortado" todas as regalias às claques. 

 

Estas são as minhas primeiras 5 pertinências.

 

publicado às 03:34

 

21397803_N0E3b.jpeg

 

Dez dias após ter escrito este artigo aqui no Camarote Leonino, eis que hoje volto a escrever, não um original, mas antes para citar uma noticia acabada de ser lançada no site da FPF:

 

"O próximo jogo em casa da Selecção Nacional A no grupo B da fase de qualificação para o Campeonato da Europa de 2020, frente ao Luxemburgo, vai realizar-se no Estádio José Alvalade, a 11 de Outubro (19h45).

 

Antes desta partida, Portugal vai cumprir os dois encontros da "final four" da Liga das Nações na zona Norte do País: o Portugal-Suíça está já marcado para o Estádio do Dragão (19h45), sendo que o palco da outra partida dependerá do resultado frente aos helvéticos (as únicas possibilidades são o Estádio do Dragão e o Estádio D. Afonso Henriques).

 

Até ao mês de Outubro, a 'Equipa das Quinas' tem ainda duas deslocações no âmbito do apuramento para o próximo Europeu, à Sérvia (7 de Setembro) e à Lituânia (10 de Setembro).

 

O Presidente da FPF, Fernando Gomes, salientou a importância do apoio dos adeptos em todo o país nos compromissos que se avizinham:

 

"Nos últimos anos, a Selecção Nacional tem efectuado jogos em diversos estádios do País, o que de resto sucede com todas as Selecções Nacionais dos diferentes escalões. Em Junho estaremos no Norte, que escolhemos para receber a fase final da Liga das Nações, e em Outubro disputaremos um jogo muito importante com o Luxemburgo, em Alvalade. Estamos certos que, a exemplo do que aconteceu na recém-dupla jornada de qualificação para o Europeu 2020, os portugueses estarão nos estádios ao lado da Selecção nestes compromissos tão importantes."

 

Frederico Varandas, presidente do Sporting, congratulou-se com o regresso da principal Equipa das Quinas ao recinto do emblema leonino:

 

“Estamos muito satisfeitos com a decisão da Federação Portuguesa de Futebol. Não recebemos, no Estádio José Alvalade, um jogo da Selecção desde 2015. É o regresso da nossa Selecção, Campeã em título do torneio, a um palco de excelência que é a casa de um conjunto largo de jogadores que foram formados no Sporting Clube de Portugal. Uma feliz notícia para o Sporting. Esperamos um Estádio cheio e um grande ambiente de vitória para a Selecção Nacional."

 

in: www.fpf.pt

 

publicado às 16:30

Novo empréstimo de 65 Milhões

Rampante, em 21.03.19

 

Empréstimos-particulares.jpg

 

A Sporting SAD anunciou ontem, dia 20, ter fechado um acordo de cessão de créditos pelo montante de 65 Milhões de Euros…


O que significa isto e que consequências existem?

 

O que significa

 

Como é do conhecimento público, o Sporting possui um contrato de longo termo com a NOS relativo a direitos de TV e publicidade. Esse contrato dá o direito ao Sporting de receber anualmente um determinado montante.

 

O que o Sporting fez, foi contrair um empréstimo de uma empresa investidora (Apollo?) e como garantia deu os direitos que possui sobre o contrato da NOS.


De uma forma simplista, é um pouco como quando compramos uma casa recorrendo a um empréstimo bancário… o banco dá-nos o dinheiro e ao mesmo tempo hipoteca-nos a casa, que é a garantia deles para o caso de nós não cumprirmos com as prestações. Neste caso há uma empresa que dá 65 milhões ao Sporting e ao esmo tempo "hipoteca" parte do contrato da NOS.

 

Esta é uma operação financeira extremamente normal nas empresas e no caso particular do futebol é também comum… aliás, o Sporting, dos chamados 3 grandes, até era a SAD que menos valor do contrato de direitos televisivos tinha cedido…

 

Acaba por ser uma excelente alternativa à emissão pública de obrigações como aquela que o Sporting fez há uns meses, e o juro apesar de ser normalmente mais alto, não significa obrigatoriamente que a operação seja mais cara.

 

Que consequências existem?

 

Para já, o Sporting consegue um encaixe financeiro de 65 milhões de euros, o que é uma lufada de ar fresco na sua tesouraria, no entanto, este montante nem vai chegar a aquecer o lugar, pois terá de pagar um valor que eu estimo ser próximo dos 50 milhões, até ao final de Maio.

 

Pese embora todo o dramatismo que já li na Internet, não existem consequências de maior desde que o Sporting cumpra o pagamento do empréstimo na(s) data(s) acordada(s). Caso falhe esse pagamento, o que acontecerá é que a NOS pagará ao investidor ao invés de pagar ao Sporting… Podem os sócios ficar descansados, que nesta operação não existe risco do investidor vir a ficar com percentagem da SAD.

 

mw-860.jpg

 

A minha opinião pessoal sobre esta operação

Para já, é difícil dar uma opinião mais elaborada, pela pouca informação conhecida.

 

Pessoalmente gostava de saber pelo menos o seguinte:

 

  • Qual a empresa investidora? É mesmo a Apollo?
  • Qual o juro aplicado?
  • Sendo através da emissão de obrigações, qual o prazo das mesmas (quando tem de se pagar este empréstimo)?

 

No entanto, face ao que já se sabe e tendo em conta as necessidades urgentes do Sporting, considero que esta era a opção mais rápida e eficaz, sendo que apenas estou preocupado com o eventual juro que terá de pagar.

 

Contudo, pelo comunicado à CMVM, sabe-se que são permitidas amortizações antecipadas (pagar mais cedo) e isso é uma boa noticia, pois se o juro for muito alto, pode o Sporting no futuro com a venda de algum jogador amortizar este crédito.

 

Esta é uma solução que vai dar tempo à Direcção para arrumar a casa sem ter de andar preocupada com a tesouraria, pois esta verba deve satisfazer as necessidades financeiras até ao fim de 2019.

 

Com este dossiê resolvido, é de esperar que Varandas comece a tomar rédea de outros temas fundamentais para o Clube, com uma disponibilidade que até agora provavelmente não tinha.

 

Espero nos próximos dias vir a ter mais informação acerca desta operação e nessa altura cá estarei para comentar. Como se tem verificado, rumores e notícias de pasquins raramente revelam a realidade total.

 

publicado às 04:04

A "Luz" que ilumina a FPF

Rampante, em 16.03.19

 

21385595_0Tar1.jpeg

 

Escrevo este texto, motivado pelo comentário do leitor “Leão da Guia”, que comentava neste post, o facto da Selecção Nacional jogar os próximos dois encontros deste mês no Estádio da Luz.

 

Na minha opinião, é notório e demais evidente que existe uma óbvia preferência da FPF por este estádio, senão vejamos:

 

Desde Março de 2015 (último ano em que a Selecção jogou em Alvalade), até Março de 2019, a equipa de todos nós fez 25 jogos em Portugal, sendo 14 amigáveis e 11 oficiais.

 

Destes 25 jogos:

 

  • 8 foram no Estádio da Luz
  • 3 no Estádio-Fantasma de Leiria
  • 2 no Bessa e 2 no Algarve
  • 1 em Alvalade (a 04 de Setembro de 2015)
  • 1 no Estádio do Dragão
  • 8 nos restantes estádios

 

Se formos a ver apenas os jogos oficiais, então temos:

 

  • 6 no Estádio da Luz
  • 1 em Guimarães, Bessa, Algarve, Aveiro, Braga
  • 0 em Alvalade e 0 no Dragão

 

A última vez que a Selecção jogou em competição em Alvalade foi a 11 de Outubro de 2013, já lá vão quase 6 anos.

 

Exige-se que a FPF explique os motivos e se o não fizer, exige-se que os clubes exijam uma justificação junto da FPF.

 

O FCP provavelmente irá remeter-se ao silêncio, uma vez que o Estádio do Dragão já tem garantidos 2 jogos para este ano (após 3 anos de um amigável que lá se jogou).

 

Não havendo explicações públicas, é natural que as pessoas acreditem que esta preferência se dê pelos motivos que vieram a público através dos e-mails filtrados, ou seja, por haver trocas de dinheiro entre a FPF e o SLB, “pela porta do cavalo”, para além dos montantes oficiais.

 

Da minha parte, surpreende-me que nem FPF, nem SLB, tenham vindo ainda a público justificar o que para eles significa “…pagar pela porta do cavalo…”, em especial, porque esta afirmação indicia práticas ilegais de branqueamento de capitais, um crime público que a ser real, poderia levar a FPF a perder o Estatuto de Utilidade Pública.

 

Mais, surpreende-me que sendo o SLB uma SAD cotada em bolsa, nunca tenha havido por parte das entidades reguladoras, nomeadamente CMVM, qualquer questão e/ou pedido de esclarecimento, esquecendo-se porventura (ou fazendo-se de esquecida) que o crime é alargado às Instituições Reguladoras que, por mero indício, não actuem.

 

Este caso com certeza ainda dará muito que falar, até porque estes são crimes públicos e a partir do momento que a mera suspeita surja (e já surgiu na imprensa nacional) o Ministério Publico terá de actuar…

 

Poderão as Instituições tentar “esquecer” o caso, no entanto compete-nos a nós cidadãos pressionar até que haja respostas, e nesse sentido, o Sporting, como um dos principais lesados, poderá ter um papel fundamental, queira esta Direcção disponibilizar-se a isso.

 

P.S.: Podendo um jogo oficial render mais de 1 Milhão de euros (directa e indirectamente) ao “dono” do Estádio, é fácil perceber o quão apetecível é albergar os jogos da Selecção.

 

publicado às 12:00

De jogador a "Saco de Pancada" !

Rampante, em 06.03.19

 

21374449_O3VhZ.jpeg


Desde que anunciou a decisão de rescisão, Bruno Fernandes tem sido o “saco de pancada” preferido dos inimigos do Sporting e nem a brilhante e histórica época que está a fazer, faz esmorecer aqueles que lhe querem mal.

 

Ver adeptos adversários a atacar este profissional custa, mas são “ossos do oficio”, agora ver sportinguistas a fazê-lo, já me parece demasiado masoquismo…

 

Utilizar este jogador, que se tem mostrado exímio profissional, como arma de arremesso de outras guerras, é algo que tenho dificuldade em tolerar.

 

Posto isto, tem surgido recorrentemente assunto sobre o “regresso” de Bruno Fernandes à equipa após rescisão e sobre os hipotéticos montantes envolvidos.

 

Vamos a factos:

 

  1. Bruno Fernandes Rescindiu com o Sportng após o ataque a Alcochete;
  2. A Comissão de Transição negociou o seu regresso ao Clube;
  3. O jogador é “atacado”, havendo quem diga que o mesmo lucrou com o regresso a Alvalade;
  4. Em entrevista, Bruno Fernandes esclarece que regressou sem ter ganho qualquer euro e que o novo contrato é nos exactos mesmos termos do anterior. O mesmo refere que o seu empresário terá ganho dinheiro, tendo sido algo que o desagradou;
  5. Sai o R&C semestral e o mesmo evidência que o empresário tem a haver desta operação um montante entre 1,2M€ e 1,6M€;
  6. Instaurada nova discussão pública, Bruno Fernandes vem de novo à praça dizer que não ganhou nada com o regresso ao Sporting.

 

Perante estes factos, parece-me por de mais evidente que Bruno Fernandes não recebeu qualquer incentivo adicional e nem sequer viu melhorada a sua posição contratual com o seu regresso ao Sporting.

 

Por isso, atacar e/ou questionar as motivações de B. Fernandes, pelo seu regresso, apenas pode ser revelador de má fé por quem o fizer.

 

NO ENTANTO, há que esclarecer o que levou a Comissão de Transição e o empresário a negociar uma verba na ordem dos 1,5M€.

 

Era do conhecimento geral que a Comissão de Transição pretendia resolver as rescisões o mais breve possível e porventura sentiu-se pressionada a aceitar pagar esta verba, ainda mais, referente a um jogador de tão alto valor como é Bruno Fernandes. Se assim foi, a Comissão apenas terá de o assumir e viver com a possivel crítica.

 

É natural que houvesse uma verba a pagar ao empresário, no entanto, o valor da mesma poderá deixar dúvidas no ar, nefastas caso não exista uma justificação plausível.

 

Quanto ao jogador, e para aqueles que questionam o porquê de ele manter o empresário, relembro que haverá um contrato em vigor e esta não será certamente uma causa que o permita rescindir.

 

Além do mais, há indicações que Bruno Fernandes não foi “perdido nem achado” neste capítulo das negociações, podendo ser argumentado que é um assunto da responsabilidade das partes: o seu agente e a Comissão de Transição do Sporting.

 

Como nota final, chamo apenas a atenção que este valor é devido, mas ainda não foi pago,  sendo então plausível a actual Direcção, o jogador e o empresário, sentarem-se à mesa e esclarecerem o assunto, bem como eventualmente renegociarem a verba. Haja vontade para isso.

 

Adenda: Declaração, desta quarta-feira, de Miguel Rúben Pinho, da Positionumber - Sports Management, empresa que gera a carreira de Bruno Fernandes:

 

"O valor que mencionam é um valor devido pela Sporting SAD à Positionumber e não a Bruno Fernandes. O Bruno é um profissional de excelência, um enorme jogador que regressou ao clube sem exigir nenhuma renovação contratual e não foi premiado com nada quando regressou. Todos estes factos poderão ser naturalmente confirmados pelo Sporting".

 

Também Bruno Fernandes reiterou a sua posição:

 

"Mas qual é o agente que não ganha uma comissão hoje em dia? E foi uma das coisas pelas quais tive uma discussão com o meu agente porque eu não sabia dessa comissão e confrontei-o com isso. Confrontei-o porque o meu objectivo, e ele sabia, que o meu foco, a vir para o Sporting, seria vir com o mesmo salário, vir com as mesmas condições".

 

publicado às 03:19

Dores que ainda Doyen

Rampante, em 05.03.19

 

21373257_fU1fV.jpeg

 

Publicado o Relatório Semestral, tem esta direção sido questionada por algumas questões, nomeadamente acerca do negócio Rui Patrício e suposta divida à Gestifute.

 

Vamos a factos.

 

Antes de 2013, o Sporting encetou uma série de negociações e renovações com jogadores, utilizando para isso 3ªs empresas que investiram dinheiro em proporções que o Sporting não conseguia. Podemos agora questionar a ética por trás da intervenção destas empresas, mas temos de ter plena consciência de que à época este era um procedimento legal e comummente utilizado por aqueles clubes que não tinham dinheiro para investir e num momento em que a banca tinha fechado as torneiras do crédito.

 

Assim, os clubes viram nestas empresas o acesso viabilizado a dinheiros que não tinham e as empresas viram aqui oportunidades de negócio milionários.

 

Os saudosistas pela Direcção de BdC, gostam de abanar a bandeira a dizer que foi ele que liderou uma guerra contra os Fundos e Empresas 3ªs, no entanto não dizem que BdC apenas se tornou contra os Fundos quando tentou “passar a perna” a um desses Fundos, numa ação que custou milhões ao SCP. Falo aqui da Doyen e na sacanice que a direcção de BdC fez (ou tentou fazer).

 

Para além da situação com a Doyen Sports, aquando das renovações de Adrien Silva e Rui Patrício em 2016, o Sporting (ou BdC) tentou afastar a Gestifute do processo de forma unilateral, excluindo-a dos seus direitos como se nada fosse. Foi utilizada a exacta mesma estratégia que para com a Doyen, com consequências que podiam ter sido semelhantes.

 

Esta distinta “sacanice” foi feita à vista de todos e ainda hoje me pergunto como é que as autoridades fiscalizadoras, bem como a PWC que audita as contas do SCP, nunca se referiu ao seguinte facto:

 

Até 31-12-2015 o SCP indicava que possuía 65% dos direitos económicos de Rui Patrício e 50% dos de Adrien Silva. No 1º semestre de 2016, por via das renovações de contrato, o Sporting adquiriu a percentagem que cada um detinha (17,5% e 30% respectivamente) e anunciou o Sporting à CMVM que passou a deter 82,5% dos direitos económicos de Rui Patrício e 80% de Adrien Silva (o restante dos passes dos 2 jogadores seriam da Gestifute).

 

Acerca dos dois referidos jogadores, nunca mais houve comunicações à CMVM, nem foi feita referência em qualquer relatório e contas, NO ENTANTO, após Junho de 2016 o SCP passou a reflectir nos seus documentos que detinha 100% dos direitos económicos destes dois jogadores SEM evidenciar qualquer contingência a favor da Gestifute pelos direitos que a mesma detinha. Incrível esta “contabilidade” criativa…

 

No Mundo do “faz de conta” em que BdC vivia, tudo isto era muito bonito, até ao dia em que a realidade lhe bateu à porta e esse dia foi aquando da negociação de Rui Patrício. Nesse dia a Gestifute terá pedido um acerto de contas que consistiria em 20% de 29,5M€ da venda de Adrien Silva e 17,5% da venda de Rui Patrício, o que daria 9,05M€ (5,9M€ + 3,15M€), mais de metade do valor a que estava a ser vendido Rui Patrício.

 

Com a saída de Bruno de Carvalho do Clube, as negociações tornaram-se mais “simples” e Rui Patrício, à semelhança do que Adrien já havia feito, abdicou de valores que tinha a receber do Sporting por forma a facilitar as negociações e a Gestifute, por forma a não se envolver em litígios aceitou receber 4.459K€ ao invés dos pouco mais de 9M€ a que tinha direito.

 

Ao contrário do que os “alucinados” pela anterior Direcção querem fazer crer, as dividas à Gestifute eram evidentes e mesuráveis e este foi MAIS UM problema que BdC deixou para os outros resolverem...

 

...no entanto a Direcção de Varandas também não está a conseguir sair com a imagem “limpa”, pois segundo este relatório semestral existe um valor de 1,5M€ (e não 2M€ como tem sido divulgado) por justificar. Zenha, com visível embaraço, disse que este valor era referente a um protocolo com o Wolves para o Sporting entrar no mercado Chinês. Uma justificação que além de não ser convincente, levanta mais questões do que deu respostas e se Varandas não quer começar a deixar “pontas soltas” é bom que ele ou alguém da sua Direcção venha a publico clarificar esta situação sob pena de perder já a transparência que tanto apregoou durante a sua campanha eleitoral.

 

Nota final:

 

Porquê o título “Dores que ainda Doyen”?

 

É uma simples alusão ao facto de que um processo infantil, liderado por mentes infantis, pode fazer sofrer o Sporting muito para além do tempo expectável… Toda esta confusão com a Gestifute arrastou-se no tempo por causa do processo Doyen… e mais… à custa da infantilidade de BdC, o SCP ainda tem neste momento mais de 2M€ penhorados na UEFA, dinheiro que neste momento faz imensa falta à tesouraria de Alvalade. Os “alucinados” podem não querer acreditar, mas o Sporting CP vai demorar muito tempo até recuperar definitivamente do efeito Bruno de Carvalho.

 

publicado às 03:19

OPSO Sporting SAD 2018-2021

Rampante, em 18.11.18

 

21244120_6csSh.jpeg

 

O Sporting lançou no passado dia 12 de Novembro uma Oferta Publica de Subscrição de Obrigações SPORTING SAD 2018-2021 por um montante inicial de 30M€. Esta oferta podia ser aumentada, caso o SCP SAD assim o entendesse, numa decisão a ser tomada no máximo até ontem, dia 16 de Novembro (algo que não aconteceu).

 

Os valores a serem recolhidos nesta operação, destinam-se integralmente ao reembolso do empréstimo obrigacionista que termina este mês.

 

Dado que o SCP não requereu o aumento da oferta, isso é uma clara indicação de que a procura está baixa e poderá nem chegar aos 30M (para a operação se concretizar a procura tem de ultrapassar os 15M€.

 

Tendo em consideração que nem sempre as pessoas conhecem este tipo de instrumentos financeiros (acreditando cegamente nos seus gestores de conta), vou tentar aqui explicar de forma simples e grosseira do que estamos a falar.

 

Obrigações SCP 2018-2022: 

 

Basicamente uma obrigação é um contrato de empréstimo onde tem escrito que o detentor da obrigação tem direito a receber 5€ em Novembro 2022. Além deste valor, o detentor irá receber ainda 2,625% a cada 6 meses como compensação (juro). 

 

5,25% é bom ?

 

Depende...

 

Para o SCP é bom se não tiver conseguido arranjar outros meios de financiamento mais baixos, por exemplo, vamos imaginar que o SCP tinha a hipótese de antecipar valores do contrato da NOS, mas essa operação tinha um “custo” associado de 3,5%/ano. Neste caso, então compensaria mais ao SCP antecipar valores da NOS do que emitir obrigações.

 

Para os subscritores, este valor é bom se não conseguirem melhores rentabilidades (juros mais altos) em investimentos de risco semelhante. Por exemplo, vamos supor que o Manel tinha 1000€ para investir e considera que existe tanto risco comprar obrigações do SCP como emprestar o dinheiro ao seu amigo Carlos, sendo que o seu amigo lhe disse que só lhe podia pagar 3,5%/ano, neste caso, então para o investidor compensa mais comprar obrigações do SCP.

 

Mas é seguro comprar obrigações SCP?

 

Eu considero que sim. A SAD no seu prospecto releva um cenário financeiro muito mau àquela data (data do prospecto), no entanto o que interessa é a viabilidade financeira a médio prazo e essa não me parece para já preocupante. Temos de ter em conta que o pagamento será em 2022 e que a essa data o SCP possui ainda em vigor o contrato com a NOS e para esse ano (bem como 2021 e 2020) o SCP ainda não antecipou qualquer montante e estamos a falar de montantes que correspondem a cerca de 30% das receitas anuais. Ou seja, eu olhando para as previsões financeiras futuras do SCP, as mesmas não me parecem para já alarmantes para subscritores de obrigações, NO ENTANTO, considero sim, que o SCP possui meios para se rentabilizar MUITO melhor.


Mas relativamente a estas obrigações, o risco parece-me ínfimo (OPINIÃO MERAMENTE PESSOAL) e para investidores avessos ao risco (têm medo de perder dinheiro) será com certeza mais seguro e menos stressante investir em obrigações do SCP, do que noutras formas de investimento, como acções por exemplo.

 

Estou indeciso, o que faço?


Isso depende de cada um… A compra de obrigações deve ser sempre considerada um investimento e eu recomendo sempre que as pessoas só façam investimentos com dinheiro que tenham a certeza, não lhes fazer falta no seu dia-a-dia.

 

A adesão a este tipo de instrumentos financeiros deverá depender SEMPRE da decisão do dono do dinheiro e não de pressões de amigos, familiares ou pseudo-gestores que muitas vezes vendem o que lhes dizem para vender. Caso alguém esteja interessado em conhecer a fundo esta operação, poderá consultar o prospecto detalhado AQUI

 

obrigações 2.jpg

 

Para não tornar este texto anda mais longo, fico por aqui. Caso hajam questões, utilizem a caixa de comentários, não esquecendo de se identificarem correctamente.

 

Bons negócios !

 

publicado às 03:48

 

21206556_5bREh.jpeg

 

Na Parte I deste texto, tentei abordar de forma mais ou menos teórica, a problemática do Tempo na tomada de decisão. Antes de continuar, gostava apenas de realçar algo que tive de repetir na resposta a muitos comentários: Tempo para decidir e o momento da Comunicação da decisão são dois aspectos completamente diferentes.

 

Hoje neste texto, gostava de continuar a abordar esta temática de forma mais prática, com exemplos que espero eu, possam levar a uma melhor compreensão e a uma saudável discussão acerca de como deverá o Sporting encarar este tema no futuro.

 

Tempo para as decisões

 

Um qualquer gestor de topo, deverá saber medir a sua reacção nos tempos acertados. Tal como disse no texto anterior, a sociedade actual exige uma rapidez que não é compatível com a capacidade humana, pelo que, grandes gestores tomam as decisões nos tempos necessários e não quando as pressões o exigem.


O processo de negociação das rescisões é um exemplo tremendo. Um “qualquer” gestor facilmente poderia ceder à pressão da falta de dinheiro, da exigência dos sócios e de todos os actores que gravitam à volta do Sporting e que exercem pressão consoante os seus interesses. Um bom gestor, não compromete o futuro com teimosias, mas também não decide “a quente” mesmo perante a iminência de penhoras por falta de tesouraria.

 

Um mau exemplo de gestão do Tempo na tomada de decisão era quase tudo o que Bruno de Carvalho fazia. Por exemplo, muitos dizem que ele é o “pai” dos problemas do SLB por causa da denúncia dos vouchers. Vamos ver se o futuro não vai mostrar que ele foi “pai” e “salvador”, pois ele com a ânsia de “queimar” o SLB fez o que não devia ter feito: veio a público precocemente denunciar.

 

Tivesse ele sabido gerir o seu Tempo, teria numa primeira fase feito uma denúncia ao Ministério Público e só posteriormente, caso não houvesse resultados, viria a denunciar o caso publicamente. Tivesse ele feito essa denúncia, que outras situações não teriam sido “apanhadas” pelas escutas?

 

Da maneira como agiu, BdC deu ao SLB o tempo necessário para “apagar provas”, tomar precauções e jogar com a consequente investigação que dificilmente trará consequências desportivas.


Outro mau exemplo de gestão do Tempo, foi a tomada de decisões no momento em que estava a Comunicar.

 

Por exemplo, quando suspendeu a equipa através do FB, BdC não só errou, como cometeu acto ilícito que em Portugal só não é condenado porque a nossa CMVM é uma anedota. Vejam o que aconteceu a Elon Musk (CEO da Tesla) por ter twittado sobre actividades da empresa que não estavam ainda outorgadas.

 

Só em Portugal, um qualquer CEO de uma empresa cotada pode fazer declarações públicas que afectam gravemente os activos da empresa, e consequente cotação em bolsa, e não leva nenhuma repreensão.

 

Neste caso foi ainda pior, pois Bruno de Carvalho comunicou uma decisão que não tinha poder de tomar e ainda por cima posteriormente teve de “voltar atrás” o que, sob o ponto de vista de qualquer investidor/financiador/fornecedor mostra o quão pouco credível é aquele CEO.

 

Péssima gestão de Tempo com repercussões gravíssimas para o SCP.

 

A extensão das decisões no Tempo

 

Uma outra forma de ver o Tempo nas organizações, tem a ver com a extensão das decisões no Tempo. Numa empresa “normal” este assunto é mais ou menos controlado uma vez que todos os actores estão a “remar para o mesmo lado”, no entanto na gestão publica e na gestão desportiva este tema merece ser amplamente discutido.

Um caso que foi falado já há alguns meses, teve a ver com os contractos de TV e questiona-se se é ético que uma Direcção eleita para um intervalo de tempo de quatro anos, negocie contratos de extrema importância e valor, que possuem prazos temporais tão extensos como dez ou quinze anos. Nestes casos estamos a falar de “impedir” que as próximas três ou quatro Direcções negoceiem elas uma das principais fontes de rendimentos do clube.


O que é deveras curioso neste exemplo, é que o mesmo adepto que critica a existência de um contrato de 15 anos para a prestação de um serviço (catering), acha que é um grande negócio um contrato de 12 anos que vale quase 200 vezes mais pelos direitos de TV, etc.

 

A diferença é que o adepto tem todo o direito de ser irracional, já o Gestor tem o dever de agir competentemente.

 

Penso que urge que no universo sportinguista se discuta este assunto e se tomem medidas. Pessoalmente defendo uma solução que passe pelo impedimento de uma Direcção encetar contratos com um peso superior a X % do orçamento anual e que se estendam no tempo mais que o seu mandato, sem a aprovação da AG. Uma regra deste género impediria um hábito tão português como o chamado “empurrar com a barriga para a frente”.

 

Afinal de contas, o que impede uma Direcção impopular de, no final do seu mandato, encetar um contrato qualquer para os próximos 50 anos, que a venha a favorecer a si pessoalmente?

 

publicado às 14:00

 

21206556_5bREh.jpeg

 

"A Persistência da Memória" é uma extraordinária obra do excêntrico Salvador Dali. Terá o próprio afirmado que a fez enquanto a sua esposa foi ao teatro e a quando do seu regresso a casa, ele lhe perguntou se ela após ver a obra ainda se lembraria dela dali a 3 anos, ao que ela lhe terá respondido, que uma vez vista, ninguém jamais a conseguiria esquecer. 

 

Como qualquer grande obra, "A Persistência da Memória" possui diferentes interpretações consoante a pessoa que a está a ver, sendo no entanto mais ou menos generalizada a ideia que ela nos transmite um sentimento de "tempo que nos escorre por entre os dedos".

 

Tempo. Esse velho conhecido que pode ser o nosso melhor aliado, ou o pior inimigo.

 

A medição da passagem do tempo, uma invenção do homem moderno, tem servido o propósito de apoiar a evolução da humanidade, sendo que é possível ler na história dos Homens, uma crescente urgência na concretização de tarefas iguais. Esta urgência crescente tem evoluído à medida do desenvolvimento da tecnologia disponível, dai que tenha tido um crescimento exponencial no inicio do Sec. XX com a revolução industrial e agora novamente com a revolução tecnológica. O que antes era aceitável ser feito em 2 dias, agora não pode demorar mais de 2 horas. O que antes era aceitável ser feito em 2 horas, agora têm de ser imediato...

 

Toda esta evolução parece natural e necessária, pelo que é difícil percepcionar que dela advenham problemas. Afinal de contas, que mal pode vir ao mundo, a exigência de evoluir e fazer as tarefas cada vez mais instantâneas?

 

O problema é que esta urgência que atribuímos às tarefas, tendemos também a atribuir às decisões, e o ser humano, ao contrário da tecnologia, tem uma evolução lenta pelo que estamos a exigir uma rapidez que não se coaduna com as nossas capacidades e isso leva inevitavelmente ao erro.

 

Seja no trabalho, seja na vida pessoal, vivemos o imediato... exigimos o imediato... Se o patrão detecta um problema, exige resposta sem dar tempo a reflexões. Se o telemóvel toca, exige-se que se atenda ou que se responda. Se temos a necessidade de algo, compra-se, não se reflectindo nem procurando alternativas.

 

A urgência do tempo, imposta por nós e principalmente pelos outros, está a roubar-nos o pensamento e a reflexão... Está a obrigar-nos a cometer erros.

 

E o que tudo isto tem a ver com o Sporting?

 

TUDO!!!!

BdC, não tivesse ele sentido urgência em dar resposta a tudo e a todos, ainda hoje era Presidente. Não se tivesse ele sentido pressionado pela urgência do tempo, e não teria feito todos aqueles posts no Facebook, não teria comprado as guerras que comprou, não teria cometido os erros que cometeu... foi vencido pelo sentimento de urgência e a cada dia que passava as suas decisões eram cada vez mais imediatas, urgentes... erradas...

 

Quem ocupa posições de topo tem de perceber que a reflexão é sempre necessária. Tem de perceber que o ser humano não evoluiu à mesma velocidade que a tecnologia; que precisa de tempo para decidir.

 

Se a resposta é imediata, a probabilidade de errar é enorme. Um grandes gestor sabe disto e por maior que seja a pressão daqueles que o rodeiam, cabe a ele não ceder...

 

Todas as decisões precisam de Tempo... Grandes decisões precisam de muito Tempo.

 

Frederico Varandas (em quem não votei), até agora tem sabido gerir o seu tempo. É porventura o presidente do Sporting que mais tem sido pressionado pelo imediatismo e pela urgência. É igualmente o que menos tem cedido.

 

Felizmente tem-se mostrado à altura da posição que ocupa e tem ignorado essa pressão e mesmo quando figuras de peso como Ricciardi vieram exigir o imediato ele soube responder com a necessidade do Tempo.

 

Ricciardi mostrou uma vez mais que não passa de um incompetente que teve a sorte de nascer num berço de ouro.

 

O Sporting possui demasiados problemas para que as decisões não sejam ponderadas... Todas as decisões exigem reflexão, pois o espaço para tomar decisões erradas é cada vez menor. É isto que poucos Sportinguistas compreendem.

 

O "sangue na guelra" tem de estar no estádio ou nos pavilhões durante os tempos de jogo, não pode, não deve, estar nos gabinetes onde se tomam decisões.

 

publicado às 12:00

 

21139985_31HUe.jpeg

 

CONSELHO DIRECTIVO

 

Presidente: Rui Jorge Rego     


Vice-Presidentes:

Rodolfo José Gonçalves Lourenço de Melo Laranjo
João Paulo Mota Da Costa Lopes
Rui Manuel Duarte Garção
André Serpa Soares

António Manuel de Almeida Dias

Vogais:

João Pedro de Vasconcelos Rosa

Hermenegildo Barata Galacho
João Lima

 

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

 

Presidente: Luís Miguel Viana
Vice-Presidente: João Sousa Lara

 

CONSELHO FISCAL E DISCIPLINAR

 

Presidente:  Nelson Lourenço
Vice-Presidente:  Ângelo Pereira

 

Rui Jorge Rego é o cabeça de uma Lista na qual apenas figuram novidades do universo Sportinguista, excepção feita ao próprio que pertenceu à MAG da SAD no mandato de Godinho Lopes.

 

Como desconhecidos que são, não existe infelizmente muito para dissecar desta equipa, no entanto foi preocupante ver no debate da CMTV que um dos seus vice-presidentes não sabia que Rui Rego já tinha exercido funções no Sporting e teve de se retratar após ter sido chamado à atenção.

 

Apesar de “desconhecidos”, apresentaram algumas novidades, como por exemplo o facto de defenderem uma maior profissionalização na gestão do Sporting e para isso defendem que deva existir um CEO que não o Presidente. Uma ideia interessante, muito discutida actualmente e que é o primeiro reconhecimento de que um Presidente não tem de ser capaz de fazer tudo (Benedito também defende essa ideia).

 

Rui Rego apresentou uma postura calma nos dois debates a que assisti (CMTV e Sporting TV) e notei uma melhoria considerável do primeiro para o segundo, sendo que no segundo ele “serenou” os ânimos dos restantes candidatos logo no início, mostrando racionalidade. Os pontos que trouxe à discussão foram igualmente interessantes e porventura foi dos poucos candidatos que apenas se preocupou em discutir o futuro.

 

O programa exposto deixa-me com um misto de emoções. Por um lado, é um programa extremamente racional (o mais racional que vi), respondendo a muitas das perguntas que são e devem ser feitas e com um pragmatismo de se tirar o chapéu. Por outro lado, em determinados momentos, pareceu-me um programa a despachar, abordando os temas mas não aprofundando o suficiente as soluções referidas.

 

Esta tinha tudo para ser uma Lista de Ilustres desconhecidos que por um motivo ou outro se apresentavam a eleições, recolhiam uns modestos votos e dia 9 de Setembro já ninguém se lembraria dela. Mas não! É que a Lista E, é também a lista das surpresas.

 

Surpresa por não ter medo de apresentar como seu CEO o Paulo Lopo, Presidente da SAD do Leixões que anda às “turras” com o clube e que é um fervoroso benfiquista (apesar de também ser sócio do SCP).

 

Surpresa por apresentar como Director Desportivo o brasileiro Roberto Carlos.

 

Surpresa também por dar nome aos investidores. Ou seja, é normal os candidatos atirarem para o ar que estão em contacto com um ou outro “investidor” para resolver determinadas situações. Rui Rego “inovou” ao dizer quem é o investidor principal e qual o de “reserva”.

 

Rui Rego parece estar a fazer a maioria das coisas bem, então qual é o problema? Porque não é ele um candidato Presidenciável? Bom, eu apontaria dois motivos: desconfiança por ser um desconhecido; e desconfiança porque parece tudo demasiado bom.

 

Por outras palavras, Rui Rego está efectivamente a apresentar trabalho mas, infelizmente, sendo ele um “desconhecido”, não possui ainda “credibilidade” suficiente na praça pública para validar as suas promessas. Quem nos garante que estes investidores (que nada têm a perder em Portugal) efectivamente vão investir no SCP depois de Rego ganhar? Quais as contrapartidas de Roberto Carlos para aceitar associar-se desta forma? Que segurança nos dá em relação a colocar Lopo como CEO?

 

Resumindo, Rui Rego aparece nestas eleições como o “desconhecido” e, entretanto, já se transformou em “surpresa”, sendo que apenas os resultados de 8 de Setembro dirão como terminará ele esta caminhada.

 

Para já, é por de mais óbvio que é um dos candidatos que melhor fez o trabalho de casa, sendo extremamente pragmático e não tendo caído no facilitismo de apresentar “pasto para os olhos comerem”. Com soluções diferentes, válidas, honestas e transparentes Rego peca por carregar uma certa aura de desconfiança à sua volta que não o deixa evoluir. São muitas as perguntas que se perfilam nesta candidatura pela “estranheza” da situação, mas há uma que parece estar na mente de todos os Sportinguistas: o que realmente pretende Rui Rego com a sua candidatura?

 

Enquanto os Sportinguistas não se sentirem confortáveis com esta resposta, Rui Rego não será Presidente, nem que apresente como reforço para Janeiro, Neymar (algo que até não me surpreenderia tal o histórico de surpresas desta Lista).

 

Um forte Abraço ao Rui Rego

 

publicado às 04:33

 

img_920x519$2018_07_11_16_29_43_1422362.jpg

 

CONSELHO DIRECTIVO

 

Presidente: Frederico Varandas (Clube e SAD)     


Vice-Presidentes:

Francisco Zenha (Área Financeira)
Pedro José Lancastre (Área Comercial/Marketing)  
João Sampaio (Área Jurídica
Maria Serrano Sancho (Responsabilidade Social, inclusão e transparência)

Filipe Osório de Castro (Património)

 

Vogais:

Pedro Luciano Silveira (Sócios)     
Francisco Rodrigues dos Santos (Núcleos)     
Miguel Afonso (Modalidades)     
Miguel Nogueira Leite (Relações institucionais)     
Rahim Ahamad (Internacionalização)     


MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

 

Presidente: Rogério Alves

Vice-Presidente: João Palma     

 

CONSELHO FISCAL E DISCIPLINAR

 

Presidente:  Juiz Conselheiro Joaquim Baltasar Pinto     
Vice-Presidente:  João Teives     

 

A Lista D conta à sua cabeça com Frederico Varandas, o director clínico que passou de ilustre desconhecido a candidato a Presidente do Sporting em tempo recorde e nunca visto em Portugal.

 

Temos de ser honestos e dar crédito a Frederico Varandas por ter conseguido capitalizar um momento negro do Sporting a seu favor. A inteligência que muitos lhe reconhecem é inquestionável quando “puxamos a fita atrás” e vemos o percurso recente de Frederico Varandas.

 

De desconhecido, aproveita a onda de rescisões para surgir com a sua rescisão como se de um jogador mais se tratasse. Capitalizado por essa notícia, assume a sua candidatura a candidato ainda antes de BdC sair e ao ser o único a tomar essa posição acaba por trazer para junto de si todos aqueles que, embora não o conhecendo, estavam contra BdC. Uma “jogada de mestre” que fez dele um candidato Presidenciável.

 

Ao ser a única alternativa a Bruno de Carvalho aquando da AG de Destituição, Frederico Varandas continuou a capitalizar-se junto do SCP e conseguiu trazer a si uma equipa de reconhecidas competências, nomeadamente Rogério Alves que muitos gostariam de ver como candidato à presidência do Conselho Directivo e não da MAG. Além de Rogério Alves, Varandas conseguiu trazer à sua candidatura um conjunto de pessoas com bastante diversidade, competências e acima de tudo, cuja integridade não levanta muitas questões.  

 

Carismático, bom falante, com um passado profissional dinâmico e competências dispares em várias áreas fazem dele um candidato forte. A juntar a estas características poderia haver a dúvida em relação às suas competências/conhecimentos para o futebol (ser médico de equipa não chega), no entanto o apoio que juntou de entre diversos treinadores, incluindo todos os que estiveram na era BdC, fizeram desaparecer esses receios.

 

Na área da gestão, Varandas conta ainda com o sucesso das suas empresas e se é verdade que ele não as gere no dia-a-dia, também é verdade que um bom gestor não é só o que “percebe de contas”, mas sim aquele que reconhece as suas incapacidades e contrata as melhores pessoas para preencher essas lacunas.

 

Com tudo o que descrevi anteriormente, seria previsível que Varandas apresentasse um programa de candidatura irrepreensível, no entanto isso é algo que não aconteceu. Bem estruturado, o programa da Lista D responde aos grandes desafios do futuro e qual a estratégia a ser adoptada, no entanto, temos de ter consciência que o Sporting tem questões urgentes a necessitarem de resposta, nomeadamente na área financeira, e essa componente simplesmente está ausente de todo o Programa.

 

Quem quer ser presidente do Sporting não pode pensar apenas no longo prazo, correndo o risco de, em pouco tempo, ser ultrapassado pela realidade e nesse momento todo o programa desenhado cair por terra por se tornar inviável. Esse foi o problema de quem andava na política no século passado, hoje em dia isso já não é aceitável.

 

Resumindo, Varandas é um candidato presidenciável porque mostrou inteligência nos timings que utilizou e com isso soube capitalizar-se, pois, por mais capacidades que tenha, tivesse ele anunciado a sua candidatura nos tempos que os outros candidatos o fizeram, e tenho a certeza que ele não passaria apenas de mais um “candidato de fundo da lista”. E digo isto não porque ele seja um mau candidato, mas simplesmente porque até há poucos meses era um ilustre desconhecido e, diz-nos a história, que desconhecidos, por maiores capacidades que tenham, têm dificuldades em angariar apoio até porque, necessitam criar uma imagem junto da opinião publica algo que Varandas ainda está a fazer.

 

E é precisamente este processo de "construção" de imagem que tem jogado em desfavor de Frederico Varandas. Se inicialmente e após um ataque feroz dos apoiantes de BdC Varandas conseguiu sair incólume, agora tenho ficado com a sensação de que o tempo joga a desfavor de Varandas e que quanto mais o tempo passa, mais credibilidade perde a Lista D. 

 

Na minha humilde opinião, se Varandas quer ser Presidente este é o momento em que deve parar e pensar... pensar que por mais cosmética que coloque na campanha, por mais apoios que colha junto de determinadas pessoas, por mais capacidades que demonstre ter, tudo isso pode ser em vão se jogar mal as suas cartadas. Está no momento dele pensar e dizer que soluções possui para os problemas que irá enfrentar no dia 9 de Setembro se for eleito... está no momento de mudar... se for por este caminho, duvido que chegue a Presidente. 

Um forte Abraço ao Frederico Varandas

Nota posterior:


O texto foi escrito antes do debate do dia 19-08-2018 na SportingTV. Agora, pós debates junto à minha opinião o receio de que Varandas tenha dado um monumental tiro no pé pela forma como o abordou.

 

O ataque à candidatura do Benedito foi inusitado, desproporcionado e completamente fora de tempo. Mas pior, a "raposa velha" do Ricciardi, avisou-o logo de inicio que não ia entrar em ataques pessoais e Varandas, pela sua inexperiência, no final do debate atacou Ricciardi precisamente trazendo à baila assuntos pessoais e passados.

 

Além do ataque ter caído mal a todos os que assistiam, Varandas colocou-se a jeito de receber uma resposta em forma de tareia de Ricciardi, que ainda aproveitou o momento para explicar o seu passado. Ou seja, Varandas mostrou uma faceta que ninguém conhecia e poucos gostaram e pela inexperiência, acabou a ajudar um "rival" quando a sua pretensão era "aniquilá-lo".

 

Termino esta nota da mesma forma que terminei o texto anterior: Varandas precisa de parar e pensar, pois se seguir este caminho, duvido que chegue a Presidente. 

 

publicado às 18:30

 

DhWtLo7XcAEMOvE.jpg

 

CONSELHO DIRECTIVO

 

Presidente: Pedro Madeira Rodrigues (Descentralização e Institucional)

Vice-Presidentes:

José Tomás (Modalidades)
Momade Imran Hanif (Finanças e relações)

Vogais:

Soraia Quarenta (Jurídico)
Miguel Dom Torres (Marca & Inovação )
Luís Figueiredo (Património e Responsabilidade Social)
José Nogueira Leite (Valores e Organização)
 

 MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

 

Presidente: Pedro Feist

Vice-Presidente: António Pedro Carmona Rodrigues

 

CONSELHO FISCAL E DISCIPLINAR

 

Presidente: António Tânger Correia

Vice-Presidente: Jorge Gaspar

 

Encabeçada por Pedro Madeira Rodrigues (PMR), a Lista C é um projeto “melhorado” da única Lista que se opôs a Bruno de Carvalho nas ultimas Eleições. Na sua história de vida, PMR além de ter sido um opositor quase isolado a Bruno de Carvalho, possui ainda algumas passagens em empresas, sempre ligado à gestão das mesmas.

 

Apesar de não lhe serem conhecidas polémicas relevantes quer na vida profissional quer na vida pessoal, PMR não consegue angariar uma base de apoio que lhe sustente uma viagem até à Presidência do Sporting, muito provavelmente por não ser uma pessoa carismática. À ausência de carisma, PMR junta ainda alguns erros estratégicos que acabam por o ir “matando” aos poucos.

Relativamente ao programa eleitoral, nota-se que Pedro Madeira Rodrigues sofreu uma curva de aprendizagem, apresentando um programa muito bem formulado e com detalhes quanto baste, não caindo no crasso exagero de “dar palha”. As ideias estão lá, os grandes problemas estão bem identificados e as soluções adiantadas. A equipa escolhida também não me merece reparos ou apreciações negativas, sendo porventura uma das equipas mais equilibradas que se apresenta às eleições.

 

Terminasse eu a minha análise por aqui, e PMR seria o candidato “perfeito”, mas não o é. Já antes lhe apontei dois problemas: falta de carisma e erros.

 

À falta de carisma não há muito que se possa fazer a não ser tentar controlar a ânsia em ser Presidente que por vezes se evidencia nos seus discursos. A imagem altiva e discurso arrogante que possui também não ajuda. Se quer ter hipóteses de ser Presidente do SCP, Pedro Madeira Rodrigues terá de trabalhar estes aspectos.

 

Quanto aos erros, esses já são algo mais preocupantes, pois demonstram as fragilidades do candidato na sua estratégia, sendo que eu noto essencialmente os seguintes:


- Deveria ter anunciado a sua possível candidatura logo antes da destituição, tal como fez Varandas. Se o tivesse feito, teria capitalizado uma maior base de apoio, pois muitos colocaram-se no lado de Varandas apenas porque eram contra Bruno de Carvalho. Este foi um erro de estratégia;

 

- Não deveria ter anunciado um treinador. PMR sabia que era impossível o SCP estar sem treinador até à 3ª jornada, logo, estar a colar um treinador é estar “contra” o atual, ou seja, PMR colocou a sua campanha a depender dos maus resultados do actual treinador, ou seja, do SCP. Essa estratégia tão anos 90 já não se usa e no debate na CMTV deu para perceber perfeitamente que PMR está arrependido;

 

- Discursos erráticos. PMR quer mostrar tanto que acaba por errar várias vezes. No debate da CMTV insurgiu-se por forma a relevar os seus êxitos passados e competência na gestão de empresas e cinco minutos mais tarde dava-se a insistir com Ricciardi que empréstimos obrigacionistas para reforço de tesouraria não fariam aumentar o passivo. Podem ter sido os nervos, mas estes são erros que quem quer ser Presidente não pode cometer.

 

Pior, PMR afirmou inicialmente que teria pré-negociada uma solução que permitiria uma injeção de 80 a 100M€, no entanto após Ricciardi dizer que eram necessários no mínimo 120M€, PMR afirmou que desconhecia esse valor mas que estava negociada uma solução que permitia a injecção desde já de 120M€. Nesse momento eu senti que PMR estava a “mentir”, enterrando-se cada vez mais no buraco que Ricciardi lhe escavou.

 

Resumindo, PMR mostrou que soube fazer os trabalhos de casa na preparação da sua campanha, no entanto as suas estratégias ao longo da mesma têm colocado a descoberto diversas fragilidades que aliadas a uma personalidade que não cativa, dificultam em muito o trajecto que tanto anseia. Vamos a ver se PMR ainda vai a tempo de recuperar, no entanto parece-me cada vez mais difícil.

 

Curiosidade: Pedro Madeira Rodrigues tem vindo a utilizar na sua campanha o antigo emblema do Sporting Clube de Portugal. Não faço a mínima ideia do motivo para tal, mas parece-me um pouco desadequado. Se alguém souber, agradeço partilha de informação, apenas para saciar a minha curiosidade.

 
Um forte Abraço ao Pedro Madeira Rodrigues

 

publicado às 13:45

 

21134000_Gc2Po.jpeg

 

CONSELHO DIRECTIVO

 

Presidente: José Maria Espirito Santo Silva Ricciardi

 

Vice-Presidentes:

 

José Eduardo Malheiro Sampaio              

Jorge Manuel Lopes Gurita

Zeferino Augusto Lourenço Boal              

Bruno Seabra de Oliveira Mascarenhas Garcia  

Alexandre Lopes Celestino Soares Cavallieri       

 

Vogais:

 

Jorge Reuter Lobato Faria           

Nuno Manuel Correia de Brito  

Jorge Manuel André Rodrigues

André João Rodrigues Picado Quaresma Leitão 

Orlando Pinto Madeira Carrasco

 

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

 

Presidente: Miguel Jorge Reis Antunes Frasquilho

Vice-Presidente: João António Gomes Proença

 

CONSELHO FISCAL E DISCIPLINAR

 

Presidente: Luis Emilio Borges Rodrigues

Vice-Presidente : Mario António Pinto de Castro

 

À cabeça da Lista B está José Maria Ricciardi, um Sportinguista que não deixa ninguém indiferente, para o bem e para o mal. O seu passado profissional é controverso e os muitos reconhecimentos internacionais que já obteve na sua área de atuação acabam por ser ocultados por igual número de polémicas.

 

Esta candidatura mantém essa génese que parece atrair Ricciardi e assim, se por um lado se fez rodear por parte da “nata” da gestão em Portugal, por outro não se conteve em trazer alguns nomes mais “questionáveis” no seio dos Sportinguistas, desde logo o de José Eduardo Sampaio.

 

Sejamos sinceros, Ricciardi e a sua equipa são por ventura os únicos verdadeiramente preparados para dar resposta ás dificuldades financeiras em que o Sporting se encontra e acredito que além das soluções por eles já preparadas, qualquer percalço que ocorra, será rapidamente sanado, pois esta é uma daquelas equipas cuja credibilidade dá garantias a investidores/financiadores.

 

Mas, e porque há sempre um “mas”, o Sporting não é um banco ou uma empresa… é um Clube de futebol e os clubes possuem necessidades muito específicas, nomeadamente um contrapeso entre emoção e racionalidade e é precisamente na componente “emoção” que esta candidatura “falha” em toda a linha.

 

Ricciardi não mostra emoção pelo Clube, na sua equipa não se vê nenhum nome que exalte o nome Sporting e nem nas ações de campanha até agora conhecidas se vê ponta de emoção… apenas racionalidade.

 

Com tamanha racionalidade, com tão competente equipa e com meios quase ilimitados, seria de esperar um exemplar profissionalismo no programa desta Lista, no entanto posso dizer que é de uma profunda desilusão. Tem o mérito de ser um programa curto, sem “palha”, no entanto é tão vago quanto um demagogo pode ser.

 

Provocadoramente, quase me atrevo a perguntar a Ricciardi se ele daria emprego a alguém que produzisse um relatório com qualidade semelhante ao programa que ele apresenta. Uma autêntica desilusão.

 

Além do programa ser uma desilusão, a comunicação também o está a ser, verificando-se uma presença nas redes sociais amadora, um website com origem num qualquer template wordpress gratuito e até o slogan de campanha que inicialmente era “Equipados para o Amanhã” e que depois virou “A solução para 9 de Setembro”, não consegue manter coerência.

 

Este é um amadorismo, uma falta de brio que me leva a ficar de pé atrás, pois tamanhos profissionais se estivessem verdadeiramente empenhados nesta tarefa, jamais deixariam isto estar a acontecer. Pessoalmente não compreendo.

 

Quanto ao futuro, a Lista B não apresenta novidades e escuda-se no mero facto de ser a Lista que “pode salvar o Sporting Clube de Portugal”. Daí a importância e insistência de Ricciardi em mostrar o estado actual das finanças, pois sabe que só ganhará “pelo medo”.

 

É redutor que alguém pense desta forma e que assim queira chegar à tão desejada cadeira, mas o “problema” é que no fundo todos sabemos que ele tem razão quando diz aquela que até agora é a frase que marca estas eleições: “Isto não está para estagiários”.

 

Resumindo, José Maria Ricciardi pode vir a estar para o Sporting como Florentino Pérez está para o Real Madrid, ou seja, um presidente que olha para o Clube como quem olha para uma empresa, vendo nos jogadores simples activos e nos adeptos/sócios simples clientes minoritários… um presidente não acarinhado, mas que eventualmente exume competência e profissionalização.

 

Ricciardi soube, sem dúvida, rodear-se e preparar uma equipa que tem tudo para levar o SCP a um novo patamar, o problema… um grande problema… é que votando nele fica-se sempre com a incerteza “se não estaremos a vender a alma ao diabo”.

Um forte Abraço ao José Maria Ricciardi 

 

publicado às 12:00

 

21132716_BizO2.jpeg

 

CONSELHO DIRECTIVO

 

Presidente: João Paulo Feliciano Neves Benedito      

 

Vice-Presidentes:

 

Pedro Miguel Gaspar Dias Moura (Modalidades)     

Ricardo Andorinho (Finanças e Desenvolvimento)     

Carlos Pereira (Futebol e Formação)  

Henrique Salgado (Sócios e Núcleos)     

Hugo Fonseca (Digital & New Business)   

 

Vogais:


Gonçalo de Melo Portugal S. de Sampaio (Jurídico e Relações)
André Freitas do Amaral (Marketing & Comunicação)     
Sónia Sanchez Bermejo (Património e Infra-estruturas)     
Ângelo Eduardo Felgueiras e Sousa (Modalidades)     
Daniel Monteiro (Juventude e Responsabilidade Social)

MESA DA ASSEMBLEIA-GERAL

 

 Presidente: José Manuel Saraiva de Lemos Araújo      

 Vice-Presidente: Pedro Augusto de Lynce de Faria 


CONSELHO FISCAL E DISCIPLINAR


Presidente: Luís Filipe da Silva Ferreira      

Vice-Presidente: Gonçalo Jorge Gomes da Silva    


Encabeçada por João Benedito, a Lista A conta com um leque de personalidades “novas” no ambiente directivo do Sporting Clube de Portugal, o que pode ser uma vantagem na medida que não trazem óbvios “vícios” de gestões anteriores, mas também pode ser uma desvantagem, pois por vezes as pessoas são ultrapassadas pelo “peso” dos cargos.

 

O João Benedito é uma pessoa cujo Sportinguismo é indiscutível. Calmo e ponderado, tem sabido gerir o seu tempo de antena e discursos o que tende balancear a imagem “soft” que por vezes faz passar. Sem experiência à frente de grandes projectos empresariais e/ou directivos, teria de se fazer acompanhar por pessoas altamente reconhecidas nas suas áreas de actuação e isso é algo que infelizmente não ocorreu.

 

Tem o mérito, no entanto, de imediatamente ter definido para cada pessoa uma área de responsabilidade, o que demonstra organização, faltando-lhe, contudo, nomes com “peso”, nomeadamente na área financeira, o inevitável foco primodial dos sócios, dada a situação actual do Clube.

 

A escolha de Ricardo Andorinho para liderar as finanças do Sporting pode provar ser um sucesso/surpresa, no entanto o risco de “correr mal” está lá. Na minha opinião Benedito deveria ter-se feito acompanhar de alguém que trouxesse reais garantias de saber lidar no imediato com os problemas do SCP.

 

Quanto ao programa, João Benedito, na minha opinião, cometeu o erro que quase todos os candidatos cometem; querem mostrar trabalho e tentam então encher o programa com “palha”.

 

No seu programa, em particular, salta-me à vista que “perderam tempo” com pormenores tão específicos como do género “vamos oferecer dois bilhetes do Museu aos funcionários”, no entanto não têm uma única linha de acções imediatas para as finanças do Clube. Aliás, a componente financeira deste programa é o seu maior “calcanhar de Aquiles”, pois escudaram-se na frase “vamos esperar pela auditoria e depois logo se vê”.

 

A meu ver, o Sporting não tem “tempo” nem dimensão para acções políticas do género... “coloquem-nos lá e depois logo se vê como vamos resolver os problemas”.

 

Podemos esperar pelo desenrolar da campanha, que noto, tem sido muito bem gerida por Benedito (ou pela sua equipa) e destaco o pormenor da “ferroada” à CMTV ao fazer ontem um comunicado a dizer que o seu nome tinha sido novamente indevidamente utilizado, uma vez que ele ainda não teria aceite qualquer debate uma vez que daria preferência à Sporting TV.

 

Resumindo: A Lista A é uma lista composta por Sportinguistas de Coração, porventura a lista que maior paixão conseguirá trazer, no entanto isso não chega. O SCP vive um momento agoniante, em especial em termos financeiros e quem vá liderar o clube terá de ter já soluções encetadas para os problemas que irá herdar. Neste sentido vejo a Lista A com sérios problemas, pois não têm ninguém que transmita garantias imediatas para as soluções necessárias.

 

A juntar a esta lacuna está um programa “cheio” de medidas fúteis que nada respondem aos grandes problemas actuais e para cúmulo, Benedito defende a entrada de um CEO para o SCP, no entanto não nomeia nenhum. A entrada de um CEO é uma excelente medida, mas Benedito não pode esconder o nome daquele que, em caso de vitória da Lista A, seria a segunda maior figura do Clube.

 

João Benedito é sem dúvida alguém que todos queremos dentro do Sporting, só tenho dúvidas que esteja preparado para ser Presidente, dado que o SCP vive um momento em que não permite que exista uma curva de aprendizagem estendida no tempo. Benedito deveria ter compreendido isso e ter-se feito acompanhar de pessoas que não necessitam de adaptação/aprendizagem para colmatarem a sua inexperiência. Se o tivesse feito, seria porventura o mais sério candidato à cadeira do Poder.

P.S.: Notem que estas são as minhas considerações pessoais e o primeiro de sete textos que irei fazer em relação aos candidatos. Dado que dou muita importância ao momento financeiro do clube, sinto-me mais exigente nesta componente, pois acredito que o SCP terá de recuperar imediatamente a autonomia financeira, caso contrário entrará num ciclo altamente decadente, quer em termos desportivos quer em termos reputacionais.

Um forte Abraço ao João Benedito


Adenda (16/08/2018)
João Benedito na TVI24, desvendou que na parte financeira é sua pretenção lançar um emprestimo obrigacionista de 60M€ até ao final do ano, sendo 30M€ para cobrir um empréstimo anterior e 30M€ para tesouraria, o que significará um aumento de cerca 35M€ no passivo do SCP.
Em relação às modalidades, considera que as mesmas são prioridade mesmo sendo financeiramente insustentáveis, pois têm capital "intelectual". 

 

publicado às 15:30

Cheira a morto, mas respira !

Rampante, em 20.07.18

 

21106615_43ZGy.jpeg

 

A meu ver Bruno de Carvalho já está morto para o SCP e honestamente tenho assuntos de maior relevância que gostaria de abordar, no entanto, ele por ora ainda é assunto no SCP dado que nem a sua situação se encontra definitivamente resolvida, nem alguns adeptos o deixam morrer em paz dando-lhe o seu suporte.

 

Não vou aqui falar das suas incontáveis mentiras, não vou falar da sua arrogância, da sua personalidade egocêntrica, dos esquemas, da falta de ética, dos comportamentos… nem sequer me vou meter a falar das suas hérnias, psicopatias e das causas daquilo que me parece ser uma midríase bilateral.

 

Não vou falar das suas incríveis e notórias incapacidades enquanto líder, nem da sua evidente incompetência enquanto gestor… vou até abster-me de discutir o porquê, de para mim, ele não ser Homem nem homem, quanto muito apenas “omem”.

 

Do que venho falar então?


De 2 aspectos singelos, mas de vital importância para quem quer ocupar qualquer posição de destaque, seja no SCP, seja no Clube de Chinquilho do Huambo (futura cidade refúgio de BdC).

 

Timing

 

A arte da Guerra” de Sun Tzu é mais que um tratado militar, é um conjunto de filosofias e ideias que são aplicáveis transversalmente a muitos aspetos das sociedades passadas e actuais. Apesar das ideias escritas terem já cerca de 2500 anos, as mesmas revelam-se de uma actualidade acutilante e por isso ainda hoje “A arte da Guerra” é um livro (O Livro) de referência para Líderes e Gestores.

 

O timin (momento em que se atua) é um desses factores que separam os bons generais dos maus generais… BdC é um péssimo general… o seu timing sempre foi benéfico para os seus inimigos e prejudicial para o seu exército.

 

Não necessito viajar muito no tempo para relatar incontáveis momentos em que BdC revelou um péssimo timing, basta-me apelar a que pensem nas inúmeras vezes que o SLB esteve sob o foco dos holofotes acusatórios e em sua salvação veio BdC. Até agora, em que já não é presidente, continua nesta errática forma de estar, e ainda esta semana quando o caso dos emails prometia voltar a agitar águas dadas as novas publicações, lá veio o salvador da imagem do SLB montar o seu circo às portas de Alvalade e trazer todo o protagonismo à sua figura.

 

Os que o rodeiam

 

Vamos fazer um exercício de imaginação difícil, quase impossível: vamos imaginar que BdC é uma pessoa honesta.

 

Neste exercício que vos proponho BdC não mente e até é um gestor competente que fez renascer o SCP em 2013.

 

Assim fosse e até se poderia supor que BdC teria condições para ser Presidente, mas não, é que ele possui um “defeito” enorme… não sabe escolher pessoas.


A acreditar em BdC, então temos uma realidade em que TODOS o traem, TODOS estão a actuar contra o SCP, TODOS têm uma agenda própria, TODOS fazem parte de um esquema maior para destruir o SCP… Quando digo TODOS, falo de treinadores, médicos, jogadores, directores, falo dos seus braços direitos, das suas ex-mulheres e até daqueles que ainda há 1 mês, com ele apareciam nas TV’s a dar juras de amor eterno.

 

O problema maior?

 

É que todos foram escolhidos por BdC.

 

Por muito bom que BdC seja (somente neste nosso exercício de imaginação), ele tem efectivamente este problema e isso é indesmentível, assim, se BdC SEMPRE falhou na escolha de pessoas então é lógico pensar que as pessoas que agora o rodeiam nesta candidatura, mais tarde ou mais cedo, irão TRAI-LO e por consequência irão trair o SCP e juntar-se ao “esquema maior” que quer a destruição do SCP.

 

A todos os defensores de BdC, a todos os que mesmo não sendo seus defensores ainda lhe dão espaço para respirar, eu pergunto: Como se pode supor sequer que BdC desse um bom Presidente se não possui qualquer sentido de timing e apenas se sabe rodear por quem quer destruir o SCP?

 

Desconfio que esta é uma questão que nem o próprio BdC conseguirá responder.

 

publicado às 13:30

Bruno de Carvalho! Que futuro?

Rampante, em 26.06.18

 

21079122_8Yywg.jpeg

 

No passado dia 23, o Sporting pela mão dos seus sócios, mostrou ao País que nada nem ninguém se sobrepõe às instituições. A Mesa da Assembleia Geral chamou os sócios a pronunciarem-se e eles acorreram de forma exemplar. Deste chamamento, resultou a destituição da Direcção num acto puro de Sportinguismo onde se destituiu com mais de 70% dos votos, uma direcção que 4 meses antes tinha tido o aval dos sócios em quase 90% dos votos naquela que até à data era a AG mais concorrida de sempre. A conclusão imediata é que os sócios do Sporting dão mais valor à ética, aos comportamentos e aos valores morais do que aos homens que os lideram.

 

Alguns actores da cena Sportinguista, dizem que o que se passou é passado e agora é tempo de olhar para o futuro, quiçá, por não quererem ser relembrados que no recém-passado juraram vassalagem aos destituídos, no entanto e pese embora eu não seja pessoa de recalcamentos, sou da opinião que ainda há assuntos do passado para serem discutidos e relembrados, pois eu não sou a favor das “acções esfregona” (esquecer tudo), sou sim a favor da responsabilização pelos actos praticados.

 

Ontem falava-se em auditorias forenses bem como outras acções, no entanto, não nos podemos esquecer que neste preciso momento já existe em andamento um processo liderado pelo CFD e é sobre esse processo que me vou focar hoje, uma vez que dele podem surgir efeitos de consequência imediata para o Sporting.

 

Que processo é este?

 

O que está em cima da mesa, é uma queixa promovida por sócios (tiveram de ser 10 no mínimo), contra a Direcção destituída (em funções ao momento da queixa). Este tipo de queixa está prevista nos Estatutos e cabe ao CFD dar-lhe seguimento.

 

O que aconteceu até agora?

 

Segundo é do meu conhecimento, um grupo de sócios entregou ao CFD uma queixa contra a Direcção por incumprimento dos Estatutos e dos deveres de sócio. Com a queixa na mão e tendo a mesma sido fundamentada, foi enviado à Direcção um pedido de pronunciação, ou seja, o CFD pediu à Direcção para se explicar e contar a sua versão dos factos. Esse pedido foi ignorado pela Direcção, uma vez que, os membros directivos não reconheciam sequer aquelas pessoas como constituintes de qualquer órgão em funções. Não havendo contra-argumentação, ao CFD não coube outra opção que não a validação da queixa promovida pelo conjunto de Sócios, e dado os factos nela explanados, resultou a suspensão imediata de todos os envolvidos.

 

Ao CFD coube ainda a tarefa de informar os sócios em apreço e estes têm 10 dias úteis para contestar a decisão.

 

O que se vai passar agora?

 

Depende. Se os sócios visados não contestarem a decisão do CFD, a mesma será efectivada e o CFD deverá pronunciar-se acerca do tempo de suspensão a cada um dos visados, sendo que, se a suspensão for superior a 1 ano, passaremos a falar de expulsão de sócio. Se os sócios visados contestarem a decisão do CFD, então o CFD terá de analisar o conteúdo da contestação, fazer ou não novas averiguações e por fim decidir sobre a manutenção da suspensão e se sim, qual o prazo da mesma.

 

Mas BdC pode mesmo vir a ser expulso?

 

SIM. Ao contrário do que muitos pensam, os Estatutos são a Pedra Basilar de qualquer instituição. A importância dos Estatutos é tão grande para uma instituição, como a Constituição é para um País e se num País não se podem fazer Leis que desrespeitem a sua Constituição, numa instituição não se podem fazer regulamentos internos que firam os Estatutos. Eles são o topo e nada nem ninguém, isoladamente, está acima deles.

 

Mas o que fez BdC para desrespeitar os Estatutos?

 

Seria mais fácil perguntar, o que não fez, mas vamos a factos. Estabelece o artigo 21º dos Estatutos os deveres dos sócios, sendo que alguns são óbvios quanto ao flagrante delito por parte do sócio BdC, tais como:

 

  • honrar o Clube e defender o seu nome e prestígio;
  • cumprir pontualmente as disposições dos estatutos e regulamentos do Clube e acatar as deliberações dos órgãos sociais e as decisões dos dirigentes;
  • aceitar o exercício dos cargos para que sejam eleitos ou nomeados e exercê-los com exemplar conduta moral e cívica e em conformidade com a orientação definida pelos órgãos sociais do Clube;
  • zelar pela coesão interna do Clube;
  • manter impecável comportamento moral e disciplinar de forma a não prejudicar os legítimos interesses do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, nomeadamente defendendo e zelando pelo património do Clube;
  • manter, até a Assembleia Geral respectiva, a confidencialidade das informações obtidas através do exame aos livros, contas e demais documentos, respeitando, em qualquer caso, a honra do clube, o seu nome e prestígio, bem como a sua coesão interna;

Se dos deveres de sócio, BdC, teve dificuldade em os fazer-se cumprir, dêmos uma olhadela ao artigo 28º que nos indica claramente que “São punidos disciplinarmente os sócios que cometam alguma das seguintes infracções:

 

  • desrespeitar os estatutos, regulamentos internos do Clube e deliberações dos órgãos sociais;
  • injuriar, difamar e ofender os órgãos sociais do Clube ou qualquer dos seus membros, durante ou por causa do exercício das suas funções;
  • proferir expressões ou cometer actos, dentro ou fora das instalações do Clube, ofensivos da moral pública;
  • atentar contra, prejudicar ou por qualquer outra forma impedir o normal e legítimo exercício de funções dos órgãos sociais do Clube.”

BdC, consegue coleccionar um número assinalável de actos que se revertem em infracções, sendo que o mais incrível é que ele consegue estar sob alçada de TODAS as alíneas de infracções. TODAS.

 

Ok, mas isso é motivo para expulsão de um sócio?

 

Dizem os Estatutos que as sanções (os castigos) aplicáveis podem ser: a admoestação, a repreensão registada, a suspensão e a expulsão, sendo que a sanção dependerá da gravidade dos actos. No entanto, os Estatutos também dizem que “As sanções deverão ser especialmente agravadas quando as infracções tenham sido praticadas por membros dos órgãos sociais em exercício de funções”.

 

No caso de BdC, temos um sócio em funções num órgão social, que dos 9 deveres de sócio incumpre em pelo menos 6, e que das 4 infracções sancionáveis previstas nos Estatutos, efectuou múltiplos actos puníveis por TODAS. Se isto não for motivo para expulsão, então o que teria um sócio de fazer para ser expulso? E note-se, aqui não se trata de gostar ou não do sócio BdC, aqui trata-se de cumprir ou não o que está plasmado no documento que é Pedra Basilar do Sporting.

 

E BdC ainda pode fazer alguma coisa?

 

Pode. BdC em caso de expulsão pode apelar à Assembleia Geral e solicitar que se vote ou não a sua expulsão, cabendo uma vez mais a palavra final aos sócios.

 

E as eleições? BdC pode ou não ir a votos a 8 de Setembro?

 

Depende. Ninguém neste momento pode dizer com clareza SIM ou NÃO. Existem demasiadas variáveis, desde logo, é preciso primeiro conhecer a decisão do CFD, depois saber se BdC vai ou não contestar e mesmo contestando é preciso saber se a MAG quer ou não fazer alguma AG antes das eleições.  Como eu disse, demasiadas variáveis e neste momento é tudo especulações.

 

Como nota final gostaria de dizer o seguinte. Existem vários sócios a dizer que BdC deve ser derrotado em eleições e eu compreendo esses argumentos, pois são uma tomada de posição mostrando que não têm medo perante o populista BdC. Houve até quem dissesse que só sendo derrotado em eleições se pode acabar com o “fantasma” de BdC. Uma vez mais, a um candidato eu até compreendo esse discurso, em especial antes da AG de destituição, MAS não pode ser. O Respeito pelos Estatutos é FUNDAMENTAL e se houve alguém, populista ou não, que os incumpriu então tem de se submeter ao julgamento dos mesmos. Um sócio só porque é popular não pode ter tratamento distinto. Não expulsar BdC apenas e só para o deixar ir a eleições, seria um desrespeito aos Estatutos e a todos os sócios que estão sob alçada dos mesmos. Não expulsar BdC é dar-lhe a importância que ele já não tem!

 

PS: Em relação às eleições de 8 de Setembro, acredito que BdC não irá estar presente nas mesmas por 2 motivos: 1º ele não se quererá sujeitar a novo enxovalho publico, pois são cada vez menos os seus apoiantes (com o post de ontem “matou” mais uns quantos); 2º porque por essa altura ele já estará debaixo de fogo de outros juízos, nomeadamente juízos civis e quiçá, criminais.

 

publicado às 18:45

O Sporting para lá das novelas

Rampante, em 22.06.18

 

21073920_DANqv.jpeg

 

Infelizmente o Sporting está a viver um momento que poderia dar o enredo de uma qualquer novela de qualidade duvidosa, no entanto os sócios têm de perceber que existe vida para lá das novelas a que temos assistido diariamente na TV e cujos protagonistas já todos conhecemos.

 

Para “aligeirar” o ambiente, proponho-me falar de finanças, de forma clara, simples e espero eu, ao alcance da compreensão de todos.

 

Uma das bandeiras de BdC é a recuperação financeira encetada em 2014 e relançada recentemente. Um grande feito aos olhos dos Sportinguistas que endeusaram um BdC que nunca teve a honra de admitir que a recuperação já estava desenhada antes dele assumir funções e no fundo a ele coube apenas o “papel” de assinar o documento final. A esta recuperação, muito pode o Sporting agradecer a Ricciardi que nos bastidores permitiu que a banca ajudasse o Sporting num momento em que Portugal atravessava uma crise devastadora. O mesmo Ricciardi a quem BdC sempre “beijou a mão” pela ajuda dada e que até como é publico, levou BdC a convida-lo para o seu casamento. O mesmo Ricciardi que após criticar BdC, ganhou o estatuto de inimigo publico nº1 para os Brunistas.

 

A outra grande bandeira de BdC é a recuperação dos passes dos jogadores. Um grande feito aos olhos dos Sportinguistas que endeusaram um BdC que nunca teve a honra de admitir que esta recuperação só foi conseguida graças à boa vontade da Holdimo, que aceitou 20% do Capital Social do SCP em troca de partes dos passes de 20 jogadores, onde se incluíam Cedric, Adrien e João Mário, num claro péssimo negócio para as finanças da Holdimo. A mesma Holdimo que BdC sempre viu como um parceiro amigo e que agora, após criticar BdC, ganhou o estatuto de inimigo publico nº1 para os Brunistas.

 

Goste-se ou não de Ricciardi e Sobrinho (eu não sou fã deles) a verdade é que ambos ajudaram a salvar o SCP no momento que o SCP mais precisava. BdC sabe disso, tal como sabe que foi graças a essas intervenções que ele apresentou os seus “brilharetes”. A retirada de apoio destas duas personagens foi porventura a maior perda de BdC, dai os ter atacado com toda a sua fúria e os ter colocado como “os cabeças” de um plano qualquer para tramar o SCP.

 

Mais recentemente BdC anunciou uma nova reestruturação que passava por recomprar as VMOC’s e pelo adiar do reembolso de um empréstimo obrigacionista. O que BdC nunca disse é que isto não é uma reestruturação, mas sim um resgate face à eminência da falência da SAD, senão vejamos.

 

As VMOC de forma simples:

 

O SCP tinha vários empréstimos a bancos que não conseguia pagar pelo valor de 135 milhões de euros. Como o SCP não podia pagar, fez-se um acordo onde se estabelecia que o SCP tinha até 2026 (após adiamento em 2014) para pagar a divida. Para os bancos este era um risco, pois bastava que as acções estivessem a menos de 1€ para perderem dinheiro, no entanto entre isso ou não receber nada, mais valia assumirem o risco. Ora, recentemente BdC anunciou a recompra das VMOC por cerca de 40,5 milhões após negociação com os bancos. O que ninguém perguntou é: se ainda faltam 8 anos até ao fim do prazo, porque aceitam os bancos vender já, perdendo assim 94,5 milhões de euros. Ou seja, por cada 1000€ emprestados ao Sporting, os bancos só vão recuperar cerca de 300€. Este é um negócio que aos olhos de qualquer pessoa parece altamente lesivo para os bancos e tendo em consideração que os bancos são entidades financeiras que visam o lucro, apenas encontro 2 possíveis justificações; os bancos acreditam que em 2026 as acções valerão menos de 30 cêntimos cada uma, ou os bancos acreditam que o SCP SAD está em sério risco de insolvência e como tal preferem receber já alguma coisa, do que não receberem nada no futuro. TODAS as outras justificações que têm vindo a publico são simplesmente incongruentes.

 

O reembolso do Empréstimo Obrigacionista

 

Obrigações são empréstimos que entidades não bancárias fazem às sociedades, ou seja, são empréstimos onde o dinheiro provem de fundos de investimento e de pessoas particulares. Por norma são considerados investimentos relativamente seguros e com uma boa rentabilidade. São bons para as sociedades porque conseguem empréstimos de dinheiro a menor custo do que se fosse através da banca e é bom para os investidores que ganham juros superiores aos depósitos ditos tradicionais. Estes empréstimos são altamente analisados pela CMVM e pelos bancos emitentes por forma a estabelecer um nível de risco que é comunicado aos potenciais investidores. São estas análises que dão segurança a este tipo de investimentos e por isso é altamente anormal que ocorra um incumprimento ou um atraso no reembolso. Pois, o SCP atrasou o reembolso, e porquê? Porque não tinha dinheiro para pagar.

 

Ao se confirmar que não havia dinheiro para pagar o empréstimo, BdC veio anunciar que a causa era porque o SCP pagava sempre os empréstimos em Novembro. Pura demagogia. Nenhuma sociedade séria entra em eminente incumprimento apenas e só por uma questão de datas, o real motivo é sempre o mesmo, falta de dinheiro. Foi feita uma assembleia de obrigacionistas e BdC veio a público, de forma triunfante, mostrar que tinha sido adiado o reembolso, ou seja, os obrigacionistas apoiavam-no. Pura, pura mentira.

 

Tal como os bancos, os obrigacionistas (entidades e pessoas que procuram lucrar) viram-se na eminência de não receber nada, por isso acederam ao adiamento, pois assim pode ser que ainda tenham hipótese de receber alguma coisa. A questão é que muitos obrigacionistas não acreditam que o SCP consiga cumprir em Novembro e por isso, tal como os bancos fizeram com as VMOC’s, eles estão a vender as obrigações ao desbarato, sendo que ao dia de hoje há obrigacionistas que aceitam perder cerca de 15%, isto é, por cada 1.000€ investidos, há quem aceite recuperar já 850€, assumindo 150€ de perda mais os juros que ia ganhar. Haver quem aceite perder dinheiro num empréstimo obrigacionista quando estamos apenas a 5 meses do seu vencimento é extremamente preocupante.

 

O futuro

 

Sejamos honestos. Com ou sem BdC o futuro financeiro do SCP SAD é negro, muito negro. Todos os credores (bancos e obrigacionistas) estão neste momento a aceitar ter perdas em troca de não ter mais relações com o SCP. A CMVM não deixa, e dificilmente deixará, o SCP emitir novas obrigações sem que existam garantias de terceiros. O auditor externo (PWC) alerta para o risco eminente de falência da SAD. E para piorar, a sociedade vive uma guerra interna. Uma autêntica tempestade perfeita.

 

Com ou sem BdC, o SCP só sobreviverá se existir alguém que dê a mão ao SCP, tal como fizeram os mal-amados Sobrinho e Ricciardi em 2014.

 

O que será melhor para o futuro do SCP? Com ou sem Bruno de Carvalho?

 

Deixo ao leitor tomar essa decisão, com base nos dados que expus acima, no entanto eu pessoalmente jamais investiria 1€ com BdC no comando. Além de todos estes alertas que a banca e os obrigacionistas nos enviam, BdC mente aos investidores e não só. Não acredito que existam investidores neste momento com coragem de colocar dinheiro nas mãos de BdC, e a história indica isso mesmo. BdC prometeu em 2013 investimentos Russos que nunca se concretizaram, em 2014 prometeu um novo investidor em comunicado à própria CMVM e o mesmo nunca apareceu e agora mais recentemente ainda se lançaram noticias acerca de um possível investidor chinês (?), mas rapidamente a notícia arrefeceu dado que a mesma não recolheu qualquer credibilidade. Assim pergunto: sem investimento externo, sem crédito por parte da banca e sem possibilidade de obter empréstimos obrigacionistas como pensa BdC financiar o SCP? Será que vai “dar o barrete” a todos os credores e tentar gerir o SCP com as receitas do Clube? Receitas essas que não chegam sequer para as modalidades quanto mais para o Futebol sénior?

 

Negro, muito negro.

 
Nota final: a falta de liquidez do SCP é evidente, não só pelo adiamento do reembolso das Obrigações mas também pelo que tem vindo a publico, tal como o incumprimento de alguns pagamentos. A situação tende a piorar, pois estamos num período em que não existem receitas imediatas e a venda de jogadores ficou "suspensa" com as rescisões. Acredito e antevejo que a reunião de amanhã com os funcionários seja mesmo um "aviso à navegação" acerca de possíveis incumprimentos de pagamento de vencimentos, onde BdC tentará uma vez mais passar a responsabilidade para outros que não ele próprio. 

 

publicado às 04:05

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds